Verbascum thapsus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaVerbasco
Verbascum thapsus

Verbascum thapsus
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Scrophulariaceae
Género: Verbascum
Espécie: V. thapsus
Nome binomial
Verbascum thapsus
L.

Verbascum thapsus é uma espécie de verbasco (ou barbasco[1] , tipo, pavio ou vela-de-bruxa[2] ) endémica da Europa, Norte de África e Ásia, e introduzida nas Américas e Oceania. Tem propriedades medicinais e tóxicas, sendo usada em alguns locais para matar os peixes dos rios.

É uma planta herbácea bienal, dicotiledónea, que alcança 2 m de altura, com caule ereto ramificado e lanoso. As folhas, de até 5 dm de comprimento, são ovais lanceoladas, alternadas, cobertas por penugem branca ou prateada, formando uma roseta basal no primeiro ano.[3] [4] Durante o segundo ano cresce um único caule floral de 1 a 2 m de altura, que pode atingir 3,5 m[5] e que termina numa inflorescência, constituída por um racemo denso com numerosas flores de cor amarela clara.[6]

Descrição geral[editar | editar código-fonte]

É uma planta herbácea de forma quase arrosetada, com cerca de 30 a 250 cm de comprimento e é mais ou menos densamente acinzentada ou esbranquiçada-tomentosa. As suas folhas basilares são elípticas a obovado-oblonga, são obtusas, inteiras ou miudamente crenuladas. As folhas caulinares são distais decurrentes. A inflorescência é geralmente simples, com brácteas ovadas a lanceoladas e acuminadas[1] . Os pedicelos encontram-se parcialmente adnados à ráquis da inflorescência. O cálice é constituído por lóbulos lanceolados. A corola é amarela e tem cinco estames, tendo os superiores filetes vilosos e os inferiores filetes nus a vilosos; as anteras são decurrentes e os pêlos dos filetes são de cor branca; o estigma é capitado. As flores são pentâmeras, quase sésseis e com pedúnculos muito pequenos (2 mm). Os cinco estames são de dois tipos: três superiores mais pequenos com filamentos cobertos de pelo amarelo ou esbranquiçado e anteras pequenas, enquanto os dois inferiores têm filamentos glabros e anteras maiores, todos eles fundidos nas pétalas. A sépala é tubular de cinco lóbulos e uma corola de cinco pétalas, a última das quais amarela clara e 2,5 cm mais estreita. Pode viver 2, 3 anos ou mais.[1]

Esta planta produz pequenas cápsulas ovoides ou elipsoides[1] (6 mm) que se partem em duas metades. Cada cápsula tem grande número de diminutas sementes de coloração castanha (menos de 1 mm).[7]

Pormenor da flor.

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Roseta sem estames no Havai.

Cresce numa grande variedade de habitats, mas prefere solos bem iluminados, onde pode surgir pouco depois da receção da luz, a partir de sementes duradouras que persistem no banco de sementes do solo. É uma planta comum que se espalha de modo prolífico por sementes, mas raramente se torna agressivamente invasiva uma vez que a semente precisa de solo aberto para germinar. É um problema muito pouco relevante para as colheitas agrícolas em geral pois não é uma espécie competitiva, sendo intolerante à sombra de outras plantas e incapaz de sobreviver ao corte. Alberga muitos insetos, alguns dos quais podem ser prejudiciais para outras plantas. Embora os indivíduos sejam fáceis de remover à mão, as populações são difíceis de eliminar permanentemente.[8]

Esta espécie de verbasco coloniza solos arenosos e pálidos.[9] Isto deve-se em parte à sua intolerância à sombra e aos períodos muito longos durante os quais as sementes podem permancer inactivas antes da germinação. Não é uma erva daninha para a agricultura, embora a sua presença possa ser difícil de erradicar por completo, sendo problemática em zonas de sobrepastoreio.[10] [11] [12] A espécie está listada legalmente como prejudicial no Colorado, Estados Unidos (Classe C),[13] Havaí[14] e Victoria (Austrália).[15]

Preferindo os solos arenosos ou secos, pode no entanto dar-se bem numa variedade de habitats, incluindo prados, bermas, clareiras florestais e pastagens. Germina quase somente em solo nu, em temperaturas entre 10 °C e 40 °C.[11] Esta capacidade de crescer numa ampla variedade de habitats tem sido relacionada com uma forte variação do fenótipo mais do que capacidade de adaptação.[16] Embora possa germinar em escuridão total se as condições favoráveis forem reunidas (testes dão uma taxa de 35% de germinação em condições ideais), na natureza só o fará se as sementes estiverem expostas, ou muito próximas da superfície. Embora possa aparecer em áreas onde há alguma vegetação, o crecimento das rosetas em solo nu é quatro a sete vezes mais rápido.[11]

No extremo leste do seu habitat, na China, os estames não ultrapassam 1,5 m de altura.[17] Os altos estames terminam num denso espigão florido,[3] que pode ocupar até metade do comprimento do estame. Todas as partes da planta estão cobertas por with tricomas em forma de estrela.[17] [18] A sua ploidia é 2n = 36.[9]

Nas plantas em flor as folhas estão dispostas alternadamente ao longo do estame. As folhas são grossas e com uma "dobra", com muita variação especialmente entre as folhas superiores e inferiores, com as formas a variar entre oblongas e oblanceoladas e até 50 cm de comprimento e 14 cm de largura.[19] [10] Tornam-se menores à medida que se sobe o estame,[3] [4] e menos dobradas na parte inferior do estame.[3] O estame florido é sólido e espesso com 2–2.5 cm de diâmetro, e ocasionalmente ramificado mesmo sob a inflorescência,[4] em especial se danificado.[11] Depois de florescer e libertar sementes o estame e frutos persistem no Inverno[20] depois de secarem em estruturas rígidas cobertas por cápsulas densas e ovoides. Os estames secos são mais frequentemente escuros e acastanhados, e é comum permanecerem até à Primavera seguinte ou mesmo até ao Verão. A planta produz uma raiz primária pouco funda.[10]

Os frutos do verbasco contêm um grande número de sementes.

O Verbascum thapsus tem uma ampla zona de origem, incluindo a Europa, norte de África e Ásia, indo dos Açores e Ilhas Canárias até ao oeste da China. Em latitude varia das Ilhas Britânicas, Escandinávia e Sibéria, até ao Himalaia.[17] [21] [22] No norte da Europa, cresce do nível do mar até aos 1850 m de altitude,[4] e na China no intervalo 1400–3200 m.[17]

Foi introduzida em todas as zonas de clima temperado, e a sua naturalização como erva daninha na Austrália, Nova Zelândia, Ásia tropical, Reunião, América do Norte, Havai, Chile, Hispaníola e Argentina.[22] [23] [24] [25] Há também exemplares no Japão.[26]

Nos Estados Unidos foi cedo importada, no século XVIII e cultivada pelas suas propriedades medicinais e piscicidas.[2] Em 1818, estava a espalhar-se tanto que Amos Eaton pensou tratar-se de uma planta nativa.[10] [27] Em 1839 era já relatada no Michigan e em 1876, na Califórnia.[10] É hoje comum em todos os estados dos EUA.[28] No Canadá, é mais comum no sul do Quebec, Ontário e Colúmbia Britânica, e nas Províncias Marítimas, com populações dispersas entre elas.[29] [30]

Taxonomia e nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Na nomenclatura botânica, o Verbascum thapsus foi descrito pela primeira vez por Carolus Linnaeus na sua obra Species Plantarum de 1753. O nome específico thapsus foi usado pela primeira vez por Teofrasto (por θάψος, "thapsos")[31] para uma erva não especificada da colónia da Grécia Antiga de Thapsos, Siracusa, Sicília,[31] [32] embora seja frequentemente ligado à antica cidade tunisina de Tapso.[33] Dentro dos Verbascum, está classificada na secção Bothrosperma subseita Fasciculata.[34]

Na altura, nenhum espécime tipo foi especificado, tendo surgido apenas no século XIX. Quanto um lectótipo (tipo seleccionado entre material original) foi designado, foi relacionado com o espécime 242.1 do herbário de Lineu, o único espécime de V. thapsus no herbário. A espécie tinha sido previamente designada como espécie-tipo para o Verbascum.[35] As plantas europeias exibem considerável variação fenotípica,[29] o que tem levado a que a planta tenha muitos sinónimos.[36] [37] As populações introduzidas na América têm muito menor variação.[29]

Subespécies e híbridos[editar | editar código-fonte]

Híbridos de Verbascum thapsus[9] [38]
Nome do híbrido Outras espécies do cruz.to Notas
V. × duernsteinense Teyber V. speciosum
V. × godronii Boreau V. pulverulentum
V. × kerneri Fritsch V. phlomoides
V. × lemaitrei Boreau V. virgatum
V. × pterocaulon Franch. V. blattaria
V. × thapsi L. V. lychnitis sin. V. × spurium W.D.J.Koch,
pode ser um nomen dubium[39]
V. × semialbum Chaub. V. nigrum
nenhum V. pyramidatum

Há três subespécies:

  • V. thapsus subsp. thapsus; tipo, muito comum.[40]
  • V. thapsus subsp. crassifolium (Lam.) Murb.; na região mediterrânica e até aos 2000 m no sudoeste da Áustria.[41] (sin. subsp. montanum (Scrad.) Bonnier & Layens)
  • V. thapsus subsp. giganteum (Willk.) Nyman; endémica em Espanha[42] .

Nestas duas últimas, o estames mais baixos são também pilosos[43] Na subsp. crassifolium, a pilosidade é menos densa e frequentemente ausente da parte superior das anteras, e as folhas mais baixas são raramente dobradas e têm pecíolos mais longos,[41] enquanto que na subsp. giganteum, a pilosidade é densa tomentosa e braca, e as folhas inferiores fortemente dobradas. A subsp. crassifolium difere ainda do tipo por ter flores um pouco maiores, até 15–30 mm de extensão, enquanto na espécie-tipo o diâmetro é de 12–20 mm.[41] Ambas as subsp. giganteum e crassifolium foram originalmente descritas como espécies.[3] Outras subspécies descritas não foram aceites globalmente e incluema subsp. martinezii (Valdés) A.Galán e J.A.V.Orellana (=V. giganteum subsp. martinezii Valdés), subsp. litigiosum (=V. litigiosum Samp.)[44] e a subsp. langei.

A planta é também cruzada em vários híbridos (ver tabela). Destes, o mais comum é o V. × semialbum Chaub. (× V. nigrum).[9] Todos ocorrem na Eurásia,[9] e três, V. × kerneri Fritsch, V. × pterocaulon Franch. e V. × thapsi L. (sin. V. × spurium W.D.J.Koch), têm exemplares na América do Norte.[38] [45]

Ecologia e ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

O V. thapsus cresce melhor com pouca competição.

As abelhas da família Megachilidae, em especial do género Anthidium, usam a penugem da planta para fazer os seus ninhos.[20] As sementes são geralmente muito pequenas para que as aves se alimentem delas,[20] embora tenha sido observado que a espécie Carduelis tristis as consuma.[46] Outras espécies de aves consomem as folhas (Ganso-do-havaí)[47] ou flores (Loxioides bailleui)[48] ou o V. thapsus, ou usam a planta como fonte para insectos (Picoides albolarvatus).[49]

O verbasco é bienal e necessita em geral de dormição invernal antes de florescer.[11] Esta vernalização é devida à degradação do amido da raiz activada pelas baixas temperaturas, que a aplicação de giberelina permite ultrapassar.[50] As sementes germinam na Primavera e Verão quando expostas à luz, e as que germinam no Outono produzem plantes que sobrevivem ao Inverno se forem suficientemente grandes, pois as com rosetas menores que 15 cm não o conseguem. Depois de florir a planta morre geralmente no fim do segundo ano[11] mas alguns espécimes, especialmente nas zonas mais a norte, requerem períodos mais longos e florescem no terceiro ano.

As sementes mantêm o poder germinativo durante décadas, de acordo com alguns estudos.[51] As sementes são o único método de reprodução desta planta.[52]

A autopolinização e a polinização cruzada das flores são ambas possíveis. Se no final do dia a flor aberta não tiver sido visitada por um polinizador, é autopolinizada.[53] Embora as flores do Verbascum thapsus sejam visitadas por uma grande variedade de insetos, só as abelhas são efetivamente polinizadores[54] Em estudos em estufa e no campo, descobriu-se que as flores autopolinizadas naturalmente têm menos sementes que as de polinização cruzada, apresentando o máximo de 75% de sementes, pelo que aparenta ser um método utilizado por pequenas populações sem capacidade de atrair os polinizadores.[55]

A altura da planta também afeta as visitas dos polinizadores e o método de polinização. Experiências na Geórgia e Carolina do Norte, nos Estados Unidos, mostraram que as plantas altas têm maior taxa de polinização cruzada, com as plantas de mais de 150 cm de altura a apresentar 21% mais deste método que as mais baixas[56] As flores no topo da inflorescência também receberam mais pólen que as flores mais baixas[57] .

O Verbascum thapsus produz abundante quantidade de sementes, e a ramificação e o facto de ser fasciada favorece essa grande produção. Num campo abandonado no Michigan, contou-se entre 0 e 749 sementes por cápsula e uma média de 208 sementes por cápsula, com totais médios por indivíduo de 175 000 sementes[6] Em campos abandonados entre 1 e 4 anos no sudoeste do Michigan verificaram-se 100 000 sementes por planta[58] e no Dakota do Norte, em condições "com diminuta competição" e amostradas quando a produção de sementes parecia estar no auge, contaram-se 223 200 sementes numa planta. As sementes não têm adaptações morfológicas para percorrer grandes distâncias, caindo maioritariamente perto da planta-mãe.[6] A distância superior a 11 m é possível, mas a mediana é 1 m.[6] .

O armazenamento de sementes é persistente, e estas podem germinar após 100 anos ou mesmo mais de permanência no solo.[59] .

Impacto na agricultura e formas de controlo[editar | editar código-fonte]

Uma vez que não pode competir com outras plantas em locais onde estas já existem abundantemente, o verbasco deixou de ser uma espécie com interesse agrícola[29] exceto em áreas onde a vegetação é esparsa, como as áreas semidesérticas da parte oriental da Sierra Nevada, na Califórnia. Nestes contextos ecológicos, ultrapassa as ervas nativas; a sua tendência de surgir após os incêndios florestais causa perturbação na sucessão ecológica normal.[11] [12] Embora não seja uma ameaça à agricultura, a sua presença pode ser difícil de erradicar por completo, e é especialmente problemático em locais sujeitos a sobrepastoreio.[10] [11] [12] A espécie está listada como erva daninha nos estados norte-americanos do Colorado (Classe C)[60] e Havai,[61] e no estado australiano de Victoria (é proibida localmente na região de West Gippsland e controlada em outras).[62]

É hospedeira de vários insetos, tanto prejudiciais como benéficos para a atividade agrícola.[63] É ainda potencial hóspede de vírus e fungos que danificam a produção de espécies hortícolas.[29] [64] Um estudo mostrou que o V. thapsus acolhe insetos de 29 famílias diferentes, como a Frankliniella occidentalis, espécies de Lygus (Lygus lineolaris), e ácaros Tetranychidae. Tal torna a planta em habitat potencial de pestes durante a estação fria.[63]

Outros insetos são habitualmente encontrados em espécies de verbasco em geral ou no Verbascum thapsus em particular, como o Haplothrips verbasci,[63] Gymnaetron tetrum (cuja larva consome as sementes) e a lagarta-do-verbasco (Cucullia verbasci).[10] Insetos úteis também se encontram, como os dos géneros Galendromus, Typhlodromus, Amblyseius, Orius (Orius tristicolor)[63] e Campylomma (Campylomma verbasci).[65] A capacidade da planta em acolher espécies nocivas e benéficas e manter estáveis populações de insetos fá-la ser usada em controlo biológico de outras culturas. Exemplos são o Campylomma verbasci e o Dicyphus hesperus (Miridae), predador de mosca-branca.[66] Uma série de espécies de lepidópteros, incluindo Papaipema nebris e Strymon melinus, também usam o V. thapsus como hospedeiro.[67]

Devido à penugem que recobre a planta, o Verbascum thapsus é resistente à pastagem e a herbicidas de contacto.

O controlo da planta, se desejado, é mais eficaz através de meios mecânicos, como o arranque manual e o corte com enxada, de preferência seguido pela sementeira de plantas endémicas. Os animais raramente a pastam, devido à sua penugem irritante, e os herbicidas líquidos necessitam de tensioativos para serem eficazes, pois a penugem do verbasco faz com que a água escorra pela planta, à semelhança do efeito de lótus. A queima é ineficaz, pois só cria novas áreas vazias para as plântulas do verbasco ocuparem.[10] [11] [12] O G. tetrum e o Cucullia verbasci têm normalmente pouco efeito nas populações de V. thapsus como um todo.[12] Foi rpoposto o uso de cabras e aves de capoeira no controlo do verbasco.[11] Herbicidas de contacto eficazes, quando usados com tensioativos, são o glifosato,[10] [12] triclopyr[10] e sulfurometuron-methyl.[12] Herbicidas de solo, como o tebuthiuron, também têm bons resultados mas recriam solo nu e necessitam de repetidas aplicações para prevenção do recrescimento.[11]

Uso[editar | editar código-fonte]

Usos medicinais[editar | editar código-fonte]

O verbasco tem sido usado desde tempos antigos como remédio para doenças de pele, da garganta e respiratórias, como amigdalite, asma, bronquite, e outras[2] , e também diarreia e enxaquecas[68] sendo reconhecida a sua eficácia anti-viral no caso da Influenza[69] . Esta planta é muito usada para remédios herbais com propriedades de emoliência e adstringência. É usada para aliviar a tosse e problemas relacionados, mas também para aplicações tópicas contra uma variedade de doenças de pele.[2] Mais recentemente uma investigação fitoquímica sobre o Verbascum conduziu ao isolamento e identificação de um composto iridoide chamado verbathasin A e dez compostos conhecidos. Dois destes onze (luteolin e 3-O-fucopyranosylsaikogenin F) revelaram resultados promissores quanto à atividade antiproliferativa com efeitos na indução de apoptose de células cancerígenas A549 (cancro do pulmão)[70] . Extreatos de Verbascum thapsus combinados com outras quatro plantas medicinais revelaram atividade antiviral no combate ao vírus da herpes[71] .

Há 2000 anos Dioscórides recomendou o seu uso contra doenças pulmonares[72] , sendo esse um dos seus principais usos ainda hoje. A decocção das folhas e o uso em tisanas faz-se para a expectoração, tosse seca, bronquite, garganta inflamada e hemorroidas. As folhas podem ser fumadas, uma tradição que os povos ameríndios adquiriram.[73] [74] Estes usaram a planta introduzida na América para fazer xaropes contra a laringotraqueobronquite. A combinação de saponina expectorante e a mucilagem emoliente tornam a planta particularmente eficaz contra a tosse.[2] [75]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

A planta também serve para fazer tinturas e tochas e diversos tipos de extrato herbal.[2] Tal como muitas outras plantas medicinais (Plínio, o Velho descreve-a na sua Naturalis Historia), o verbasco ficou ligado à bruxaria[73] e a planta foi muito usada para alegadamente evitar maldições e espíritos malignos.[73] [72] [74] Pelo facto de as sementes conterem vários compostos químicos (como saponinas, rotenona, etc.) que causam problemas respiratórios aos peixes é usada como piscicida em pesca.[10] [76]

A tintura obtida das flores é de cor amarela ou verde e pode ser usada como colorante capilar.[73] [77] As folhas secas e a penugem da planta podem ser usadas no fabrico de pavios, ou colocadas debaixo das palmilhas dos sapatos como isolantes. Os caules secos podem ser mergulhados em sebo para fazer tochas.[73] [74] .

Referências

  1. a b c d Biorede. Biorede - diversidade digital. Página visitada em 23-2-2012.
  2. a b c d e f plantasmediciansiefitoterapia-com. Barbasco (Verbascum thapsus). Página visitada em 23-2-2012.
  3. a b c d e Ferguson, Ian Keith (1972). "V. thapsus". Flora Europaea Volume 3: Diapensiaceae to Myoporaceae. Ed. Tutin, Thomas Gaskell et al.. Cambridge: Cambridge University Press. p. 211. ISBN 0-521-08489-X. 
  4. a b c d Blamey, M., & Grey-Wilson, C. (1989). Flora of Britain and Northern Europe. Hodder & Stoughton ISBN 0-340-40170-2.
  5. Purple Sage Herbs: Verbascum thapsus. Página visitada em 29-12-2006.
  6. a b c d Gross, Katherine L.; Werner, Patricia A. 1978. Biology of Canadian Weeds. 28. Verbascum thapsus L. and Verbascum blattaria L. Canadian Journal of Plant Science. 58(2): pp. 401-413.
  7. Western New Mexico University Department of Natural Sciences. Vascular Plants of the Gila Wilderness. Página visitada em 23-2-2012.
  8. USDA Forest Service. Verbascum thapsus. Página visitada em 23-2-2012.
  9. a b c d e C. Stace, R. van der Meijden e I. de Kort (eds.). Verbascum thapsus (Mullein, Great). Página visitada em 7-3-2007.
  10. a b c d e f g h i j k Plant Conservation Alliance's Alien Plant Working Group: Verbascum thapsus. Página visitada em 29-11-2006.
  11. a b c d e f g h i j k Hoshovsky (2001)
  12. a b c d e f g Pitcairn, Michael. Verbascum thapsus. Página visitada em 6-12-2006.
  13. USDA Natural Resources Conservation Service. Colorado State-listed Noxious Weeds. PLANTS Database. Página visitada em 6-12-2006.
  14. USDA Natural Resources Conservation Service. Hawaii State-listed Noxious Weeds. PLANTS Database. Página visitada em 2006-12-06.
  15. Faithful, Ian. Great Mullein. Página visitada em 6-12-2006.
  16. Parker, Ingrid M.; Joseph Rodriguez, Michael E. Loik. (fevereiro 2003). "An Evolutionary Approach to Understanding the Biology of Invasions: Local Adaptation and General-Purpose Genotypes in the Weed Verbascum thapsus". Conservation Biology 17 (1): 59–72. DOI:10.1046/j.1523-1739.2003.02019.x.
  17. a b c d Verbascum thapsus. Página visitada em 29-11-2006.
  18. Universidade da Califórnia em Berkeley (1993). Verbascum thapsus L.. Jepson Manual online. Página visitada em 6-12-2006.
  19. Huxley, A., ed. (1992). New RHS Dictionary of Gardening. Macmillan. ISBN 0-333-47494-5
  20. a b c Illinois Wildflowers. Great Mullein. Página visitada em 2006-12-06.
  21. Flora Europaea: Verbascum thapsus, acesso em 29-12-2006.
  22. a b Germplasm Resources Information Network: Verbascum thapsus, acesso em 29-12-2006.
  23. Universidad Nacional del Sur. Ficha de la Especie Verbascum thapsus. Página visitada em 6-12-2006.
  24. IUCN Invasive Species Specialist Group (8-7-2005). Verbascum thapsus. Global Invasive Species Database. Página visitada em 2006-11-29.
  25. Hawaiian Ecosystems at Risk project: Verbascum thapsus. Pacific Island Ecosystems at Risk. Página visitada em 12-5-2007.
  26. List of alien species recognized to be established in Japan or found in the Japanese wild (as of October 27, 2004). Página visitada em 12-5-2007.
  27. Weed Science Society of America: Common Mullein—the Roadside Torch Parade. Intriguing World of Weeds. Página visitada em 6-12-2006.
  28. United States Department of Agriculture - Natural Resources Conservation Service. Verbascum thapsus. PLANTS Database. Página visitada em 2006-12-06.
  29. a b c d e Gross, Katherine L.; Patricia A. Werner. (abril 1978). "The Biology of Canadian Weeds. 28. Verbascum thapsus L. and V. blattaria L". Canadian Journal of Plant Science 58: 401–413. Reprinted in Mulligan, G.A. (1979), The Biology of Canadian Weeds I, ISBN 0-662-10668-7, pp. 320–331.
  30. Verbascum thapsus. Página visitada em 29-12-2006.
  31. a b (em francês)Carnoy, A.. Dictionnaire étymologique des noms grecs de plantes. Louvain: Publications Universitaires, 1959. OCLC 3284108
  32. Den virtuella Floran: Verbascum thapsus, em sueco, acesso em 29-12-2006.
  33. Michael L. Charters. Plant name: T. California Plant Names: Latin and Greek Meanings and Derivations. Página visitada em 6-12-2006.
  34. Lersten, Nels R.. (dezembro 1997). "Anatomy and Distribution of Foliar Idioblasts in Scrophularia and Verbascum (Scrophulariaceae)". American Journal of Botany 84 (12): 1638–1645. DOI:10.2307/2446461.
  35. Natural History Museum. Verbascum thapsus. Linnaean Plant Name Typification Project. Página visitada em 14-5-2007.
  36. Northern Ontario Plant Database. Verbascum thapsus synonymy.
  37. Institute for Systematic Botany. Verbascum thapsus: synonyms. Atlas of Florida vascular Plants. Página visitada em 2007-05-14.
  38. a b Kartesz, John. A synonymized checklist of the vascular flora of the United States, Canada, and Greenland (Volume 1: Checklist). Portland, Oregon: Portland, Or. : Timber Press, c1994., 1994. p. 588. ISBN 0-88192-204-8
  39. Natural History Museum. Verbascum × thapsi. Linnaean Plant Name Typification Project. Página visitada em 14-5-2007.
  40. USDA. PLANTS Profile Verbascum thapsus L. common mullein. Página visitada em 23-2-2012.
  41. a b c Schmeil, Otto; Fitschen, Jost; Seybold, Siegmund. Flora von Deutschland, 93. Auflage. Wiebelsheim: Quelle & Meyer Verlag, 2006. p. 496. ISBN 3-494-01413-2
  42. IRAPL- Centro di formazione professionale. Verbascum thapsus L. subsp. giganteum (Willk.) Nyman. Página visitada em 23-2-2012.
  43. (em espanhol) Universitat de les Illes Balears. Verbascum thapsus L. subsp. montanum (Schrad.) Bonnier et layens. Herbario Virtual del Mediterráneo Occidental. Página visitada em 12-5-2007.
  44. Galán de Mera, Antonio. (1995). "Dos nuevas combinaciones en Verbascum subsect. fasciculata Murbeck (Scrophulariaceae) del sudoeste de la Península Ibérica: Verbascum thapsus subsp. litigiosum (Samp.), comb. & stat. nov. y Verbascum thapsus subsp. martinezii (Valdés), comb. nov" (PDF). Anales del Jardín Botánico de Madrid 53 (2): 261–262.
  45. USDA Natural resources Conservation Service. Verbascum L.. PLANTS Profile. Página visitada em 7-3-2007.
  46. Coutlee, Ellen L.. (dezembro 1963). "Maintenance Behavior of the American Goldfinch" (PDF). Wilson Bulletin 75 (4): 342–357. ISSN 0043-5643.
  47. Banko et al. (1999). Hawaiian Goose (Nene) (Branta sandvicensis): Food Habits. The Birds of North America, No. 434. The Birds of North America Online. Página visitada em 2006-12-17.
  48. Banko et al. (2002). Palila (Loxioides bailleui): Food Habits. The Birds of North America, No. 679. The Birds of North America Online. Página visitada em 17-12-2006-12.
  49. Garrett et al. (1996). White-headed Woodpecker (Picoides albolarvatus): Food Habits. The Birds of North America, No. 252. The Birds of North America Online. Página visitada em 2006-12-17.
  50. Turker, Arzu Ucar; Ekrem Gurel. (setembro 2005). "Common Mullein (Verbascum thapsus L.): Recent Advances in Research". Phytotherapy Research 19 (9): 733–739. DOI:10.1002/ptr.1653.
  51. Kivilaan, A.; Robert S. Bandurski. (outubro 1981). "The One Hundred-Year Period for Dr. Beal's Seed Viability Experiment". American Journal of Botany 69 (9): 1290–1292. DOI:10.2307/2443054. ISSN 0002-9122.
  52. Gross, Katherine L. 1980. Colonization by Verbascum thapsus (mullein) of an old-field in Michigan- experiments on the effects of vegetation. Journal of Ecology. 68(3): pp.919-927.
  53. Bare, Janet E.. Wildflowers and weeds of Kansas. [S.l.]: The Regents Press of Kansas - Lawrence, KS, 1979. 509 p.
  54. Carromero, W.; Hamrick, J. L. 2005. The mating system of Verbascum thapsus (Scrophulariaceae): The effect of plant height. International Journal of Plant Sciences. 166(6): 979-983.
  55. Donnelly, Sarah E.; Lortie, Christopher J.; Aarssen, Lonnie W. 1998. Pollination in Verbascum thapsus (Scrophulariaceae): The advantage of being tall. American Journal of Botany. 85(11): 1618-1625.
  56. Carromero, W.; Hamrick, J. L. 2005. The mating system of Verbascum thapsus (Scrophulariaceae): The effect of plant height. International Journal of Plant Sciences.
  57. Lortie, Christopher J.; Aarssen, Lonnie W. 1999. The advantage of being tall: higher flowers receive more pollen in Verbascum thapsus L. (Scrophulariaceae). Ecoscience. 6(1): pp.68-71
  58. Gross, Katherine L.; Werner, Patricia A. (1982): Colonizing abilities of "biennial" plant species in relation to ground cover: implications for their distributions in a successional sere. Ecology. 63(4): pp. 921-931.
  59. Kivilaan, A.; Bandurski, Robert S. (1981): The one hundred-year period for Dr. Beal's seed viability experiment. American Journal of Botany. 68(9): pp.1290-1292.
  60. Colorado State-listed Noxious Weeds. PLANTS Database. USDA Natural Resources Conservation Service. Página visitada em 2009-11-06.
  61. Hawaii State-listed Noxious Weeds. PLANTS Database. USDA Natural Resources Conservation Service. Página visitada em 2009-11-06.
  62. Faithful, Ian. Great Mullein. Victoria Department of Primary Industries. Página visitada em 2009-11-06. [ligação inativa]
  63. a b c d Horton, David R.; Tamera M. Lewis. (December 2003). "Numbers and types of arthropods overwintering on common mullein, Verbascum thapsus L. (Scrophulariaceae), in a central Washington fruit-growing region" (PDF). Journal of the Entomological Society of British Columbia 100: 79–86. ISSN 0071-0733.
  64. Price, W. C.. (July 1940). "Comparative Host Ranges of Six Plant Viruses". American Journal of Botany 57 (7): 530–541. DOI:10.2307/2437088. ISSN 00029122.
  65. Higbee, Bradley S.. Campylomma verbasci (Meyer). Biological Control: A Guide to Natural Enemies in North America. Cornell University. Página visitada em 2011-12-21.
  66. Sanchez, Juan Antonio; David R. Gillespie, Robert R. McGregor. (November 2003). "The effects of mullein plants (Verbascum thapsus) on the population dynamics of Dicyphus hesperus (Heteroptera: Miridae) in tomato greenhouses". Biological Control 28 (3): 313–319. DOI:10.1016/S1049-9644(03)00116-6.
  67. HOSTS - a Database of the World's Lepidopteran Hostplants. The Natural History Museum. Arquivado do original em June 27, 2008. Página visitada em 2009-11-06.
  68. Turker, Arzu Ucar; Gurel, Ekrem. (setembro 2005). "Common mullein (Verbascum thapsus L.): recent advances in research" (em inglês). Phytotherapy Research 19 (9): 733-739. DOI:10.1016/j.bse.2008.12.007 ("inflammatory diseases, asthma, spasmodic coughs, diarrhoea and migraine headaches").
  69. Rajbhandari, M; et al.. (dezembro 2009). "Antiviral Activity of Some Plants Used in Nepalese Traditional Medicine" (em inglês). Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine 6 (4): 517-522. DOI:10.1093/ecam/nem156 ("The extracts of Allium oreoprasum, Androsace strigilosa, Asparagus filicinus, Astilbe rivularis, Bergenia ciliata and Verbascum thapsus exhibited strong anti-influenza viral activity.").
  70. Yan-Li Zhao; Si-Feng Wang, Yang Li, Qiu-Xia He, Ke-Chun Liu, Yong-Ping Yang and Xiao-Li Li. (maio 2011). "Isolation of chemical constituents from the aerial parts of Verbascum thapsus and their antiangiogenic and antiproliferative activities" (em inglês). Archives of Pharmacal Research 34 (5): 703-707. DOI:10.1007/s12272-011-0501-9 ("luteolin and 3-O-fucopyranosylsaikogenin F showed promising antiproliferative activities, with an obvious effect of inducing apoptosis of A549 lung cancer cells. ").
  71. McCutcheon, A.R.; Roberts, T.E.; Gibbons, E.; Ellis, S.M.; Babiuk, L.A.; Hancock, R.E.W.; Towers, G.H.N.. (1995). "Antiviral screening of British Columbian medicinal plants" (em inglês). Journal of Ethnopharmacology 49 (2): 101-110. Elsevier.
  72. a b Silverman, Maida. A City Herbal: Lore, Legend, & Uses of Common Weeds. [S.l.]: Ash Tree Publishing, 1977. 99–104 p. ISBN 1-888123-00-1
  73. a b c d e Grieve, Margaret (1982). "Mullein, Great". A Modern Herbal Volume 2: I-Z. New York: Dover Publication. ISBN 0-486-22799-5. Consultado em 2006-11-29. 
  74. a b c Hanrahan, Claire; Rebecca J. Frey (2005). "Mullein". The Gale encyclopedia of alternative medicine (2nd edition) Volume 3: L-R. Ed. Jacqueline L. Longe. Detroit: Thomson Gale. ISBN 0-7876-7427-3. Consultado em 2006-11-30. 
  75. Nosalova, G.; Sutovska, M ; Mokry, J; Kardosova, A; Capek, P; Khan, MTH. (setembro 2005). "Efficacy of herbal substances according to cough reflex" (em inglês). Minerva Biotecnologica 17 (3): 141-152.
  76. Wilhelm, Gene. (April 1974). "The mullein: Plant piscicide of the mountain folk culture". Geographical Review 64 (2): 235–252. DOI:10.2307/213812.
  77. Verbascum thapsus. Plants For A Future. Página visitada em 2011-03-16.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies