Crisálidas (Machado de Assis)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Crisálidas
Autor(es) Machado de Assis
Idioma Português
País  Brasil
Gênero Poesia
Lançamento 1864

Crisálidas é o primeiro livro de poesia de Machado de Assis, publicado em 1864.[1]

Escrito quando Machado tinha 25 anos de idade, constava originalmente de 29 poemas, dos quais 17 foram cortados pelo próprio poeta em 1901, quando editou suas Poesias Completas. Os poemas sobreviventes incluem os Versos a Corina, dedicados à sua primeira musa, cuja identidade não é revelada e que, segundo alguns estudiosos da obra machadiana, não é necessariamente uma mulher real.[2]

O poema dedicado a Corina, na edição das Poesias Completas, foi alterado por Machado, com a retirada de um conjunto de 22 versos, relacionando sua musa às de outros poetas: Leonor (Tasso), Lívia (Horácio), Beatriz (Dante Alighieri), Catarina (Luís de Camões), Corina (Ovídio), Cíntia (Propércio), Lésbia (Catulo), Délia (Tibulo). Deste bloco fazia parte ainda o verso que mais tarde seria usado como lema da Academia Brasileira de Letras:

Esta a glória que fica, eleva, honra e consola.[3]

Referências

  1. Reedição traz poesia de Machado para leitor julgar. Folha de S. Paulo, 22 de julho de 2000
  2. VIEIRA, Bruno G. José Feliciano de Castilho e a clâmide romana de Machado de Assis Machado de Assis em linha - ano 2, número 4, dezembro 2009
  3. SANDMANN, Marcelo. Presença camoniana na poesia de Machado de Assis: Crisálidas (1864), Falenas (1870) e Americanas (1875). R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre poesia ou um poema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.