Ramo de Saxe-Coburgo e Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ramo de Saxe-Coburgo e Bragança
Brasão do ramo Saxe-Coburgo-Bragança.
Estado Império do Brasil
Origem
Fundador Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota e Leopoldina de Bragança e Bourbon
Fundação 1864
Casa originária Capetiana - Wettin
Etnia Caucasiana
Atual soberano
Pretendente Carlos Tasso
Linhagem secundária
-
¹ Questão dinástica brasileira


O ramo de Saxe-Coburgo e Bragança constitui um dos ramos da Casa Imperial do Brasil[1].

História[editar | editar código-fonte]

Teve origem com o casamento de Dona Leopoldina de Bragança, princesa do Brasil, filha do imperador D. Pedro II do Brasil, com o príncipe Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota, celebrado em 15 de dezembro de 1864. Desta união foram gerados quatro filhos; entretanto, somente os dois mais velhos, Pedro Augusto e Augusto Leopoldo, permaneceram com a nacionalidade brasileira. Pedro Augusto não teve descendência e passou a chefia do ramo aos descendentes de seu irmão, que já era falecido quando D. Pedro Augusto morreu.

Augusto Leopoldo, exilado em Viena, Império Austro-Húngaro, casou-se em 1894 com Carolina Maria de Áustria-Toscana, arquiduquesa da Áustria e neta do grão-duque Leopoldo II de Toscana. Dessa união, nasceram oito filhos, dos quais a princesa Teresa Cristina (nascida em 1902) foi a única que permaneceu com a nacionalidade brasileira, bem como seus filhos.[2]

Teresa Cristina casou-se em Salzburgo com Lamoral de Taxis, barão de Bordogna e Valnigra, radicado na Itália e pertencente à família principesca de Thurn e Taxis. O barão permitiu que seus filhos fossem registrados como brasileiros,[2] para que pudessem permanecer na linha sucessória dos Braganças brasileiros. Esse casal deixou como herdeiro de seus nomes e tradições Carlos Tasso de Saxe-Coburgo e Bragança.

Há que se salientar que entre os membros deste ramo não manteriam a dignidade de Dom, visto que, pelas regras nobiliárquicas luso-brasileiras, tal título não é transmitido pela via materna, no caso D. Leopoldina Teresa. Entretanto, após a morte de Dona Leopoldina, princesa do Brasil casada com o príncipe Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota, seus dois primeiros filhos varões, Pedro Augusto e Augusto Leopoldo, foram levados ao Brasil para serem criados como herdeiros do trono imperial brasileiro, haja vista a dificuldade da princesa imperial, D. Isabel, para gerar filhos. Os príncipes Augusto Leopoldo e Pedro Augusto passaram a receber o tratamento de Alteza e de Dom, sendo, para todos os efeitos, príncipes do Brasil. Entretanto, tal condição fragilizou-se com o nascimento de D. Pedro de Alcântara de Orléans e Bragança, primeiro varão de D. Isabel e do conde d'Eu, e de seus irmãos. Contudo, mesmo que Pedro Augusto e Augusto Leopoldo fossem tratados como tais por aquele breve período, oficialmente, eram príncipes de Saxe-Coburgo-Gota[carece de fontes?], sem o tratamento de Dom, somente de Alteza[carece de fontes?].

Chefes do ramo de Saxe-Coburgo e Bragança[editar | editar código-fonte]

  1. Leopoldina Teresa de Bragança e Bourbon (1847–1871). Filha do imperador D. Pedro II e da imperatriz D. Teresa Cristina.
  2. Pedro Augusto de Saxe-Coburgo e Bragança (1871–1934). Filho mais velho de Leopoldina Teresa e do príncipe Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota.
  3. Teresa Cristina de Saxe-Coburgo e Bragança (1934–1990). Filha de Augusto Leopoldo e da arquiduquesa Carolina Maria de Áustria-Toscana.
  4. Carlos Tasso de Saxe-Coburgo e Bragança (1990–). Filho de Teresa Cristina e do barão Lamoral Taxis de Bordogna e Valnigra.

Lista de membros notáveis[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Genealogia de Leopoldina Teresa, a fundadora do Ramo
  2. a b Lessa, Clado Ribeiro de (1951). «O Segundo Ramo da Casa Imperial e a nossa Marinha de Guerra». Revista do Instituto Historico e Geografico Brasileiro. 211: 118-133. ISSN 0101-4366