Nossa Senhora das Brotas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura pelo título mariano venerado em Piraí do Sul, consulte Nossa Senhora das Brotas (Piraí do Sul)
Nossa Senhora das Brotas
Venerada pela Igreja Católica
Principal igreja Santuário de Nossa Senhora das Brotas em Brotas, Portugal
Festa litúrgica 8 de dezembro em Brotas SP
Atribuições Maria com o Menino Jesus nos Braços.
Padroeira de Proterora dos animais doentes

Nossa Senhora das Brotas é um título católico dedicado a Maria, mãe de Jesus de Nazaré. A história desse título é muito antiga, multicentenária.[1] O início do culto a Nossa Senhora das Brotas começou em Portugal, após a aparição de Nossa Senhora para um pastor, sendo que ele alcançou uma graça e Nossa Senhora teria pedido para que os moradores de Águias edificassem uma Capela, que hoje é o Santuário de Nossa Senhora das Brotas.[1] O Santuário está construído onde apareceu Nossa Senhora.[2] Durante séculos esse Santuário é um dos principais centros de peregrinações.[1]

No início era uma humilde capela, logo a notícia foi ficando conhecida e por causa do sempre crescente número de romeiro o Santuário teve de aumentado.[1] O Arcebispo de Évora, mais tarde Cardeal Dom Afonso, que era filho do rei D.Manoel, percebeu que o santuário era melhor e mais importante que a igreja paroquial, suprimiu a igreja e fez do Santuário a Matriz da freguesia.[2] A mais antiga imagem de Nossa Senhora das Brotas, data do século XVI, e é feita em marfim.[3]

Expansão do culto a Nossa Senhora das Brotas[editar | editar código-fonte]

Pela influência de Portugal, o culto a Nossa Senhora das Brotas chegou ao Brasil. Desde a fundação da Capitania da Baía, foram construídos vários templos em honra a Nossa Senhora das Brotas, além de ser Padroeira em vários templos e igrejas, ela também é Padroeira das seguintes igrejas matrizes:[4]

Nossa Senhora das Brotas é a possibilidade mais provável para que a cidade de Brotas tenha sido batizada com esse nome, por causa da devoção de Dona Francisca Ribeiro dos Reis.[5]

Também por meio dos portugueses, foi construído o primeiro templo católico da Índia, a Igreja de Nossa Senhora das Brotas de Angediva.[6] Em reconhecimento do seu papel como local simbólico de igreja-mãe na introdução do catolicismo na Índia, a Igreja de Nossa Senhora das Brotas recebeu uma insígnia concedida pela Santa Sé, que nela se encontra exposta.[6]

Em Piraí do Sul[editar | editar código-fonte]

Estampa de Nossa Senhora das Brotas

A história do culto a Nossa Senhora das Brotas no município de Piraí do Sul é diferente de outros lugares que foi influenciada por portugueses. Tem início em 1808, quando o Frei Antonio de Sant’Ana Galvão, hoje São Frei Galvão, em missão da Província Franciscana da Imaculada Conceição,[7] e ao chegar às margens do Rio Piraí, decidiu ficar alguns dias no povoado, pregando e atendendo o povo da região. Enquanto permaneceu na região, ficou na casa de dona Ana Rosa Conceição de Paula, ao se desperdi-se da casa ao qual foi acolhido deu de presente uma estampa de Nossa Senhora das Barracas[8] com a dedicatória: “Lembrança do Frei Galvão”, além de ter dito:[7]

A estampa foi colocada em uma cartolina dura, para melhor conservá-la rodeando-a com uma moldura de madeira, tendo em sua residência, recebido um lugar de grande destaque.[10]

Anos após, Ana Rosa de Paula, contraiu segundas núpcias com Joaquim Maciel, transferindo-se para a casa deste. Ao momento da mudança a estampa foi perdida e apesar das buscas, não conseguiram encontrar. Certo dia, indo pelas cercanias de sua casa, no mato ali existente, que fora totalmente destruído por um grande incêndio, a Srª Ana, encontrou a estampa,[10][11] no dia 26 de dezembro,[12] entre raízes e brotos novos de vegetação. O fogo havia destruído totalmente a moldura de madeira, sem, no entanto, lesar a estampa de papel, que ficou levemente chamuscada. Perplexos com este fato, interpretaram-no como um milagre operado por Nossa Senhora.[10] Com o fato as pessoas decidiram rebatizar a estampa com o nome de Nossa Senhora das Brotas.[8]

Em 2004 Nossa Senhora das Brotas foi considerada e declarada “Padroeira do Caminho das Tropas”.[8][13] que é a parte paranaense do Caminho, indo de Sengés até Rio Negro, passando por 16 municípios.[14]

No rodapé da estampa está a frase: “Verdadeiro retrato da Prodigiosa Imagem de Nossa Senhora das Barracas, que se venera na Igreja do Beato Antônio”, indica que a gravura é uma cópia fiel da imagem original que é venerada na igreja do santo, natural de Lisboa, Santo Antônio de Pádua.[15]

O título original de “Nossa Senhora das Barracas” nunca foi usado pelo povo a qual era chamada simplesmente de “Santa”. Mas desde o dia em que a encontrada em meio as cinzas e entre novos brotos foi chamada de “Nossa Senhora das Brotas”.[16]

Referências

  1. a b c d Husman, p. 46 - 47.
  2. a b Husman, p. 48.
  3. Husman, p. 45.
  4. Husman, p. 50 - 51.
  5. «Cidade de Brotas: História - Brotas Online - Ecoturismo e Aventura em Brotas-SP». Brotasonline.com.br. Consultado em 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2014 
  6. a b «colaco.net». colaco.net. Consultado em 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 20 de março de 2014 
  7. a b c Panfleto da Campanha do Devotos de Nossa Senhora das Brotas e São Frei Galvão, Kugler Artes Gráficas, 2010 p.2 - 3.
  8. a b c «Piraí do Sul homenageia Nossa Senhora das Brotas - Paraná-Online». Paraná online. Consultado em 28 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2013 
  9. «Turismo Religioso - Fe, Santuarios -Templos de peregrinacao e devocao.». Turismoreligioso.org.br. Consultado em 30 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2012 
  10. a b c «Turismo Religioso - Prefeitura municipal de Piraí do Sul» (htm). Piraidosul.pr.gov. Consultado em 28 de dezembro de 2010 
  11. «Rota dos Tropeiros» (php). Rotadostropeiros.com.br. Consultado em 30 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2013 
  12. Husman, p. 26 - 27.
  13. «Rota dos Tropeiros» (php). rotadostropeiros.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2010 
  14. «Nascimento de Jesus motiva as celebrações religiosas do mês» (phtml). Gazeta do Povo. Consultado em 28 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2013 
  15. Husman, p. 57.
  16. Husman, p. 58.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Husman, Guido (1964). A Paróquia do Senhor Menino Deus e o Santuário de Nossa Senhora das Brotas. [S.l.]: Editora Vozes Ltda.