Economia ecológica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bioeconomia)
Ir para: navegação, pesquisa

Economia ecológica é um campo de estudo transdisciplinar, que reconhece a interdependência da economia e dos ecossistemas naturais ao longo do espaço e do tempo. Ela se distingue de economia ambiental, a qual se baseia na teoria da economia neoclássica. [1][2][3]

Características[editar | editar código-fonte]

As idéias básicas da Economia Ecológica são:[4]

A economia é incorporada na natureza. Há limites para o crescimento material e problemas ambientais críticos, a escala da economia tem sido capaz de ultrapassar seu tamanho sustentável afetando a resiliência da mesma.

O trabalho transdisciplinar, o pluralismo e a visão holística do mundo são fundamentais para enfrentar os problemas ambientais, nenhuma disciplina isolada fornece uma perspectiva suficiente para a magnitude e complexidade da problemática ambiental do planeta.

A natureza é o suporte vital da humanidade, ainda falta conhecimento sobre a natureza e as relações entre as sociedades e o seu meio. Portanto, existe a incerteza sobre as consequências das ações atuais, que por sua vez significa assumir princípios de precaução e abordagens abertas à participação social, já que o conhecimento científico é insuficiente.

Usando a teoria dos sistemas, proveniente das ciências naturais para entender a dinâmica e evolução dos problemas.

As questões de equidade e distribuição intra e intergeracionais são essenciais.

A natureza tem um valor por si mesma, independentemente do seu uso ou utilidade para os seres humanos.

A economia está integrada em sistemas culturais e sociais mais amplas para que a natureza, economia e sociedade coevoluam. Os aspectos sociais e culturais assumem grande importância.

Tópicos[editar | editar código-fonte]

Entre os temas abordados pela economia ecológica estão a metodologia, a alocação de recursos, a economia energética, a contabilidade e o equilíbrio energético, e a modelagem ecológico-econômica.

Metodologia[editar | editar código-fonte]

Um dos principais objetivos da economia ecológica é fundamentar o pensamento econômico e a prática na realidade física, especialmente nas leis da física (particularmente as leis da termodinâmica) e no conhecimento de sistemas biológicos. Aceita, portanto, a melhoria do bem-estar humano através do desenvolvimento e busca garantir a realização deste através do planejamento para o desenvolvimento sustentável de ecossistemas e sociedades. É claro que os termos desenvolvimento e desenvolvimento sustentável estão longe de faltar polêmica. A economia tradicional ganhou a terminologia do desenvolvimento no livro Desenvolvimento traído. [5]

O bem-estar na economia ecológica também é diferenciado do bem-estar da economia geral e na "nova economia do bem-estar" da década de 1930, que informa a economia de recursos e meio ambiente. Isso implica numa concepção utilitária preferencial de valor, ou seja, a natureza é valiosa para as economias porque as pessoas pagam por seus serviços, como ar limpo, água limpa, encontros com a região selvagem, etc.

A economia ecológica é distinguível da economia neoclássica principalmente por sua afirmação de que a economia está inserida dentro de um sistema ambiental. A ecologia lida com as transações de energia e matéria da vida e da Terra, e a economia humana é, por definição, contida neste sistema. Os economistas ecológicos argumentam que a economia neoclássica ignorou o meio ambiente, na melhor das hipóteses, considerando que ele é um subconjunto da economia humana.

A visão neoclássica ignora o que as ciências naturais ensinaram sobre as contribuições da natureza para a criação de riqueza, por exemplo, a dotação planetária de matéria e energia escassas, juntamente com os ecossistemas complexos e biologicamente diversos que fornecem bens e serviços ecossistêmicos diretamente para comunidades humanas: regulação de micro e macro-clima, reciclagem de água, purificação de água, regulação de águas pluviais, absorção de resíduos, produção de alimentos e medicamentos, polinização, proteção contra radiação solar e cósmica, a visão de um céu noturno estrelado, etc.

Houve uma mudança para considerar coisas como o capital natural e as funções dos ecossistemas como bens e serviços. [6] [7] No entanto, isso está longe de ser incontroverso em ecologia ou economia ecológica devido ao potencial para reduzir os valores aos encontrados na economia geral e o perigo de limitar-se a considerar a natureza como uma mercadoria. Isso foi referido como a "venda na natureza". [8] Existe então uma preocupação de que a economia ecológica não tenha aprendido com a extensa literatura em ética ambiental sobre como estruturar um sistema de valores plural.

Alocação de recursos[editar | editar código-fonte]

A economia de recursos e a economia neoclássica concentram-se mais na alocação eficiente de recursos e menos em dois outros problemas econômicos fundamentais: distribuição (equidade) e escala da economia em relação aos ecossistemas sobre os quais é dependente.[9] A Economia ecológica também faz uma clara distinção entre crescimento (aumento quantitativo da produção econômica) e desenvolvimento (melhoria qualitativa da qualidade de vida), enquanto argumenta que a economia neoclássica confunde os dois. Os economistas ecológicos apontam que, além de níveis modestos, o aumento do consumo per capita (a medida econômica típica do "padrão de vida") não conduz necessariamente a uma melhoria no bem-estar humano, enquanto esse mesmo consumo pode ter efeitos nocivos sobre o meio ambiente e um bem-estar social mais amplo.

A análise de energia pode ser realizada para encontrar conexões entre o valor econômico e o mundo físico. Aqui, os custos de aquecimento (eixo vertical) são comparados com o conteúdo de exergia de diferentes transportadores de energia (eixo horizontal). Pontos vermelhos e linha de tendências indicam preços de energia para consumidores, pontos azuis e linha de tendências indicam o preço total para os consumidores, incluindo as despesas de capital para o sistema de aquecimento. As transportadoras de energia incluídas são o aquecimento urbano (D), a bomba de calor de fonte terrestre (G), a bomba de calor de ar de exaustão (A), a bioenergia que significa lenha (B), óleo de aquecimento (O) e aquecimento elétrico direto (E)..[10]

Economia energética[editar | editar código-fonte]

Um conceito-chave de economia energética é o ganho líquido de energia, que reconhece que toda energia requer energia para produzir. Para ser útil, o retorno energético da energia investida (EROEI) deve ser maior que um. O ganho líquido de energia proveniente da produção de carvão, petróleo e gás diminuiu ao longo do tempo, pois as fontes mais fáceis de produzir foram mais fortemente esgotadas.[11]

A economia ecológica geralmente rejeita a visão da economia energética de que o crescimento do suprimento de energia está diretamente relacionado ao bem-estar. Sendo assim, concentra-se então na biodiversidade e criatividade - ou capital natural e capital individual, na terminologia adotada às vezes para descrevê-los economicamente. Na prática, a economia ecológica centra-se principalmente nas questões-chave do crescimento não econômico e da qualidade de vida. Os economistas ecológicos estão inclinados a reconhecer que grande parte do que é importante no bem-estar humano não é analisável de um ponto de vista estritamente econômico e sugerem uma abordagem interdisciplinar combinando ciências sociais e naturais como um meio para abordar isso.

A termoeconomia baseia-se na proposição de que o papel da energia na evolução biológica deve ser definido e compreendido através da segunda lei da termodinâmica, mas também em termos de critérios econômicos como produtividade, eficiência e especialmente os custos e benefícios (ou rentabilidade) de vários mecanismos para capturar e utilizar a energia disponível para construir biomassa e trabalhar.[12][13] Como resultado, a termoeconomia é muitas vezes discutida no campo da economia ecológica, que está relacionada aos campos da sustentabilidade e do desenvolvimento sustentável.

A análise de energia é realizada no campo da ecologia industrial para usar energia de forma mais eficiente.[14] O termo exergia, foi criado por Zoran Rant em 1956, mas o conceito foi desenvolvido por J. Willard Gibbs. Nas últimas décadas, a utilização da exergia se espalhou para fora da física e engenharia nos campos da ecologia industrial, da economia ecológica, da ecologia dos sistemas e da energia.

Contabilidade e equilíbrio energético[editar | editar código-fonte]

Um balanço de energia pode ser usado para rastrear a energia através de um sistema e é uma ferramenta muito útil para determinar o uso de recursos e os impactos ambientais. Usando a primeira e segunda lei da termodinâmica, para determinar a quantidade de energia necessária em cada ponto de um sistema e em que forma essa energia é um custo em várias questões ambientais. O sistema de contabilidade energética acompanha a energia dentro, a energia fora e a energia não útil versus o trabalho realizado e as transformações dentro do sistema. [15]

Os cientistas escreveram e especularam sobre diferentes aspectos da contabilidade energética. [16]

Modelagem ecológico-econômica[editar | editar código-fonte]

A modelagem matemática é uma ferramenta poderosa que é utilizada na análise econômica ecológica. Várias abordagens e técnicas incluem: [17][18] evolução, insumo-saída, modelagem neo-austríaca, modelos de entropia e termodinâmica,[19] modelagem multi-critérios e baseada em agentes, curva ambiental de Kuznets e estoque-fluxo, estruturas de modelos consistentes. A dinâmica de sistemas e o SIG são técnicas aplicadas, entre outras, ao modelo de modelagem de paisagem dinâmica espacial. [20][21] Os métodos de contabilidade Matrix de Christian Felber fornecem um método mais sofisticado para identificar "o bem comum".[22]

Economia ecológica X Economia ambiental[editar | editar código-fonte]

A economia ecológica se diferencia da economia ambiental neoclássica (considerada esta a corrente mainstream) defendendo os seguintes pontos[1][2][3][23][24]:

  •  A economia é um subsistema da natureza e não o contrário.
  • Considerando os limites biofísicos, a humanidade deve se desenvolver dentro de uma escala ótima e sustentável.
  •  Para satisfazer as necessidades das gerações atuais e futuras, a distribuição justa de recursos é imprescindível – uma vez que a economia e o produto (PIB) não podem crescer indefinidamente.
  •  Bens e serviços ecossistêmicos são muitas vezes públicos, não-rivais e não-exclusivos e mecanismos de livre mercado não são suficientes para geri-los adequadamente.

A disciplina surge a partir dos trabalhos seminais de Nicholas Georgescu-Roegen e Howard T. Odum e das publicações influentes de Paul Erlich[25], Kenneth Boulding[26] e do Clube de Roma[27]. Entre seus grandes pensadores atuais estão Herman Daly, Robert Costanza, Joan Martinez Alier, Joshua Farley, Manfred Max-Neef, Peter Victor, entre outros.

Ética[editar | editar código-fonte]

A economia geral tentou ser livre de valor, tornando-se uma "ciência difícil", mas os economistas ecológicos argumentaram que a economia livre de valor geralmente não é realista. A economia ecológica está mais disposta a ter concepções alternativas de utilidade, eficiência e benefícios de custos, tais como análise de posição ou análise multi-critérios. A economia ecológica geralmente é vista como economia para o desenvolvimento sustentável [28] e pode ter metas semelhantes à política verde.

Escolas de pensamento[editar | editar código-fonte]

Várias correntes de pensamento existem no campo. Algumas são próximas da economia de recursos e meio ambiente, enquanto outros são muito mais heterodoxos. Um exemplo disso é a Sociedade Europeia de Economia Ecológica. Um exemplo é o Instituto Sueco Beijer de Economia Ecológica. A classificação do movimento de economia ecológica é realizada, em geral, por diferentes escolas econômicas do meio ambiente em três categorias principais. Estes são os principais economistas de recursos novos, os novos pragmatistas ambientais, [29] e os economistas ecológicos sociais mais radicais. [30] O trabalho de pesquisa internacional que compara a relevância das categorias para economistas mainstream e heterodoxos mostra algumas divisões claras entre economistas ambientais e ecológicos. [31]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Costanza R. (1989). What is ecological economics? Ecological Economics 1:1-7. Texto completo.
  2. a b Daly, H., Farley, J. (2004). Economia Ecológica: princípios e aplicações. Lisboa: Instituto Piaget 
  3. a b Ropke, I. The early history of modern ecological economics. Ecological Economics, v. 50, p. 293-314, 2004.
  4. Ropke, Inge (2004), The early history of modern ecological economics, Amsterdam: Elsevier. Vol50/3-4. ISSN 0921-8009
  5. Norgaard, R. B. (1994) Development Betrayed: The End of Progress and a Coevolutionary Revisioning of the Future. London: Routledge
  6. Daily, G.C. 1997. Nature's Services: Societal Dependence on Natural Ecosystems. Washington, D.C.: Island Press.
  7. Millennium Ecosystem Assessment. 2005. Ecosystems and Human Well-Being: Biodiversity Synthesis. Washington, D.C.: World Resources Institute.
  8. McCauley, D. J. (2006) Selling out on nature. Nature 443(7): 27-28
  9. Daly, H. and Farley, J. 2004. Ecological Economics: Principles and Applications. Washington: Island Press.
  10. A. Müller, L. Kranzl, P. Tuominen, E. Boelman, M. Molinari, A.G. Entrop: Estimating exergy prices for energy carriers in heating systems: Country analyses of exergy substitution with capital expenditures. Energy and Buildings, Volume 43, Issue 12, December 2011, Pages 3609–3617.
  11. Hall, Charles A.S.; Cleveland, Cutler J.; Kaufmann, Robert (1992). Energy and Resource Quality: The ecology of the Economic Process. Niwot, Colorado: University Press of colorado.
  12. Peter A. Corning 1 *, Stephen J. Kline. (2000). Thermodynamics, information and life revisited, Part II: Thermoeconomics and Control information Systems Research and Behavioral Science, Apr. 07, Volume 15, Issue 6, Pages 453 – 482
  13. Corning, P. (2002). “Thermoeconomics – Beyond the Second Law Archived 2008-09-22 at the Wayback Machine.” – source: www.complexsystems.org
  14. Wall, Göran. "Exergy - a useful concept". Exergy.se. Retrieved 2012-12-23.
  15. "Environmental Decision making, Science and Technology". Telstar.ote.cmu.edu. Retrieved 2012-12-23.
  16. Stabile, Donald R. "Veblen and the Political Economy of the Engineer: the radical thinker and engineering leaders came to technocratic ideas at the same time," American Journal of Economics and Sociology (45:1) 1986, 43-44.
  17. Proops, J., and Safonov, P. (eds.) (2004), Modelling in Ecological Economics, Edward Elgar
  18. Faucheux, S., Pearce, D., and Proops, J. (eds.) (1995), Models of Sustainable Development, Edward Elgar
  19. Chen, Jing (2015). The Unity of Science and Economics: A New Foundation of Economic Theory. http://www.springer.com/us/book/9781493934645: Springer.
  20. Costanza, R., and Voinov, A. (eds.) (2004), Landscape Simulation Modeling. A Spatially Explicit, Dynamic Approach, Springer-Verlag New-York, Inc.
  21. Voinov, Alexey (2008). Systems science and modeling for ecological economics (1st ed.). Amsterdam: Elsevier Academic Press. ISBN 0080886175.
  22. Felber, Christian (2012), "La economia del bien commun" (Duestro)
  23. Romeiro, A.R. Economia ou economia política da sustentabilidade. In: May, P. H.; Lustosa, M. C. et al (Ed.). Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
  24. Daly, Herman E. (1 de dezembro de 1992). «Allocation, distribution, and scale: towards an economics that is efficient, just, and sustainable». Ecological Economics. 6 (3): 185-193. doi:10.1016/0921-8009(92)90024-M 
  25. Ehrlich, P. R. The population bomb. New York, Ballantine Books, 1968. 223 p.
  26. Boulding, K. E. The economics of the coming spaceship earth. In: Jarret, H. (Ed.). Environmental quality in a growing economy. Baltimore: Johns Hopkins Un. Press, 1966.  
  27. Meadows, D. H.  et al. The Limits to growth: a report to the Club of Rome.  New York: Universe Books, 1972. 205 p.
  28. Soderbaum P. (2004). Politics and Ideology in Ecological Economics. Internet Encyclopaedia of Ecological Economics.
  29. http://www.clivespash.org/wp-content/uploads/2015/04/Spash_NEP_2009_EV.pdf
  30. "Spash, C.L. (2011) Social ecological economics: Understanding the past to see the future. American Journal of Economics and Sociology 70, 340-375" (PDF). Retrieved 2014-01-07.
  31. Jacqui Lagrue (2012-07-30). "Spash, C.L., Ryan, A. (2012) Economic schools of thought on the environment: Investigating unity and division. Cambridge Journal of Economics 36, 1091-1121" (PDF). Cje.oxfordjournals.org. Retrieved 2014-01-07.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]