Animais a bordo do RMS Titanic

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cães a bordo do Titanic. O dogue alemão no fundo à direita é provavelmente o cão de Ann Elizabeth Isham.

Havia muitos animais a bordo do RMS Titanic durante sua desastrosa viagem inaugural, que terminou com o naufrágio do navio em 15 de abril de 1912 após colidir com um iceberg.[1] Incluíam cães,[2] gatos,[3] galinhas,[4] outros pássaros e um número desconhecido de ratos.[5] Os cães e gatos foram trazidos a bordo dos botes salva-vidas por seus donos e sobreviveram, mas o restante dos animais pereceu no desastre.

Inventários dos animais[editar | editar código-fonte]

O navio tinha sua própria gata oficial chamada Jenny, que era mantida a bordo do Titanic como mascote e também trabalhava para manter a população de ratos e camundongos. Transferida do navio irmão do Titanic, o Olympic, Jenny deu à luz na semana anterior da partida do Titanic de Southampton. Ela normalmente vivia na cozinha do navio, onde a equipe alimentava ela e seus gatinhos com sobras das cozinhas.[6] A comissário de bordo Violet Jessop escreveu que a gata "colocou sua família perto de Jim, o garçom, cuja aprovação ela sempre procurava e este sempre lhe dava devoção calorosa".[7]

Um número de cães foram trazidos a bordo pelos passageiros como animais de estimação. A maioria era mantida em canis no convés do navio, embora alguns passageiros da Primeira Classe mantivessem os deles em suas cabines. – provavelmente sem o conhecimento da tripulação ou com vistas grossas, como não era de se esperar. O carpinteiro do navio, John Hutchison, era responsável pelo bem-estar dos cães. Os cães do canil eram exercitados diariamente no convés de popa por um comissário de bordo ou um dos mensageiros.[8] Quanto aos cães menores, o pintor americano Francis Davis Millet escreveu com desaprovação em uma carta enviada na última parada do Titanic, Queenstown na Irlanda, "Olhando para a lista dos [passageiros], só encontro três ou quatro pessoas que conheço, mas existem [...] um número de mulheres americanas desagradáveis e ostensivas, o flagelo de qualquer lugar que eles infestam, e pior a bordo do que em qualquer lugar. Muitas delas carregam cães pequenos e levam os maridos em volta como cordeiros de estimação".[9] Os donos de cães tinham planejado realizar um show de cães a bordo do navio na manhã de 15 de abril,[10] mas o Titanic afundaria na noite anterior.

Os detalhes de vários cães a bordo do 'Titanic' foram anotados e incluíam:

Provavelmente havia mais cães a bordo, mas seus detalhes (e proprietários) não sobreviveram. O passageiro Charles Moore de Washington, D.C. fez uma mudança de última hora em seus planos de transportar a bordo do Titanic 100 foxhounds ingleses, que ele pretendia usar para iniciar uma caça à raposa ao estilo inglês na área de Washington. Eles foram embarcados em outro navio.[6]

Assim como os cães e gatos, havia um número de pássaros a bordo. Ella Holmes White de Nova Iorque trouxe quatro galos e galinhas, que provavelmente foram mantidos dentro ou perto dos canis no Convés F. Ela os importara da França com a intenção de melhorar seu estoque de aves domésticas em casa. Outra mulher disse ter trazido 30 galos a bordo e Elizabeth Ramel Nye trouxe seu canário amarelo. Dois cães e um canário desembarcaram com os passageiros que deixaram o navio em Cherbourg, primeiro porto de escala do Titanic depois de Southampton. Os animais viajavam com seus próprios bilhetes e até o canário que saiu do navio em Cherbourg teve que pagar a quantia de 25 centavos de dólar.[8]

Como qualquer outro navio da época, o Titanic tinha uma substancial população de ratos. Um deles foi visto correndo pela Sala de Jantar da Terceira Classe na noite do naufrágio, para o choque e a surpresa dos comensais. Algumas das mulheres que o viram irromperam em lágrimas, enquanto os homens tentaram sem sucesso capturar o rato.[8]

Destino dos animais[editar | editar código-fonte]

Poucos dos animais do Titanic sobreviveram ao naufrágio do navio. Três dos cães foram levados a bordo dos botes salva-vidas por seus donos. O lulu-da-pomerânia de Hays escapou a salvo bote salva-vidas número 7 e viveu até 1919, enquanto Elizabeth Rothschild se recusou a embarcar no bote número 6 até que que permitissem a entrada também de seu cão. Henry e Myra Harper trouxeram seu pequinês a bordo do bote número 3, mas Helen Bishop teve que abandonar Frou-Frou em sua cabine.[6] O cão tentou impedi-la de sair segurando seu vestido com os dentes até que a costura rasgou. Posteriormente, Bishop falou de sua tristeza: "A perda de meu cãozinho me machuca muito. Eu nunca vou esquecer como ele segurou minhas roupas. Ele queria tanto me acompanhar".[8]

Nenhum dos outros animais sobreviveu. Em algum ponto durante o naufrágio, alguém decidiu libertar os cães dos canis, deixando um bando de cães nervosos subindo e descendo o convés inclinado quando o navio afundou. Diz-se que uma passageira se recusou a se separar de seu cachorro e optou por permanecer a bordo. Alguns dias depois do naufrágio, enquanto o SS Bremen passava por uma área repleta de detritos e corpos flutuando na água, os passageiros viram o corpo de uma mulher segurando firmemente um grande cão nos braços.[8] O buldogue de Robert W. Daniel, Gamin de Pycombe, foi visto pela última vez na água nadando por sua vida depois que o navio afundou.[9]

Após o naufrágio, vários dos proprietários de animais sobreviventes fizeram pedidos de indenização por seus animais de estimação e aves perdidas. Daniel pediu $750 pela perda de seu buldogue com pedigree, enquanto Carter reivindicou $300 pela perda de seus dois cães. White pediu $207,87 por suas galinhas perdidas e Chow-Chow foi avaliado por Anderson em $50. Apenas três dos doze cães sobreviveram ao naufrágio.[8]

Referências

  1. Gittins, Dave; Akers-Jordan, Cathy; Behe, George (2011). «Too Few Boats, Too Many Hindrances». In: Halpern, Samuel. Report into the Loss of the SS Titanic: A Centennial Reappraisal. Stroud, UK: The History Press. p. 78. ISBN 978-0-7524-6210-3 
  2. Eveleth, Rose (31 de março de 2014). «The Definitive Guide to the Dogs on the Titanic». Smithsonian Institution. Smithsonian. ISSN 0037-7333. Consultado em 28 de março de 2018 
  3. Arnold, Brooke (19 de abril de 2017). «The Remarkable Story of Jenny the Titanic Cat». The Catington Post. Consultado em 28 de março de 2018 
  4. «1912: The French Chickens Who Went Down With the Titanic». New York. Hatching Cat. 22 de junho de 2013. Consultado em 28 de março de 2018 
  5. Marsh, Carol (1 de setembro de 1998). Gigantic Titanic Trivia for Kids!. [S.l.]: Carole Marsh Books. p. 29. ISBN 9780793389858 
  6. a b c d Eaton & Haas 1999, p. 234.
  7. Pellegrino 2012, p. 29.
  8. a b c d e f Georgiou 2000, p. 18.
  9. a b Davenport-Hines 2012, p. 174.
  10. Lynch 1992, p. 100.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Sobre[editar | editar código-fonte]