GNU GRUB

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de GRUB)
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Grub2 deverá ser fundido aqui.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão de|....|{{subst:DATA}}}}.

(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Cheque ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).
Menu de seleção do sistema operacional
GNU GRUB on MBR-partitioned hard disk drives
GNU GRUB on GPT-partitioned hard disk drives
boot.img has the exact size of 446 Bytes and is written to the MBR (sector 0). core.img is written to the empty sectors between the MBR and the first partition, if available (for legacy reasons the first partition starts at sector 63 instead of sector 1, but this is not mandatory). The /boot/grub-directory can be located on an distinct partition, or on the /-partition.

Em computação, GNU GRUB (ou apenas GRUB) é um multi-carregador de um sistema operacional (multi boot boot-loader) criado pelo projeto GNU. É utilizado, normalmente, quando se deseja que um computador tenha dual booting, ou seja, que o usuário possa escolher ao iniciar a máquina, um sistema operacional (SO) dentre dois ou mais sistemas instalados. Em termos técnicos ele é um programa que pode carregar qualquer arquivo (ficheiro) executável com um cabeçalho multi boot nos seus primeiros 8 kB. Este cabeçalho consiste uma sequência de bits com: 32 bits de um "número mágico", 32 bits de flags mais 32 bits de um outro número mágico seguidos pela imagem do arquivo executável.

O GNU GRUB foi desenvolvido a partir de um pacote chamado GRand Unified Bootloader, de onde deriva o acrônimo GRUB. O sistema operacional GNU utiliza o GRUB, assim como muitas distribuições GNU/Linux.

Enquanto os "carregadores" tradicionais mantém uma tabela de blocos no disco rígido, o GRUB pode rastrear o sistema de arquivos. Na sua versão do ano 2005 ele suportava os seguintes sistemas de arquivos:

O GRUB também suporta a instalação em disquetes.

Outros carregadores populares incluem LILO e SYSLINUX.

Atualmente em desenvolvimento, o GRUB 2 substituiu o GRUB que passou a se chamar GRUB Legacy (ou, em português, GRUB legado). O desenvolvimento do GRUB 2 pretende fundir os fontes com o projeto PUPA para criar a próxima geração do GNU GRUB.

O GRUB suporta a adição de 14 cores em substituição ao fundo de tela negro. Algumas distribuições que incluem o GRUB utilizam fundos de tela customizados. Os usuários também podem incluir as suas próprias customizações.

O processo de carregamento do sistema operacional[editar | editar código-fonte]

  1. O BIOS busca um dispositivo que faça o carregamento do SO (normalmente um disco rígido) e move o controle para o MBR ou Master Boot Record. O MBR é situado nos 512 primeiros bytes do disco.
  2. O MBR contém o estágio 1 do GRUB. Dado o pequeno tamanho deste estágio, ele apenas carrega o próximo estágio do GRUB (que pode residir em qualquer locação do disco). O estágio 1 pode carregar o estágio 1.5 ou o estágio 2 diretamente.
  3. O estágio 1.5 é localizado nos 30 primeiros Kb do disco imediatamente após o MBR. O estágio 1.5 carrega o estágio 2.
  4. O estágio 2 recebe o controle, e mostra ao usuário o menu com as opções de sistemas operacionais instalados no sistema.
  5. O GRUB carrega na memória o núcleo do SO escolhido (ou o padrão) e passa o controle a este núcleo. (Para sistemas operacionais não suportados totalmente pelo GRUB, o controle é passado para outro carregador que continua o processo até carregar o núcleo em memória)

GRUB2[editar | editar código-fonte]

O GRUB2 é a nova versão do GRUB. Apresenta algumas mudanças como o fim do arquivo menu.lst.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]