William Thomas Stead

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
W. T. Stead
Nome completo William Thomas Stead
Nascimento 5 de julho de 1849
Embleton, Northumberland, Inglaterra
Morte 15 de abril de 1912 (62 anos)
Oceano Atlântico, Titanic
Progenitores Mãe: Isabella Jobson
Pai: William Stead
Ocupação Jornalista e Editor de jornal

W. T. Stead (Embleton, 5 de julho de 1849Oceano Atlântico, 15 de abril de 1912) foi um jornalista e editor de jornal britânico que, como pioneiro do jornalismo investigativo, denunciou um caso de pedofilia e exploração de menores na Era vitoriana.[1][2] Stead publicou uma série de campanhas extremamente influentes enquanto editor de The Pall Mall Gazette, e é melhor conhecido por sua série de artigos The Maiden Tribute of Modern Babylon, escrito em apoio de um projeto de lei para elevar a idade de consentimento de 13 para 16 anos, apelidado de "Stead Act."[3]

O 'novo jornalismo' de Stead pavimentou o caminho do moderno tabloide na Grã-Bretanha.[3] Stead foi influente em demonstrar como a imprensa poderia ser usada para influenciar a opinião pública e a política do governo, e advogava o "Governo pelo Jornalismo". Ele também era conhecido por suas reportagens sobre bem-estar infantil, legislação social e reforma dos códigos criminais da Inglaterra.[4]


Biografia[editar | editar código-fonte]

Stead nasceu em 1849 em Embleton, em Northumberland. Era filho do reverendo William Stead, da Igreja Congregacionalista e Isabella Jobson, filha de um fazendeiro de Yorkshire. Um ano depois de seu nascimento e a família se mudou para Howdon, onde seu irmão mais novo, Francis Herbert Stead, nasceu.[5] Seu pai foi o responsável por grande parte de sua educação, em casa, e aos 5 anos de idade já conhecia as escrituras bíblicas e dizia que sabia ler tanto latim quanto inglês.[6] Sua mãe, porém, deve ter sido a grande influência para sua carreira. Algumas das lembranças de infância favoritas de Stead são de sua mãe engajada com a política local.[7]

De 1862 a 1864, ele estudou na Silcoates School]] em Wakefield, onde tornou-se aprendiz no escritório mercante de Quayside, em Newcastle upon Tyne, tornando-se escriturário.[8]

Morte no Titanic[editar | editar código-fonte]

Stead embarcou no Titanic para uma visita aos Estados Unidos onde faria parte de um congresso pacifista no Carnegie Hall a pedido do Presidente Taft. Sobreviventes do Titanic relataram pouco sobre as últimas horas de Stead.[9] Ele conversava animado em sua refeição de 11 pratos na noite fatídica, contando histórias emocionantes (incluindo um sobre a múmia amaldiçoada do Museu Britânico), mas se retirou para seu aposento às 22:30h.[9][9] Após o navio ter atingido o iceberg, Stead ajudou diversas mulheres e crianças a entrar nos botes salva-vidas, em um ato "típico de generosidade, coragem e humanidade" e deu seu colete salva-vidas para outro passageiro.[4]

O sobrevivente Philip Mock viu Stead, se agarrando a um bote com John Jacob Astor IV. "Seus pés ficaram congelados", relatou Mock, "e foram obrigados a se soltar. Ambos morreram afogados." O corpo de William Stead nunca foi recuperado.[10]

Stead muitas vezes alegou que morreria por linchamento ou se afogaria.[4] Ele publicou duas peças que ganharam maior significado à luz de seu destino no Titanic. Em 22 de março de 1886, ele publicou um artigo com o nome de How the Mail Steamer Went Down in Mid Atlantic by a Survivor,[11] onde um navio a vapor colidia com outro navio, resultando em uma grande perda de vidas devido ao insuficiente número de botes salva-vidas. Stead adicionou: "Isso é exatamente o que pode acontecer e acontecerá se os transatlânticos forem enviados ao mar com falta de botes". Em 1892, Stead publicou uma história chamada From the Old World to the New,[12] em que um navio, o Majestic, resgatava sobreviventes de outro navio que colidiu com um iceberg.

Referências

  1. Mooney, Bel (25 de maio de 2012). «High morals and low life of the first tabloid hack: Muckraker: the Scandalous Life and Times of W.T. Stead by W. Sydney Robinson». London: Mail Online. Consultado em 4 de novembro de 2012 
  2. «The W.T. Stead Resource Site, William Thomas Stead, Stead, Maiden Tribute of Modern Babylon, Pall Mall Gazette, prostitution, child prostitution, Eliza Armstrong, Northern Echo, Review of Reviews, new journalism, sensationalism, truth about the navy, borderland, bulgarian atrocities, bulgarian horrors, victorian london, victorian, contagious diseases acts, titanic, jack the ripper, psychic, spiritualism, clairvoyant». Attackingthedevil.co.uk. 30 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de maio de 2011. Arquivado do original em 14 de maio de 2011 
  3. a b «Press Office Home - The British Library» 
  4. a b c Joseph O. Baylen (ed.). «Stead, William Thomas (1849–1912)». Oxford Dictionary of National Biography. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  5. «W.T. Stead Timeline». Attacking the Devil. Consultado em 7 de maio de 2011 
  6. «The Great Educator: a Biography of W.T. Stead». Attacking the Devil. 15 de abril de 1912. Consultado em 7 de maio de 2011 
  7. «Bookshelf: The Father of Tabloid Journalism». The Wall Street Journal. Consultado em 7 de maio de 2011 
  8. «W.T. Stead by E.T. Raymond (1922)». Attacking the Devil. Consultado em 7 de maio de 2011 
  9. a b c Luckhurst, Roger (10 de abril de 2012). «WT Stead, a forgotten victim of Titanic». The Daily Telegraph. London 
  10. «Stead and Astor cling to Raft». Attacking the Devil. Consultado em 26 de dezembro de 2019 
  11. W.T. Stead, "How the Mail Steamer went down in Mid Atlantic" (1886) at www.attackingthedevil.co.uk
  12. W.T. Stead, "From the Old World to the New" (The Review of Reviews Christmas Number, 1892) at www.attackingthedevil.co.uk

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brake, Laurel et al. W.T. Stead: Newspaper Revolutionary (British Library, distributed by University of Chicago Press; 232 pages; 2013), essays by scholars
  • Brake, Laurel. Stead alone: journalist, proprietor and publisher, 1890–1903 (British Library Press, 2013).
  • Eckley, Grace. Maiden Tribute: A Life of W. T. Stead (2007).
  • Gill, Clare. "" I'm really going to kill him this time": Olive Schreiner, WT Stead, and the Politics of Publicity in the Review of Reviews." Victorian Periodicals Review 46#2 (2013): 184-210.
  • Goldsworthy, Simon. "English nonconformity and the pioneering of the modern newspaper campaign: including the strange case of WT Stead and the Bulgarian horrors." Journalism studies 7#3 (2006): 387-402.
  • Luckhurst, Roger, et al. eds. WT Stead: newspaper revolutionary (The British Library Publishing Division, 2013).
  • Prévost, Stéphanie. "WT Stead and the Eastern Question (1875-1911); or, How to Rouse England and Why?." Interdisciplinary Studies in the Long Nineteenth Century 19 (2013). online
  • Schults, RL (1972). Crusader in Babylon: W.T. Stead and the Pall Mall Gazette. [S.l.]: University of Nebraska Press. ISBN 978-0-8032-0760-8 
  • Regard, Frederic. "The Sexual Exploitation of the Poor in W.T. Stead's 'New Journalism': Humanity, Democracy and the Tabloid Press". Narrating Poverty and Precarity in England (B. Korte and F. Regard eds). Berlin, De Gruyter, 2014 : 75-91.
  • Robinson, W. Sydney. Muckraker: The Scandalous Life and Times of W.T. Stead, Britain's First Investigative Journalist (Biteback Publishing, 2012).
  • Whyte, Frederic. A Life of W. T. Stead (2 vol. 1925).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre William Thomas Stead