Reformismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Reformista)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


O reformismo é um movimento social que tem em vista a transformação da sociedade mediante a introdução de reformas graduais e sucessivas na legislação e nas instituições já existentes a fim de torná-las mais igualitárias. Uma reforma distingue-se dos movimentos sociais mais radicais, como movimentos revolucionários.

Na segunda metade do século XX, muitas críticas foram feitas à ideologia defendida pelos teóricos neo-malthusianos. Com bases nessas críticas, teóricos de países subdesenvolvidos elaboraram a teoria reformista que afirma que os problemas sociais não são o resultado do crescimento populacional, mas sim da falta de acesso da grande parte da população às riquezas produzidas.

Idéias reformistas são muitas vezes baseada em liberalismo,[1] embora possam estar enraizadas em socialistas (especificamente,sociais democrático )[2] [3] ou conceitos religiosos. Algumas dependem da transformação pessoal, outras dependem de pequenas mudanças coletivas, tais como roda de fiar de Mahatma Gandhi e a economia da aldeia auto-sustentável, como um modo de mudança social. [4] [5]

Teorias reformistas[editar | editar código-fonte]

Teoria populacional reformista[editar | editar código-fonte]

Na segunda metade do século XX, muitas críticas foram feitas à ideologia defendida pelos teóricos neo-malthusianos. Com bases nessas críticas, teóricos de países subdesenvolvidos elaboraram a teoria reformista que afirma que os problemas sociais não são o resultado do crescimento populacional, mas sim da falta de acesso da grande parte da população às riquezas produzidas.[6]

Essa teoria, ao contrário da neomalthusiana, afirma que a superpopulação é consequência e não causa do subdesenvolvimento.[6]

Em países desenvolvidos, onde há melhor qualidade de vida, ocorre maior controle de natalidade. Em países subdesenvolvidos onde não há grandes investimentos em educação, as pessoas acabam não tendo consciência das determinações econômicas e não se preocupam em gerar menos filhos. Devido a isso, os reformistas propõem reformas nos investimentos,[6] para que haja equilíbrio da educação nesses países.

Movimentos reformistas[editar | editar código-fonte]

Movimento reformista Radicalista[editar | editar código-fonte]

O movimento radical foi um movimento reformista no Reino Unido no final do século XVIII e início do século XX. Ele fez campanhas para a reforma eleitoral, a reforma das Leis dos Pobres, o livre comércio, a reforma educacional, reforma postal, reforma do sistema prisional, e saneamento básico.[7] Originalmente este movimento deveria substituir o exclusivo poder político da aristocracia com um sistema mais democrático dando mais representatividade as áreas urbanas e as classes média e trabalhadora. Após as idéias do Iluminismo, os reformadores olharam para o revolução científica e progresso industrial para resolver os problemas sociais que surgiram com a Revolução Industrial. Finalmente, em 1859, este movimento de reforma levou à formação do Partido Liberal

O maior sucesso dos reformadores foi na Inglaterra a Lei da Reforma de 1832, o que proporcionou à crescente classes médias mais poder político em áreas urbanas, diminuindo ao mesmo tempo a representação de áreas da Inglaterra não perturbadas pela Revolução Industrial.[8] Apesar da determinada resistência da Câmara dos Lordes a lei foi aprovada dando mais poder parlamentar para os liberais.[9]

Movimento cartista[editar | editar código-fonte]

O movimento cartista procurou implementar o sufrágio universal. Um historiador do movimento cartista observou que "O movimento cartista era essencialmente um movimento econômico com um programa puramente político".[10] A idéia do sufrágio universal masculino, uma meta inicial do movimento cartista, era incluir todos os homens como eleitores, independentemente da sua posição social. Isto mais tarde evoluiu para uma campanha pelo sufrágio universal. Este movimento procurou redesenhar os distritos parlamentares dentro de Grã-Bretanha e criar um sistema de salário para os eleitos para que os trabalhadores poderiam ter recursos para representar seus eleitores, sem um fardo para suas famílias.

Movimento pelo sufrágio feminino[editar | editar código-fonte]

Mary Wollstonecraft

Muitos consideram o livro Defesa dos Direitos da Mulher (1792) de Mary Wollstonecraft de ser a fonte da longa campanha dos reformadores para inclusão feminista e a origem do movimento do sufrágio feminino. [[Harriet Taylor foi uma influência significativa nos trabalhos e idéias de John Stuart Mill, reforçando a defesa de Mill dos direitos da mulher. Seu ensaio, "Emancipação da Mulher," apareceu no Westminster Review em 1851, em resposta a um discurso de Lucy Stone dado na primeira National Women's Rights Convention , em Worcester, Massachusetts, em 1850. Mill cita a influência de Taylor em sua revisão final da obra On Liberty, (1859), que foi publicado logo após sua morte.[11]

Movimento Reformista islâmico de Mustafa Kemal[editar | editar código-fonte]

Os conceitos de reforma social haviam sido desenvolvidos por Mustafa Kemal desde cedo, como fica evidente por seus diários pessoais. Juntamente com seus assessores ele discutia constantemente medidas como a abolição do hijab e outras formas de véus utilizados tradicionalmente pelas mulheres islâmicas, bem como a integração das mulheres na vida social turca.

Mustafa Kemal precisava de um Código civil para dar seu segundo grande passo em direção à liberdade para as mulheres; o primeiro havia sido assegurar a educação para elas, que fora estabelecida como parte da unificação da educação promovida por ele. Em 4 de outubro de 1926, o novo código civil turco foi aprovado, modelado a partir do código civil suíço. Kemal não considerava o sexo um fator na organização social; de acordo com seu ponto de vista, a sociedade marchava rumo a sua meta com todos os seus homens e mulheres juntos, e que seria cientificamente impossível para ele conseguir atingir o progresso e tornar o país civilizado se a separação dos sexos continuasse como nos tempos otomanos.[12]

Em 1927, o Museu Estatal de Arte e Escultura de Ancara (em turco: Ankara Resim ve Heykel Müzesi) abriu suas portas; o museu, como tantas outras instituições que contaram com o incentivo de Kemal, procurou adquirir coleções importantes que servissem como inspiração e fonte de conhecimento para a sociedade. Costumava dizer que a Cultura é a fundação da República Turca.[13]

Edição de 1928 do jornal francês L'Illustration, mostrando Atatürk introduzindo o novo alfabeto turco às pessoas de Sinop.

Em 24 de maio de 1928, o alfabeto turco, uma variante do alfabeto latino, foi implementado, substituindo o alfabeto árabe, como parte da solução de Mustafa Kemal para o problema da alfabetização. O pedagogo americano John Dewey, contratado por Kemal para assessorar no processo de reforma educacional, relatou que aprender a ler e escrever em turco utilizando-se do alfabeto árabe levava três anos nos níveis mais elementares, frequentemente utilizando-se de métodos bastante cansativos para os alunos.[14] Os cidadãos alfabetizados compunham menos de 10% da população da época, que se utilizavam do turco otomano, no alfabeto árabe e com vocabulário de origem árabe e persa.[14] A criação do alfabeto turco a partir do latino foi realizada pela Comissão da Língua (em turco: Dil Encümeni), sob iniciativa de Atatürk[14] e sob a tutelagem de um calígrafo armênio-otomano.[15]

Em 1931, após participar de trabalhos de pesquisa sobre o idioma turco, Mustafa Kemal determinou o estabelecimento da Associação da Língua Turca (Türk Dil Kurumu); ao avanço institucional da língua turca seguiu-se o da história da Turquia, e no ano seguinte foi fundada a Sociedade Histórica Turca (Türk Tarih Kurumu). Mustafa Kemal ainda apelou publicamente aos setores privados e à sociedade em geral para participarem deste esforço em prol da educação.[16]

Em 1933, Mustafa Kemal Atatürk ordenou a reestruturação da Universidade de Istambul, que a transformou numa instituição moderna, e estabeleceu logo a seguir a Universidade de Ancara, na capital, para se assegurar do zelo e proteção dos princípios que ele via como expressões de uma sociedade moderna, como a Ciência e o Iluminismo.[17]

Kemal se envolveu pessoalmente com a tradução da terminologia científica;[18] ele desejava uma reforma linguística fundamentada numa base metodológica.

Em 1932, a primeira tradução para o turco do Corão foi lida publicamente.[19] Mustafa Kemal comissionou uma tradução do Corão para o turco do tafsir Elmalılı Hamdi Yazır. Sua meta mais alta, no campo religioso, era esta tradução do Corão para o idioma nacional;[20] Atatürk queria "ensinar religião em turco para o povo turco, que vinha praticando o Islã sem o compreender por séculos a fio."[20] A intensidade da oposição à tradução na Turquia pode ser constatada com o fato de que, em 1936, o texto sagrado do islamismo já havia sido vertido para outras 102 línguas.[21]

Referências

  1. Ian, Adams. 'Ideology and politics in Britain today'. [S.l.]: Manchester University Press, 1998. p. 54-55.
  2. Sejersted and Adams and Daly, Francis and Madeleine and Richard. The Age of Social Democracy: Norway and Sweden in the Twentieth Century. [S.l.]: Princeton University Press, 2011. ISBN 978-0691147741.
  3. Foundations of social democracy, 2004. Friedrich-Ebert-Stiftung, p. 8, November 2009.
  4. Gandhi, Mohandas Karamchand. In: Desai, Mahadev H.. Autobiography: The story of my experiments with truth. Mineola, N.Y: Dover, 1990. p. 89. ISBN 0-486-24593-4.
  5. Haferkamp, Hans, and Neil J. Smelser, editors. "Social Change and Modernity."Berkeley: University of California Press, c1992 1991.
  6. a b c Eduardo de Freitas. Teoria Reformista (em português) R7 Brasil Escola. Visitado em 08 de dezembro de 2012.
  7. Elie Halévy, The Growth of Philosophic Radicalism. Faber (1972) ISBN 0-571-04759-9
  8. G. M. Trevelyan, Lord Grey of the Reform Bill: Being the Life of Charles, Second Earl Grey (London: Longmans, Green, 1913)
  9. G. D. H. Cole, Short History of the British Working Class Movement, 1787-1947. London, George Allen & Unwin (1948), pp. 63-69. "The Reform Movement"
  10. G.D.H. Cole, Short History of the British Working Class Movement, 1787-1947. London, George Allen & Unwin (1948), p. 94 "The Rise of Chartism”
  11. John Stuart Mill, The Subjection of Women, The Feminism and Women's Studies site (e-text)
  12. Tüfekçi, Universality of Atatürk's philosophy
  13. Atillasoy, Atatürk : first president and founder of the Turkish Republic, 15
  14. a b c Wolf-Gazo, Ernest. (1996). "John Dewey in Turkey: An Educational Mission". Journal of American Studies of Turkey 3: 15–42. Ancara: American Studies Association of Turkey. ISSN 1300-6606.
  15. Dundar, Can (25 de abril de 2005). Türkeş, Atatürk'ün imzasını hatırlattı (em turco) Milliyet. "Atatürk'ün imzasını bir Ermeni güzel yazı hocasının çizdiğini duymuş muydun?"
  16. About Us. Visitado em 1-2-2008.
  17. Saikal, Democratization in the Middle East: Experiences, Struggles, Challenges, 95
  18. Lewis, Geoffrey L. (1999), The Turkish Language Reform: A Catastrophic Success, Oxford University Press ISBN 0-19-823856-8 pág. 66
  19. Cleveland, A History of the Modern Middle East, 181
  20. a b Radu, Michael. (2003), Dangerous Neighborhood: Contemporary Issues in Turkey's Foreign Relations, pág. 125, ISBN 978-0-7658-0166-1
  21. Fatani. The Qur'an: an encyclopedia: Translation and the Qur'an'. [S.l.]: Routeledge, 2006. 657-669 pp.


Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.