Câmara Municipal de Goiânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Câmara Municipal de Goiânia
Brasão de Goiânia.svg
Tipo
Tipo Unicameral
Liderança
Estrutura
Membros 35
Sede
Goiânia, Goiás
Site
www.camaragyn.go.gov.br

A Câmara Municipal de Goiânia é o órgão legislativo do município de Goiânia, capital do estado brasileiro de Goiás. Foi fundada em 20 de novembro de 1935, e atualmente é composta por 35 vereadores.

História[editar | editar código-fonte]

A Câmara Municipal de Goiânia foi fundada no dia 20 de novembro de 1935 através do decreto 510 do governador Pedro Ludovico Teixeira, que marcou eleições municipais para o dia 15 de outubro do ano seguinte. Enquanto isso, foram nomeados sete conselheiros municipais que atuavam como vereadores: Germano Roriz, Pedro Arantes, Godofredo Leopoldino de Azevedo, Aarão Augusto de Souza, João Augusto Roriz, Antônio Euzébio Felipe e Milton Klopstock e Silva.

Eles atuaram até a posse dos vereadores eleitos em 1936: Licardino de Oliveira Ney, José Rodrigues de Moraes Filho, João Augusto Roriz, Milton Klopstock e Silva, Hermenegildo de Oliveira, Germano Roriz e Octacílio França. Mas o mandato durou pouco, pois em 10 de novembro de 1937, o presidente Getúlio Vargas fechou as portas do poder legislativo em todo o país.

A Câmara Municipal só foi novamente instalada dez anos depois, em uma solenidade realizada no salão de reuniões da Assembléia Legislativa no dia 6 de dezembro de 1947, considerada a data oficial de aniversário da Casa. A primeira sede após o retorno das atividades foi no antigo prédio do jornal O Popular, na Avenida Goiás. Os goianienses elegeram um mulher logo na primeira legislatura. Era Ana Braga, filiada à União Democrática Nacional (UDN).

A primeira sessão que a própria Câmara Municipal de Goiânia considera oficial foi realizada no dia 9 de dezembro de 1947. Naquele ano, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) foi cassado e os militantes da legenda foram obrigados a buscar outros partidos, como fizeram em Goiânia os vereadores José Nonato e Alberto Xavier de Almeida, que se filiaram à UDN.

Vereadores[editar | editar código-fonte]

Lista em ordem alfabética dos vereadores eleitos para a 16ª legislatura (2009–2012).

Mesa Diretora[editar | editar código-fonte]

Atual Mesa Diretora da Câmara Municipal de Goiânia (Biênio 2009-2010):

  • Presidente: Francisco Júnior (PMDB)
  • 1º Vice-Presidente: Anselmo Pereira (PSDB)
  • 2º Vice-Presidente: Santana Gomes (PMDB)
  • 1º Secretário: Djalma Araújo (PT)
  • 2º Secretário: Geovani Antônio (PSDB)
  • 3º Secretário: Dr. Gian (PTC)
  • 4º Secretário: Tati Lemos (PDT)

Polêmica dos salários extras[editar | editar código-fonte]

Pouco antes das eleições de 2008, 18 vereadores se envolveram num escândalo após se reunirem a portas fechadas para derrubar o veto do prefeito Iris Rezende (PMDB) ao projeto de lei que criava três salários extras para eles mesmos. Os vereadores aproveitaram que a maioria de seus colegas estavam participando de um evento da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) homenageando o delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz para articular a derrubada do veto. Apesar dos esforços dos vereadores para que a reunião fosse mantida em sigilo, o jornal O Popular conseguiu a lista com os nomes daqueles que votaram pela derrubada do veto. Após a publicação da reportagem, a Câmara decidiu revogar a matéria. Dos 18 nomes divulgados pelo jornal, apenas um (Euler Ivo, do PDT) não era candidato a reeleição.

Apesar do escândalo, 10 dos 17 vereadores que votaram pela derrubada do veto e buscavam a reeleição conseguiram ser eleitos. Foram eles: Anselmo Pereira, Bruno Peixoto, Clécio Alves (citado pelo jornal como principal articulador pela derrubada do veto), Geovani Antônio, Maurício Beraldo, Pastor Rusembergue, Paulo Borges, Pedro Azulão Júnior, Santana Gomes e Virmondes Cruvinel Filho.

Nas Eleições de 2008 o Vereador Bruno Peixoto foi eleito em 1º Lugar com 12.850 considerado um numero grande de Votos .

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]