Bertrand Maria José de Orléans e Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde maio de 2018) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dom Bertrand
Príncipe Imperial do Brasil
Príncipe de Orleães e Bragança
Príncipe Imperial do Brasil
Período 5 de Julho de 1981 - presente
Antecessor(a) Dom Luiz
 
Casa Orleães e Bragança
Nome completo
Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança e Wittelsbach
Nascimento 2 de fevereiro de 1941 (77 anos)
  Mandelieu,  França
Pai Pedro Henrique de Orléans e Bragança
Mãe Maria Isabel da Baviera
Religião Católico
Família imperial brasileira
Ramo de Vassouras
COA Dinasty Orleães-Bragança.svg

Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança (Mandelieu-la-Napoule, 2 de fevereiro de 1941), príncipe de Orléans e Bragança, é um líder do movimento de restauração da monarquia brasileira.[1][2]

Integrante do Ramo de Vassouras, seria o atual Príncipe Imperial do Brasil, ou seja, o herdeiro presuntivo do seu irmão mais velho, imperador de jure do Brasil, Luís Gastão, Chefe da Casa Imperial Brasileira, posto que este herdou do pai em 1981.

É o terceiro filho varão de Pedro Henrique de Orléans e Bragança, então Chefe da Casa Imperial Brasileira, e de Maria Isabel da Baviera, nascida princesa do Reino da Baviera. Dom Bertrand é neto de Luiz de Orléans e Bragança, bisneto da princesa Isabel do Brasil e de Gastão de Orléans, conde d'Eu, e trineto do imperador Pedro II do Brasil.

É solteiro e não tem filhos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bertrand nasceu em 1941 no sul da França, onde o exílio da família imperial brasileira e a Segunda Guerra Mundial retivera seus pais, sendo o terceiro filho do casal e tendo como irmãos mais velhos o atual chefe da casa imperial Luís Gastão e Eudes, que renunciou ao trono para realizar um casamento morganático.

Veio para o Brasil logo após o término do conflito. Realizou seus estudos secundários em parte no estado do Paraná, onde seu pai se instalara como fazendeiro, em parte no Colégio Santo Inácio, de padres jesuítas, no Rio de Janeiro. Cursou depois a Faculdade de Direito da USP, formando-se bacharel em direito em 1964.

Desde muito jovem recebeu formação católica, sendo orientado por seu pai para o gosto pelo estudo doutrinário e pela análise dos acontecimentos nacionais e internacionais. Participou com entusiasmo, nos bancos acadêmicos, das pugnas ideológicas que marcaram o Brasil na primeira metade dos anos sessenta. Foi sua formação completada com freqüentes viagens à Europa, uma das quais deu-se durante toda a primeira Sessão do Concílio Vaticano II, quando o jovem príncipe tomou estreito contato com a intelectualidade católica acorrida a Roma para o magno evento. Piloto civil, é um reservista da FAB.

Além do português, sua língua natal, D. Bertrand é fluente no francês e no espanhol.

Pensamento e atuais atividades[editar | editar código-fonte]

Bertrand faz parte da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP),[3] de inspiração católica tradicionalista, fundada e dirigida pelo líder intelectual Plinio Corrêa de Oliveira até a sua morte. Ali faz a difusão dos ideais católicos e monárquicos,[4] vistos por ele como facetas distintas e harmônicas de um mesmo ideal. Seu irmão mais velho, Luís Gastão, também faz parte da organização. Após a cisão ocorrida na entidade, o príncipe e seu irmão passaram a colaborar com os membros ligados ao Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (IPCO) e a Associação dos Fundadores

É figura expressiva no cenário do Movimento Monárquico Brasileiro, tanto na época anterior ao plebiscito de 21 de abril de 1993, quanto nos dias que o sucedem. Tem sabido, de maneira respeitosa para com seu irmão mais velho, Chefe da Casa Imperial, liderar as campanhas em prol da restauração da monarquia no Brasil. Em 1990, realizou uma turnê pela Europa, objetivando ilustrar aos católicos e monarquistas do continente as causas e as metas do plebiscito de 1993, por meio de conferências nos mais variados círculos da nobreza. Visitando a França, Portugal, a Espanha, a Itália e a Áustria, Bertrand esclareceu muitos quanto à causa monárquica brasileira e visitou alguns de seus parentes.

Bertrand se posiciona, politicamente, no campo da propriedade privada, livre iniciativa e respeito ao princípio de subsidiariedade, o qual limita o Estado ao âmbito que lhe considera tocar por sua natureza. Fundamentando-se em que os problemas sociais são reflexo dos de ordem moral, é um defensor da instituição familiar e opõe-se ao aborto, sustentando-se na Doutrina Social da Igreja. Quanto à soberania nacional, Bertrand alerta sobre os perigos contra os direitos nacionais sobre a Amazônia. Pela mesma razão julga imperioso prestigiar o militar e o policial no que considera campanhas de descrédito que visam as Forças Armadas.

Integra o movimento Paz no Campo ao lado de pessoas como o jornalista Nelson Ramos Barretto. Atua viajando pelo Brasil dando palestras para latifundiários e empregadores rurais. Em 2012, publicou o livro Psicose Ambientalista, onde critica movimentos como o MST e grupos que intitula "ecoterroristas e ambientalistas radicais".[5]

Em 2017 foi um dos entrevistados no documentário Bonifácio: O Fundador do Brasil, sobre o Patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva.[6]

Descendência e títulos[editar | editar código-fonte]

Solteiro, tem como herdeiro imediato o seu irmão Antônio João de Orléans e Bragança. Além de príncipe imperial do Brasil conforme a constituição brasileira de 1824, é o comendador-mor da Imperial Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo e grão dignitário-mor da Imperial Ordem da Rosa, além de grã-cruz de todas as outras ordens brasileiras e Bailio Grã-Cruz da Ordem Constantiniana de São Jorge, Ordem de Cavalaria católica, e da Grã-Cruz de Honra e Devoção da Ordem Soberana e Militar de Malta.

Utiliza o brasão do Príncipe Imperial, com três flores-de-lís em referência à Casa de Orléans, encimado pelo lambel do herdeiro presuntivo.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Junqueira, Diego (27 de março de 2017). «A família imperial "tem sangue negro", diz "príncipe" do Brasil». R7. Consultado em 30 de dezembro de 2017. 
  2. «Herdeiro de trono extinto, Dom Bertrand de Orleans e Bragança mora em casa alugada de 2 quartos». Época NEGÓCIOS. 5 de julho de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2017. 
  3. "Prince Bertrand of Orleans-Braganza Visits America", TFP.org, 30 April 2001
  4. "A Sour Anniversary for Brazil's Monarchists" by James Brooke, New York Times, 12 November 1989
  5. ORLEANS E BRAGANÇA, D. Bertrand de. Psicose Ambientalista. IPCO, 2012.
  6. «O FUNDADOR – Bonifácio – O Fundador do Brasil». bonifacio.ofundadordobrasil.com.br. Consultado em 7 de junho de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Luís Gastão de Orléans e Bragança
COA Imperial Prince of Brazil.svg
Príncipe Imperial do Brasil

1981 —
Sucedido por
Atual detentor