Beatriz Haddad Maia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tenista Beatriz Haddad Maia
Beatriz Haddad Maia (19538178572).jpg
Beatriz Haddad Maia
Alcunha(s) Bia Haddad Maia
País  Brasil
Residência Balneário Camboriú, Brasil
Data de nascimento 30 de maio de 1996 (24 anos)
Local de nasc. São Paulo, Brasil
Altura 1,85 m
Treinado por Germán Gaich
Profissionalização 2010
Mão canhota
Prize money US$ 890.000
Simples
Vitórias-Derrotas 248–144
Títulos 0 WTA, 12 ITF
Melhor ranking 58ª (25/09/2017)
Ranking atual simples 378ª (15/10/2020)
Open da Austrália 2R (2018, 2019)
Roland Garros 1R (2017)
Wimbledon 2R (2017, 2019)
US Open 1R (2017)
Duplas
Vitórias-Derrotas 92–58
Títulos 2 WTA, 9 ITF
Melhor ranking 79ª (29/01/2018)
Ranking atual duplas 601ª (21/09/2020)
Open da Austrália 3R (2018)
Wimbledon 3R (2017)
US Open 1R (2017)
Última atualização em: 27 de setembro de 2020.

Beatriz Haddad Maia, mais conhecida como Bia Haddad (São Paulo, 30 de maio de 1996), é uma tenista profissional brasileira. Enquanto juvenil, atingiu a 15ª posição do ranking da ITF e foi, por duas vezes (2012 e 2013), vice-campeã de duplas do Torneio de Roland Garros, além de ter sido semifinalista em Wimbledon (2011). Já como profissional, em setembro de 2017, no melhor ranking de sua carreira até hoje, ela chegou a ocupar a 58ª posição.[1] Possui também dois títulos de duplas no circuito WTA (Bogotá em 2015 e 2017) e 15 títulos (8 simples, 7 duplas) no circuito ITF.

Em 15 de maio de 2017, um dia depois de ganhar o título do torneio de Cagnes-Sur-Mer, na França, então com 20 anos, apareceu na 100ª colocação do ranking da Associação de Tênis Feminino (WTA), repetindo Maria Esther Bueno, Niege Dias, Teliana Pereira, Patrícia Medrado, Andrea Vieira, Cláudia Monteiro e Gisele Miró, que atingiram em algum momento de suas carreiras o top 100 mundial do tênis feminino.

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a jogar tênis aos 5 anos. É canhota e usa duas mãos no backhand. Em 7 de maio de 2012 (aos 16 anos) atingiu a 598ª posição na classificação da Associação de Tênis Feminino (WTA) e em 23 de abril de 2012 (aos 15 anos) chegou à 15ª posição no circuito juvenil (até 18 anos) da Federação Internacional de Tênis (ITF).[2]

Juvenil[editar | editar código-fonte]

  • Melhor ranking (simples) - nº 15 (24/04/2012)[2]
  • Recorde simples - 65/41 (V/D)

2010[editar | editar código-fonte]

Aos 14 anos, frequenta o circuito juvenil jogando torneios da categoria 18 anos.

Consegue a primeira vitória em torneio profissional em cima da equatoriana Mariana Correia (que tinha então 26 anos) no ITF $10.000 de São Paulo.[2]

Ganha o primeiro título profissional em setembro, no torneio de Mogi das Cruzes, nas duplas com Flávia Guimarães Bueno.

Em outubro, vence, na categoria 18 anos juvenil, a Copa GTC, torneio de grade 5 da ITF, em simples e duplas.

2011[editar | editar código-fonte]

No circuito juvenil, conquista, nas duplas, o sul-americano em La Paz, Bolívia, ao lado da equatoriana Doménica González. Vence as finais de simples e de duplas (com Luísa Rosa) da Copa Guga Kuerten, na categoria 18 anos. Em parceria com a paraguaia Montserrat González, é campeã de duplas do torneio de Assunção, Paraguai, etapa paraguaia do circuito sul-americano juvenil.[2]

Em agosto, vence o ITF de $10.000 dólares de São Paulo nas duplas, em parceria com Carla Forte, e chega à primeira final de torneio profissional em simples, perdendo para brasileira Maria Fernanda Alves.

Em outubro, conquista o primeiro torneio profissional em simples, na cidade de Goiânia, vencendo tanto em simples quanto duplas (em parceria com Paula Gonçalves).[3]

2012[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro, torna-se a mais jovem tenista brasileira a disputar a Fed Cup, aos 15 anos e 247 dias. Faz parte da equipe que foi segunda colocada no Zonal Americano I de 2013, mas não chega a jogar.

Em março, é finalista da 29a. Copa Gerdau, principal competição juvenil do Brasil (única de grade A da ITF no País), na categoria 18 anos.[4]

Vence, em abril, o future de Ribeirão Preto, o primeiro título profissional conquistado em piso duro.

Em junho, alcança a final do torneio juvenil de duplas de Roland Garros, ao lado da paraguaia Montserrat Gonzalez, juntando-se a Maria Esther Bueno e Cláudia Monteiro no seleto grupo de brasileiras que jogaram uma final de Grand Slam.[5]

Participa pela primeira vez de torneio de nível WTA em setembro, caindo na primeira rodada do quali do WTA de Quebec.

É eleita pela 4ª vez consecutiva a melhor tenista juvenil do Brasil (2009, 2010, 2011 e 2012).[6]

2013[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro, recebe convite para a primeira edição do WTA de Florianópolis e vence sua primeira partida em nível WTA contra Hsu Chieh Yu. É eliminada na segunda rodada pela experiente húngara Melinda Czink, então nº 100 do mundo, em jogo no qual teve 3 match points no terceiro set, pelo placar de 6-1, 2-6 e 6-7 (3-7).[7]

Vence dois torneios ITF de 10.000 em março e abril, em São Paulo e em Antalya, Turquia, este último sua primeira conquista profissional em simples fora do Brasil.

No circuito juvenil, repete a final em simples da Copa Gerdau (18 anos)[8] e a final de duplas em Roland Garros, dessa vez ao lado da equatoriana Domenica Gonzalez.[9]

Entra pela primeira vez no top 300 profissional de simples e alcança finais em nível ITF 25.000 dólares em Caserta e Lenzerheide, nos meses de maio e junho, respectivamente.[10]

Sofre queda em quadra quando vencia a argentina Andrea Benitez pelo ITF 25.000 de Campinas e lesiona o ombro, afastando-se das quadras por 2 meses.[11]

Em outubro, nos Estados Unidos, sofre nova contusão, dessa vez na coluna, no primeiro torneio em que participa após retornar da lesão no ombro, o que a afasta das quadras até o fim do ano.[12]

2014[editar | editar código-fonte]

Aos 18 anos, volta-se integralmente ao circuito profissional.

Recuperada das lesões que a afastaram da quadra no segundo semestre de 2013, em fevereiro recebe convites para a primeira edição do Rio Open e para o WTA de Florianópolis, mas é eliminada na primeira rodada de ambos. Também não obtém vitórias em dois ITF 25.000 disputados no Brasil.

Em abril, joga em 2 torneios ITF de 25.000 e 2 ITF de 50.000 nos Estados Unidos, obtendo vitórias somente nos qualificatórios.

Volta a vencer no ITF de 10.000 de Caserta, na Itália, ganhando duas rodadas e atingindo as quartas-de-final.

Em junho, é vice-campeã de simples no ITF de Breda, na Holanda. Ainda na Holanda, é vice-campeã de duplas ao lado da argentina Tatiana Bua em Amstelveen e campeã em Alkmaar com a americana Bernarda Pera.[13]

Não defende os pontos da final do ITF de Lenzerheide do ano anterior e cai bastante no ranking, saindo do top 500 e batendo na 586º posição em 7 de julho, seu pior ranking desde janeiro de 2013.

Em julho, participa de 3 ITF de 25.000 na Europa, alcançando uma semifinal, uma quarta-de-final e uma segunda rodada.

Após quatro anos de trabalho com Larri Passos, passa a ser treinada por Marcus Vinícius Barbosa, o Bocão, no segundo semestre.[14]

Em setembro faz mais uma série de 3 ITF de 25.000 na Europa e novamente faz uma semifinal, uma segunda rodada e uma quarta-de-final e volta ao top 400 do Ranking WTA, alcançando o nº 385 do ranking.

Parte para os Estados Unidos em outubro para uma série de 3 torneios ITF de 50.000, mesmo tendo que disputar o quali em todos. Alcança a chave principal no primeiro e no terceiro torneios, atingindo uma segunda rodada e uma quarta-de-final, marcando suas primeiras vitórias em nível ITF 50.000.[15]

Com as quartas-de-final do ITF de 50.000 de Assunção, volta, em novembro, ao top 300 do ranking, atingindo o nº 295 do ranking.

Em dezembro, disputa, no México, mais 2 ITF de 25.000 e consegue boas campanhas em simples, sendo finalista no primeiro e semifinalista no outro, obtendo o seu melhor ranking da WTA e tornando-se a tenista nº 2 do Brasil no ranking WTA atrás apenas de Teliana Pereira.[16]

2015[editar | editar código-fonte]

Inicia o ano com a convocação para, pela terceira vez, fazer parte da equipe brasileira da Fed Cup, ao disputar o Zonal Americano I em San Luis Potosi, no México.

Em fevereiro, tem inesperada grande atuação no WTA do Rio de Janeiro. Com apenas 18 anos e o ranking de 234 do mundo, derrota duas adversárias com ranking superior, inclusive a top 100 Polona Hercog[17] e, nas quartas-de-final, enfrentando a nº 16 do mundo Sara Errani, chega a ter 3 match-points, perdendo posteriormente.[18]

Em abril, disputando o [WTA de Bogotá]], conquista seu primeiro título de WTA nas duplas, ao lado da compatriota Paula Gonçalves. Além disso, atinge seu melhor ranking de simples na carreira, o posto de 168ª do mundo.[19]

Convocada para o Pan de Toronto como principal jogadora da equipe feminina brasileira, sente a volta da contusão no ombro que sofrera em Campinas em 2013 e, por decisão da chefia da delegação, não pode disputar a medalha de bronze em duplas ao lado de Paula Gonçalves.[20] Como consequência da contusão, sofre intervenção cirúrgica que a afasta das quadras pelo resto da temporada, além de ter terminado a parceria com o técnico Marcus Vinícius Barbosa, o Bocão.[21] Finalizou 2015 como nº 198 no ranking da WTA.

2016[editar | editar código-fonte]

Retorna às quadras no ITF de 25.000 do Guarujá e conquista o título de duplas, novamente ao lado de Paula Gonçalves. Nas simples, é derrotada pela romena Sorana Cîrstea nas semifinais. Atinge também as semifinais do ITF de 25.000 de Bertioga.

É convocada novamente para a Fed Cup, em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia. Recebe convite para o WTA do Rio de Janeiro mas é derrotada novamente por Sorana Cîrstea na primeira rodada.

Em março, recebe convite para a chave principal do WTA Premier de Miami, no qual é derrotada pela compatriota Teliana Pereira, então 50 do mundo, na primeira rodada.

Compete na gira do saibro europeu a partir de abril. Entra no ITF 100.000 de Cagnes-sur-Mer como lucky loser e é derrotada por Kateryna Kozlova na primeira rodada. No qualifying de Roland Garros, atinge a segunda rodada. Alcança a segunda rodada dos ITFs de Brescia, Aschaffenburg e Darmstadt. Sofre derrota na primeira rodada do qualifying do US Open. Fura o quali do ITF 100.000 de Biarritz, mas tomba novamente face a Sorana Cîrstea na primeira rodada. Faz segunda rodada no ITF de Saint-Malo, quartas em Clermont-Ferrand e alcança a final do ITF de 25.000 de Santa Margherita di Pula.

Em novembro, conquista o título do ITF 50.000 de Scottsdale e, na semana seguinte, repete a façanha ao vencer o ITF 50.000 de Waco[22], seus maiores feitos até então. Termina a temporada como 170 do mundo, após ter subido quase 200 posições em relação ao ranking de 18 de julho de 2016, no qual se encontrava na 367ª posição.

2017[editar | editar código-fonte]

Recuperada de lesão sofrida em acidente doméstico em dezembro, inicia, em fevereiro, a temporada na Austrália.[23] Conquista o ITF de 25.000 de Clare tanto em simples quanto em duplas.

Na sequência, entra novamente na chave do WTA de Miami como convidada. Passa pela primeira rodada contra Lesia Tsurenko (3-2, desistência) e cai na rodada seguinte face a Venus Williams em jogo relativamente equilibrado (6-4, 6-3).

Joga os WTAs de Monterrey e Bogotá. No primeiro, cai na última rodada do qualifying. Na capital colombiana, fura o quali em simples e cai na primeira rodada para Verónica Cepede Royg. Já nas duplas, repete o feito de 2015 e conquista seu segundo título em nível WTA, agora ao lado da argentina Nadia Podoroska.

Volta à Europa para nova gira no saibro, agora competindo em torneios de nível superior. Inicia a campanha em Stuttgart (primeira rodada do quali), seguindo para o WTA de Praga, torneio no qual consegue passar pelo qualifying derrotando duas top 100 (Ekaterina Alexandrova e Donna Vekić). Na chave principal de Praga, faz ótima campanha, derrotando a n° 45 Christina McHale (6-3, 6-4) e a n° 19 Samantha Stosur (6-3, 6-2), esta última a primeira vitória de uma tenista brasileira sobre uma top 20 desde 1989<[24]. Cai nas quartas frente a Kristýna Plíšková em jogo duro (6-7[5], 6-4,6-2) no qual o desgaste pela sequência das cinco partidas anteriores foi determinante. Com a campanha em Praga, alcança o n°115 do ranking da WTA.

Na semana seguinte, tem a melhor performance da carreira no ITF 100.000 de Cagnes-sur-Mer. Alcança o título com 5 vitórias sem perder nenhum set (e com apenas 24 games contra). Em 15 de maio, atinge o n°100 no ranking da WTA, galgando 150 postos em quatro meses.[25]

Cabeça de chave n°3 do quali de Roland Garros, confirma o favoritismo e entra pela primeira vez na chave principal de um Grand Slam. Na primeira rodada, enfrenta a russa Elena Vesnina, então n°15 do mundo, no último jogo da quadra 6, e é derrotada em partida equilibrada (2-6, 6-3, 4-6) na qual prevalecem a experiência e a catimba da veterana russa campeã olímpica.

Ainda no saibro, faz mais uma boa campanha no WTA 125k de Bol, na Croácia, atingindo as semifinais. Como resultado, obtém o melhor ranking da carreira, n°94, em 12 de junho.

Inicia a temporada na grama no WTA de Mallorca. Fura o qualifying e cai na primeira rodada para Shelby Rogers. Na sequência, cai na primeira rodada do fortíssimo qualifying do WTA Premier de Eastbourne, para Mona Barthel, 49ª do mundo, em jogo no qual chegou a liderar por 6-3 e 5-1 e sacar para vitória três vezes, com placar final de 6-3, 6-7(8) e 5-7.[26]

Entra direto na chave principal do Torneio de Wimbledon e conquista a primeira vitória em Grand Slam ao bater, na primeira rodada, Laura Robson por 6-4, 6-2,[27] interrompendo sequência de 28 anos sem vitórias do tênis feminino brasileiro na chave principal do Grand Slam britânico, repetindo o feito de Gisele Miró, que conseguira passar para a segunda rodada em 1989.[28] No confronto seguinte, chega a liderar o primeiro set por 5-3 contra Simona Halep, n°2 do mundo, mas não resiste ao jogo consistente da favorita romena e se despede da chave de simples com parciais de 5-7 e 3-6.[29] Inscrita na chave de duplas ao lado da croata Ana Konjuh, vence a primeira partida contra as favoritas Katarina Srebotnik e Abigail Spears por 7-6, 6-7 e 6-4[30] e classifica-se para as oitavas de final após vitória contra Lara Arruabarrena e Arantxa Parra Santonja por 6-4, 4-6 e 6-0[31], fase em que a dupla brasileiro-croata cai frente às cabeças de chave n°9 e eventuais finalistas Chan Hao-ching e Monica Niculescu por 7-6, 3-6 e 4-6. Como consequência da campanha em Wimbledon, alcança o melhor ranking da carreira em simples, 81ª, em 17/07/2017.

Após semanas no Brasil dedicadas ao treino, período em que subiu à 77ª posição sem ter jogado, inicia a temporada nas quadras duras da América do Norte no WTA Premier de Cincinatti. Fura o qualifying e vence na primeira rodada da chave principal a americana Lauren Davis, 34ª do mundo, por 6-3 e 6-2, sendo em sequência eliminada por Garbiñe Muguruza, 6ª do mundo e eventual campeã do torneio. Com os pontos acumulados em Cincinatti, sobe à 71ª posição do ranking da WTA em 21 de agosto. Na semana seguinte, cai para Christina McHale na primeira rodada do qualifying do WTA de New Haven.

Entra direto na chave principal do US Open e é eliminada na primeira rodada de simples pela croata Donna Vekić, 52ª do mundo, por 6-2 e 6-1. Inscrita também na chave de duplas com a croata Ana Konjuh, é derrotada pelas cabeças de chave nº13 Kristina Mladenovic e Anastasia Pavlyuchenkova pelo placar de 5-7, 6-3 e 6-0. Após semanas de treino na Flórida, entra direto na chave principal do WTA de Seul e, pela primeira vez na carreira, chega à final de simples de um torneio WTA, sendo derrotada na disputa do título pela top 10 e campeã de Roland Garros Jeļena Ostapenko por 5-7, 6-4 e 6-1. É também a primeira vez desde 1983 que uma brasileira alcança uma final de torneio WTA fora do saibro. Com esse resultado a tenista chega entre as 60 melhores tenistas do mundo, 58ª em 25/09/2017.[32]

2018[editar | editar código-fonte]

O ano começou com inédita vitória na primeira rodada de simples do Australian Open sendo a primeira vitória desde 1965 de uma brasileira em um inicio de aberto profissional ,vencendo a australiana Lizette Cabrera por 7-6(3) e 6-4.[33] Foi derrotada na segunda rodada de simples por Karolína Plíšková por duplo 6/1.[34] Nas duplas Bia e a romena Sorana Cîrstea derrotaram na estreia a dupla russa Veronika Kudermetova e bielorrussa Aryna Sabalenka vencem por duplo 6/2.[35] Na segunda rodada derrotaram a dupla polonesa-americana Alicja Rosolska e Abigail Spears por 2 sets a 1,parciais de 4-6 e duplo 6-3.[36] Na terceira rodada foram eliminadas pela dupla tcheca formada por Lucie Šafářová e Barbora Strýcová.[37]

2019: vitórias em cima de ex-campeãs de Slam e suspensão por doping[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2019, jogando em Acapulco, venceu a nº 4 do mundo Sloane Stephens, se tornando a primeira brasileira a vencer uma top 4 desde a profissionalização do tênis, em 1969 - a maior vitória de uma brasileira na Era Aberta.[38]

Teve outra grande vitória na estréia em Wimbledon, ao derrotar a ex-campeã do torneio em 2017, e cabeça de chave 26, Garbiñe Muguruza, em sets diretos.[39]

No final de julho, foi suspensa provisoriamente pela ITF por testar positivo no controle de antidoping para dois anabolizantes sintéticos - o SARM S-22 e o SARM LGD-4033. O exame foi feito no começo de junho, enquanto ela disputava o WTA Challenger de Bol.[40]

2020: sentença e retorno às quadras[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro, a ITF lançou o veredicto, compreendendo que o suplemento ingerido foi contaminado. Definiu a suspensão por dez meses, já considerando o tempo que estava afastada. O relatório da federação não a eximiu de responsabilidades, citando o caso de outros três tênistas brasileiros que já se encontraram em situação semelhante: Marcelo Demoliner, Thomaz Bellucci e Igor Marcondes. Se livrou de uma pena maior, que poderia ir de dois a quatro anos.[41] Bia estaria livre para voltar em 22 de maio de 2020, véspera do Torneio de Roland Garros. Contudo, sem ranking, ela não poderia disputar o Grand Slam francês, tendo que recomeçar de torneios pequenos.[42][43]

Devido à pandemia de COVID 19, que paralisou atividades esportivas no mundo por meses, ela retornou aos jogos em setembro de 2020, no ITF de Montemor-O-Novo, em Portugal.[44]

Ranking[editar | editar código-fonte]

  • Atual Ranking de Simples: 58ª
  • Melhor Ranking de Simples: 58ª (25/09/2017)[45]
  • Atual Ranking de Duplas: 123ª
  • Melhor Ranking de Duplas: 116ª (21/09/2015)

Evolução do ranking de simples[editar | editar código-fonte]

Posição na última semana de cada ano:[2]

  • 2011: n° 746 do mundo
  • 2012: n° 582 do mundo
  • 2013: n° 288 do mundo
  • 2014: n° 335 do mundo
  • 2015: nº 198 do mundo
  • 2016: nº 170 do mundo
  • 2017: nº 71 do mundo

Finais[editar | editar código-fonte]

Circuito WTA[editar | editar código-fonte]

Simples: 1 (1 vice)[editar | editar código-fonte]

Status V–D Data Torneio Cidade/país Categoria Piso Adversária Resultado
Perdeu 0–1 24 de setembro de 2017 KEB Hana Bank • Incheon Airport Korea Open Coreia do Sul Seul, Coreia do Sul International duro Letónia Jeļena Ostapenko 7–65, 1–6, 4–6

Duplas: 2 (2 títulos)[editar | editar código-fonte]

Status V–D Data Torneio Cidade/país Categoria Piso Parceira Adversárias Resultado
Venceu 2–0 Abril de 2017 Claro Open Colsanitas Colômbia Bogotá, Colômbia International saibro Argentina Nadia Podoroska Paraguai Verónica Cepede Royg
Polónia Magda Linette
6–3, 7–64
Venceu 1–0 Abril de 2015 Claro Open Colsanitas Colômbia Bogotá, Colômbia International saibro Brasil Paula Cristina Gonçalves Estados Unidos Irina Falconi
Estados Unidos Shelby Rogers
6–3, 3–6, [10–6]

Circuito ITF[editar | editar código-fonte]

Simples: 20 (12 títulos, 8 vices)[editar | editar código-fonte]

Status V–D Data Cidade/país Categoria Piso Adversária Resultado
Venceu 12–8 Outubro de 2020 Portugal Funchal, Portugal 15.000 duro Portugal Francisca Jorge 6–3, 6–3
Venceu 11–8 Setembro de 2020 Portugal Porto, Portugal 15.000 duro Brasil Ingrid Gamarra Martins 6–3, 6–2
Venceu 10–8 Setembro de 2020 Portugal Santarém, Portugal 15.000 duro Polónia Martyna Kubka 6–0, 6–0
Perdeu 9–8 Setembro de 2020 Portugal Figueira da Foz, Portugal 25.000 duro Espanha Georgina García Pérez 7–610, 5–7, 4–6
Venceu 9–7 Setembro de 2020 Portugal Montemor-o-Novo, Portugal 25.000 duro Reino Unido Jodie Anna Burrage 6–1, 6–4
Perdeu 8–7 Novembro de 2018 Estados Unidos Tyler, Estados Unidos 80.000 saibro Estados Unidos Whitney Osuigwe 3–6, 4–6
Venceu 8–6 Maio de 2017 França Cagnes-sur-Mer, França 100.000 saibro Suíça Jil Teichmann 6–3, 6–3
Venceu 7–6 Fevereiro de 2017 Austrália Clare, Austrália 25.000 duro Chéquia Markéta Vondroušová 6–2, 6–2
Venceu 6–6 Novembro de 2016 Estados Unidos Waco, Estados Unidos 50.000 duro Estados Unidos Grace Min 6–2, 3–6, 6–1
Venceu 5–6 Outubro de 2016 Estados Unidos Scottsdale, Estados Unidos 50.000 duro Estados Unidos Kristie Ahn 7–64, 7–62
Perdeu 4–6 Outubro de 2016 Itália Pula, Itália 25.000 saibro Itália Martina Trevisan 3–6, 4–6
Perdeu 4–5 Dezembro de 2014 México Mérida, México 25.000 duro Roménia Patricia Maria Țig 6–3, 3–6, 1–6
Perdeu 4–4 Junho de 2014 Países Baixos Breda, Países Baixos 15.000 saibro Estados Unidos Bernarda Pera 1–6, 86–7
Perdeu 4–3 Junho de 2013 Suíça Lenzerheide, Suíça 25.000 saibro Alemanha Laura Siegemund 2–6, 3–6
Perdeu 4–2 Maio de 2013 Itália Caserta, Itála 25.000 saibro Chéquia Renata Voráčová 4–6, 1–6
Venceu 4–1 Abril de 2013 Turquia Antália, Turquia 10.000 duro Chéquia Tereza Martincová 6–4, 6–3
Venceu 3–1 Março de 2013 Brasil Ribeirão Preto, Brasil 10.000 saibro Argentina Andrea Benítez 7–62, 6–2
Venceu 2–1 Abril de 2012 Brasil Ribeirão Preto, Brasil 10.000 duro África do Sul Natasha Fourouclas 6–0, 6–1
Venceu 1–1 Outubro de 2011 Brasil Goiânia, Brasil 10.000 saibro Portugal Bárbara Luz 6–2, 6–0
Perdeu 0–1 Agosto de 2011 Brasil São Paulo, Brasil 10.000 saibro Brasil Maria Fernanda Alves 6–4, 5–7, 3–6

Duplas: 15 (9 títulos, 6 vices)[editar | editar código-fonte]

Status V–D Data Cidade/país Categoria Piso Parceira Adversárias Resultado
Perdeu 9–6 Outubro de 2020 Portugal Funchal, Portugal 15.000 duro Brasil Ingrid Gamarra Martins Países Baixos Arianne Hartono
Países Baixos Eva Vedder
6–4, 1–6, [7–10]
Venceu 9–5 Setembro de 2020 Portugal Figueira da Foz, Portugal 25.000 duro Brasil Ingrid Gamarra Martins Suécia Jacqueline Cabaj Awad
Portugal Inês Murta
7–5, 6–1
Venceu 8–5 Junho de 2019 Reino Unido Ilkley, Reino Unido 100.000 grama Brasil Luisa Stefani Austrália Ellen Perez
Austrália Arina Rodionova
6–4, 56–7, [10–4]
Perdeu 7–5 Maio de 2019 França Cagnes-sur-Mer, França 80.000 saibro Brasil Luisa Stefani Suíça Xenia Knoll
Rússia Anna Blinkova
6–4, 2–6, [12–14]
Venceu 7–4 Fevereiro de 2017 Austrália Clare, Austrália 25.000 duro Austrália Genevieve Lorbergs Austrália Alison Bai
Japão Erika Sema
6–4, 6–3
Venceu 6–4 Janeiro de 2016 Brasil Guarujá, Brasil 25.000 duro Brasil Paula Cristina Gonçalves Brasil Laura Pigossi
Suíça Jil Teichmann
36–7, 7–5, [10–7]
Venceu 5–4 Maio de 2015 Itália Grado, Itália 25.000 saibro Suíça Viktorija Golubic Canadá Sharon Fichman
Polónia Katarzyna Piter
6–3, 6–2
Perdeu 4–4 Maio de 2015 França Saint-Gaudens, França 50.000+H saibro Estados Unidos Nicole Melichar Colômbia Mariana Duque Mariño
Israel Julia Glushko
6–1, 56–7, [4–10]
Perdeu 4–3 Janeiro de 2015 Estados Unidos Sunrise, Estados Unidos 25.000 saibro Brasil Paula Cristina Gonçalves Rússia Anna Kalinskaya
Estados Unidos Katerina Stewart
66–7, 7–5, [6–10]
Venceu 4–2 Junho de 2014 Países Baixos Alkmaar, Países Baixos 10.000 saibro Estados Unidos Bernarda Pera Países Baixos Charlotte van der Meij
Países Baixos Mandy Wagemaker
6–1, 1–6, [10–5]
Perdeu 3–2 Junho de 2014 Países Baixos Amstelveen, Países Baixos 10.000 saibro Argentina Tatiana Búa Estados Unidos Bernarda Pera
Bulgária Viktoriya Tomova
0–6, 1–2, ab.
Perdeu 3–1 Abril de 2013 Turquia Antália, Turquia 10.000 duro Portugal Bárbara Luz Roménia Irina Bara
Roménia Diana Buzean
5–7, 1–6
Venceu 3–0 Outubro de 2011 Brasil Goiânia, Brasil 10.000 saibro Brasil Paula Cristina Gonçalves Brasil Flávia Dechandt Araújo
Brasil Karina Venditti
6–4, 5–7, [12–10]
Venceu 2–0 Agosto de 2011 Brasil São Paulo, Brasil 10.000 saibro Brasil Carla Forte Paraguai Isabella Robbiani
Índia Kyra Shroff
56–7, 6–3, [10–7]
Venceu 1–0 Setembro de 2010 Brasil Mogi das Cruzes, Brasil 10.000 saibro Brasil Flávia Guimarães Bueno Brasil Maria Fernanda Alves
Brasil Natasha Lotuffo
6–1, 6–3

Grand Slam juvenil[editar | editar código-fonte]

Duplas: 2 (2 vices)[editar | editar código-fonte]

Status V–D Data Torneio Cidade/país Piso Parceira Adversárias Resultado
Perdeu 0–2 Junho de 2013 Torneio de Roland Garros França Paris, França saibro Equador Doménica González Chéquia Barbora Krejčíková
Chéquia Kateřina Siniaková
5–7, 2–6
Perdeu 0–1 Junho de 2012 Torneio de Roland Garros França Paris, França saibro Paraguai Montserrat González Rússia Daria Gavrilova
Rússia Irina Khromacheva
6–4, 4–6, [8–10]

Vitórias sobre Top-10 por temporadas[editar | editar código-fonte]

Simples[editar | editar código-fonte]

Temporada 2019 Total
Vitórias 1 1
# Jogador Ranking Torneio Superfície Rd Placar Ranking
Haddad Maia
2019
1. Estados Unidos Sloane Stephens 4 Mexican Open, Acapulco, México Duro 2R 6–3, 6–3 172

Fed Cup - Participações[editar | editar código-fonte]

Olympic pictogram Tennis.png Simples[editar | editar código-fonte]

Edição Etapa Data Localização Contra Piso Adversária V/D Placar
Fed Cup de 2012
Zonal Americano Grupo I
R1 1 de fevereiro de 2012 Brasil Curitiba, Brasil Venezuela Venezuela Saibro Venezuela Gabriela Paz D 6–7(3–7), 2–6
2 de fevereiro de 2012 Bolívia Bolívia Bolívia Nabila Farah V 6–1, 6–1
Fed Cup de 2015
Zonal Americano Grupo I
R1 5 de fevereiro de 2015

6 de fevereiro de 2015

7 de fevereiro de 2015

MéxicoSan Luis Potosi, México ChileChile

ColômbiaColômbia

ParaguaiParaguai

Duro ChileAndrea Koch-Benvenuto

ChileF. Brito/B. Gatica

ColômbiaMariana Duque Marino

ColômbiaM.Herazo/M. Perez

ParaguaiVeronica Cepede Royg

V

V

V

D

D

6-1 RET

6-0, 6-2

7-6(8-6), 7-5

6-3, 4-5 RET

4-6, 6-7(4-7)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Após semi em Bogotá, Bia Haddad sobe 41 posições e se aproxima do Top 100 da WTA». istoe.com.br. 15 de abril de 2019 
  2. a b c d e «Beatriz Haddad Maia Tennis Player Profile - ITF» (em inglês). itftennis.com. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  3. «Em seu quarto torneio do ano, Bia já fatura título». tenisbrasil.com.br. 29 de outubro de 2011 
  4. «Após vice na Copa Gerdau, Bia Maia confirma bom momento e entra para o top 20 no juvenil». revistatenis.com.br. 26 de março de 2012 
  5. «Vice nas duplas em Paris, Bia Maia entra no top 20 do ranking juvenil». globo.com.br. 11 de junho de 2012 
  6. «Bia Haddad é melhor juvenil do país pelo 4º ano». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2014 
  7. «Bia perde 3 match-points e se despede em Floripa». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  8. «Bia leva virada na final dos 18 da Copa Gerdau». tenisbrasil.com.br. 24 de março de 2013 
  9. «Bia fica novamente com o vice em Roland Garros». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  10. «Bia vai à semifinal na Suíça e entra para o top 300». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  11. «Bia sofre fratura e fica pelo menos 2 meses fora». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  12. «Bia Maia passa por artroscopia na coluna lombar e não tem data para retorno». tenisnews.com.br. 15 de outubro de 2013 
  13. «Bia Haddad fica com vice no saibro da Holanda». tenisbrasil.com.br. 29 de junho de 2014 
  14. «'Uma jogadora moderna', avalia novo técnico de Bia». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2014 
  15. «Bia viaja para série de torneios norte-americanos». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2014 
  16. «Bia fecha temporada e celebra número 2 do Brasil». tenisbrasil.com.br. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2014 
  17. «Desconhecida por rival, Bia Haddad quer mostrar cartão de visita no Rio». globoesporte.com. 20 de fevereiro de 2015 
  18. «Bia Haddad perde três chances de ir à semi, sente dor, chora e abandona». globoesporte.com. 20 de fevereiro de 2015 
  19. «Teliana Pereira vence o WTA de Bogotá e quebra jejum de 27 anos». globoesporte.com. 19 de abril de 2015 
  20. «Por causa de lesão, dupla Bia Haddad e Paula Gonçalves desiste e bronze fica com Argentina». superesportes.com.br. 16 de julho de 2015 
  21. «Bia Haddad passa por cirurgia no ombro e pode ficar até seis meses fora». revistatenis.com.br. 12 de agosto de 2015 
  22. «Haddad Maia conquista segundo título consecutivo e é a nova número 1 do Brasil». tenisvirtual.com.br. 13 de novembro de 2016 
  23. «Recuperada de lesão, Bia Haddad Maia define calendário e começa 2017 na Austrália». estadao.com.br. 26 de janeiro de 2017 
  24. «Bia Haddad bate australiana ex-top 5 em Praga e quebra tabu de 28 anos». uol.com.br. 3 de maio de 2017 
  25. «Bia conquista maior título e atinge o top 100». tenisbrasil.com.br. 14 de maio de 2017 
  26. «Bia deixa vitória escapar e cai no quali de Eastbourne». tenisbrasil.com.br. 23 de junho de 2017 
  27. «Bia Haddad faz história, Thiago vence e Rogerinho é eliminado em Wimbledon». uol.com.br. 3 de julho de 2017 
  28. «Bia Maia domina britânica, quebra jejum em Wimbledon e aguarda Halep». globo.com.br. 3 de julho de 2017 
  29. «Bia começa bem, mas Halep prevalece na grama». tenisbrasil.com.br. 5 de julho de 2017 
  30. «Bia e croata eliminam favoritas nas duplas». tenisbrasil.com.br. 6 de julho de 2017 
  31. «Bia e Konjuh dão 'pneu' e avançam às oitavas». tenisbrasil.com.br. 8 de julho de 2017 
  32. «Bia Maia brilha, mas leva virada de Ostapenko na final do WTA de Seul». globo.com. 24 de setembro de 2017 
  33. «Bia Haddad quebra tabu brasileiro de 53 anos e avança em Melbourne». uol.com.br. 16 de janeiro de 2018 
  34. «Bia Haddad é arrasada em 45min e está fora do Aberto da Austrália». abril.com.br. 18 de janeiro de 2018 
  35. «Duplas de Bia Haddad e Bruno Soares avançam no Aberto da Austrália». uol.com.br. 17 de janeiro de 2018 
  36. «Duplas de Marcelo Melo e Bia Haddad avançam na Austrália; Bruno Soares cai». uol.com.br. 20 de janeiro de 2018 
  37. «Bia Haddad perde nas duplas e é eliminada do Aberto da Austrália». correio24horas.com.br. 21 de janeiro de 2018 
  38. «Bia Haddad derruba nº 4 do mundo e conquista maior vitória de brasileira na Era Aberta». globo.com. 27 de fevereiro de 2019 
  39. «Vitória gigante! Bia Haddad brilha e derruba campeã de Wimbledon de 2017 na primeira rodada». globoesporte.com.br. 2 de julho de 2019 
  40. «Análise da contraprova confirma doping da tensita Bia Haddad Maia». estadao.com.br. 26 de julho de 2019 
  41. «Casos de outros brasileiros influenciam pena de Bia». tenisbrasil.com.br. 10 de fevereiro de 2020 
  42. «Bia Haddad comprova contaminação e leva 10 meses de suspensão por doping». uol.com.br. 10 de fevereiro de 2020 
  43. «Bia vai despencar no ranking e perderá US$ 100 mil». tenisbrasil.com.br. 10 de fevereiro de 2020 
  44. «Após um ano sem competir, Bia Haddad retorna às quadras com vitória em Portugal». globo.com. 1º de setembro de 2020 
  45. «Beatriz Haddad Maia, Player Stats» (em inglês). wtatennis.com. Consultado em 23 de setembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]