Jeļena Ostapenko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tenista Jelena Ostapenko
Jelena Ostapenko no US Open, 2023
Alcunha(s) Alona
País  Letônia
Residência Riga, Letônia
Data de nascimento 08 de junho de 1997 (26 anos)
Local de nasc. Riga, Letônia
Altura 1,77
Treinado por Stanislav Khmarsky[1]
Jelena Jakovleva
Profissionalização 2012
Mão Destra
Prize money US$ 14.158.643
Simples
Vitórias-Derrotas 349–210 (62,4%)
Títulos 7 WTA, 12 ITF[2]
Melhor ranking N° 5 (19 de março de 2018)
Ranking atual simples N° 10 (15 de janeiro de 2024)
Open da Austrália QF (2023)
Roland Garros V (2017)
Wimbledon SF (2018)
US Open QF (2023)
Tour Finals RR (2017)
Duplas
Vitórias-Derrotas 209–142 (59,5%)
Títulos 7 WTA, 14 ITF[3]
Melhor ranking N° 7 (12 de setembro de 2022)
Ranking atual duplas N° 29 (15 de janeiro de 2024)
Open da Austrália QF (2020)
Roland Garros SF (2022)
Wimbledon SF (2022)
US Open QF (2019)
Torneios principais de duplas
WTA Championships SF (2022)
Duplas Mistas
Open da Austrália QF (2023)
Roland-Garros 1R (2017, 2018, 2023)
Wimbledon F (2019)
US Open QF (2022)
Medalhas
Jogos Olímpicos da Juventude
Bronze Nanjing 2014 Duplas femininas
Copa Billie Jean King
BJK Cup 31–17 (64,6%)
Última atualização em: 15 de janeiro de 2024[4].

Jelena Ostapenko (nascida em 8 de junho de 1997), também conhecida como Alona Ostapenko, é uma tenista profissional letã. Ela alcançou o recorde de sua carreira de simples no ranking WTA de nº 5 em 19 de março de 2018,[4] e nº 7 mundial em duplas, em 12 de setembro de 2022.[4]

Ostapenko conquistou o título de simples do Aberto da França de 2017, tornando-se a primeira jogadora da Letônia a vencer um torneio de Grand Slam de simples e a primeira jogadora não cabeça-de-chave a vencer o Aberto da França desde 1933.[5]

Além de sua carreira de simples, ela jogou como membro da Seleção da Letônia Fed Cup de 2018 quando sua equipe venceu a da Rússia por 3 a 2.[6] Ela ganhou doze títulos de simples e quatorze de duplas no Circuito Feminino da ITF[2][3] e também venceu o evento de simples júnior no Campeonato de Wimbledon de 2014.[7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Ostapenko nasceu em Riga, filha do ex-jogador de futebol ucraniano Jevgenijs Ostapenko (falecido em 2020) e da treinadora de tênis letã-russa e ex-jogadora Jelena Jakovleva. Jevgenijs jogou futebol profissional pelo Metalurh Zaporizhzhia na cidade ucraniana de Zaporizhzhia, onde mora a avó de Jelena.[8][9] Jelena tem um meio-irmão, Maksim, que mora nos Estados Unidos. Ela foi apresentada ao tênis aos cinco anos por sua mãe e idolatrava Serena Williams enquanto crescia. Ela também começou a dançar nessa idade, passando a competir no Campeonato Nacional da Letônia de Dança de Salão. Aos 12 anos ela escolheu se concentrar no tênis, mas credita sua boa coordenação e trabalho de pés habilidoso aos anos de dança.[10] Ela fala letão, russo e inglês.[11][12]

Seu nome legal é Jelena, mas ela é conhecida por sua família e amigos como Alona. Quando ela nasceu, o nome desejado por seus pais de Alona não estava no calendário de nomes [en] da Letônia, então ela foi batizada Jelena em homenagem a sua mãe.[13] As autoridades letãs agora esclareceram, no entanto, que não há restrições que impeçam o registro do nome desejado e, muito provavelmente, houve algum mal-entendido.[14] Os fãs na Letônia e em outros lugares da Europa Oriental sempre a chamaram de Alona, mas o nome era desconhecido no Ocidente até sua vitória em Roland Garros em 2017.[13] Ela usa seu nome legal profissionalmente para evitar confusão administrativa.[15]

Destaques da carreira[editar | editar código-fonte]

2014[editar | editar código-fonte]

Ostapenko venceu o evento individual no campeonato júnior de Wimbledon[16] e foi ranqueada como o segunda tenista júnior do mundo em setembro de 2014.[17] Ela fez sua estreia em uma chave principal do WTA Tour no Tashkent Open, tendo recebido um "wild card", ela perdeu para Ksenia Pervak por 6-2, 7-6 (3).[18]

2015[editar | editar código-fonte]

Na, Ostapenko passou pelas eliminatórias e conquistou o maior título até então.[19]

Em Wimbledon, Ostapenko derrotou a nona cabeça-de-chave Carla Suárez Navarro em dois sets (perdendo apenas dois games na partida e conquistando sua primeira vitória sobre uma jogadora entre as dez primeiras) na primeira rodada antes de perder para Kristina Mladenovic.[20][21]

No US Open, ela perdeu a partida da segunda rodada para Sara Errani.[22][23]

Em setembro, ela alcançou sua primeira final do WTA Tour no Coupe Banque Nationale, onde perdeu para Annika Beck.[24]

Ela terminou a temporada como nº 79 do mundo.[1]

2016[editar | editar código-fonte]

Ostapenko em Roland Garros, 2016.
Ostapenko em Eastbourne, 2017.


Ostapenko chegou à final do Qatar Open, um torneio Premier 5 em Doha, vencendo a 8ª do ranking mundial, Petra Kvitová, no caminho. Ela foi derrotada por Carla Suárez Navarro na final, mas subiu para a 41ª posição no ranking mundial.[25]

No Aberto da França, Ostapenko foi cabeça-de-chave em simples em um torneio do Grand Slam pela primeira vez em sua carreira, mas perdeu sua partida de abertura para Naomi Osaka por 6-4, 7-5.[26]

No Birmingham Classic, ela derrotou Anastasia Pavlyuchenkova em dois sets durante a primeira rodada e derrotou a bicampeã de Wimbledon Petra Kvitová na segunda. Ela foi derrotada por Madison Keys nas quartas de final. Ela chegou às semifinais das duplas mistas em Wimbledon com Oliver Marach, mas caiu para os campeões Heather Watson e Henri Kontinen.[27]

Ostapenko fez sua estreia olímpica nos Jogos Olímpicos do Rio de 2016, onde perdeu para Samantha Stosur na primeira rodada apesar de ter vencido o primeiro set.[28]

2017[editar | editar código-fonte]

No Australian Open, ela avançou para a terceira rodada de um torneio Major pela primeira vez, perdendo para Karolína Plíšková em três sets, apesar de ter tido match points no terceiro set.[29]

No Charleston Open, ela chegou à final perdendo para Daria Kasatkina, então com 19 anos.[30]

No Aberto da França, Ostapenko, então 47ª colocada no ranking mundial, derrotou Louisa Chirico, Monica Puig, Lesia Tsurenko e Samantha Stosur. Ela então enfrentou Caroline Wozniacki nas quartas de final. Ostapenko veio de estar perdendo um set para derrotá-la, alcançando sua primeira semifinal do Grand Slam. Ela foi a primeira jogadora letã a fazê-lo e a primeira adolescente em uma década a chegar às semifinais do Aberto da França (a última foi Ana Ivanovic em 2007), ao lado de Timea Bacsinszky em 8 de junho, aniversário de ambas as jogadoras.[31][32] Ela venceu Bacsinszky em três sets para chegar à final, sendo a primeira jogadora não cabeça-de-chave a jogar na final do Aberto da França desde Mima Jaušovec em 1983 e a primeira jogadora letã a chegar à final de um torneio importante.[33] Na final contra a terceira cabeça-de-chave Simona Halep, Ostapenko saiu de estar perdendo por um set e 3 a 0 no segundo para ganhar seu primeiro título profissional. Ela se tornou a primeira jogadora letã a vencer um torneio individual do Grand Slam e a primeira mulher não cabeça-de-chave a vencer o Aberto da França desde 1933.[34][35][36] Ostapenko também se tornou o "primeiro jogador", no geral, desde Gustavo Kuerten a ganhar seu primeiro título de carreira em um torneio do Grand Slam; coincidentemente, Kuerten ganhou seu primeiro título no Aberto da França de 1997, no dia em que Ostapenko nasceu.[37] Com a vitória, ela alcançou uma nova posição no ranking mundial, a de número 12.[34]

Em Wimbledon, Ostapenko venceu Aliaksandra Sasnovich, Françoise Abanda [en], Camila Giorgi e a quarta cabeça-de-chave Elina Svitolina a caminho de sua segunda quartas de final em um Grand Slam. Ela perdeu para a pentacampeã Venus Williams.[38]

Então, no US Open, ela chegou à terceira rodada ao derrotar Lara Arruabarrena e Sorana Cîrstea,[39] antes de perder para Daria Kasatkina.[40] Seu desempenho foi suficiente para ela fazer sua estreia entre as dez primeiras no ranking mundial, exatamente na décima posição.

No final de setembro, ela ganhou seu segundo título WTA no Korea Open em Seul.[41] No Wuhan Open, ela venceu Barbora Strýcová e Monica Puig para chegar às quartas de final, onde conquistou sua primeira vitória sobre a então número um do ranking da WTA, Garbiñe Muguruza, estendendo sua sequência de vitórias consecutivas para oito. Ela perdeu para Ashleigh Barty na semifinal.

Em outubro, ela chegou às semifinais do China Open, perdendo para Simona Halep.[42] No WTA Finals, ela conquistou uma vitória sobre Karolína Plíšková, mas perdeu para Muguruza e Venus Williams.

Ela terminou a temporada em 7º lugar no ranking mundial.[1]

2018[editar | editar código-fonte]

Ostapenko no US Open (treino), 2018.

Em Indian Wells, Ostapenko venceu Belinda Bencic na segunda rodada,[43] mas perdeu para Petra Martic na terceira.[44] O resultado fez com que ela fizesse sua estreia entre as 5 primeiras do ranking.

Ela então jogou no Miami Open, onde derrotou a nona cabeça-de-chave Petra Kvitová na quarta rodada e a quarta cabeça-de-chave Elina Svitolina nas quartas de final por 7–6, 7–6. Na semifinal, Ostapenko derrotou a vinda da qualificatória Danielle Collins para chegar à final, na qual perdeu para Sloane Stephens, 12ª cabeça-de-chave.[45]

Ostapenko entrou no Aberto da França como quinta cabeça-de-chave, mas não conseguiu defender o título, perdendo na primeira rodada para Kateryna Kozlova.[46] Após a derrota, ela saiu do top ten pela primeira vez desde que entrou. Em Wimbledon, ela venceu Katy Dunne [en], Kirsten Flipkens, Vitalia Diatchenko e Aliaksandra Sasnovich para chegar às quartas de final pelo segundo ano consecutivo,[47][48] em seguida, venceu Dominika Cibulková para chegar à sua primeira semifinal em Wimbledon, na qual perdeu para a eventual vencedora, Angelique Kerber.[49] O restanta da temporada foi bastante decepcionante, já que uma lesão no pulso esquerdo a fez desistir do WTA Elite Trophy, e ela terminou a temporada em 22º lugar.[1]

2019[editar | editar código-fonte]

Ostapenko em Roland Garros, 2019.

O primeiro torneio do ano de Ostapenko foi o Shenzhen Open, onde perdeu na primeira rodada para Monica Niculescu.[50] Em seguida ela jogou no Sydney International, onde perdeu para Ashleigh Barty na primeira rodada.[51] No Australian Open, Ostapenko entrou como 22ª cabeça-de-chave e perdeu para Maria Sakkari, novamente na primeira rodada.[52] Um comentarista identificou sua tendência de cometer um número relativamente alto de duplas faltas e mudanças frequentes de treinador, contribuindo para sua falta de sucesso em 2019.[53] No Aberto da França, ela perdeu para Victoria Azarenka na primeira rodada,[54] mas chegou às quartas de final do evento de duplas com Lyudmyla Kichenok, caindo para Elise Mertens e Aryna Sabalenka.[55]

Ostapenko também perdeu na primeira rodada de Wimbledon para Hsieh Su-wei.[56] Apesar da derrota, ao lado de Robert Lindstedt ela alcançou a primeira final de duplas mistas de sua carreira, embora tenha perdido em dois sets para Latisha Chan e Ivan Dodig. Durante o torneio, Ostapenko sacou duas vezes uma bola na cabeça de seu parceiro Lindstedt.[57]

Em Jurmala, Ostapenko foi derrotada na primeira rodada por Bernarda Pera, mas chegou à final das duplas ao lado de Galina Voskoboeva; a dupla perdeu para Sharon Fichman e Nina Stojanovic [en].[58] Em Toronto, Ostapeonko derrotou Caroline Garcia e Anastasia Pavlyuchenkova para chegar à terceira rodada, antes de perder para a vinda da qualificatória Marie Bouzková;[59] em duplas, ela e a parceira Lyudmyla Kichenok perderam na primeira rodada para Julia Görges e Karolína Plíšková. Em Cincinnati, ela foi derrotada na primeira rodada do torneio de simples por Yulia Putintseva, e, em parceria com Kichenok mais uma vez nas duplas, derrotou Raquel Atawo e Han Xinyun na primeira rodada, antes de cair para Lucie Hradecká e Andreja Klepac [en], as eventuais campeãs. Finalmente, ela teve algum sucesso no US Open, onde venceu Aleksandra Krunic e a quarta de finalista de Wimbledon de 2019, Alison Riske, em dois sets, para chegar à terceira rodada em um Grand Slam pela primeira vez na temporada, onde enfrentou a "wild card" Kristie Ahn [en], para quem perdeu em dois sets.[60] Em duplas, ela e Kichenok foram derrotadas na primeira rodada por Caroline Dolehide e Vania King.

Em Zhengzhou, ela derrotou You Xiaodi [en] na primeira rodada, antes de cair para Aryna Sabalenka na segunda.[61] Em Seul, ela perdeu para Tímea Babos na primeira rodada,[62] e também perdeu na primeira rodada do torneio de duplas onde, em parceria com Kirsten Flipkens, caiu para Hayley Carter [en] e Luisa Stefani. Em Tashkent, ela se retirou na primeira rodada contra Katarina Zavatska [en].[63] Em Pequim, ela derrotou a segunda cabeça-de-chave Plíšková na primeira rodada, antes de cair para Katerina Siniaková na segunda.[64] No entanto, ela chegou à maior final de duplas feminina de sua carreira em Pequim, em parceria com Dayana Yastremska; elas perderam para Sofia Kenin e Bethanie Mattek-Sands em três sets sendo o segundo e o terceiro decididos no "tiebreak".[65] Em Linz, Ostapenko derrotou Tamara Korpatsch [en], Alizé Cornet e Elena Rybakina a caminho de chegar à sua primeira semifinal desde 2018 em Wimbledon. Na semifinal, ela veio de estar perdendo um set e com uma quebra de serviço contra para derrotar Ekaterina Alexandrova em três sets apertados. Em sua primeira final desde Miami 2018, Ostapenko enfrentou Coco Gauff (então com 15 anos), para quem perdeu em três sets.[66] Em Linz, Ostapenko também anunciou que havia contratado Marion Bartoli, também campeã do Grand Slam, para sua equipe técnica.[67]

Em Luxemburgo, Ostapenko derrotou Caty McNally na primeira rodada e, em seguida, derrotou Elise Mertens, cabeça-de-chave, na segunda. Ela então derrotou Antonia Lottner e Anna Blinkova para chegar à final, onde derrotou a defensora do título Julia Görges em dois sets,[68] para ganhar seu primeiro título desde Seul em 2017.

2020-21[editar | editar código-fonte]

Ostapenko em Roland Garros, 2021.

Ostapenko retirou-se do Auckland Open 2020 após a morte de seu pai.[69] No Australian Open, ela derrotou Liudmila Samsonova na primeira rodada, antes de cair para Belinda Bencic na segunda em dois sets longos (7-5, 7-5).[70] Nas duplas, ela fez dupla com Gabriela Dabrowski e chegou às quartas de final, e nas duplas mistas, fez dupla com Leander Paes e perdeu na segunda rodada para os finalistas Mattek-Sands e Jamie Murray.[71]

Depois de participar da Billie Jean King Cup 2020-21, onde perdeu para Serena Williams, mas derrotou Sofia Kenin antes de perder nas duplas decisivas para Kenin e Mattek-Sands, Ostapenko jogou em São Petersburgo, onde perdeu para Alizé Cornet. na primeira rodada, enquanto sofria com náuseas e jet lag.[72][73]

Em maio de 2021, Ostapenko chegou às semifinais em duplas no Aberto de Madri, com Anastasia Pavlyuchenkova derrotando no caminho a dupla 1ª cabeça-de-chave composta pelas nº 1 e nº 3 do mundo, Hsieh Su-wei e Elise Mertens. Em seguida, ela chegou às quartas de final de um torneio WTA 1000 no Aberto da Itália, a primeira desde 2018, ao derrotar Angelique Kerber. Ela teve match points contra Karolína Plíšková, mas perdeu em um "tiebreak" no terceiro set. No último torneio do mês, Ostapenko enfrentou Sofia Kenin na primeira rodada do Aberto da França, mas perdeu na primeira rodada, em três sets.[74]

Ostapenko conquistou seu quarto título como "wild card" no Eastbourne International, derrotando Anett Kontaveit em dois sets na final. Ela se tornou apenas a terceira wildcard a ganhar o título, seguindo Monica Seles em 1996 e Julie Halard-Decugis em 2000.[75]

Em Wimbledon, ela chegou à terceira rodada ao derrotar a 31ª cabeça-de-chave Daria Kasatkina, mas perdeu para Ajla Tomljanovic em três sets.[76][77]

Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020, Ostapenko foi a porta-bandeira da Letônia ao lado do jogador de basquete Agnis Cavars[78] e participou dos torneios de simples e duplas nos Jogos. Ela foi derrotada na primeira rodada do torneio de simples por Elena Vesnina, em três sets. Ostapenko ao lado de Anastasija Sevastova também perdeu na primeira rodada do torneio de duplas para as australianas Samantha Stosur e Ellen Perez.[79][80]

No início da US Open Series, Ostapenko participou do Canadian Open sem ser cabeça-de-chave e jogou contra a cabeça-de-chave Katerina Siniaková na primeira rodada, mas perdeu em dois sets.[81] No Cincinnati Open, também sem ser cabeça de chave, ela derrotou Tamara Zidanšek na primeira rodada e a 13ª cabeça-de-chave Jennifer Brady (por abandono) na segunda, antes de perder para Angelique Kerber na terceira.[82] Ostapenko encerrou o ano conquistando o título de duplas ao lado de Siniaková na Kremlin Cup em Moscou.

2022[editar | editar código-fonte]

Ostapenko em Roland Garros, 2022.

Ostapenko chegou à terceira rodada do Australian Open, caindo para Barbora Krejcíková após vencer o primeiro set.[83] No Dubai Championships, ela chegou à final após derrotar quatro campeãs do Grand Slam: Kenin, Swiatek, Kvitová e Halep em cada rodada.[84] Ela venceu a partida do campeonato contra Veronika Kudermetova. Este foi seu quinto título e a sexta final no nível WTA 500 ou acima, e a terceira final nos últimos nove meses após uma campanha pelo título em Eastbourne e um vice-campeonato em Luxemburgo no ano anterior.[85] Ela voltou ao top 15 como nº 13 do mundo no ranking de simples da WTA. No mesmo torneio, ela também chegou à final em duplas, ao lado de Lyudmyla Kichenok, mas foi derrotada por Kudermetova e Mertens.[86]

No Qatar Open, Ostapenko perdeu nas semifinais para Anett Kontaveit. Em suas próximas três partidas de simples em Indian Wells, Miami e Madrid, ela perdeu na primeira rodada. Em Madri, ela chegou às semifinais em duplas com Lyudmyla Kichenok perdendo para Gabriela Dabrowski e Giuliana Olmos. Seus problemas continuaram com uma derrota na primeira rodada do Aberto da Itália. No Aberto da França, Ostapenko perdeu na segunda rodada para Alizé Cornet em três sets.[87][88] Em duplas, no mesmo torneio ela chegou às semifinais de um Major pela primeira vez fazendo parceria novamente com Kichenok.[89]

Em Wimbledon, ela alcançou a quarta rodada em simples, onde perdeu para Tatjana Maria.[90] No mesmo torneio, ela chegou às semifinais de duplas, também em parceria com Kichenok, e às quartas de final de duplas mistas, em parceria com Robert Farah. No Cincinnati Open, ela chegou à segunda rodada em simples, derrotando Beatriz Haddad Maia antes de perder para Madison Keys. Em duplas com Kichenok, ela chegou à final derrotando as finalistas do Australian Open Haddad Maia e Anna Danilina e as cabeças-de-chave Kudermetova e Mertens. A dupla conquistou seu maior título derrotando Nicole Melichar-Martinez e Ellen Perez.[91] Como resultado, Ostapenko alcançou o top 10 no 9º lugar mundial no ranking de duplas em 22 de agosto de 2022 e alcançou o recorde de sua carreira no ranking de duplas nº 7 em 12 de setembro de 2022,[4] após uma terceira rodada em duplas no US Open.

Ela se classificou para as finais do WTA de 2022 com Kichenok, onde chegaram às semifinais.[92]

Ela terminou a temporada em 18º lugar em simples[93] e 14º em duplas.

2023[editar | editar código-fonte]

Ostapenko em Roland Garros, 2023.

Ostapenko chegou às quartas de final do Australian Open, tornando-se a primeira jogadora da Letônia a atingir esse nível neste Major, derrotando a jogadora Coco Gauff então entre as 10 melhores.[94] Esta foi apenas a quarta vez que Ostapenko chegou a uma quartas de final de Major em sua carreira e a primeira desde 2018.

Depois disso, já na Europa em quadras de saibro, Ostapenko chegou à semifinal do Aberto da Itália onde perdeu para Elena Rybakina em sets diretos.[95]

Seu desempenho melhorou nas quadras de grama, vencendo o torneio Rothesay Classic batendo Barbora Krejčíková na final em dois sets.[96] Em Eastbourne, ela chegou às quartas de final onde foi forçada a se retirar por contusão depois do "tiebreak" no primeiro set contra Camila Giorgi.[97] Em Wimbledon ela perde na segunda rodada para Sorana Cirstea em jogo de três sets.[98]

De volta às quadras duras na América do norte, Ostapenko não passou da primeira rodada em Montreal e da segunda em Cincinnati.[99] No US Open, ela teve um desempenho irregular. Iniciou muito bem, passando por Jasmine Paolini na primeira rodada, Elina Avanesyan na segunda e Bernarda Pera na terceira, todos esses jogos em três sets; nas oitavas de final, surprendeu a número um do mundo Iga Świątek vencendo o jogo de virada em três sets.[100] Já nas quartas de final, não conseguiu manter o alto nível e perdeu para Coco Gauff em sets diretos.[101] Seu torneio seguinte foi o San Diego Open, onde passou por Ekaterina Alexandrova na primeira rodada em jogo de três sets, mas perdeu para Danielle Collins na segunda, também em jogo de três sets.[102] O desempenho se repetiu em Guadalajara, onde passou por Marta Kostyuk na primeira rodada, mas perdeu para Sofia Kenin na segunda, dessa vez em jogos de dois sets.[103]

Ostapenko abriu a temporada asiática no Aberto da China, no qual chegou às quartas de final, onde perdeu para Liudmila Samsonova em sets diretos.[104] Em seguida, participou do Korea Open, mas foi derrotada na primeira rodada pela jogadora local Back Da-yeon [en] em jogo de três sets.[99] Com sua classificação no ranking ela conquistou o posto de terceira cabeça de chave no WTA Elite Trophy. Na fase de grupos, onde apenas a primeira colocada em cada grupo seguia para a semifinal, ela ficou no segundo posto, depois de vencer o jogo contra Donna Vekić em jogo de três sets[105] e em seguida perder para a eventual finalista e favorita local Zheng Qinwen, também em jogo de três sets.[106]

2024[editar | editar código-fonte]

Ostapenko iniciou a temporada no torneio Brisbane International, com seu característico estilo de vestuário chamando atenção mais uma vez.[107] Na chave de simples ela chegou às quartas de final onde perdeu para Victoria Azarenka em jogo de três sets com direito a lance polêmico.[108][109][110] Na chave de duplas, ela e sua parceira Lyudmyla Kichenok, cabeças de chave número cinco, conquistaram o título contra a dupla Greet Minnen [en] / Heather Watson em sets diretos.[111] Em seguida, participou do Adelaide International, no qual, na chave de duplas em parceria com Lyudmyla Kichenok chegou à semifinal que foi obrigada a abandonar.[112][nota 1] Já na chave de simples, ela chegou ao título numa excelente campanha. Como cabeça de chave N° 6, venceu Sorana Cîrstea na primeira rodada em jogo de três sets,[113] Caroline Garcia na segunda também em jogo de três sets,[114] Marta Kostyuk nas quartas de final em sets diretos[115] e Ekaterina Alexandrova na semifinal, também em sets diretos.[116] Na final, derrotou Daria Kasatkina mais uma vez em sets diretos, com isso retornando ao Top 10 no ranking.[117] Depois dessa conquista, Ostapenko entrou diretamente no Australian Open. Na chave de simples, como "cabeça de chave" N° 11, ela passou pela "wild card" Kimberly Birrell [en] na primeira rodada em sets diretos,[118] por Ajla Tomljanović na segunda em jogo de três sets,[119] mas perdeu na terceira para a "cabeça de chave" N° 18 Victoria Azarenka em sets diretos.[120] Já na chave de duplas, mantendo a parceria com Kichenok, como cabeças de chave N° 11, elas bateram a dupla reserva Emina Bektas / Kayla Day na primeira rodada em sets diretos, a dupla "wild card" local Kimberly Birrell [en] / Olivia Gadecki [en] na segunda em jogo de três sets e a dupla asiática Wu Fang-hsien [en] / Zhu Lin na terceira em sets diretos.[121] Nas quartas de final, derrotaram a dupla francesa Caroline Garcia / Kristina Mladenovic em sets diretos porém equilibrados.[122] Na semifinal, venceram a dupla cabeça de chave N° 4 Gabriela Dabrowski / Erin Routliffe em mais um jogo de sets diretos, porém muito equilibrados.[123] E encerraram sua campanha nesse major perdendo a final para a dupla cabeça de chave N° 2 Hsieh Su-wei / Elise Mertens em sets diretos.[124]

Prosseguindo sua campanha em quadras duras, agora na Europa, Ostapenko participou do Upper Austria Ladies Linz, onde, como "wild card" e "cabeça de chave" N° 1, ficou de "bye" na primeira rodada, venceu a vinda da qualificatória, Clara Tauson na segunda em um longo jogo de três sets[125] e outra vinda da qualificatória, Jodie Burrage nas quartas de final em sets diretos.[126] Na semifinal, venceu Anastasia Pavlyuchenkova também em sets diretos.[127] Na final, enfrentou a "cabeça de chave" N° 2, Ekaterina Alexandrova, jogo que venceu em sets diretos, ficando com o campeonato.[128]

Estilo de jogo[editar | editar código-fonte]

Ostapenko é uma jogadora de linha de base agressiva, com um estilo de jogo ofensivo. Em um artigo de 2017, Steve Tignor, do Tennis.com, descreveu a mentalidade de Ostapenko como "Veja a bola, rebata um winner".[129] A Eurosport rotulou seu estilo como "tênis arriscado, agressivo e divertido".[130]

Seu forehand e backhand são golpeados com força e profundidade implacáveis. Em uma entrevista de 2016, Crosscourt View rotulou o backhand de Ostapenko como sua "arma mais forte"; no mesmo ano, Hartford Courant afirmou que ela "acertou muitos forehands vencedores".[131][132] Devido ao seu estilo de jogo agressivo, ela acumula um número significativo de "winners" e erros não forçados. Ela visa terminar os pontos rapidamente, seja com golpes de base poderosos ou voleios hábeis. Ostapenko move os oponentes pela quadra usando golpes longos nos cantos e nas linhas, e então muda de direção para acertar winners poderosos.[133][134][135] Depois de colocar um oponente em uma posição vulnerável, ela geralmente procura encerrar o ponto com um forehand cruzado, um backhand na linha, um voleio ou um drop shot.[31][136] Antes de sua participação na final do Charleston Open de 2017, um artigo no site do evento declarava que o que era "mais impressionante em Ostapenko é sua vontade de acertar em cheio em todos os cantos da quadra, seja um golpe cruzado ou um winner forte na linha."[135] Uma de suas principais fraquezas é uma alta taxa de erros devido à sua abordagem de alto risco.[31]

No Aberto da França de 2017, onde Ostapenko conquistou seu primeiro título profissional, ela acertou regularmente entre 35 e 45 winners ao longo de suas partidas.[31][137] Após seu desempenho nas quartas de final, ela atraiu várias comparações com Monica Seles.[32][129] Ostapenko disse em entrevista no evento que "agressivo é o meu estilo de jogo".[129] Após a partida final daquele Aberto da França, os analistas destacaram as diferenças entre seu desempenho e o desempenho da adversária Simona Halep: Ostapenko teve 54 vitórias e 54 erros não forçados, enquanto Halep teve oito vitórias e dez erros não forçados. Simon Cambers, da ESPN, escreveu "O medo simplesmente não parece entrar no vocabulário [de Ostapenko] ... Seus golpes de base são simplesmente golpes maciços e planos na bola que deixaram Halep ... agarrando-se às sombras."[138][139]

A maior fraqueza no jogo de Ostapenko é seu saque, que é altamente inconsistente. Seu primeiro saque é poderoso, sendo normalmente registrado a 106 mph (170 km/h) e com pico de 112 mph (180 km/h), permitindo que ela saque ases, enquanto seu segundo saque é inconsistente. Seu segundo saque é prejudicado pelos nervos e um arremesso de bola frequentemente rebelde, o que significa que ela comete faltas duplas com frequência. Em 2017 e 2019, ela foi a líder do WTA Tour em faltas duplas, atingindo 436 faltas duplas em 2019.[140] Ela também frequentemente tem uma das porcentagens de primeiro saque mais baixas em todo o tour; em sua partida da primeira rodada no Aberto da China 2019 contra Karolína Plíšková, ela cometeu 25 duplas faltas e teve uma porcentagem de primeiro saque de 49%, embora ainda vencesse a partida. No entanto, depois de fazer parceria com Marion Bartoli em Linz, seu saque começou a melhorar e, na final contra Julia Görges, em Luxemburgo, ela não cometeu dupla falta nenhuma vez.

Equipamento[editar | editar código-fonte]

Ostapenko usa raquetes Wilson Blade, mas atualmente não tem patrocinador de vestuário, tendo sido anteriormente patrocinada pela Adidas para roupas e calçados; e a Nike antes disso.[141] No Australian Open, no Aberto da França e em Wimbledon 2022 ela usou DK ONE, uma marca letã.[142][143]

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Ostapenko é treinada por sua mãe, com seu pai servindo como preparador físico. Em 2017, ela também treinou com a bicampeã de duplas do Aberto da França, Anabel Medina Garrigues.[129][144] Ela se separou de Medina Garrigues no final de 2017, assumindo David Taylor - ex-treinador de Samantha Stosur e Ana Ivanovic - para treiná-la para os Majors, com sua mãe permanecendo como sua treinadora em tempo integral.[145][146] Em outubro de 2019, Ostapenko fez parceria com a campeã de Wimbledon de 2013, Marion Bartoli, em caráter experimental; a parceria resultou na chegada de Ostapenko a duas finais em duas semanas e na conquista do título em Luxemburgo. Bartoli anunciou que a parceria continuaria em 2020 e que ela seria a treinadora de Ostapenko em tempo integral ao longo do ano. Após um péssimo início de temporada de 2020 e a gravidez de Bartoli, Ostapenko encerrou a parceria durante a suspensão do WTA Tour devido à pandemia de COVID-19 e passou a ser treinada em caráter experimental por Thomas Högstedt, ex-técnico de Maria Sharapova e Simona Halep. A parceria não se estendeu até 2021, e Bartoli voltou a treinar Ostapenko em fevereiro de 2021, após o nascimento de sua filha, em Doha. Ostapenko posteriormente começou a trabalhar com o técnico ucraniano Stas Khmarsky.[147]

Estatísticas da carreira[editar | editar código-fonte]

Quadros de linha de tempo[editar | editar código-fonte]

Legenda
V  F  SF QF #R RR Q# NQ NP NO

 • (V) vencedor; (F) finalista; (SF) semifinalista; (QF) quartas de final; (#R) rodada 4, 3, 2, 1; (RR) round-robin; (Q#) rodada qualificatória; (NQ) não qualificado; (NP) não participou; (NO) não ocorreu; (TS) taxa de sucesso (eventos vencidos / participados); (V–P) jogos vencidos-perdidos.

 • Para evitar confusões e contagem em duplicidade, esses quadros são atualizados após a conclusão de um torneio ou quando a participação de um jogador termina.

Simples[editar | editar código-fonte]

Torneio 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 TS V–P % de Vitórias
Australian Open NP 1R 3R 3R 1R 2R 1R 3R QF 0 / 8 11–8 58%
Aberto da França Q1 1R V 1R 1R 3R 1R 2R 1 / 7 10–6 63%
Wimbledon 2R 1R QF SF 1R NO 3R 4R 0 / 7 15–7 68%
US Open 2R 1R 3R 3R 3R NP NP 1R 0 / 6 7–6 54%
Vencidos-Perdidos 2–2 0–4 15–3 9–4 2–4 3–2 2–3 6–4 4–1 1 / 28 43–27 61%

Finais de Grand Slam[editar | editar código-fonte]

Simples: 1 título[editar | editar código-fonte]

Resultado Ano Campeonato Piso Oponente Placar
Venceu 2017 Roland Garros Saibro Roménia Simona Halep 4–6, 6–4, 6–3

Duplas mistas: 1 final[editar | editar código-fonte]

Resultado Ano Campeonato Piso Parceiro Oponentes Placar
Perdeu 2019 Wimbledon Grama Suécia Robert Lindstedt Taipé Chinesa Latisha Chan
Croácia Ivan Dodig
2–6, 3–6

Notas

  1. Para obter os dados dessa referência, selecione o ano correspondente no site da WTA ou da ITF.

Referências

  1. a b c d «More on Ostapenko...» (em inglês). WTA. 20 de março de 2023. Consultado em 29 de março de 2023 
  2. a b «Jelena Ostapenko Women's Singles Titles» (em inglês). ITF. Consultado em 29 de março de 2023 
  3. a b «Jelena Ostapenko Women's Doubles Titles» (em inglês). ITF. Consultado em 29 de março de 2023 
  4. a b c d WTA Staff (15 de janeiro de 2024). «Jelena Ostapenko - Overview» (em inglês). WTA. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  5. «Ostapenko faz história e conquista seu primeiro Slam». tenisbrasil.uol.com.br. 10 de junho de 2017. Consultado em 29 de março de 2023 
  6. «Ostapenko and Sevastova look to make history for Latvia» (em inglês). billiejeankingcup.com. 22 de abril de 2018. Consultado em 29 de março de 2023 
  7. «Jelena Ostapenko - girls' singles final» (em inglês). wimbledon.com. 6 de julho de 2014. Consultado em 29 de março de 2023 
  8. (em russo) Elena Ostapenko: Each victory in the tournament gave me confidence Arquivado em 2017-07-12 no Wayback Machine, Tennis Portal Ukraine (8 June 2017)
  9. Vaidakovs, Juris. «Tenisa zvaigznes Alonas Ostapenko mamma: "Meita ir piepildijusi manus sapnus"». jauns.lv (em Latvian) 
  10. «Ballroom Dance Fan Ostapenko Waltzes into Qatar Semis». Yahoo! Sports. Consultado em 8 de junho de 2017 
  11. admin (28 de maio de 2017). «Jelena Ostapenko». WTA Tennis. Consultado em 8 de junho de 2017 
  12. «Birthday girl Ostapenko blazing her own trail». rolandgarros.com. Consultado em 8 de junho de 2017 
  13. a b Rothenberg, Ben (9 de julho de 2017). «French Open champion Jelena Ostapenko doesn't want to be called by her legal name». The Economic Times. Consultado em 12 de julho de 2017. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2017 
  14. «Alona, Jelena – arzemju mediji megina tikt skaidriba ar Ostapenko vardu». Latvijas Avize (em letão). 11 de julho de 2017. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  15. «Ostapenko, from ballroom dancer to Grand Slam champion». The Times of India. AFP. 10 de junho de 2017. Consultado em 16 de junho de 2017 
  16. Harwitt, Sandra (6 de julho de 2014). «Rubin and Ostapenko score Wimbledon silver». International Tennis Federation. Consultado em 13 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2017 
  17. «Jelena Ostapenko». www.itftennis.com. International Tennis Federation. Consultado em 6 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2021 
  18. «Resultados de hoje do torneio de Tashkent». terra.com.br. 10 de setembro de 2014. Consultado em 30 de março de 2023 
  19. «Jelena Ostapenko» (em inglês). dropvolleyhit.com. 13 de fevereiro de 2017. Consultado em 30 de março de 2023 
  20. Foley, Marcus (29 de junho de 2015). «Round-up: Jelena Ostapenko shocks Carla Suarez Navarro». Eurosport. Consultado em 3 de setembro de 2015 
  21. «Wimbledon Day 5, 3rd Round Previews: Azarenka v Mladenovic, Stephens v Safarova». Moo's Tennis Blog. 2 de julho de 2015. Consultado em 3 de setembro de 2015 
  22. «Latest on US Open: Errani overcomes dizziness to win in 3». U.S. News & World Report. 3 de setembro de 2015. Consultado em 3 de setembro de 2015 
  23. «Ostapenko wins her first ever U.S Open match and advances 2nd round». The Baltic Course. 2 de setembro de 2015. Consultado em 3 de setembro de 2015 
  24. «German Annika Beck tops Jelena Ostapenko for second career WTA title» (em inglês). espn.com. 21 de setembro de 2015. Consultado em 30 de março de 2023 
  25. «Ranking Watch: Ostapenko New Teen Titan» (em inglês). WTA. 29 de fevereiro de 2016. Consultado em 30 de março de 2023 
  26. MelenTennis (27 de setembro de 2021). Naomi Osaka vs Jelena Ostapenko  • 2016 French Open 1R Highlights. YouTube. Consultado em 30 de março de 2023 
  27. Imhoff, Dan (8 de julho de 2016). «Watson into mixed doubles semi-finals». Wimbledon.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  28. «Rio - Draws and Results» (em inglês). ITF. 2016. Consultado em 29 de março de 2023 
  29. «2017 results». CBSSports.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  30. «Daria Kasatkina beats Jelena Ostapenko to win first WTA event at Volvo Open». USAToday. 10 de fevereiro de 2022. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  31. a b c d «The Latest: Latvia's Ostapenko into French Open semifinals». abc news. Associated Press. 6 de junho de 2017. Consultado em 30 de agosto de 2017 
  32. a b Mitchell, Kevin (6 de junho de 2017). «Jelena Ostapenko sets up birthday treat with Timea Bacsinszky in Paris». The Guardian. Consultado em 7 de junho de 2017 
  33. «French Open 2017». skysports.com. 8 de junho de 2017. Consultado em 8 de junho de 2017 
  34. a b Clarey, Christopher. "Jelena Ostapenko, Unseeded Latvian, Rallies to Win French Open". nytimes.com. 10 June 2017. Retrieved 16 June 2017.
  35. «French Open: Jelena Ostapenko beats Simona Halep to win first Grand Slam». BBC Sport. 10 de junho de 2017 
  36. «On a day of firsts, unseeded Ostapenko reaches French Open final». Tennis.com. 8 de junho de 2017 
  37. «French Open: Jelena Ostapenko beats Simona Halep to win first Grand Slam». BBC Sport. 10 de junho de 2017. Consultado em 14 de junho de 2017 
  38. «Venus Williams beats Jelena Ostapenko: Wimbledon quarter-final – as it happened». The Guardian. 10 de fevereiro de 2022. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  39. «Solid Ostapenko powers past Cirstea at US Open». WTA Tennis. 31 de agosto de 2017. Consultado em 14 de janeiro de 2018 
  40. «Kasatkina crushes Ostapenko in US Open third round». WTA Tennis. 2 de setembro de 2017. Consultado em 14 de janeiro de 2018 
  41. «Ostapenko thrills crowd with Korea Open victory». TennisMash. 10 de fevereiro de 2022. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  42. «China Open: Simona Halep world number one after win over Jelena Ostapenko». BBC Sport. 7 de outubro de 2017. Consultado em 14 de janeiro de 2018 
  43. «Jelena Ostapenko Overcomes Belinda Bencic in Indian Wells». TENNIS.com. 9 de março de 2018. Consultado em 17 de março de 2018 
  44. «Indian Wells: Simona Halep avoids upset but Jelena Ostapenko & Petra Kvitova beaten». BBC. 12 de março de 2018. Consultado em 17 de março de 2018 
  45. Kyle Newport (31 de março de 2018). «Sloane Stephens Cruises Past Jelena Ostapenko to Win 2018 Miami Open» (em inglês). bleacherreport.com. Consultado em 30 de março de 2023 
  46. Alex Sharp (27 de maio de 2018). «Ostapenko stunned in first round» (em inglês). rolandgarros.com. Consultado em 30 de março de 2023 
  47. Kane, David (7 de julho de 2018). «Ostapenko dismisses Diatchenko, into Wimbledon second week». WTA. Consultado em 9 de julho de 2018 
  48. «Ostapenko into Wimbledon quarter-finals». Sport24. 9 de julho de 2018. Consultado em 9 de julho de 2018 
  49. Livaudais, Stephanie (10 de julho de 2018). «Ostapenko overcomes Cibulkova for first Wimbledon semifinal». WTA. Consultado em 10 de julho de 2018 
  50. «Former French Open champ Ostapenko dumped out of Shenzhen» (em inglês). vanguardngr.com. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 30 de março de 2023 
  51. WTA Staff (8 de janeiro de 2019). «Barty overwhelms Ostapenko, sets Halep clash in Sydney» (em inglês). WTA. Consultado em 30 de março de 2023 
  52. «Sizzling Sakkari solves Ostapenko in Melbourne». WTA. 14 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  53. «French Open 2019: Erratic serves, piling double faults prove Jelena Ostapenko's undoing in opening round against Victoria Azarenka». 29 de maio de 2019 
  54. «Azarenka overcomes former champ Ostapenko in Paris opener». WTA Tennis. 28 de maio de 2019. Consultado em 11 de julho de 2019 
  55. «Mertens stays on course for doubles World No.1 in Paris». WTA Tennis. 6 de junho de 2019. Consultado em 11 de julho de 2019 
  56. «Hsieh seals Ostapenko in clash of styles at Wimbledon». WTA Tennis. 1 de julho de 2019. Consultado em 4 de julho de 2019 
  57. Wimbledon (8 de julho de 2019). Jelena Ostapenko hits Mixed Doubles partner Robert Lindstedt with serve (em inglês). YouTube. Consultado em 30 de março de 2023 
  58. David Kane (23 de julho de 2019). «Pera grounds home favorite Ostapenko in Jurmala» (em inglês). WTA. Consultado em 30 de março de 2023 
  59. Luke Meyer (9 de agosto de 2019). «TORONTO. Superb Bouzkova breezes past Ostapenko in the 3rd round in Toronto» (em inglês). tennistonic.com. Consultado em 30 de março de 2023 
  60. Victoria Chiesa (31 de agosto de 2019). «Cinderella run continues for Kristie Ahn at 2019 US Open» (em inglês). usopen.org. Consultado em 30 de março de 2023 
  61. WTA (13 de setembro de 2019). Aryna Sabalenka vs. Jelena Ostapenko  • 2019 Zhengzhou Open Second Round (em inglês). YouTube. Consultado em 31 de março de 2023 
  62. WTA (17 de setembro de 2019). Jelena Ostapenko vs. Timea Babos  • 2019 Korea Open (em inglês). YouTube. Consultado em 31 de março de 2023 
  63. «Atual campeã vence em Tashkent, Ostapenko abandona». tenisbrasil.uol.com.br. 24 de setembro de 2019. Consultado em 31 de março de 2023 
  64. Rudy Martinez (1 de outubro de 2019). «China Open 2019: Katerina Siniakova puts up a strong performance to knock out Jelena Ostapenko» (em inglês). sportskeeda.com. Consultado em 31 de março de 2023 
  65. «China Open - Day 10 - Final» (em inglês). WTA. 6 de outubro de 2019. Consultado em 31 de março de 2023 
  66. Tumaini Carayol (13 de outubro de 2019). «Coco Gauff beats Jelena Ostapenko to claim first WTA title aged 15» (em inglês). theguardian.com. Consultado em 31 de março de 2023 
  67. Mahalakshmi Murali (9 de outubro de 2019). «Jelena Ostapenko Appoints Marion Bartoli in Her Team» (em inglês). essentiallysports.com. Consultado em 31 de março de 2023 
  68. «Jelena Ostapenko wins Luxembourg Open final» (em inglês). sports.nbcsports.com. 20 de outubro de 2019. Consultado em 31 de março de 2023 
  69. Nana Araba (25 de junho de 2022). «Jevgenijs Ostapenko Cause Of Death: What Happened To Jelena Ostapenko's Father?» (em inglês). abtc.ng. Consultado em 31 de março de 2023 
  70. Varun Khanna (22 de janeiro de 2020). «Belinda Bencic Rallies Past Jelena Ostapenko to Reach the Third Round of Australian Open 2020» (em inglês). essentiallysports.com. Consultado em 31 de março de 2023 
  71. «Australian Open: Leander Paes, Jelena Ostapenko knocked out in mixed doubles» (em inglês). indiatoday.in. 28 de janeiro de 2020. Consultado em 31 de março de 2023 
  72. «Cornet ices Ostapenko in St. Petersburg opener» 
  73. «Cornet Cruises Past Ostapenko». 12 de fevereiro de 2020 
  74. Harris, Daniel (31 de maio de 2021). «French Open day two: Federer wins, Konta out, Kenin beats Ostapenko – as it happened!». The Guardian. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  75. «Ostapenko storms past Kontaveit to win Eastbourne title» 
  76. «Ostapenko, Sevastova win repeat thrillers; home hope Raducanu upsets Vondrousova». WTA Tour. 1 de julho de 2021 
  77. Imhoff, Dan (3 de julho de 2021). «Tomljanovic turnaround ousts Ostapenko». Wimbledon. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  78. Palmer, Dan (20 de julho de 2021). «Latvia select Cavars and Ostapenko as Tokyo 2020 flagbearers». Inside the Games. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  79. «Both Latvian female tennis players conclude their Olympic run». Baltic News Network. 26 de julho de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  80. «Perez Just Misses Advancing To Olympic Medal Round». University of Georgia Athletics. 28 de julho de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  81. «Siniakova Moves Past Ostapenko, Sakkari Advances in Montreal». WTA Tour. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  82. «Cincinnati Draw: Osaka and Gauff on early collision course, Barty returns». WTA Tour. 14 de agosto de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  83. Australian Open TV (21 de janeiro de 2022). Barbora Krejcikova v Jelena Ostapenko Highlights (3R)  • Australian Open 2022 (em inglês). YouTube. Consultado em 31 de março de 2023 
  84. «Ostapenko pulls off comeback over Halep to make Dubai final; will meet Kudermetova». WTATennis. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  85. «Ostapenko storms to victory in Dubai for 5th career title». WTATennis. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  86. «JELENA OSTAPENKO WINS BIGGEST HARD-COURT TITLE OF CAREER IN DUBAI, WILL RETURN TO TOP 15». Tennis. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  87. «French Open 2022: 5 biggest upsets from Day 5 ft. Simona Halep and Jelena Ostapenko». Consultado em 26 de maio de 2022 
  88. «Cornet pens night-session classic - Roland-Garros - the 2023 Roland-Garros Tournament official site» 
  89. «Ostapenko and Kichenok reach the semifinals of the French Open doubles tournament». 31 de maio de 2022 
  90. «Maria saves match points, upsets Ostapenko to reach Wimbledon quarters». WTA. 3 de julho de 2022 
  91. «Kichenok, Ostapenko capture Cincinnati doubles title» 
  92. «Road to the WTA Finals: Kichenok and Ostapenko» 
  93. «Jelena Ostapenko Ranking» (em inglês). coretennis.net. Consultado em 31 de março de 2023 
  94. James Kilpatrick (22 de janeiro de 2023). «Australian Open: Jelena Ostapenko sinks Coco Gauff to book quarter-final meeting with Elena Rybakina» (em inglês). eurosport.com. Consultado em 31 de março de 2023 
  95. «Elena Rybakina defeats Jelena Ostapenko to reach Italian Open final» (em inglês). theguardian.com. 19 de maio de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  96. «Jelena Ostapenko beats Barbora Krejcikova to claim first title of 2023 in Birmingham, Petra Kvitova wins Berlin Open» (em inglês). eurosport.com. 25 de junho de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  97. «Camila Giorgi vs. Jelena Ostapenko 29.06.2023 - Rothesay International - Eastbourne - compare» (em inglês). tennislive.net. 29 de junho de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  98. «Wimbledon: Cirstea stops Ostapenko to reach third round, Haddad Maia next» (em inglês). tennismajors.com. 6 de julho de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  99. a b WTA Staff (28 de agosto de 2023). «Jelena Ostapenko - Matches» (em inglês). WTA. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  100. Clair Maciel (3 de setembro de 2023). «Jelena Ostapenko dethrones defending champ Iga Swiatek at the 2023 US Open» (em inglês). usopen.org. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  101. «Coco Gauff beats erratic Jelena Ostapenko to ease into US Open semi-final» (em inglês). telegraph.co.uk. 5 de setembro de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  102. «Danielle Rose Collins vs. Jelena Ostapenko 14.09.2023 - San Diego Open - San Diego - compare» (em inglês). tennislive.net. 14 de setembro de 2023. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  103. Erik Virostko (20 de setembro de 2023). «Kenin Shocks Ostapenko In Guadalajara To Secure Top 50 Return» (em inglês). tennis-infinity.com. Consultado em 6 de outubro de 2023 
  104. «China Open: Samsonova brushes aside Ostapenko to reach the semi-finals» (em inglês). tennismajors.com. 6 de outubro de 2023. Consultado em 6 de outubro de 2023 
  105. «Jelena Ostapenko vs. Donna Vekic 26.10.2023 - WTA Elite Trophy - Zhuhai - compare» (em inglês). tennislive.net. 26 de outubro de 2023. Consultado em 2 de novembro de 2023 
  106. «Zheng Qinwen beats Jelena Ostapenko to set up all-Chinese semifinal match at WTA Elite Trophy» (em inglês). tennis.com. 27 de outubro de 2023. Consultado em 2 de novembro de 2023 
  107. Naman Trivedi (4 de janeiro de 2024). «"Playing against the queen of style and that's what she wears", "Fashion icon is back" - Jelena Ostapenko's first kit of 2024 in Brisbane amuses fans» (em inglês). sportskeeda.com. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  108. WTA Staff (4 de janeiro de 2024). «Two-time champion Azarenka holds off Ostapenko in Brisbane thriller» (em inglês). WTA. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  109. Pedro Gonçalo Pinto (5 de janeiro de 2024). «Ostapenko perde a cabeça após polêmica: "Não te quero mais nos meus jogos!"». bolamarela.com.br. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  110. Wendi Oliveros (5 de janeiro de 2024). «In her match against Victoria Azarenka, Jelena Ostapenko has her fight with a chair umpire in 2024» (em inglês). lobandsmash.com. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  111. Leigh Rogers (6 de janeiro de 2024). «Ostapenko and Kichenok crowned women's doubles champions in Brisbane» (em inglês). brisbaneinternational.com.au. Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  112. WTA Staff (15 de janeiro de 2024). «Jelena Ostapenko - Matches» (em inglês). WTA. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  113. «WTA Adelaide: Ostapenko eliminates Cirstea in three sets» (em inglês). tennismajors.com. 9 de janeiro de 2024. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  114. Shivom Krishnan (11 de janeiro de 2024). «"How did I lose this match" - Caroline Garcia stunned by her match stats from loss against Jelena Ostapenko at Adelaide International 2024» (em inglês). sportskeeda.com. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  115. «WTA Adelaide: Ostapenko sees off Kostyuk to make semi-finals» (em inglês). tennismajors.com. 11 de janeiro de 2024. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  116. Richard Llewelyn Evans (12 de janeiro de 2024). «Ostapenko blitzes her way to Adelaide final» (em inglês). adelaideinternational.com.au. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  117. WTA staff (13 de janeiro de 2024). «Ostapenko rolls to Adelaide International title; secures Top 10 return» (em inglês). WTA. Consultado em 20 de janeiro de 2024 
  118. «Australian Open: Adelaide champ Ostapenko through to second round» (em inglês). tennismajors.com. 16 de janeiro de 2024. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  119. Jack Snape (18 de janeiro de 2024). «Comeback too far as Ajla Tomljanović loses to Jelena Ostapenko in Australian Open» (em inglês). theguardian.com. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  120. Gill Tan (20 de janeiro de 2024). «Azarenka sinks Ostapenko's AO 2024 campaign» (em inglês). ausopen.com. Consultado em 25 de janeiro de 2024 
  121. «Australian Open Schedule and Results 2024 - Women's Doubles» (em inglês). eurosport.com. 27 de janeiro de 2024. Consultado em 28 de janeiro de 2024 
  122. «C. Garcia/K. Mladenovic vs L. Kichenok/J. Ostapenko» (em inglês). ausopen.com. 22 de janeiro de 2024. Consultado em 28 de janeiro de 2024 
  123. «Canada's Dabrowski loses in Australian Open women's doubles semis» (em inglês). sportsnet.ca. 26 de janeiro de 2024. Consultado em 26 de janeiro de 2024 
  124. «Hseih Su-wei, Elise Mertens win Australian Open women's doubles» (em inglês). apnews.com. 28 de janeiro de 2024. Consultado em 26 de janeiro de 2024 
  125. «Upper Austria Ladies: Top seed Ostapenko moves into last eight» (em inglês). tennismajors.com. 2 de fevereiro de 2024. Consultado em 4 de fevereiro de 2024 
  126. «Upper Austria Ladies: Ostapenko reaches semi-finals, defeats struggling qualifier Burrage» (em inglês). tennismajors.com. 2 de fevereiro de 2024. Consultado em 4 de fevereiro de 2024 
  127. «Jelena Ostapenko vs. Anastasia Pavlyuchenkova 03.02.2024 - Upper Austria Ladies Linz - Linz - compare» (em inglês). tennislive.net. 3 de fevereiro de 2024. Consultado em 4 de fevereiro de 2024 
  128. WTA Staff (4 de fevereiro de 2024). «Ostapenko triumphs in Linz to win her second title of the year» (em inglês). WTA. Consultado em 4 de fevereiro de 2024 
  129. a b c d Tignor, Steve (6 de junho de 2017). «Jelena Ostapenko's two-month clay run has her two wins from the title». Tennis.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  130. «Jelena Ostapenko – Caroline Wozniacki French Open women». Eurosport.com. 6 de junho de 2017. Consultado em 7 de junho de 2017 
  131. Higgins, Stephen (25 de junho de 2016). «Q&A: Jelena Ostapenko». crosscourtview.ie. Consultado em 7 de junho de 2017 
  132. «Radwanska Doesn't Need Another Marathon in Dispatching Ostapenko». courant.com. 23 de agosto de 2016. Consultado em 7 de junho de 2017 
  133. Han, Don (5 de junho de 2017). «French Open quarterfinal preview: Jelena Ostapenko vs Caroline Wozniacki». Vavel.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  134. Giardina, Brooks (23 de junho de 2016). «2016 Wimbledon player profile: Jelena Ostapenko». Vavel.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  135. a b «Singles Final». volvocaropen.com. 8 de abril de 2017. Consultado em 7 de junho de 2017 
  136. «French Open 2017: Teenager Jelena Ostapenko stuns Caroline Wozniacki to reach last four». Eurosport.com. 6 de julho de 2016. Consultado em 7 de junho de 2017 
  137. Oddo, Chris (4 de junho de 2017). «Ostapenko Cracks Milestone with Win over Stosur in Paris». tennisnow.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  138. Bodo, Peter. "French Open takeaways: Ostapenko's fearlessness ruled the day". espn.com. 10 June 2017. Retrieved 10 June 2017.
  139. Cambers, Simon. "No reason Ostapenko won't find herself in a similar situation many more times". espn.com. 10 June 2017. Retrieved 10 June 2017.
  140. «Match Stats - 2019» (PDF). 4 de novembro de 2019. Consultado em 18 de novembro de 2019 
  141. «Jelena Ostapenko». midwestsports.com. 7 de junho de 2017. Consultado em 7 de junho de 2017 
  142. DK ONE 
  143. Marija (10 de novembro de 2022). «Jelena Ostapenko's epic DK ONE tennis dresses» (em inglês). womenstennisblog.com. Consultado em 31 de março de 2023 
  144. Perkins, Adam (3 de março de 2016). «Jelena Ostapenko: The latest 18-year-old sensation on the WTA Tour». Vavel.com. Consultado em 7 de junho de 2017 
  145. Schlink, Leo (17 de dezembro de 2017). «French Open champion Jelena Ostapenko joins forces with Sam Stosur's former coach David Taylor». News.com.au. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  146. Tandon, Kamakshi. "Jelena Ostapenko Brings David Taylor on as New Coach". Tennis.com. 16 December 2017. Retrieved 14 January 2018.
  147. Gray, James. "Jelena Ostapenko offers Ukrainian coach a home from home in Latvia ahead of Wimbledon 2022 campaign". inews.co.uk. 27 June 2022. Retrieved 10 August 2022.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Jeļena Ostapenko