Rubem Alves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o cineasta luso-francês, veja Ruben Alves.
Rubem Alves
Nome completo Rubem Azevedo Alves
Nascimento 15 de setembro de 1933
Boa Esperança,  Minas Gerais
Morte 19 de julho de 2014 (80 anos)
Campinas,  São Paulo
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação educador e teólogo
Religião Agnosticismo[1], antes Protestantismo.
Movimento Teologia da Libertação
Influências Bíblia Sagrada, Friedrich Nietzsche, Fernando Pessoa, Adélia Prado, Rubina Figueroa
Prêmios Medalha Carlos Gomes
Prêmio Jabuti
Prêmio FNLIJ
Página oficial www.rubemalves.com.br

Rubem Azevedo Alves (Boa Esperança, 15 de setembro de 1933Campinas, 19 de julho de 2014) foi um psicanalista, educador, teólogo, escritor e ex-pastor presbiteriano brasileiro. Foi autor de livros religiosos, educacionais, existenciais e infantis.[2] É considerado um dos maiores pedagogos brasileiros de todos os tempos, um dos fundadores da Teologia da Libertação e intelectual polivalente nos debates sociais no Brasil[3]. Foi professor da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Carreira[editar | editar código-fonte]

Entre 1953 e 1957, estudou teologia no Seminário Presbiteriano de Campinas, onde conheceu Richard Shaull. Entre 1958 e 1963, foi pastor em Lavras (Minas Gerais). Em 1964, obteve o título de mestre em teologia pela "Union Theological Seminary" em Nova Iorque.

Foi membro da Comissão "Fé e Ordem", do Conselho Ecumênico de Igrejas e diretor de "Estudos sobre Igreja e sociedade na América Latina. Foi acusado de conduta subversiva pelas autoridades da Igreja Presbiteriana e perseguido pelo Regime Militar do Brasil (1964-1985) e por isso abandonou a Igreja Presbiteriana e a exilar-se nos Estados Unidos, onde, em 1968, obteve o título de doutor (PHD) em filosofia no Seminário Teológico de Princeton[4].

Lecionou no Instituto Presbiteriano Gammon, na cidade de Lavras, Minas Gerais, no Seminário Presbiteriano de Campinas, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro e na UNICAMP, onde recebeu o título de Professor Emérito e criou vários grupos de pesquisa[5]. Tinha um grande número de publicações, tais como crônicas, ensaios e contos, além de ser ele mesmo o tema de diversas teses, dissertações e monografias. Muitos de seus livros foram publicados em outros idiomas, como inglês, francês, italiano, espanhol, alemão e romeno.

No início da década de 1980 obteve o título de psicanalista pela Sociedade Paulista de Psicanálise. Também publicou livros de literatura infantil e poesia. Foi integrante da Academia Campinense de Letras[4].

Com formação eclética, transita pelas áreas de teologia, psicanálise, sociologia, filosofia e educação. Após ter lecionado em universidades, tinha um restaurante (a culinária foi uma de suas paixões e tema de alguns de seus textos), viveu em Campinas , onde mantinha um grupo, chamado Canoeiros, que se encontra semanalmente para leitura de poesias.

Sua mensagem é direta e, por vezes, romântica, explorando a essência do homem e a alma do ser. É algo como um contraponto à visão atual de homo globalizadus que busca satisfazer desejos, muitas vezes além de suas reais necessidades.

"Ensinar" é descrito por Alves como um ato de alegria, um ofício que deve ser exercido com paixão e arte. É como a vida de um palhaço que entra no picadeiro todos os dias com a missão renovada de divertir. Ensinar é fazer aquele momento único e especial. Ridendo dicere severum: rindo, dizer coisas sérias[6] Mostrando que esta, na verdade é a forma mais eficaz e verdadeira de transmitir conhecimento. Agindo como um mago e não como um mágico. Não como alguém que ilude e sim como quem acredita e faz crer, que deve fazer acontecer.

Em alguns de seus textos, cita passagens da Bíblia, valendo-se de metáforas. No site A Casa de Rubem Alves encontram-se releituras e discussões de suas obras.

Segundo Harvey Cox, Rubem Alves era capaz de agrupar, com coerência, debaixo de um só enfoque, as opiniões de Franz Fanon, Karl Marx, Jürgen Moltmann, Mario Savio, Karl Barth, Paul Lehmann, Esdras Costra e Paulo Freire[4].

Foi cidadão honorário de Campinas onde recebeu a Medalha Carlos Gomes de contribuição à cultura.

Teologia[editar | editar código-fonte]

Autor do livro "Da Esperança" ("Teologia da Esperança Humana"), Rubem Alves é tido por muitos estudiosos como uma das mais relevantes personalidades no cenário teológico brasileiro; o fundador da reflexão sobre uma teologia libertadora, que em breve seria chamada de Teologia da Libertação.[7] Via no Humanismo um messianismo restaurador e assim, desde os anos 60 participou do movimento latino-americano de renovação da teologia.

Em sua ótica, a libertação não surgiria da intervenção sobrenatural de um ser superior que faria um milagre concreto para isso, mas guiaria espiritualmente a atividade dos seres humanos na história que conduziriam a humanidade pelo caminho da liberdade. Trata-se de um novo paradigma de humanização, um novo tipo de humanismo baseado na ideia de liberdade para recriar o mundo do ser humano e o próprio ser humano, um messianismo político e não em uma ideia abstrata da essência do ser humano[4].

Sua posição liberal logo lhe trouxe graves problemas em seu relacionamento com o protestantismo histórico e especificamente presbiteriano. Foi questionado desde cedo por suas ideias e teve de abandonar o pastorado, tendo antes abandonado suas convicções doutrinárias ortodoxas.

Foi dessa experiência que surgiu o livro "Protestantismo e Repressão", que busca elucidar os labirintos do cotidiano histórico deste movimento religioso. Na obra "Dogmatismo e tolerância", analisa os aspectos inovadores da teologia reformada, questiona o dogmatismo das religiões e sustenta que tal fenômeno é contrário ao espírito originário das religiões, afirma que Deus criou os pássaros, enquanto que as religiões criaram as jaulas também conhecidas como dogmas.

Na obra "Cristianismo: ópio ou libertação?", fala do "mundo do proletariado" para referir-se a uma nova consciência ecumênica, que uniria os povos do Terceiro Mundo com os negros, os estudantes e outros grupos dos países ricos; seria uma consciência não restrita às fronteiras nacionais, econômicas, sociais ou raciais. A consciência proletária nasceria entre aqueles que experimentaram a pobreza em suas próprias vidas. Fala da esperança frustrada das nações do Terceiro Mundo de se tornarem nações desenvolvidas e do abismo, que seria cada vez maior, entre as nações ricas e as nações pobres. A partir dessa constatação, os pobres teriam tomado consciência de que a pobreza e a discriminação não seriam um fato natural, nem a vontade de Deus, mas uma relação de causa e efeito decorrente de uma relação colonial opressora. Portanto, os pobres não seriam simplesmente pobres, mas aqueles que haviam se tornado pobres. Um dos objetivos do colonialismo seria reduzir as comunidades e povos dominados a uma situação de passividade, que lhes impediria criar a sua própria história. No passado o colonialismo teria gerado uma consciência oprimida, que resultou em passividade, mas, atualmente, os seres humanos teriam tomado consciência de sua opressão e se convertido em sujeitos históricos, nascidos para a liberdade, com capacidade para criar sua própria história, imaginar um futuro novo, criticar o mundo em que vivem e transforma-lo[4].

Escreveu um livro em inglês que falava do futuro da humanidade, "Filhos do Amanhã", onde tratou de como um futuro libertador dependia de categorias que a ciência ocidental havia desprezado.

Lançou ainda um livro chamado "Variações sobre a vida e a morte", onde trata de construir uma teologia poética, preocupada com o corpo, com a vida em sua dimensão real.

Humanismo político[editar | editar código-fonte]

A linguagem do humanismo político é a linguagem da esperança, razão pela qual, Rubem Alves é um crítico da abordagem tecnicista que fecharia portas à esperança e adormeceria as consciências como fazia o colonialismo. A abordagem tecnicista criaria seres humanos que encontrariam a felicidade pelo que oferece o sistema, que adquiriria caráter totalitário, ao justificar ideologicamente a sua perpetuação, circunstância na qual a religião se converteria no "ópio do povo". Por outro lado, sua critica ao tecnicismo não é negação da tecnologia. O humanismo político pretende humanizar a tecnologia para colocá-la a serviço do ser humano comprometido na criação de um futuro melhor.

Existencialismo e humanismo político tem pontos em comum quando reconhecem o indivíduo como sujeito da história e na rejeição aos poderes que pretendem criar o ser humano a sua imagem e semelhança e submete-lo. Por outro lado, existem diferenças entre o existencialismo e o humanismo político, pois o existencialismo afirma que existe um dualismo entre o subjetivo e o objetivo. Portanto, Rubem Alves é um crítico do existencialismo teológico, que sustenta que a libertação do ser humano é puramente subjetiva[4].

Morte[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Rubem Alves

Rubem Azevedo Alves faleceu em 19 de julho de 2014, em Campinas, por falência múltipla de órgãos.[8] O corpo foi velado no plenário da Câmara Municipal de Campinas, no interior paulista, cidade onde o escritor mineiro morava. Como pedido, seu corpo foi cremado em Guarulhos e as cinzas espalhadas sob um ipê amarelo.[9]

Obra[editar | editar código-fonte]

Teologia[editar | editar código-fonte]

Da Esperança
Creio na Ressurreição do corpo
Variações sobre a vida e a morte
Poesia, Profecia e Magia
Pai Nosso
O Poeta, o Guerreiro e o Profeta

Filosofia da religião[editar | editar código-fonte]

O Enigma da Religião
O que é Religião?
Protestantismo e Repressão
Dogmatismo e Tolerância
O Suspiro dos Oprimidos
Perguntaram-me se acredito em Deus

Meditações/crônicas[editar | editar código-fonte]

Tempus Fugit
O Retorno e Terno
O Quarto do Mistério
Sobre o tempo e a eterna idade
As contas de vidro e o fio de nylon
Desfiz 75 Anos
Ostra feliz não faz pérola
Transparências da Eternidade
Concerto para corpo e alma
O Sapo que Virou Príncipe
A Grande Arte de Ser Feliz

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gandhi: A magia dos gestos poéticos

Filosofia da ciência e da educação[editar | editar código-fonte]

Conversas com quem gosta de ensinar
Histórias de quem gosta de ensinar
A alegria de ensinar
Por uma educação romântica
Entre a ciência e a sapiência
Filosofia da Ciência
Fomos maus alunos
A Pedagogia dos caracóis
A Escola com que Sempre Sonhei sem Imaginar que Pudesse Existir
O Livro sem Fim

Literatura infanto-juvenil[editar | editar código-fonte]

A árvore e a aranha
A história dos três porquinhos
A libélula e a tartaruga
A menina, a gaiola e a bicicleta
A menina e o pássaro encantado
A operação de Lili
A pipa e a flor
A volta do pássaro encantado
Como nasceu a alegria
Estórias de bichos
O patinho que não aprendeu a voar
Os morangos
O Velho que Acordou Menino
O amor que acende a lua

Referências

  1. Vídeo "Rubem Alves fala sobre Deus", disponível no YouTube. Aos 3 minutos e 23 segundos diz: "Três homens estão diante de uma janela. Um deles disse: 'Eu vejo lá no horizonte uma casa e há uma pessoa dentro da casa.' O outro homem disse: 'Eu vejo uma casa, mas não tem ninguém dentro da casa, a casa está vazia.' O terceiro diz: 'Mas que casa? Eu não vejo casa nenhuma.'O teísta é aquele que diz que vê a casa e que dentro da casa há uma pessoa, esse acredita em Deus. O outro que diz 'não tem ninguém dentro da casa' é o ateu. E o terceiro? Eu não sei o que é o terceiro, pois não vejo nada...e nem quero ver. Deus pra mim é beleza, ternura. Deus é música." Mais adiante, aos 5 minutos e 27 segundos, diz: "A beleza é a sombra de Deus no mundo. A única coisa que nós temos é a sombra de Deus no mundo, que é a beleza".
  2. «Portal Cultura» (JPG). Portalcultura.com.br. 
  3. «Morreu escritor brasileiro Rubem Alves aos 80 anos». Expresso das Ilhas. 20 de julho de 2014. Consultado em 6 de agosto de 2014. 
  4. a b c d e f La Teologia de La Liberacion Juan Jose Tamayo, em espanhol, acesso em 24 de março de 2016.
  5. «Rubem Alves será cremado nesta tarde em Guarulhos (SP)». Rádio CBN. 20 de julho de 2014. Consultado em 21 de julho de 2014. 
  6. Alves 2002 p. 42
  7. FONTANA, Júlio. (setembro/outubro 2006). "A filosofia da ciência de Rubem Alves" (PDF). Ciberteologia - Revista de Teologia & Cultura 2 (7): 11. São Paulo: Paulinas. ISSN 1809-2888. Visitado em 16 de junho de 2012.
  8. do G1 Campinas e Região (19/07/2014). «Escritor e educador Rubem Alves morre em Campinas aos 80 anos». Consultado em 19 de julho de 2014. 
  9. Agência Brasil Beta (31/07/2014). «Corpo de Rubem Alves será cremado em Guarulhos». Consultado em 20 de julho de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Rubem Alves
Rubem Alves

Livros: A Pipa e a Flor - A Pipa e a Flor (teatro) - A volta do pássaro encantado - Lista de publicações de Rubem Alves - O Quarto do Mistério - O patinho que não aprendeu a voar - Por uma educação romântica - Tempus Fugit

Ver também: Teologia - Psicanálise - Educação - Adélia Prado - Nietzsche - Fernando Pessoa

editar