Girl power

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Girl Power)
Ir para: navegação, pesquisa

A frase "Girl power" é usada como termo para poder feminino, independência e auto-suficiência. Girl power expressa um fenômeno cultural da década de 1990 e início de 2000, e está também ligada a terceira onda do feminismo. O termo tornou-se popularizado pelas Spice Girls em meados da década de 1990.

Início do uso [editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros usos do termo "Girl Power" foi em 1987, foi pelo girl group de capella, "Mint Juleps" deLondres, em uma canção intitulada "Girl to the Power of 6''. Posteriormente, foi utilizada em uma fanzine pela banda punk Bikini Kill. A frase é por vezes escrito como "grrrl power", inicialmente associada com as Riot Grrrl.[1][2]

"Girl power", mais tarde foi utilizada por um número de bandas durante o início da década de 1990, tais como a banda Galês Helen Love[3] e o duo pop-punk  Shampoo,[4]  que lançou um álbum e single intitulado Girl Power em 1995.

Spice Girls e estudos [editar | editar código-fonte]

A frase entrou para o mainstream, no entanto, durante a década de 1990, com o quinteto britânico Spice Girls.[5][6][7] A professora Susan Hopkins, em seu texto de 2002, Girl Heroes: The New Force in Popular Culture, sugere uma correlação entre "girl power", Spice Girls e as heroínas de ação no final do século 20.[8]

Outros estudiosos também têm examinado a frase, "girl power", muitas vezes dentro do contexto campo acadêmico, por exemplo Estudos Buffy.[9] A teórica de mídia, Kathleen Rowe Karlyn, em seu artigo Scream, Popular Culture, and Feminism's Third Wave: I'm Not My Mother[10] e Irene Karras em The Third Wave's Final girl: Buffy the Vampire Slayer sugerem uma ligação com a terceira onda do feminismo. Francisca Cedo e Kathleen Kennedy, na introdução de Athena’s Daughters: Television’s New Women Warriors, discute o que elas descrevem como uma ligação entre a girl power e uma "nova" imagem de mulheres guerreiras na cultura popular.[11]

Dicionário Inglês de Oxford [editar | editar código-fonte]

Em 2001, o Dicionário de inglês de Oxford adicionou o termo girl power,[12]definindo esta expressão como:

Poder exercido pelas garotas; espec. uma auto-atitude entre meninas e mulheres jovens, manifestada em ambição, assertividade, e o individualismo. Embora também mais amplamente utilizados (esp. como um slogan), o termo tem sido particularmente e repetidamente associado com música popular; principalmente no início da década de 1990 com o brevemente mas proeminente 'riot girl' movimento nos Estados Unidos (cf. RIOT GIRL n.); em seguida, no final da década de 1990, com o grupo britânico Spice Girls.[13]

O OED ainda oferece um exemplo deste termo, citando "Anjo Delight", um artigo de 24 de Março de 2001 edição de Dreamwatch sobre a série de televisão Dark Angel:

Após a Sarah Connors e Ellen Ripleys da década de 1980, a década de 1990 não eram tão amáveis para o formato supermulher —Xena, a Princesa Guerreira sendo exceção. Mas é 2000 é um novo milênio, enquanto Charlie's Angels e o Tigre e o Dragão estão fazendo uma tempestade nas telas de cinema, James Cameron veio para trazer de volta ás poderosas guerreiras femininas para telas da televisão. E claramente, Cameron tem misturando o sóbrio feminismo de suas personagens em Terminator e Aliens com estilo sexualizado girl power de Britney Spears. O resultado é Dark Angel.[14]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Dr. Debbie Ging, Presidente de Estudos de Comunicação na Universidade de Dublin, foi uma crítica das ideias "Girl power", ás vinculado com a sexualização das crianças, as meninas, em particular.[15] Amy McClure da Universidade Estadual da Carolina do Norte, alertou contra colocar demasiada esperança no conceito de girl power e empoderamento. Ela diz, "Uma ideologia baseada no consumismo nunca pode ser um revolucionário movimento social. O fato de que parece ser um movimento revolucionário é uma perigosa mentira de que não só os profissionais de marketing vendem para nós, mas que nós, muitas vezes, felizmente vender a nós mesmos."[16] A mídia às vezes pode apresentar uma definição estreita do que significa ser uma menina hoje. Um exemplo comum é a Barbie, boneca popular da Mattel. O recente "eu posso ser" da Barbie[17] incorpora este conceito de "girl power": que meninas podem ser qualquer coisa que elas querem, quando elas crescem. Sem dúvida, a imagem da Barbie também pode reduzir as opções das garotas com quem elas podem se identificar.[18]

Movimento nos dias atuais [editar | editar código-fonte]

Na sociedade de hoje, "girl power", é apoiado e praticado principalmente por mulheres. A música desempenha um forte papel na vida das pessoas e é utilizada como uma plataforma por homens e mulheres para espalhar mensagens de empoderamento feminino. 

Na Música[editar | editar código-fonte]

Muitas mulheres musicistas compartilharam seus pensamentos sobre o Girl power através da música.

Girl Power Rocks[editar | editar código-fonte]

Girl Power Rocks é uma organização sem fins lucrativos com sede em Miami, Flórida, que foi fundada no ano 2000 por Thema Campbell. Sua missão é "capacitar as jovens meninas".[19] Seu objetivo é ajudar meninas em situação de risco nas idades de 11-17,  para ter sucesso na escola, desenvolver melhoras comportamentais e competências sociais. Lideradas por toda uma equipe do sexo feminino, GPR hospeda programas depois da escola, acampamentos de verão, aulas particulares e muitos outros programas para ajudar as jovens a ter sucesso.

Notáveis Defensores[20][21][editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gonick, Marnina (2008). «Girl Power». Girl Culture. Westport, Conn. [u.a.]: Greenwood Press. pp. 310–314. ISBN 978-0-313-33909-7 
  2. Leonard, Marion (1997). «'Rebel Girl, You Are the Queen of My World': Feminism, 'Subculture' and Grrrl Power». Sexing The Groove: Popular Music and Gender. London: Routledge. pp. 230–55. ISBN 978-0-415-14670-8 
  3. «Helen Love - Gabba Gabba We Accept You». Homepage.ntlworld.com. Consultado em 30 de setembro de 2012 
  4. «Shampoo - Interview by Alexander Laurence». Free Williamsburg. April 2001. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. «From Title IX to Riot Grrrls». Harvard Magazine. January–February 2008. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «Girl power | You've come a long way baby». BBC News. December 30, 1997. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Sarler, Carol (21 July 2006). «Girl Power: how it betrayed us». Daily Mail. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. Costi, Angela (October 4, 2002). «Super Slick Power Chicks: The New Force or Elaborate Parody?». Senses of Cinema. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. "The Third Wave's Final girl: Buffy the Vampire Slayer" Arquivado em 20 de junho de 2005, no Wayback Machine.
  10. Karlyn, Kathleen Rowe (2003). «Scream, Popular Culture, and Feminism's Third Wave: I'm Not My Mother». Genders. Consultado em 30 de setembro de 2012 
  11. Riley, Robin (May 2004). «Review of Early, Frances; Kennedy, Kathleen, eds., Athena's Daughters: Television's New Women Warriors». H-Net Reviews. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  12. «Girl power goes mainstream». BBC News. 17 January 2002. Consultado em 30 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. «OED:Girl power». Oxford English Dictionary. Consultado em 30 de setembro de 2012 
  14. E y e s <-> <-> O n l y
  15. Ging, Debbie.
  16. [1] Arquivado em 31 de janeiro de 2008, no Wayback Machine.
  17. http://icanbe.barbie.com
  18. Lamb, Sharon; Brown, Lyn Mikel (2007). Packaging Girlhood: rescuing our daughters from marketers' schemes. New York: St. Martin's Griffin. ISBN 9780312370053 
  19. «Girl Power Rocks | Mentoring & After School Programs». Girl Power Rocks (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2015 
  20. «28 Famous Men Who Prove You Don't Need To Be A Woman To Be A Feminist». The Huffington Post. Consultado em 8 de dezembro de 2015 
  21. «25 Inspiring Women Who Changed The Face of Feminism». Harper's BAZAAR. 23 de setembro de 2014. Consultado em 8 de dezembro de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]