Thomaz Bellucci

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tenista Thomaz Cocchiarali Bellucci
Thomaz Bellucci cropped-002.jpg
Bellucci no Torneio de Wimbledon de 2014
Alcunha(s) Belluga, Bellugod e Belludal
País  Brasil
Residência São Paulo, Brasil
Data de nasc. 30 de dezembro de 1987 (26 anos)
Local de nasc. Tietê, Brasil
Altura 1,88 m
Peso 82 kg
Treinado por Francisco Clavet
Profissionalização 2005
Mão Canhoto (revés de duas mãos)
Prize money 3,238,552 Fonte
Página oficial http://www.thomazbellucci.com.br/
Simples
Vitórias-Derrotas 133-135
Títulos 3
Melhor ranking Nº 21 (26 de julho de 2010)
Ranking atual simples Nº 54(5 de novembro de 2014)
Resultados de Grand Slam
Open da Austrália 2R (2010, 2011, 2012 e 2014)
Open da França 4R (2010)
Wimbledon 3R (2010)
U.S. Open 2R (2008, 2009, 2010 e 2014)
Duplas
Vitórias-Derrotas 34-51
Títulos 1
Melhor ranking Nº 70 (15 de julho de 2013)
Resultados de Grand Slam de Duplas
Open da Austrália QF (2013)
Wimbledon 1R (2008, 2012)
U.S. Open 2R (2012)
Última atualização em: 30 de setembro de 2014.

Thomaz Cocchiarali Bellucci (Tietê, 30 de dezembro de 1987) é um tenista brasileiro, profissional desde 2005. É o tenista brasileiro que atingiu o segundo mais alto ranking da história (desde que o sistema foi criado em 1973), atrás apenas de Gustavo Kuerten.[1] É o atual tenista número 1 do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Thomaz Bellucci é um dos grandes tenistas brasileiros após a era Guga.

Começou a jogar tênis aos sete anos de idade, por influência dos pais, que jogam socialmente. Dono de um tipo favorável para o esporte, apresenta golpes precisos e modernos e vem conquistando seu espaço no cenário internacional.

Profissional desde 2005, ele atingiu seu melhor ranking em simples no ano de 2010, ao ser classificado como 21° do ranking mundial masculino. É o tenista brasileiro que atingiu o segundo mais alto ranking da história, atrás somente de Gustavo Kuerten.[1]

Já conquistou até o momento em torneios ATP, a três títulos de simples: Gstaad (2009 e 2012) e Santiago (2010) - e um em duplas - Stuttgart (2013).

Tímido e reservado, nas poucas horas que tem de lazer, Bellucci gosta de ficar em casa com a família e, de vez em quando, vai ao estádio de futebol assistir aos jogos do time do Palmeiras, seu time do coração.

Bellucci fez uma carreira como juvenil e a partir de 2005 começou a jogar torneios profissionais da ATP.

Representa o Brasil na Copa Davis.

É o atual tenista número 1 do Brasil.

Juvenil[editar | editar código-fonte]

  • Melhor ranking (simples) - 15
  • Recorde simples - 28/14 (V/D)

2007[editar | editar código-fonte]

Em 2007 fez um boa sequência de torneios na América do Sul e conquistou um título Future no Brasil. Com estes resultados, foi chamado pela a primeira vez para a Copa Davis em 2007 contra a Áustria, mas perdeu para Jürgen Melzer, então 36° do mundo.[2]

Teve rápida ascensão, sendo vice-campeão em 2 Challengers, em Cuenca no Equador, e em Bogotá na Colômbia em 2007. Também ganhou um título de duplas na Copa Petrobras de Tênis ao lado do mineiro Bruno Soares na etapa de Bogotá, em outubro de 2007.

2008[editar | editar código-fonte]

Em 2008, fez uma excelente temporada conquistando quatro Challengers na América do Sul e África, além de ter feito sua primeira aparição em um Grand Slam Roland Garros jogando contra o espanhol Rafael Nadal. Acabou sendo derrotado por 3 x 0 (7/5, 6/3, 6/1), mas chamou a atenção dos críticos por sua consistência jogando da base (forehand e backhand) e ótimo saque.[3] Jogou Wimbledon e US Open, em 2008, sendo eliminado em ambos na 2ª rodada. Jogou as Olimpíadas de Pequim em simples, sendo eliminado na estréia pelo eslovaco Dominik Hrbaty por 2 sets a 1 .[4]

2009[editar | editar código-fonte]

Em 2009, realizou sua primeira grande participação nos torneios ATP no Brasil Open, realizado na Costa do Sauípe, Bahia, em fevereiro, onde chegou à final, perdendo por 2 sets a 1 para o espanhol Tommy Robredo.[5] Venceu seu 1° jogo numa chave principal de Masters 1000 (série de torneios mais difícil do mundo, em termos de ranqueamento dos jogadores) derrotando o sérvio Janko Tipsarevic, nº 46 do mundo, no Masters 1000 de Indian Wells.[6]

Bellucci teve dificuldades desde que começou a disputar unicamente torneios ATP, após os 4 títulos de Challengers. Criticado pela forte irregularidade que apresentava durante as partidas, Bellucci perdeu muitos jogos seguidos e após Roland Garros 2009 voltou aos Challengers, por não possuir mais ranking para jogar torneios ATP. Diagnosticou-se que Bellucci necessitava de melhorias no preparo físico, pois aparentemente sofria queda de rendimento devido ao excesso de transpiração.

Após diagnosticar o problema[carece de fontes?],Bellucci ganha seu primeiro ATP, o de Gstaad, vindo do qualifying. No caminho ao título, derrotou o cabeça-de-chave 1 do torneio, Stanislas Wawrinka, nº 24 do mundo, e também venceu o nº 51 Andreas Beck na final.[7]

Chegou pela primeira vez no top 50, em outubro de 2009, após chegar à 2ª rodada do Masters 1000 de Xangai passando pelo qualifying. Bellucci também começou a mostrar evolução em quadras rápidas, obtendo seu melhor resultado nesse tipo de piso (até o momento) no ATP 250 de Estocolmo, ao chegar nas semifinais. Em novembro, entrou na lista dos 40 melhores do mundo.

2010[editar | editar código-fonte]

Em 2010, Bellucci continuou sua evolução, se fixando no grupo dos melhores do mundo e jogando unicamente torneios ATP, os mais difíceis do circuito tenístico. Iniciou a temporada com melhores resultados do que em 2009: foi às quartas no torneio de Brisbane, oitavas em Auckland e chegou à 2ª rodada do Australian Open, perdendo para o americano ex-número 1 do mundo Andy Roddick. Sagrou-se campeão do ATP do Chile ao derrotar o nº 11 do mundo Fernando Gonzalez na semifinal e Juan Mónaco na final, entrando com isso na lista dos 30 melhores do mundo. No Masters 1000 de Miami, alcançou as oitavas-de-final, após passar a 1º rodada de Bye e derrotar James Blake e Olivier Rochus, perdendo nos detalhes para Nicolas Almagro; no ATP 500 de Barcelona, chegou às quartas-de-final, derrotando Jarkko Nieminen, Victor Hanescu e Guillermo García-López, parando somente no ex-nº 4 do mundo, David Ferrer. No Masters 1000 de Roma, derrotou Leonardo Mayer, John Isner, e nas oitavas-de-final fez partida equilibrada com o nº 2 do mundo, Novak Djokovic, perdendo de 6/4 e 6/4.

Em Roland Garros 2010, Bellucci chegou pela primeira vez às oitavas-de-final de um Grand Slam, derrotando Michael Llodra, Pablo Andújar e o cabeça-de-chave 14 do torneio e ex-nº 3 do mundo, Ivan Ljubicic, sendo parado somente pelo tetracampeão do torneio, Rafael Nadal, por 6/2, 7/5 e 6/4. Com isso, se igualou à Thomaz Koch como o 2º melhor jogador brasileiro masculino da História do ranking da ATP, por obter a 24º posição - atrás apenas de Gustavo Kuerten, que foi nº 1 do mundo. Já no Torneio de Wimbledon, chegou a uma inédita terceira rodada, sendo derrotado pelo nº 6 do mundo, o sueco Robin Söderling. O desempenho no Torneio de Wimbledon lhe rendeu mais uma pequena escalada até a 22ª posição, isolando-o como o 2º melhor jogador brasileiro da História. No ATP 500 de Hamburgo chegou às quartas de final, subindo mais uma posição, se tornando o 21º do mundo.

2011[editar | editar código-fonte]

Em 2011, passou a ser treinado por Larri Passos, ex-técnico de Guga. Começou mal a temporada, caindo na segunda rodada do Aberto da Austrália, e não conseguindo defender o título do ATP 250 do Chile. Mas no ATP 500 de Acapulco, conseguiu sua primeira vitória na carreira sobre um top 10 (Fernando Verdasco, nº 9 do mundo) na primeira rodada [8] , e fez sua melhor campanha neste tipo de torneio, chegando às semifinais, onde foi eliminado em um grande jogo com Nicolas Almagro, que vinha de 2 títulos de ATP seguidos.

Em maio, no Masters 1000 de Madrid, conseguiu vencer pela primeira vez um tenista top 5 (Andy Murray, nº 4 do mundo) e chegar às quartas-de-final de um Masters 1000. Na sequência, com mais uma atuação impecável, derrotou Tomas Berdych, número 7 do mundo, por 7/6(2) e 6/3, chegando às semifinais, fato que o Brasil não conseguia há 8 anos.[9] Na semifinal, contra o invicto na temporada Novak Đjoković, número 2 do mundo, começou muito bem e ganhou o primeiro set por 6/4. No entanto, após abrir 3/1 no segundo set, teve problemas físicos (o brasileiro chegou a pedir tempo médico e recebeu atendimento na coxa no terceiro set) e o sérvio fechou por 6/4, 4/6 e 1/6.[10] . Com isto, o brasileiro se aproximou novamente do grupo dos 20 melhores do mundo no ranking da ATP, dando um salto de 14 postos, indo para a 22º posição.

Estas, porém, foram as únicas grandes campanhas de Bellucci no ano. Amargou inúmeras derrotas em primeiras rodadas de torneios, terminando o ano na 37º posição do ranking. No final do ano, deixou de ser treinado por Larri Passos, e passou a ser treinado por Daniel Orsanic.

2012[editar | editar código-fonte]

Thomaz Bellucci, Nice 2012

Em 2012, Bellucci foi à segunda rodada do Australian Open, e chegou à semifinal do ATP 250 do Brasil, perdendo por desgaste físico. No Masters 1000 de Indian Wells, Bellucci chegou às oitavas de final, enfrentando Roger Federer e conseguindo vencer um set do mesmo, mas foi eliminado do torneio ao perder o jogo por 2 sets a 1 de virada.[11]

No Masters 1000 de Monte Carlo, derrotou, na 2ª rodada, o atual vice-campeão do torneio e sexto colocado do ranking mundial, David Ferrer,[12] perdendo, porém, nas oitavas-de-final para Robin Haase.[13]

Furou o qualifying do ATP de Nice e chegou às quartas de final. Foi eliminado na primeira rodada de Roland Garros por Viktor Troicki, e de Wimbledon por Rafael Nadal.

Ganhou convite para disputar os Jogos Olímpicos de Londres 2012 nas chaves de simples e duplas. Chegou a cair para o ranking de 80 do mundo, porém logo em seguida se recuperou, embalando em um bom momento: venceu o Challenger de Braunschweig, subindo para a 64º posição do ranking[14] ; na semana seguinte, foi à semifinal do ATP 250 de Stuttgart, perdendo por 2 sets a 1 para o top 10 Janko Tipsarević[15] ; e na semana posterior, se tornou bicampeão do ATP 250 de Gstaad, após derrotar Mikhail Youzhny, Feliciano López e o então oitavo colocado do ranking mundial Janko Tipsarević na final, obtendo a revanche da semifinal do ATP anterior.[16] [17] .Com isto, foi para o 40º lugar no ranking mundial.

Em outubro, chega à sua primeira final de ATP em piso hard, no ATP 250 de Moscou. Bellucci derrotou o ex-top15 e famoso supersacador Ivo Karlovic para obter tal feito.[18] Contra Andreas Seppi, chegou a sacar para fechar a final em 2 sets a 0, mas acabou levando a virada por 2 sets a 1, terminando com o vice-campeonato. Com isso, subiu para a 34ª posição mundial.

2013[editar | editar código-fonte]

Em 2013, ao participar do Australian Open, Bellucci chegou às quartas-de-final do torneio de duplas, junto com o francês Benoit Paire.[19] No ATP 500 de Acapulco, foi às semifinais em duplas, entrando pela primeira vez na carreira no top 100 de duplas.

Em abril, Bellucci sofreu uma lesão, ficando fora do circuito mundial por 72 dias e perdendo torneios como Roland Garros e Wimbledon.[20]

Na sua volta às quadras, no ATP 250 de Stuttgart, Bellucci conquistou seu primeiro título ATP de duplas. [21] .

Depois de Sua Volta em Stuttgart, Bellucci volta a ter consecutivas derrotas em estreias em Hamburgo, Gstaad, Kitzbühel, Montreal, Cincinnati Masters, US Open e Duas Derrotas pela Copa Davis para Florian Mayer e Daniel Brands, Bellucci volta a sentir uma lesão só que agora uma tendinite no ombro direito que o fez parar para uma recuperação. Na Sua Volta as Quadras no Challenger de Buenos Aires Bellucci volta a sofrer uma derrota na primeira rodada para Pablo Cuevas Até então nº400 do Ranking da ATP. Bellucci volta a atuar no Challenger de Montevidéu Com o Título sobre Diego Shwatzman por 2 sets 0. Já no Challenger de Bogotá Bellucci volta a disputar uma final mais perde por desistencia por causa de uma nova lesão no abdômen e volta para São Paulo para estudar essa nova lesão. Voltando desta leve Lesão no Abdômen Bellucci esperava um bom ano de 2014 e faz a pré-temporada com Rogério, Clezar, Demoliner e Fabiano de Paula Junto com João Zwetsch.

2014[editar | editar código-fonte]

Bellucci no Torneio de Wimbledon de 2014

Em 2014, Thomaz Bellucci voltou a disputar um qualifying de Grand Slam após cinco anos. E conseguiu passar pelo qualifying do Grand Slam do Australian Open ao vencer na estreia o francês Maxime Teixeira por 6/4 e 6/0. Depois, na segunda rodada, derrotou o austríaco Martin Fischer por 4/6, 6/3 e 10-8, em uma virada dramática. E em seguida, pela terceira rodada do qualifying, sem maiores dificuldades venceu o japonês Taro Daniel por 2 sets a 0 parciais de 7/5 e 6/2, encerrando assim sua participação no qualifying e garantindo vaga na chave principal do Grand Slam do Australian Open. Depois de passar pelo qualifying, Bellucci venceu na primeira rodada da chave principal ao alemão Julian Reister por 4/6, 6/3 e 7/6 (5). O alemão desistiu antes da disputa do quarto set. Mas o brasileiro não teve sorte e acabou sendo derrotado na segunda rodada da chave principal do Grand Slam Australiano pelo tenista francês Jo-Wilfried Tsonga em sets direto.

Na gira sulamericana, se destacou nos torneios brasileiros. No ATP 500 do Rio de Janeiro, no Brasil, atingiu as quartas de final e foi derrotado pelo espanhol David Ferrer em um jogo duríssimo. Na semana seguinte, pelo ATP 250 de São Paulo, atingiu a semifinal e foi derrotado por aquele que se tornaria o campeão, Federico DelBonis, em mais uma partida duríssima.

Em março teve de abandonar o qualificatório para o Masters 1000 de Miami por conta de uma desidratação. Deste então, ele ficou parado para se recuperar e nem fez parte da equipe brasileira, que derrotou o Equador pelo Zonal Americano da Copa Davis.

Durante o mês de abril, o tenista Thomaz Bellucci (então 105º colocado no ranking da ATP) não teve um bom retorno ao circuito mundial. O brasileiro caiu na primeira rodada do qualificatório para o Masters 1000 de Monte Carlo, em Mônaco, ao ser derrotado pelo espanhol Albert Montañes (então 57º do ranking) por 2 sets a 0, parciais de 1-6 e 4-6.

Em maio o paulista Thomaz Bellucci atingiu as quartas de final do ATP 250 de Munique na Alemanha, que é disputado no saibro, mas parou aí, pois não resistiu ao italiano Fabio Fognini, então 15º do ranking e principal favorito do ATP alemão, e foi superado em sets diretos, com um duplo 6/2. Bellucci encerrou sua participação no ATP 250 de Munique com um saldo de cinco vitórias, sendo três pelo qualifying e dois pela chave principal, antes de ser batido por Fognini.

No final do mês de maio, Thomaz Bellucci foi derrotado pelo italiano Fabio Fognini por 3 sets a 0, com parciais de 3-6, 4-6 e 6-7 (2/7), e foi eliminado do Grand Slam de Roland Garros. O tenista brasileiro assim manteve a sina de não conseguir passar da segunda rodada da chave principal de um Grand Slam desde 2011, quando foi à terceira fase justamente no saibro de Paris.

Em junho, Bellucci entrou no classificatório do Torneio de Wimbledon como cabeça de chave n° 1, mas não conseguiu confirmar seu favoritismo e chegar a chave principal do Grand Slam de Wimbledon, torneio mais tradicional do calendário. O tenista paulista foi eliminado na primeira rodada do classificatório ao ser derrotado pelo australiano Luke Saville por 2 sets a 1, com parciais de 4/6, 7/6 (7-4) e 1/6. Com a eliminação no classificatório, Wimbledon foi o primeiro Grand Slam da temporada sem a presença de Thomaz Bellucci na chave principal, já que ele passou pelo classificatório no Australian Open e entrou diretamente na chave principal de Roland Garros. Nesses dois torneios, ele venceu sua estreia e acabou eliminado na segunda rodada da chave principal.

Em julho Thomaz Bellucci chegou as quartas de final do ATP 250 de Gstaad na Suíça, mas não resistiu ao argentino Juan Mónaco. O brasileiro acabou perdendo por 2 sets a 0, com parciais de 6-7 (1-7) e 1-6, em 1h30 de jogo. Com a derrota, o melhor brasileiro do ranking naquele momento, perdeu a chance de conquistar o tricampeonato do ATP 250 de Gstaad, já que ele sagrou-se campeão desse torneio em 2009 e 2012.

No final de agosto, o tenista brasileiro Thomaz Bellucci teve boa atuação, mas foi derrotado pelo suíço Stanislas Wawrinka na segunda rodada do Grand Slam do US Open, em Nova York. Campeão do Grand Slam do Aberto da Austrália de 2014 e terceiro cabeça de chave do Grand Slam americano, Wawrinka precisou jogar duas horas e 36 minutos para vencer Bellucci por 3 sets a 1, com parciais de 3-6, 4-6, 6-3 e 6-7 (1/7). "Saio daqui de cabeça erguida. Joguei bem nas duas partidas e estou me sentindo com mais confiança para os próximos torneios", analisou Bellucci, que naquele momento era o número 91 do ranking da ATP.

Em setembro, pela Copa Davis, Thomaz Bellucci foi o principal nome na surpreendente vitória do time brasileiro sobre o time espanhol. Na primeira partida, precisou salvar um match point e sair de dois sets abaixo para vencer Pablo Andújar em um jogo que durou mais de quatro horas. Na segunda partida, definiu a classificação brasileira ao vencer Roberto Bautista-Agut, então 15º no ranking da ATP, por 3 sets a 1. Ao final do jogo, Bellucci concedeu uma entrevista ao canal SporTV visivelmente emocionado.

Ainda em setembro, foi vice-campeão do Challenger de Orleans, ao perder na final para o ucraniano Sergiy Stakhovsky por 2-6 e 5-7. E horas depois de perder a chance de levantar seu primeiro troféu de simples da temporada, o canhoto de Tietê voltou à quadra coberta sintética de Orleans e junto com o mineiro André Sá ganharam o título de duplas do Challenger de Orleans. A dupla brasileira lutou muito, e conseguiram reagir após perder o primeiro set e derrotaram a parceria formada pelo norte-americano James Cerretani e o sueco Andreas Siljestrom, por 5/7, 6/4 e 10-8 no match-tiebreak.

Durante o mês de outubro o paulista jogou o ATP 250 de Viena na Áustria, e o brasileiro Thomaz Bellucci superou na primeira rodada do ATP de Viena o francês Paul-Henri Mathieu. O tenista número 1 do Brasil naquele momento derrotou com autoridade o francês por 2 sets a 0, com parciais de 6-1 e 6-4. Nas oitavas de final do ATP de Viena ele enfrentou o espanhol Feliciano López, terceiro cabeça de chave, então 14° no ranking mundial e que na semana anterior foi semifinalista do Masters 1000 de Xangai, após derrotar o compatriota Rafael Nadal na estreia. E no duelo contra o espanhol, Bellucci teve uma boa atuação e venceu, de virada, a Feliciano López, por 2 sets a 1, parciais de 6/7 (9-11), 6/1 e 6/4. Nas quartas de final em mais uma exibição de intensos altos e baixos, o paulista viveu um pouco de tudo e acabou eliminado pelo sérvio Viktor Troicki. O sérvio e ex-número 12 do ranking venceu por 2 sets a 1, com parciais de 7/6 (7-4), 6/7 (2-7) e 6/2.

Um dia depois de ser eliminado nas quartas de final do ATP 250 de Viena e subir 10 posições no ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), o brasileiro Thomaz Bellucci já voltou a jogar, mas em outro torneio da ATP. Bellucci, então número 58 do ranking mundial masculino, disputou a primeira rodada do qualifying do ATP 500 de Valência, na Espanha, e venceu a partida. O canhoto de Tietê encarou o alemão Michael Berrer e ganhou com facilidade por 2 sets a 0, com um duplo 6-2. Em seguida, ele conquistou sua segunda vitória no torneio espanhol ao bater por 6/4 e 6/2 a Ričardas Berankis, em uma partida que durou 1h23 de jogo. Com essa vitória, ele 'furou' o qualifying e se classificou para a chave principal do ATP 500 de Valência. E depois do qualifying, o paulista Thomaz Bellucci fez uma boa estreia na chave principal de Valência. E mesmo diante de um ex-top 10 e do campeão desse torneio na temporada anterior, o brasileiro dominou as ações e derrotou o russo Mikhail Youzhny por 2 sets a 0, com parciais de 7-5 e 6-3, em 1h16 de partida. Nas oitavas ele sequer precisou entrar em quadra, pois pela segunda rodada da chave principal do torneio, se beneficiou da desistência do atleta da casa Roberto Bautista-Agut. Mas nas quartas de final o tenista brasileiro deu adeus ao sonho de conquistar o ATP 500 de Valência, na Espanha. O brasileiro enfrentou o espanhol David Ferrer, então quinto colocado do ranking mundial, e não resistiu, sendo atropelado por 2 sets a 0, parciais de 6-1 e 6-2.

No final de novembro de 2014, Bellucci confirmou o fim da parceria com o técnico Francisco "Pato" Clavet. "Foi uma decisão de comum acordo. O Pato tem alguns projetos pessoais para o ano que vem na Espanha que o impossibilitaria de viajar a temporada inteira”, explicou o paulista. “Eu quero um técnico que me acompanhe o circuito. Então finalizamos amigavelmente o que havíamos combinado há um pouco mais de um ano. Nosso acordo era até o final desse ano", complementou o canhoto de Tietê, que começou a trabalhar com Francisco "Pato" Clavet em outubro de 2013. "Só tenho a agradecer ao Pato. Acho que juntos cumprimos o que havíamos nos comprometido. Não tive um bom primeiro semestre, mas nunca desistimos. Continuamos trabalhando, pois sabíamos que os resultados viriam e foi isso que aconteceu. Juntos, voltamos ao top 50 que era uma das nossas metas", afirmou o então tenista número 1 do Brasil.

Em dezembro, já em reta final de pré-temporada, Thomaz Bellucci disputou uma série de exibições em Teresina, capital do Piauí. Então 65º do ranking mundial, o paulista foi o principal nome de um desafio Brasil x Argentina nos moldes dos confrontos da Copa Davis, disputado em uma quadra de saibro na Academia Radical Tennis, no bairro Fátima. Bellucci teve a companhia do gaúcho André Ghem, então terceiro melhor tenista do Brasil e 166° do ranking, contra os argentinos Guido Andreozzi, 186º colocado mundial, e Martin Alund, 244º do ranking, que defenderam a Argentina.

Ranking[editar | editar código-fonte]

  • Atual Ranking de Simples: 65°
  • Melhor Ranking de Simples: 21° (26/7/2010)[22]
  • Atual Ranking de Duplas: 452°
  • Melhor Ranking de Duplas: 70° (15/7/2013)

Evolução do ranking de simples[editar | editar código-fonte]

Posição na última semana de cada ano [23] :

  • 2004: nº 1447 do mundo
  • 2005: n° 864 do mundo
  • 2006: n° 578 do mundo
  • 2007: n° 199 do mundo
  • 2008: n° 90 do mundo
  • 2009: n° 36 do mundo
  • 2010: n° 31 do mundo
  • 2011: n° 37 do mundo
  • 2012: n° 33 do mundo
  • 2013: nº 125 do mundo

Finais de ATP[editar | editar código-fonte]

Simples: 5 (3-2)[editar | editar código-fonte]

Bellucci sacando, em outubro de 2009
Legenda
Grand Slam (0-0)
ATP World Tour Finals (0-0)
ATP Masters 1000 (0-0)
ATP 500 (0-0)
ATP 250 (3-2)
Títulos por Superfície
Dura (0-1)
Grama (0-0)
Saibro (3-1)
Carpete (0-0)
Resultado No. Data Torneio Superfície Adversário Placar
Finalista 1. 1 de fevereiro de 2009 Brasil Costa do Sauípe, Brasil Saibro Espanha Tommy Robredo 3-6, 6-3, 4-6
Vencedor 1. 2 de agosto de 2009 Suíça Gstaad, Suíça Saibro Alemanha Andreas Beck 6-4, 7-6(2)
Vencedor 2. 8 de fevereiro de 2010 Chile Santiago, Chile Saibro Argentina Juan Mónaco 6-2, 0-6, 6-4
Vencedor 3. 22 de julho de 2012 Suíça Gstaad, Suíça Saibro Sérvia Janko Tipsarević 6-7(6), 6-4, 6-2
Finalista 2. 21 de outubro de 2012 Rússia Moscou, Rússia Dura (Indoor) Itália Andreas Seppi 6-3, 6-7 (3), 3-6

Duplas: 1 (1-0)[editar | editar código-fonte]

Legenda
Grand Slam (0-0)
ATP World Tour Finals (0-0)
ATP Masters 1000 (0-0)
ATP 500 (0-0)
ATP 250 (1-0)
Títulos por Superfície
Dura (0-0)
Grama (0-0)
Saibro (1-0)
Carpete (0-0)
Resultado No. Data Torneio Superfície Parceiro Opponentes na final Placar
Vencedor 1. 14 de Julho de 2013 ATP de Stuttgart, Alemanha Saibro Argentina Facundo Bagnis Polónia Tomasz Bednarek
Polónia Mateusz Kowalczyk
2-6, 6-4, 11-9[21]

Finais de Challenger[editar | editar código-fonte]

Simples: 13 (8-5)[editar | editar código-fonte]

Legenda
ATP Challenger Tour (8–5)
Resultado No. Data Torneio Superfície Adversario Placar
Finalista 1. 15 de julho de 2007 Colômbia Bogotá, Colombia Saibro Equador Carlos Salamanca 6–4, 3–6, 2–6
Finalista 2. 22 de julho de 2007 Equador Cuenca, Equador Saibro Argentina Leonardo Mayer 3–6, 2–6
Vencedor 1. 25 de fevereiro de 2008 Chile Santiago, Chile Saibro Argentina Eduardo Schwank 6-4, 7-6(7–3)
Vencedor 2. 14 de abril de 2008 Brasil Florianopolis, Brasil Saibro Brasil Franco Ferreiro 4-6, 6-4, 6,2
Vencedor 3. 28 de abril de 2008 Tunísia Tunis, Tunisia Saibro Sérvia Dušan Vemić 6-2, 6-4
Vencedor 4. 5 de maio de 2008 Marrocos Rabat, Marrocos Saibro Argentina Martín Vassallo Argüello 6-2, 6-2
Vencedor 5. 13 de julho de 2009 Itália Rimini, Itália Saibro Argentina Juan Pablo Brzezicki 3-6, 6-3, 6-1
Vencedor 6. 1 de novembro de 2009 Brasil São Paulo, Brasil Saibro Equador Nicolas Lapentti 6-4, 6-4
Finalista 3. 30 de outubro de 2010 Brasil São Paulo, Brasil Saibro Brasil Marcos Daniel 1–6, 6–3, 3–6
Vencedor 7. 9 de julho de 2012 Alemanha Braunschweig, Alemanha Saibro Alemanha Tobias Kamke 7-6 (7–4), 6-3
Vencedor 8. 3 de novembro de 2013 Uruguai Montevidéu, Uruguai Saibro Argentina Diego Schwartzman 6-4, 6-4
Finalista 4. 10 de novembro de 2013 Colômbia Bogotá, Colômbia Saibro República Dominicana Victor Estrella Burgos 2–6, 0–3 ret.
Finalista 5. 28 de setembro de 2014 França Orléans, França Dura Ucrânia Sergiy Stakhovsky 2–6, 5–7

Performance em torneios de Simples[editar | editar código-fonte]

Grand Slam

Torneio 2008 2009 2010 2011 2012 Títulos Vitórias-Derrotas
Australian Open 1R 2R 2R 2R 0/4 3-4
Roland Garros 1R 1R 4R 3R 1R 0/5 5-5
Wimbledon 2R 3R 1R 1R 0/4 3-4
US Open 2R 2R 2R 1R 1R 0/5 3-5
Vitória-Derrota 2-3 1-3 7-4 3-4 1-4 0/18 14-18

ATP Masters

Torneio 2008 2009 2010 2011 2012 Títulos Vitórias-Derrotas
Indian Wells Masters 2R 3R 3R 4R 0/4 4-4
Miami Masters 1R 4R 2R 1R 0/4 2-4
Monte Carlo Masters 1R 1R 3R 0/3 2-3
Rome Masters 1R 3R 1R 1R 0/4 2-4
Madrid Masters 2R SF 1R 0/3 5-3
Canada Masters 1R 1R 2R 0/3 1-3
Cincinnati Masters 1R 2R 1R 0/3 1-3
Shanghai Masters Não 2R 2R 1R 1R 0/4 2-4
Paris Masters 2R 1R 0/2 1-2

Estatísticas da carreira

Torneio 2008 2009 2010 2011 2012 Total
Títulos-Finais 0-0 1-1 1-0 0-0 1-1 3-2
Ranking (final do ano) 85 36 31 37 33 n/d
Premiação (em dólares) 201.015 390.781 629.308 639.353 530.523 2.562.076


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. a b Thomaz Bellucci atinge melhor posição no ranking
  2. Novato Bellucci não resiste à Melzer e Brasil sai em desvantagem na Davis
  3. Bellucci começa bem mas perde para Nadal
  4. Bellucci cai na estréia em Pequim
  5. Bellucci bate na trave e é vice do Brasil Open
  6. Bellucci vence na estréia em Indian Wells
  7. Bellucci é campeão em Gstaad e quebra jejum brasileiro de 5 anos
  8. Bellucci derrota top10 pela primeira vez
  9. Bellucci bate outro top 10 e avança às semifinais do Masters de Madri SporTV.com. Visitado em 6 de maio de 2011.
  10. Bellucci fica a dois games da final, mas leva virada e perde para Djokovic SporTV.com (7 de maio de 2011). Visitado em 7 de maio de 2011.
  11. Bellucci sai na frente, mas Federer acorda, vira e avança às quartas SporTV.com (14 de março de 2012). Visitado em 20 de abril de 2012.
  12. Bellucci passa por cima de Ferrer e avança às oitavas em Monte Carlo SporTV.com (18 de abril de 2012). Visitado em 20 de abril de 2012.
  13. Bellucci erra muito, falha nos break points e dá adeus em Monte Carlo SporTV.com (19 de abril de 2012). Visitado em 20 de abril de 2012.
  14. Bellucci conquista Challenger alemão e encerra jejum de mais de dois anos
  15. Bellucci cai diante de top 8 'irritadinho' nas semifinais do ATP de Stuttgart
  16. Embalado, Bellucci elimina Lopez com facilidade e vai às semis em Gstaad
  17. Bellucci bicampeão de Gstaad
  18. Bellucci vira contra Karlovic e vai à final em Moscou
  19. Bellucci e Paire vencem batalha e estão nas quartas de final na Austrália
  20. Recuperado de lesão, Bellucci planeja volta às quadras em Stuttgart
  21. a b lancenet.com.br/ Bellucci conquista primeiro título no ano nas duplas em Stuttgart
  22. ATP World Tour - Thomaz Bellucci
  23. Ranking de Bellucci

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]