Francisca de Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Francisca
Princesa do Brasil
Princesa de Joinville
A Princesa de Joinville em c. 1844.
Nascimento 2 de agosto de 1824
  Palácio de São Cristóvão, Rio de Janeiro, Brasil
Morte 27 de março de 1898 (73 anos)
  Paris, França
Sepultado em Capela Real, Dreux, França
Nome completo  
Francisca Carolina Joana Carlota Leopoldina Romana Xavier de Paula Micaela Rafaela Gabriela Gonzaga
Marido Francisco de Orléans, Príncipe de Joinville
Descendência Francisca Maria de Orléans
Pedro, Duque de Penthièvre
Maria Leopoldina de Orléans
Casa Bragança (por nascimento)
Orléans (por casamento)
Pai Pedro I do Brasil & IV de Portugal
Mãe Maria Leopoldina da Áustria
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Francisca
Brasão

Francisca Carolina Joana Carlota Leopoldina Romana Xavier de Paula Micaela Rafaela Gabriela Gonzaga de Bragança (Rio de Janeiro, 2 de agosto de 1824Paris, 27 de março de 1898), foi uma Princesa do Brasil por nascimento e Pincesa de Joinville por casamento. Era a quarta filha do Imperador e rei Pedro I do Brasil & IV de Portugal e de sua primeira esposa, a arquiduquesa Maria Leopoldina da Áustria, sendo assim, irmã da rainha Maria II de Portugal e do imperador Pedro II do Brasil.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família e educação[editar | editar código-fonte]

Aquarela de Francisca, Pedro II e Januária em 1839.

Francisca nasceu em 2 de agosto de 1824 no Palácio de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, capital do Império do Brasil. Seu nome por extenso era "Francisca Carolina Joana Carlota Leopoldina Romana Xavier de Paula Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga". Por intermédio de seu pai, o imperador Dom Pedro I, ela era membro do ramo brasileiro da sereníssima Casa de Bragança e era chamada pelo honorífico de "Dona" desde o nascimento. Sua mãe era a arquiduquesa Maria Leopoldina da Áustria, filha de Francisco I, o último Sacro Imperador Romano como Francisco II. Através dela, Francisca era sobrinha de Napoleão Bonaparte e prima dos imperadores Napoleão II da França, Francisco José I da Áustria-Hungria e de Maximiliano I do México.[2] Seu nome foi escolhido por seu pai como forma de homenagear o rio São Francisco, importante rio do interior do Brasil.[carece de fontes?]

Francisca perdeu sua mãe, D. Maria Leopoldina, com menos de três anos de idade. Aos sete anos, ela viu o pai, D. Pedro I do Brasil (Pedro IV de Portugal), sua madrasta (Amélia de Leuchtenberg) - que havia se casado com D. Pedro I em 1829 -,[3][4] e sua irmã mais velha (a futura Maria II de Portugal) partirem para Lisboa - tanto Francisca quanto os irmãos Pedro e Januária nunca mais veriam o pai.[5]

Francisca cresceu ao lado dos irmãos D. Pedro de Alcântara (posteriormente imperador D. Pedro II do Brasil), Paula Mariana e Januária, sob a tutela de José Bonifácio de Andrada e Silva, diplomata, erudito, filósofo e poeta brasileiro, nomeado guardião pelo pai das crianças imperiais.[6] Os irmãos foram criados tanto na etiqueta, quanto em línguas, cultura em geral e tudo mais. E era uma educação muito centrada, muito regrada.[7] Era conhecido que tanto D. Francisca quanto sua irmã mais velha D. Januária teriam aprendido a cozinhar, bem como, juntamente com o irmão D. Pedro, brincavam no pequeno teatro criado para elas em São Cristóvão, onde representavam e declamavam peças, bem como brincavam de rezar missas, onde a princesa D. Francisca revestia-se de padre, sua irmã e seu irmão eram acólitos.[8]

Casamento e vida na França[editar | editar código-fonte]

Francisca de Bragança, Princesa de Joinville
Franz Xaver Winterhalter, 1846. No Palácio de Versalhes
A Princesa de Joinville montando em cavalo. Aquarela atribuída a Henri d’Aincy, mas possivelmente o pintor foi o próprio marido da princesa.[9]

A princesa Francisca casou-se com o príncipe francês Francisco de Orleães, terceiro filho do rei dos franceses Luís Filipe I de França e Maria Amélia de Nápoles e Sicília, tia de D. Leopoldina e tia-avó de D. Francisca.[10] O casamento aconteceu no Rio de Janeiro em 1 de maio de 1843. A noiva tinha dezenove anos e o noivo vinte e cinco. A Baronesa de Langsdorff, companheira de Francisca, foi a encarregada dos preparativos do casamento.[9] De acordo com o contrato de casamento, o dote da noiva era estimado em um milhão de francos e renda temporária de 6% do orçamento nacional, além de 25 quilômetros quadrados de terra no estado de Santa Catarina no Brasil.[11]. A fortuna pessoal da noiva, que não estava incluída no dote, era de 25.000 francos, além de uma herança de diamantes que totalizava 200.000 francos.

Após o casamento, recebeu o título de "Sua Alteza Real, Francisca, Princesa de Joinville".

A princesa causou uma boa impressão em todos. Conhecida na corte francesa La belle Françoise (A bela Francisca), aos dezenove anos, Francisca foi descrita por um embaixador francês:

«Ela é alta e muito elegante; sua expressão é amável e a vivacidade de sua formosura nada fica a dever a sua dignidade. A princesa tem cabelos louros, olhos muito escuros e ligeiramente afastados e um olhar doce muito agradável. Sua fronte talvez seja proeminente em demasia, mas toda a parte inferior do rosto e da boca possui uma expressão sedutora.»[12]

O casal se estabeleceu em Paris, onde a princesa era considerada uma das mais belas aristocratas, e todo o mundo metropolitano admirava sua alegre espontaneidade. À noite, ao contrário de outros membros da família real, os noivos gostavam de visitar cafés, restaurantes e teatros, e de manhã preferiam passear a cavalo pelo Bois de Boulogne. O príncipe de Joinville, assim como a esposa, era um bom aguarelista, tendo até mesmo produzido uma tela da mulher montando em cavalo.[9] Ainda na corte francesa, Francisca tornou-se amiga de uma fidalga brasileira casada com um nobre francês, Luísa Margarida de Barros Portugal, Condessa de Barral.[13]

Francisca de Bragança Coleção Princesa Isabel: Fotografia do século XIX. Rio de Janeiro: Capivara, 2008

Todavia, em 1848, a monarquia foi extinta na França, e os Orléans seguiram para o exílio. Dotada de espírito combativo, D. Francisca negociou com vigor com os republicanos a fuga de sua família. Exilou-se em Claremont, Inglaterra, e manteve uma intensa troca de correspondência com seu irmão no Brasil. Com dificuldades financeiras, os príncipes de Joinville negociaram as terras catarinenses com a Companhia Colonizadora Alemã, do senador Christian Mathias Schroeder, rico comerciante e dono de alguns navios. Assim nasceu a Colônia Dona Francisca, mais tarde Joinville, atualmente a maior cidade do estado de Santa Catarina.

Tratada carinhosamente como "Mana Chica" por D. Pedro II, D. Francisca, que sempre foi íntima do irmão, alertava-o e defendia medidas enérgicas contra o crescimento do republicanismo no Brasil. Em 1864, ela enviou os príncipes Gastão de Orléans, Conde d'Eu, e Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota para o Brasil, onde se casariam com suas sobrinhas, D. Leopoldina e D. Isabel, respectivamente. Entretanto, os casais preferiram inverter a orientação familiar, casando-se o Conde d'Eu com a princesa Isabel, e o príncipe Luís Augusto com a princesa Leopoldina;[14] o próprio filho de Francisca, Pedro, Duque de Penthièvre, já havia sido considerado como potencial noiva para uma das primas brasileiras.[15] Sempre íntima do irmão imperador, Francisca tinha até mesmo o influenciado uma década antes a contratar a Condessa de Barral, que conhecera na França, como preceptora das princesas Isabel e Leopoldina.[16][17]

Entretanto, após a queda da Napoleão III e do Segundo Império Francês em 1870, em decorrência da Guerra Franco-Prussiana, a família Orléans retornou à França; Francisca faleceu em Paris aos 73 anos. Seu marido sobreviveu por mais dois anos, falecendo em Paris em 1900. Ambos estão enterrados na Capela real de Dreux.[10] Em seus últimos anos, Francisca testemunhou a queda do Império do Brasil, em 1889, e o exílio do irmão D. Pedro II.

Legado[editar | editar código-fonte]

Retrato da Princesa de Joinville, por Amédée Faure, c. 1845-47. Localizado no Museu Condé.

O seu diário da viagem durante seu translado do Brasil para à França foi posteriormente publicado por Victorine Emilie, a Baronesa de Langsdorff, encarregada de preparar o casamento do filho do rei dos franceses coma princesa brasileira.[18]

Em Joinville, cidade que foi nomeada em homenageada a Francisca e o marido, pode se encontrar, na Rua das Palmeiras, uma réplica do busto da princesa, produzido originalmente em bronze pelo pelo artista alemão Fritz Alt.[19][20] Ainda em Joinville, também conhecida como "a Cidade dos Príncipes", uma das ruas mais movimentadas da cidade também carrega o nome da princesa de Joinville, ligando o Centro à zona Norte.[21]

Aquarelista, três obras da princesa fazem parte do acervo da Biblioteca Nacional do Brasil, com sede no Rio de Janeiro, e retratam pássaros desenhados em aquarela.[22][23][24][25]

Ademais, através de sua filha, a Duquesa de Chartres, Francisca foi avó materna da princesa Maria da Dinamarca, mãe de Ana de Bourbon-Parma, esposa do rei Miguel I da Romênia.[26] Francisca também é ancestral comum do atual pretendente ao trono francês.[27]

Títulos e honrarias[editar | editar código-fonte]

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 2 de agosto de 1824 — 1 de maio de 1843: Sua Alteza, a Princesa Francisca do Brasil
  • 1 de maio de 1843 — 27 de março de 1898: Sua Alteza Real, a Princesa de Joinville

Em sua vida Francisca teve os seguintes títulos:

Honrarias[editar | editar código-fonte]

Imperial Order of Pedro I.gif Grã-Cruz da Imperial Ordem de Pedro I [28]

436px ribbon bar of the Order of the Rose (Brazil).svg Grã-Cruz da Imperial Ordem da Rosa [28]

PRT Ordem de Nossa Senhora da Conceicao de Vila Vicosa Cavaleiro ribbon.svg Grã-Cruz da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa [29]

Ordine di Santa Isabella.png Grã-Cruz da Ordem Real de Santa Isabel [29]

Order of Queen Maria Luisa (Spain) - ribbon bar.png Dignitária da Ordem das Damas Nobres de Espanha [29]

Ordre de la Croix étoilée autro-hongrois.jpg Dignitária da Ordem da Cruz Estrelada [29]

Order.of.Elizabeth-Bavaria.gif Dignitária da Ordem de Santa Isabel da Baviera [29]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Descendência da Princesa Dona Francisca (1824-1898) e do Príncipe de Joinville (1818-1900).
Nome Retrato Vida Notas[10]
Francisca Maria de Orléans Undated photograph of Princess Françoise of Orléans, Duchess of Chartres (Bibliothèque nationale).jpg 14 de agosto de 1844 –
28 de outubro de 1925
Casou-se com Roberto, Duque de Chartres em 1863, com descendência.
Pedro, Duque de Penthièvre Portrait de Pierre d'Orléans, duc de Penthièvre, (1845-1919), (officier de marine, fils du prince de Joinville).jpg 2 de dezembro de 1825
– 5 de dezembro de 1891
Não se casou, mas teve dois filhos ilegítimos com Angélique Lebesgue.[30][31][32]
Maria Leopoldina de Orléans 30 de outubro de 1849 Morreu poucas horas após o nascimento.[carece de fontes?]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Barman 1999, p. 424.
  2. «Princess Francisca of Brazil, Princess de Braganca : Genealogics». www.genealogics.org. Consultado em 10 de novembro de 2021 
  3. Macaulay 1986, p. 235.
  4. Barman 1999, p. 26.
  5. Lyra 1977, p. 19.
  6. Schwarcz 1998, p. 50.
  7. Morriesen, Cláudia (6 de março de 2021). «Dona Francisca de Joinville, a princesa que deu o primeiro nome à maior cidade de Santa Catarina». NSC Total. Joinville. Consultado em 22 de abril de 2022 
  8. Rezzutti, Paulo (2019). D. Pedro II: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos. [S.l.]: Leya. p. 111. ISBN 9788577346790 
  9. a b c Dias Lopez. «A princesa e a sopa de papagaio». Estadão. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  10. a b c «Franziska Caroline de Bragança, Infanta de Portugal e Brasil». thepeerage.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 .
  11. «Dona Francisca do Brasil.» 
  12. Custódio, Rafael (5 de março de 2021). «La belle Françoise: Beleza de princesa Francisca está registrada em livro». O Globo. Consultado em 22 de abril de 2022 
  13. Bragança 1959, p. 73.
  14. Bragança 1959, pp. 77-78.
  15. Barman, Roderick J. (2002). Princess Isabel of Brazil : gender and power in the nineteenth century. Wilmington, Del.: SR Books. OCLC 1100869230 
  16. Barman 2002, p. 36
  17. Calmon 1975, pp. 558–559
  18. Victorine Emilie de Sainte-Aulaire Langsdorff, Baronesa de Langsdorff. O Diário da Viagem de D. Francisca de Bragança A «Bela Chica», Alteza Imperial do Brasil, Infanta de Portugal e Princesa Real de França. [S.l.]: Aletheia Editores. ISBN 9789896220402 
  19. ROSANA RITTA (4 de agosto de 2016). «Obra de Fritz Alt, busto de Dona Francisca retorna à Rua das Palmeiras». ND Mais - Notícias de Santa Catarina. Consultado em 22 de abril de 2022 
  20. [Monumento a Dona Francisca : Joinville, SC] - Série: Acervo dos municípios brasileiros. Página no site oficial do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
  21. El-Khatib, Faissal 1970. História de Santa Catarina, pp. 52-53.
  22. FRANCISCA. [Pássaro 1]. [S.l.: s.n.], [1840]. 1 desenho, aquarela, col., 23,8 x 23,3cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397314/icon1397314.jpg. Acesso em: 22 abr. 2022. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397314/icon1397314.html. Acesso em: 22 abr. 2022.
  23. FRANCISCA. [Pássaro 2]. [S.l.: s.n.], [1840]. 1 desenho, aquarela, col., 27,2 x 18,9cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397315/icon1397315.jpg. Acesso em: 22 abr. 2022. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397315/icon1397315.html. Acesso em: 22 abr. 2022.
  24. FRANCISCA. [Pássaro 3]. [S.l.: s.n.], [1840]. 1 desenho, aquarela, col., 28,5 x 21,3cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397316/icon1397316.jpg. Acesso em: 22 abr. 2022. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397316/icon1397316.html. Acesso em: 22 abr. 2022.
  25. FRANCISCA. [Pássaro 4]. [S.l.: s.n.], [1840]. 1 desenho, aquarela, col., 29,7 x 19,7cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397317/icon1397317.jpg. Acesso em: 22 abr. 2022. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1397317/icon1397317.html. Acesso em: 22 abr. 2022.
  26. Walter Curley (1973). Monarchs-in-Waiting. Cornwall, Nova Iorque: Dodd, Mead & Co. p. 77. ISBN 0-396-06840-5 
  27. Willis, Daniel (1999). «The Royal Family of France». The Descendants of Louis XIII. Baltimore: Clearfield. pp. 94–97, 806. ISBN 978-0-8063-4942-8 
  28. a b Laemmert (1849), p. 24
  29. a b c d e Laemmert (1853), p. 24
  30. Sirjean, 1963, p. 281
  31. Sirjean., 1963, p. 141
  32. Manach, 1988, p. 188
  33. Jean-Charles Volkmann, Généalogie des rois et des princes, Jean-Paul Gisserot, 1998.
  34. Barman 1999, p. 8.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Barman, Roderick J. Citizen Emperor: Pedro II and the Making of Brazil, 1825–1891: [em inglês.]. — Stanford, California: Stanford University Press, 1999. — P. 26, 41. — 548 p. — ISBN 978-0-8047-3510-0.
  • Bragança, Carlos Tasso de Saxe-Coburgo. «A Princesa Leopoldina». Revista do Instituto Historico e Geografico Brasileiro. — 1959. — P. 73—78. — 243 p.
  • Carvalho, José Murilo de. D. Pedro II: ser ou não ser. — São Paulo: Companhia das Letras, 2007. — P. 22. — 276 p. — ISBN 978-85-359-0969-2.
  • Longo, James McMurtry. Isabel Orleans-Bragança: The Brazilian Princess Who Freed the Slaves: [em inglês.]. — Jefferson, North Carolina: McFarland & Company, 2008. — P. 70. — ISBN 978-0-7864-3201-1.
  • Lyra, Heitor. História de Dom Pedro II (1825–1891): Ascenção (1825–1870). — Belo Horizonte, 1977. — P. 17—19.
  • Macaulay, Neill. Dom Pedro: The Struggle for Liberty in Brazil and Portugal, 1798–1834.: [em inglês.]. — Durham, North Carolina: Duke University Press, 1986. — P. 235, 252—259. — 365 p. — ISBN 978-0-8223-0681-8.
  • Schwarcz, Lilia Moritz. As barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. — São Paulo: Companhia das Letras, 1998. — P. 50—52. — 623 p. — ISBN 978-85-7164-837-1.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Francisca de Bragança