Caso Pavesi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Caso Pavesi
Local Poços de Caldas
Data 21 de abril de 2000
Vítimas Paulo Veronesi Pavesi

O Caso Pavesi deu origem a vários processos e trouxe à tona denúncias de irregularidades no esquema de transplantes de órgãos em Poços de Caldas.[1]

Em 19 de abril de 2000, Paulo Veronesi Pavesi, então com dez anos, sofreu acidentalmente uma queda no prédio onde morava, no bairro São Benedito, em Poços de Caldas. O menino sofreu traumatismo craniano e ferimentos na face. Ele foi socorrido por uma vizinha, que o levou ao Hospital Pedro Sanches.[1][2][3]

Os órgãos de Paulo Veronesi Pavesi foram retirados e transplantados.[1]

A Polícia Federal abriu um inquérito que apontou que o exame para constatar a morte encefálica foi feito de forma irregular. A investigação deu origem a outros inquéritos e a Santa Casa de Poços de Caldas perdeu o credenciamento para realizar transplantes de órgãos.[4] Segundo o Ministério Público, inúmeras irregularidades cercaram o atendimento ao garoto, o que culminou em sua morte. Os médicos foram acusados de prestar o serviço médico de forma inadequada, para prejudicar a recuperação do paciente, de maneira que ele se tornasse um doador de órgãos.[1]

A situação envolvendo a doação de órgãos de outros pacientes, atendidos pelo mesmo grupo de médicos, também deu origem a outros processos.[1]

Referências

  1. a b c d e «Caso Pavesi». TJMG. Consultado em 31 de março de 2018 
  2. «Justiça anula condenações de três médicos do 'Caso Pavesi' em MG». G1. Globo. 2016-5  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. «'Caso Pavesi': asilado, pai de menino morto há 14 anos depõe em Londres». G1. Globo. 2014-5  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. «Paulo Veronesi Pavesi», Gabriela sou da paz, Memorial .

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um crime ou atividade criminosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.