Novas sete maravilhas do mundo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Países em com monumentos entre os 21 finalistas indicados em azul. O Egito é indicado em laranja por ser o país de uma das maravilhas do mundo antigo.

As Novas 7 Maravilhas do Mundo foi uma revisão de caráter informal e recreativo da lista original das sete maravilhas, idealizada por uma organização suíça chamada New Open World Corporation (NOWC). A seleção foi feita mundialmente por votos pela internet gratuitos e ligações telefônicas. Ao final do ano de 2005, a lista de monumentos inscritos contava com 200 integrantes e foi reduzida aos 77 mais votados pelo público. Os 21 monumentos finalistas foram escolhidos por um grupo de arquitetos liderados pelo ex-diretor geral da Unesco Federico Mayor, com base nos critérios de beleza, complexidade, valor histórico, relevância cultural e significado arquitetônico. Porém, as Pirâmides do Egipto foram retiradas da lista de finalistas para receber o título de "Maravilha Honorária", restando apenas 20 finalistas que foram novamente submetidos a votação livre. Os 7 monumentos vencedores foram apresentados publicamente em uma cerimônia realizada no dia 7 de Julho de 2007 no Estádio da Luz, em Lisboa, Portugal. Nessa mesma apresentação foram também reveladas as Sete Maravilhas de Portugal. A votação foi uma das maiores da história contabilizando mais de 100 milhões de votos.

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com a página NOWC milestones,[1] o empresário suíço Bernard Weber criou o projeto em setembro de 1999. Em 24 de novembro de 2005, 177 monumentos foram incluídos na votação. Para ser incluído na lista, as maravilhas deveriam ser criadas pelo homem, ter sido completadas antes do ano 2000, e estar em estado de conservação "aceitável". Em 1 de janeiro de 2006, o NOWC divulgou que a lista tinha sido diminuída para 21 locais,[2] e depois a 20 com as reclamações do Egito.

Os votos poderiam ser dados por qualquer pessoa, organização ou governo. Como foi explicado nos Termos e Condições, o NOWC "preserva o direito da absoluta discrição a fim de excluir qualquer voto" em desacordo com os termos e condições.[3]

Federico Mayor, um ex-Diretor Geral da UNESCO, é o presidente do projeto. Entretanto, o NOWC não tem nenhuma ligação com a UNESCO.[4] [5]

Os vencedores[editar | editar código-fonte]

Maravilha Local Imagem
Ruínas de Petra Jordânia Jordânia The Treasury at Petra
Grande Muralha da China República Popular da China China Badalingchangcheng.JPG
Cristo Redentor Brasil Rio de Janeiro, Brasil Christ the Redeemer in Rio de Janeiro
Machu Picchu Peru Cusco, Peru View of Machu Picchu
Chichén Itzá México Yucatán, México El Castillo being climbed by tourists
Coliseu Itália Roma, Itália The Colosseum at dusk: exterior view of the best-preserved section
Taj Mahal Índia Agra, Índia Taj Mahal

Os restantes finalistas[6] [editar | editar código-fonte]

Maravilha Local Imagem
Acrópole de Atenas Grécia Atenas, Grécia The Acropolis of Athens, seen from the hill of the Pnyx to the west
Alhambra Espanha Granada, Espanha View of the Alhambra from the Mirador St Nicolas in the Albaycin of Granada
Angkor Wat Camboja Angkor, Camboja The main entrance to the temple proper, seen from the eastern end of the Naga causeway
Moais da Ilha de Páscoa Chile Ilha de Páscoa, Chile Rano Raraku Moai
Torre Eiffel França Paris, França Tour eiffel at sunrise from the trocadero
Hagia Sofia Turquia Istambul, Turquia Sophia
Kiyomizu-dera Japão Quioto, Japão Kiyomizu-dera
Kremlin, Praça Vermelha, e Catedral de São Basílio Rússia Moscou, Rússia The Moscow Kremlin, as seen from the Balchug
Saint Basil's Cathedral and Spasskaya Tower of Moscow Kremlin at Red Square in Moscow
Castelo de Neuschwanstein Alemanha Füssen, Alemanha Neuschwanstein seen from the Marienbrücke
Pirâmides de Gizé
("maravilha honorária")
Egito Egito Pyramide Kheops
Estátua da Liberdade Estados Unidos Nova Iorque, Estados Unidos Statue of Liberty and Liberty Island
Stonehenge Reino Unido Amesbury, Reino Unido Stonehenge em 2004
Sydney Opera House Austrália Sydney, Austrália Internationally, the Sydney Opera House is the most recognised symbol of Sydney
Tombuctu Mali Mali Mesquita Sankore em Tombuctu

Críticas[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter sido feita a escolha dos monumentos finalistas por um grupo de arquitetos liderados pelo ex-diretor geral da UNESCO, Federico Mayor, o concurso não possui o apoio da entidade, que apontou a falta de critérios científicos para a escolha das maravilhas, destacando o caráter informal e recreativo do concurso.[7] Além disso, a UNESCO argumentou sobre o uso do sistema baseado em votos pela Internet, em que uma mesma pessoa poderia votar várias vezes usando endereços de correio eletrônico diferentes.Tornando esta lista meramente ilustrativa e não oficial, não podendo ser levada em consideração pelas instituições mundiais.[8]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]