Relações entre Brasil e Rússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Relações entre Brasil e Rússia
Bandeira do Brasil   Bandeira da Rússia
Mapa indicando localização do Brasil e da Rússia.
  Brasil

As relações entre Brasil e Rússia tem visto uma melhora significativa nos últimos anos, caracterizada por um aumento das trocas comerciais e a cooperação em matéria de tecnologia militar e segmentos. Atualmente o Brasil possui uma importante aliança com a Federação Russa, com parcerias em áreas como tecnologia espacial, militar e telecomunicações.[1]

Uma pesquisa divulgada pela BBC News em 2013 revelou que 38% dos russos vêem a influência do Brasil de forma positiva e 8% de forma negativa, a pesquisa também revelou que 25% dos brasileiros vêem a influência da Rússia de forma positiva e 30% de forma negativa.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Reportagem sobre o rompimento das relações diplomáticas entre o Brasil e a União Soviética com os dicursos do presidente da Federação Nacional dos Marítimos e do presidente Dutra.
2
3
4
Os presidentes do Brasil e da Rússia na assinatura da Aliança Estratégica Brasil-Rússia, em 18 de outubro de 2005.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

O início das relações diplomáticas entre o Brasil e a Rússia ocorreu no dia 3 de outubro de 1828, sendo o Brasil o primeiro país sul-americano com o qual a Rússia formalizou laços diplomáticos.[1]

Em 1876, o Imperador do Brasil, Dom Pedro II, fez uma visita em caráter privada à Rússia. Na visita, Dom Pedro II foi recepcionado na Academia de Ciências da Universidade Estatal de São Petersburgo.[3]

Em junho de 2017, o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, doou ao então presidente brasileiro, Michel Temer, cartas escritas pelo Imperador brasileiro, Pedro II, ao Imperador Russo, Alexandre II.[4] As cartas atualmente estão no acervo do Museu Imperial, tendo sido entregues ao museu em novembro de 2017.[5]

Século XX[editar | editar código-fonte]

O Brasil e a União Soviética estabeleceram relações diplomáticas em 2 de abril de 1945, que foram rompidas em 1947, durante o governo de Eurico Gaspar Dutra. As relações comerciais foram estabelecidas em 1958, durante o governo Juscelino Kubitscheck, mas as relações diplomáticas só foram restabelecidas durante o Governo João Goulart em 1961[6]. Como a maioria dos outros países ocidentais, o Brasil se manteve neutro, mas distante, nas relações com a União Soviética durante a Guerra Fria. Ambas as relações bilaterais estiveram limitadas ao intercâmbio comercial e os acordos de cooperação de mínima importância. Com a dissolução da União Soviética e o subsequente nascimento da Federação Russa, as conversações entre as duas nações aumentaram, levando ao Tratado de Cooperação Brasil-Rússia, assinado em 21 de novembro de 1997.

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Em 2001, uma comissão de alto nível chefiada pelo então vice-presidente do Brasil, Marco Maciel, e o então primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Kasyanov, estabeleceram a longo prazo diversos acordos bilaterais, dando início a uma parceria estratégica entre os dois países.

Continuando o percurso, o posterior vice-presidente do Brasil, José Alencar, viajou para Moscou, em setembro de 2003, para um encontro com o presidente russo Vladimir Putin e os seus membros de gabinete. Os dois países assinaram um pacto de transferência tecnológica e militar, um importante acordo no domínio da tecnologia espacial, mísseis de defesa, e transferência de armas militares.

Em resposta a um convite feito pelo então presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, Vladimir Putin fez uma visita de estado ao Brasil em 22 de novembro de 2004.[7]

Em 18 de outubro de 2005, durante uma visita de Estado do presidente Lula a Moscou, Putin e Lula assinaram o Acordo Bilateral Brasil-Rússia de Aliança Estratégica. Bem como um acordo que tornou possível para a Agência Espacial Brasileira enviar o primeiro astronauta brasileiro, Marcos Pontes, ao espaço a bordo da Soyuz TMA-8.

Em 26 de novembro de 2008, durante uma visita de Estado do presidente Dmitri Medvedev ao Brasil, os dois países assinaram acordos sobre isenção de vistos, e de cooperação nos setores aeroespacial, nuclear e de defesa.

Brasil e Rússia são integrantes do grupo BRICS,

Em 15 de julho de 2014, Vladimir Putin veio ao Brasil para uma reunião dos países BRICS e assinou acordos com o Brasil em diversas áreas, estando também reunido com a presidente Dilma Rousseff.[8]

Comparação entre os países[editar | editar código-fonte]

 Brasil  Rússia
População (2017) 212.008.250 146.430.174
Área 8.516.000 km² 17.100.000 km²
Densidade populacional 58,8 hab/kp 8,3 hab/km²
Capital Brasília Moscou
Maior cidade São Paulo
Governo República presidencialista República semipresidencialista
Línguas oficiais Português Russo
PIB (nominal) US$ 2,244 Trilhões (US$ 11 067 per capita) US$ 2,057 Trilhões (US$ 14 316 per capita)
Moeda Real Rublo
Índice de Desenvolvimento Humano (2018)[9] Estável79° (0,759) Estável 50° (0,816)
Índice de Competitividade Global (2014)[10] Baixa 57º (56º em 2013) Aumento 53° (64° em 2013)
Produção Científica (2014) Estável 13° (59.736) Estável 15° (50.430)
Reservas Internacionais em 2014

(milhões de USD)[11]

Aumento 6° (376.090) Aumento 7° (374,700)
Índice de Liberdade Econômica (2013)[12] 100° (57.7) 139° (51.1)
Índice Global de Paz (2014)[13] Aumento 90° (91° em 2013) Aumento 152° (153° em 2013)

Referências

  1. a b «Federação da Rússia». www.itamaraty.gov.br. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  2. https://globescan.com/images/images/pressreleases/bbc2013_country_ratings/2013_country_rating_poll_bbc_globescan.pdf
  3. «Dom Pedro II em viagem ao Oriente». Consultado em 25 de setembro de 2019 
  4. «Presidência da República decide doar cartas originais escritas por Dom Pedro II a museu indicado pelo Ibram». G1. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  5. «06/09/2017 - Museu Imperial recebe cartas de D. Pedro II doadas ao Presidente Temer». www.revistamuseu.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  6. «Memorial da Democracia - Brasil reata com a União Soviética». Memorial da Democracia. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  7. «BBC Brasil». www.bbc.com. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  8. G1, Filipe MatosoDo; Brasília, em (14 de julho de 2014). «Putin chega ao Planalto e é recebido por Dilma no Salão Nobre». Mundo. Consultado em 18 de junho de 2019 
  9. «IDH 2018: Brasil ocupa a 79ª posição. Veja a lista completa». noticias.uol.com.br. Consultado em 18 de junho de 2019 
  10. http://www3.weforum.org/docs/GCR2014-15/GCR_Rankings_2014-2015.pdf
  11. FMI (2014). «Reservas Internacionais». FMI. Consultado em 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  12. http://thf_media.s3.amazonaws.com/index/pdf/2013/Index2013_Highlights.pdf
  13. http://www.visionofhumanity.org/#page/indexes/global-peace-index/2014

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre relações internacionais, diplomacia ou sobre um diplomata é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.