Romance gráfico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Romance gráfico
GRAPHIC NOVEL DISPLAY (back of back display) (5571698323).jpg
Romances gráficos em exposição.
Projecto Banda Desenhada  · Portal da Banda Desenhada

Um romance gráfico (também se utiliza o termo inglês graphic novel) é uma espécie de livro, normalmente contando uma longa história através de arte sequencial (banda desenhada ou quadrinhos), e é frequentemente usado para definir as distinções subjetivas entre um livro e outros tipos de histórias em quadrinhos.

O termo é geralmente usado para referir-se a qualquer forma de quadrinho ou mangá de longa duração, ou seja, é o análogo na arte sequencial a uma prosa ou romance. Pode ser aplicado a trabalhos que foram publicados anteriormente em quadrinhos periódicos, ou a trabalhos produzidos especificamente para publicação em formato livro. Uma graphic novel não precisa ser voltada para o público adulto; às vezes, é necessário apenas que tenha uma boa estrutura e um visível grau filosófico (ex: A Saga do Tio Patinhas).

A definição de "graphic novel" foi popularizada por Will Eisner depois de aparecer na capa de sua obra A Contract with God (Um Contrato com Deus), um trabalho maduro e complexo, focado na vida de pessoas ordinárias no mundo real. O selo de "graphic novel" foi colocado na intenção de distingui-lo do formato de quadrinhos tradicional.[1] Eisner citou como inspiração os livros de Lynd Ward, que produzia romances completos em xilogravura.[2] O sucesso comercial de Um Contrato com Deus ajudou a estabilizar o termo "graphic novel", e muitas fontes creditam erroneamente Eisner a ser o primeiro a usá-lo (de fato, foi Richard Kile quem originalmente usou o termo em algumas publicações dos anos 1960).

O significado original do termo era aplicado para histórias fechadas[3] [4] [5] [6] , nos últimos anos o termo tem sido usado como sinônimo de trade paperback, as edições encadernadas em formato de livros de história seriadas em revistas[7] [8] .[9] .

Outros trabalhos similares que antecederam o surgimento do termo foram os álbuns franco-belgas Tintin, Asterix e Spirou, bastante populares desde a década de 1960[10] [11] [12] , o termo álbum é usado como sinônimo pela mídia especializada, tanto para graphic novel, quanto para trade paperback.[13]

Movimento artístico[editar | editar código-fonte]

Eddie Campbell lançou um manifesto em 2004 para efetivar o fato de que uma "graphic novel" é mais o produto de um artista, e que o termo seria melhor empregado para descrever um movimento artístico.[14] Eis o texto completo, traduzido para português:

Há tanta discordância – entre nós – e mal-entendidos – no grande público – em torno do "romance gráfico", que já é tempo de assentarmos uns quantos princípios.

1. "Romance gráfico" é um termo desagradável, mas utilizá-lo-emos seja como for, para compreendermos que gráfico não tem nada a ver com design gráfico e que romance não tem nada a ver com os romances (tal como "Impressionismo" não é um termo verdadeiramente aplicável pois foi utilizado em primeiro lugar como um insulto, e depois adoptado a modo de provocação).

2. Como não nos estamos a referir de maneira alguma ao tradicional romance literário, não defendemos que o romance gráfico deva ter as mesmas dimensões nem o mesmo peso físico. Assim, termos suplementares como "novela" ou "conto", etc., não serão aqui empregues, e só servem para confundir os públicos em relação ao nosso fito (ver abaixo), levando-os a pensar que é nossa intenção criar uma versão ilustrada de um determinado nível de literatura, quando na verdade temos bem melhor para fazer, a saber, estamos a criar uma arte completamente nova que não será limitada pelas regras arbitrárias de uma outra velha arte.

3. O "Romance gráfico" representa mais um movimento do que uma forma. Por isso podemos falar de "antecedentes" do romance gráfico, como os livros de xilogravuras de Lynd Ward. Porém, não nos interessa utilizar o termo retrospectivamente.

4. Apesar do romancista gráfico considerar os seus vários antecedentes génios e profetas, sem o trabalho dos quais não poderia ter criado o seu próprio trabalho, não deseja colocar-se permanentemente à sombra do Rake’s Progress de William Hogarth sempre que ganha algum grama de publicidade, quer para si quer para a sua arte em geral.

5. Uma vez que o termo se refere a um movimento, a um evento contínuo, mais do que a uma forma, não há nada a ganhar com uma sua definição ou "medição". O conceito tem cerca de trinta anos, apesar de tanto este como o nome terem sido utilizados casualmente desde uns dez anos antes. Uma vez que se encontra ainda em crescimento, é bem possível que se tenha alterado totalmente por este mesmo período do ano que vem.

6. O fito do romancista gráfico é pegar na forma da revista de banda desenhada [comic book], que agora apenas nos envergonha, e elevá-la a um nível mais ambicioso e mais significativo. Isto implica normalmente aumentar-lhe o tamanho, mas devemos acautelar-nos para não entrar em disputas sobre quais são os tamanhos aceitáveis. Se um qualquer artista apresentar uma colecção de pequenos contos como o seu novo romance gráfico (tal qual Will Eisner fez com A contract with God, por exemplo), não devemos entrar em picuínhices. Devemos apenas examinar se esse romance gráfico é uma boa ou uma má série de histórias. Se o artista ou a artista utilizar personagens que apareceram noutro sítio, como a presença de Jimmy Corrigan (Chris Ware) em títulos que não o principal, ou as de Gilbert Hernandez, etc., ou até mesmo outras personagens que não desejamos que façam parte da nossa "sociedade secreta", não os desconsideraremos por essa simples razão. Se o seu livro já não se parecer de modo algum com banda desenhada, também não entraremos em picardias. Basta que nos perguntemos se esse trabalho aumenta ou não a totalidade do conhecimento humano.

7. O termo romance gráfico não será empregue como indicativo de um formato comercial (tal como os termos "brochado" e "cartonado"). Poderá tratar-se de um manuscrito inédito ou apresentado em episódios ou partes. O mais importante é o intuito, mesmo que este surja após a publicação original.

8. Os temas dos romancistas gráficos são toda a existência, inclusive as suas próprias vidas. Os artistas desprezam os "géneros" e todos os seus clichés horrorosos, apesar de conservarem uma perspectiva alargada. Ressentem particularmente a noção, ainda prevalecente em muitos sítios, e não sem razão, de que a banda desenhada é um subgénero da ficção científica ou da fantasia heróica.

9. Os romancistas gráficos jamais pensariam em empregar o termo romance gráfico quando se encontram entre os seus pares. Referir-se-iam mais normalmente ao seu "último livro" ou o seu "trabalho em curso", ou "a mesma treta de sempre", ou até mesmo "banda desenhada", etc. O termo deve ser empregue como uma insígnia ou uma bandeira velha que se vai buscar ao ouvir o apelo de batalha, ou quando se o tartamudeia ao perguntarmos pela localização de uma certa secção de uma livraria que não conhecemos. Os editores poderão utilizá-lo às vezes que assim entenderem, até que signifique ainda menos do que o nada que já significa.

Mais, os romancistas gráficos têm bem a noção de que a próxima geração de artistas de banda desenhada escolherão formas o mais pequenas possível e que farão pouco da sua arrogância.

10. Os romancistas gráficos reservam o seu direito a retratar-se de todas as alíneas anteriores, se isso os ajudar a vender mais.

Exemplos notáveis[editar | editar código-fonte]

Matt Groening cartunista norte-americano originário de Portland (Oregon). Criou The Simpsons, Life in hell e Futurama.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. , Flávio Braga, Carlos Patati Ediouro, Almanaque dos quadrinhos - 100 anos de uma mídia popular, 2006. ISBN 8500016906, 9788500016905
  2. , Arie Kaplan Chicago Review Press, Masters of the comic book universe revealed!, 13, 2006. ISBN 1556526334, 9781556526336
  3. Diego Calazans. O Edifício (Editora Abril Universo HQ.
  4. Sérgio Codespoti (10/09/2009). Warner Bros. cria a DC Entertainment Universo HQ.
  5. Érico Assis, Érico Borgo e Marcelo Forlani (04 de Setembro de 2001). Omelete entrevista: Mike Deodato Jr. Omelete.
  6. Jotapê Martins (30 de Junho de 2000). Novo projeto Vertigo de Garth Ennis Omelete.
  7. Luciano Guerson. 100 Balas #32 Universo HQ.
  8. Érico Assis (04 de Março de 2008). Lá Fora - Monte sua gibiteca de quadrinhos importados aproveitando o dólar baixo Omelete.
  9. Parênteses: TPBs brasileiros - uma proposta Omelete (16 de Janeiro de 2002). Visitado em 17/05/2010.
  10. Sérgio Codespoti (sobre o press release da Devir Portugal) (20/03/2002). Devir lançará álbum da Vampirella e ainda tem outras novidades Universo HQ.
  11. Delfin. CEREBUS - BOOK 1 Universo HQ.
  12. Sérgio Codespoti (12/01/09). Tintim completa 80 anos de aventuras Universo HQ.
  13. Sérgio Codespoti (10/07/2009). Capa de graphic novel com Megan Fox é censurada Universo HQ.
  14. , Michael Patrick Dooley, Steven Heller Allworth Communications, Inc., The education of a comics artist; visual narrative in cartoons, graphic novels, and beyond, xx, 2005. ISBN 1581154089, 9781581154085

Ligações externas[editar | editar código-fonte]