Fernando Nobre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fernando Nobre
Nome completo Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre
Nascimento 16 de dezembro de 1951 (69 anos)
Luanda, Província Ultramarina de Angola
Nacionalidade Portugal Portugal
Progenitores Mãe: Maria Alice de La Vieter
Pai: José Alves Ribeiro Nobre (1925-1986)
Ocupação Médico, professor universitário e presidente da AMI - Assistência Médica Internacional
Principais interesses Medicina e voluntariado

Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre GOMCvNSC (Angola Portuguesa, Luanda, 16 de dezembro de 1951) é um médico, ativista, professor universitário e político português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fernando Nobre nasceu em Luanda, filho de José Alves Ribeiro Nobre (1925-1986) e de sua mulher, Maria Alice de La Vieter. Tem duas irmãs, Leonor e Beatriz, e dois irmãos, José Luís e Carlos. O seu pai, um industrial, filho de João Pereira Ribeiro Nobre e de sua mulher, Beatriz Pereira Alves, originários da Beira, sempre lhe disse que "a política é uma porcaria", o que teve influência nas posições de Fernando Nobre. A sua mãe era filha de Cipriano Jeremias e de sua mulher, Catarina de La Vieter, que possuía ascendência franco-belga e cabindense.[2]

Viveu em Angola até 1964, e no Congo Belga, até 1967. Nesse ano mudou-se para a Bélgica, onde se licenciou e doutorou em Medicina como especialista em Cirurgia Geral e em Urologia, na Universidade Livre de Bruxelas. Iniciou a sua vida profissional no Serviço de Cirurgia Geral e Urologia do Hospital Universitário de Bruxelas, tendo lecionado, como assistente, as disciplinas de Anatomia e Embriologia. Foi, ainda, na Bélgica que conheceu e se casou com a sua primeira mulher Danièle Focquet (10 de Outubro de 1951), filha de Jean Louis Focquet (Bourg Léopold, 30 de Julho de 1924) e de sua mulher Pauline Marie Georgette Louise Audet (Quebec, 3 de Abril de 1927), de quem tem um filho Alexandre Focquet de La Vieter Nobre (2 de Junho de 1980) e uma filha Isabel Focquet de La Vieter Nobre (10 de Maio de 1982).

Também na Bélgica, iniciou a sua colaboração com os Médicos Sem Fronteiras, de que foi membro e administrador. Regressado a Portugal, fundou a Assistência Médica Internacional, organização não-governamental, de que é presidente.[1] Através da AMI participou como cirurgião em mais de duzentas e cinquenta missões de estudo, coordenação e assistência humanitária em cerca de setenta países. É professor catedrático convidado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, e noutras universidades privadas. Integra o Conselho Geral da Universidade de Lisboa, é presidente da Assembleia-Geral do Instituto da Democracia Portuguesa[3], vogal do Conselho Fiscal do Centro de Apoio a Vítimas de Tortura, membro da Sociedade de Geografia de Lisboa e da Comissão de Honra de Homenagem a João XXI.

Casou segunda vez em Lisboa com Maria Luísa Ferreira da Silva Nemésio (Coimbra, Santa Cruz, 21 de Fevereiro de 1959), neta paterna do escritor Vitorino Nemésio, diplomada com o curso superior de línguas e administração da Escola Llar de Barcelona, secretária de direcção, tradutora e administradora da AMI, de quem tem duas filhas, Leonor Nemésio de La Vieter Nobre (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 9 de Janeiro de 1993) e Gabriela Nemésio de La Vieter Nobre (Lisboa, São Domingos de Benfica, 7 de Novembro de 1996).[4]

Fernando Nobre chegou ao 25.º lugar da lista de Os Grandes Portugueses, programa da RTP1 transmitido em 2006-2007.[5]

É Presidente Honorário do MIL: Movimento Internacional Lusófono.

Actividade política[editar | editar código-fonte]

Em 2002 apoiou a candidatura de Durão Barroso às eleições legislativas portuguesas de 2002, por confiança pessoal no candidato[6] e crença na necessidade de mudança de ciclo em relação ao período Guterrista, falando mesmo na Convenção do PSD desse ano.[7] Disse depois depois arrepender-se desse apoio por ter sido decepcionado pela sua prestação como Primeiro-Ministro e saída do cargo para presidir à Comissão Europeia.[6]

Em 2006 foi membro da Comissão Política da candidatura de Mário Soares às eleições presidenciais portuguesas de 2006.[7]

Em 2009 foi mandatário nacional do Bloco de Esquerda, nas eleições parlamentares europeias de 2009[8][9], e membro da Comissão de Honra da candidatura de António Capucho, pelo PSD, à Câmara Municipal Cascais, em 2009.[6]

Em 2010 apresentou-se como candidato para as Eleições presidenciais portuguesas de 2011. Sem apoios partidários, alcançaria um resultado de cerca de 14%.[10]

Em 2011, a convite do líder do PSD, Pedro Passos Coelho[11], aceita ser cabeça da lista por Lisboa para as eleições legislativas portuguesas de 2011, e marcadas para dia 5 de Junho de 2011.[12] A página de Facebook de Fernando Nobre[13] foi inundada de comentários a criticar esta decisão, alegando inconsistências com uma declaração anterior, na qual afirmava: "excluí a minha participação política, nem como independente, no âmbito dos partidos existentes, nem em actuais ou futuros governos partidários".[14]

Em 13 de Abril de 2011, Nobre declarou que se não tivesse a maioria absoluta dos votos dos deputados para ser eleito presidente da Assembleia da República então iria renunciar ao mandato de deputado e ao lugar na bancada do PSD.[15] O ex-director da campanha para as eleições presidenciais, Artur Pereira, afirmou que Fernando Nobre tinha sido convidado também pelo PS para integrar a lista de candidatos do partido às eleições legislativas. Essa proposta entretanto foi recusada a favor de uma proposta concorrente do PSD, por lhe terem garantido a proposta para presidente da Assembleia da República caso o partido vencesse as eleições.[16]

Em 20 de Junho de 2011, ao ver a sua candidatura ao cargo de Presidente da Assembleia da República ser rejeitada à segunda volta da eleição, Fernando Nobre anunciou a retirada da mesma e disse ser de sua vontade manter o cargo de deputado.[17] No entanto, nunca mais participou no Plenário da Assembleia da República. No dia seguinte à sua retirada da candidatura, Maria da Assunção Esteves foi eleita para Presidente da Assembleia da República com 186 votos a favor, 41 votos em branco e 1 voto nulo.[18]

Em 1 de julho de 2011, por carta enviada à Assembleia da República, renunciou ao cargo de deputado.[19]

Em 6 de janeiro de 2012, em entrevista à SIC, Fernando Nobre assumiu pertencer à grande Loja do Oriente Lusitano, defendendo que os membros das lojas maçónicas se devem assumir como tal.[20]

Pandemia de COVID-19[editar | editar código-fonte]

Desde o início da pandemia do SARS-CoV-2, Fernando Nobre tem feito declarações negacionistas dessa mesma pandemia.[21][22][23]

Em declarações à Agência Lusa em outubro de 2020, falando sobre a obrigatoriedade do uso de máscara na via pública, considerou a medida atentatória contra "os direitos humanos e constitucionais" e as "liberdades, direitos e garantias". Afirmou ainda que "não há nenhuma prova científica que comprove que essa medida agora proposta do uso obrigatório da máscara, inclusive ao ar livre, tenha algum impacto na transmissão de qualquer infeção viral" e alertou para os efeitos nocivos da quantidade de "partículas de dióxido de carbono no interior das máscaras".[24] Ao Sol, falando acerca das eleições presidenciais de 2021, atípicas por decorrerem durante uma pandemia, defendeu que a campanha eleitoral deveria ser feita "normalmente, em contacto direto com as populações", classificando as decisões sanitárias do executivo como "manifestamente exageradas", com "consequências dramáticas em termos sociais, económicos, laborais culturais e democráticos".[25]

Em 18 de novembro de 2020, Fernando Nobre foi entrevistado por Rui Unas no seu podcast Maluco Beleza, onde fez declarações demonstravelmente falsas sobre a COVID-19, entre as quais negando a possibilidade de infeção assintomática.[26] Na sequência da resposta pública às declarações, Unas anunciou que decidiu retirar o segmento controverso da entrevista em que Nobre se refere à pandemia, para não ficar associado a "um negacionismo perigoso, demasiado perigoso sobretudo nesta fase".[21][26]

Fernando Nobre surgiu em abril de 2021, num vídeo partilhado nas redes sociais virtuais, afirmando erroneamente que "a letalidade dessa doença [COVID-19] é a letalidade de uma gripe", e avançando dados imprecisos sobre os óbitos por gripe em Portugal. Na realidade, a letalidade da COVID-19 é superior à da gripe, tendo-se registado, àquela data, um número de óbitos duas vezes superior ao do pior período gripal registado em Portugal pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge em 1998-99.[27]

No dia 11 de setembro de 2021, Fernando Nobre teve uma participação destacada numa manifestação contra o processo de vacinação que juntou dezenas de pessoas junto à Assembleia da República. Discursando, afirmou estar ali "por um imperativo de consciência", alegando que a definição de pandemia fora alterada pela Organização Mundial de Saúde para que "qualquer epidemia de gripe [passasse] a ser uma pandemia", negando a fiabilidade dos testes RT-PCR para diagnóstico de COVID-19 porque "93 a 97% são falsos positivos", atacando médicos que ganham mais por trabalharem nos covidários, e dizendo que teve Covid e que se curou com azitromicina, hidroxicloroquina e ivermectina. Todas estas asserções, já longamente discutidas ao longo da pandemia, são comprovadamente falsas.[22][28][29] Fernando Nobre terá sugerido ainda que as medidas do governo para a contenção da pandemia teriam fins ditatoriais ("emprenhar o medo... um terror que vai de encontro a uma filosofia já muito antiga, de toda e qualquer ditadura"),[22] comparando a atual situação à complacência da população alemã durante as atrocidades cometidas durante o Terceiro Reich.[29] Durante essa mesma manifestação, a multidão percebeu que Eduardo Ferro Rodrigues, Presidente da Assembleia da República, estava a almoçar com a mulher num restaurante nas imediações, e, durante largos minutos, os manifestantes cercaram o restaurante e filmaram, insultaram e ameaçaram a segunda maior figura do Estado.[30]

Em 21 de setembro de 2021 foi anunciado que, na sequência da apresentação de várias queixas relativas às suas declarações públicas acerca da COVID-19, foi aberto um processo disciplinar contra Fernando Nobre pelo Conselho Disciplinar Regional do Sul da Ordem dos Médicos.[31] Nesse mesmo dia, Francisco George, ex-Diretor-Geral da Saúde, chamou à posição de Fernando Nobre de "absolutamente intolerável", considerando tratar-se de "atitudes incompreensíveis que um médico não pode ter".[32]

Distinções[editar | editar código-fonte]

Prémios[editar | editar código-fonte]

1.º Prémio da Associação Europeia de Urologia, Copenhaga, 1984[carece de fontes?]

Condecorações[33][editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária, Círculo de Leitores / Temas & Debates, 2009
  • Imagens Contra a Indiferença, Círculo de Leitores / Temas & Debates, 2008
  • Histórias que contei aos meus filhos, Oficina do Livro, 2008
  • Gritos Contra a Indiferença, Temas & Debates, 2007
  • Viagens Contra a Indiferença, Temas & Debates, 2004

Referências

  1. a b «Fernando Nobre». Infopédia. Consultado em 11 de Abril de 2011 
  2. Jorge Eduardo de Abreu Pamplona Forjaz (Porto, 2001). Os Teixeira de Sampaio da Ilha Terceira. [S.l.]: CEGHHF-Universidade Moderna do Porto. 502  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  3. Instituto da Democracia Portuguesa. «Orgãos do Instituto da Democracia Portuguesa». Democraciaportuguesa.org. Consultado em 11 de Abril de 2011 
  4. Os Teixeira de Sampaio da Ilha Terceira, Jorge Eduardo de Abreu Pamplona Forjaz, CEGHHF-Universidade Moderna do Porto, Porto, 2001, p. 502
  5. Radio Televisão Portuguesa. «Os grandes portugueses». Rádio e Televisão de Portugal. Consultado em 11 de Abril de 2011. Arquivado do original em 7 de julho de 2011 
  6. a b c «Fernando Nobre: Parágrafos de Pensamento Político». Quintus, Movimento Internacional Lusófono. Movv.org. 9 de abril de 2010. Arquivado do original em 3 de junho de 2011 
  7. a b «Perfil de Fernando Nobre». Contra a Indiferença. Fernandonobre.blogs.sapo.pt 
  8. «Discurso de apoio de Fernando Nobre ao Bloco de Esquerda». O Insurgente. Oinsurgente.org. 10 de abril de 2011 
  9. «Fernando Nobre satisfeito com resultado do Bloco de Esquerda». Jornal i 
  10. «Fernando Nobre festeja vitória 'tremenda'». Semanário Sol. 23 de janeiro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2011 
  11. COELHO, Pedro Passos (10 de Abril de 2011). «Convite de Passos Coelho». Nota do Facebook. Consultado em 11 de Abril de 2011 
  12. NOBRE, Fernando (10 de Abril de 2011). «Declaração de Fernando Nobre». Nota no Facebook. Consultado em 11 de Abril de 2011 
  13. NOBRE, Fernando. «Página de Fernando Nobre no Facebook». Facebook.com. Consultado em 11 de Abril de 2011 
  14. NOBRE, Fernando. «Notas de Fernando Nobre no Facebook». Facebook. Consultado em 11 de Abril de 2011 
  15. «Fernando Nobre ameaça renunciar ao lugar de deputado». Jornal i. 13 de abril de 2011. Consultado em 20 de junho de 2011 
  16. Luciano Alvarez (16 de abril de 2011). «Nobre assume que só lhe interessa lugar de presidente da AR, PSD dividido». Jornal Público. Consultado em 21 de junho de 2011. Arquivado do original em 4 de junho de 2011 
  17. «Nobre desiste da candidatura a presidente do Parlamento». Diário Económico. 20 de junho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2011 
  18. «Assunção Esteves é a primeira mulher a presidir a AR». Diário Económico. 21 de junho de 2011. Consultado em 21 de junho de 2011  Parâmetro desconhecido |autohr= ignorado (ajuda)
  19. «Fernando Nobre renunciou ao mandato de deputado». Jornal de Notícias. 4 de julho de 2011. Consultado em 4 de julho de 2011 
  20. «Fernando Nobre assume ser maçom». Diário de Notícias (Portugal). 6 de janeiro de 2012. Consultado em 7 de janeiro de 2012 
  21. a b «Rui Unas "apaga" vídeo com médico Fernando Nobre para evitar "negacionismo perigoso, demasiado perigoso sobretudo nesta fase"». Flash. 21 de novembro de 2020. Consultado em 1 de setembro de 2021 
  22. a b c Alves, Marco (14 de setembro de 2021). «Fernando Nobre junta-se aos anti-vacinas e anti-máscaras». Sábado. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  23. Rainho, Vítor (20 de setembro de 2021). «Negacionistas sob vigilância». i. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  24. «Fernando Nobre apela à rejeição da obrigatoriedade de máscara na rua». Jornal de Negócios. 22 de outubro de 2020. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  25. Crawford, João (27 de outubro de 2020). «Nobre quer PR contra medidas sanitárias abusivas e Otelo apoia Marcelo». Sol. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  26. a b Gaspar, Maria Leonor (8 de maio de 2021). «Fernando Nobre diz que "não há infetados assintomáticos" de Covid-19. Verdade ou falsidade?». Polígrafo. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  27. Traqueia, Filipa (8 de maio de 2021). «Fernando Nobre: "O vírus da gripe já não existe" e a Covid-19 tem "a letalidade de uma gripe". Será?». Polígrafo. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  28. Teixeira, Daniela Costa (18 de setembro de 2021). «Fact Check: Os fármacos que Fernando Nobre tomou são eficazes contra a Covid-19 e melhores do que as vacinas?». Visão. Consultado em 19 de setembro de 2021 
  29. a b Raínho, Pedro (16 de setembro de 2021). «Tratamentos para a Covid-19, ataques aos testes PCR e Nuremberga. Quatro Fact Check ao discurso de Fernando Nobre». Observador. Consultado em 19 de setembro de 2021 
  30. Pereirinha, Tânia (12 de setembro de 2021). «Ferro Rodrigues insultado por dezenas de manifestantes negacionistas». Observador. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  31. Arreigoso, Vera Lúcia (21 de setembro de 2021). «Covid-19. Ordem dos Médicos abre processo disciplinar contra Fernando Nobre». Expresso. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  32. «Francisco George desafia Fernando Nobre para debate sobre vacinação». Jornal de Notícias. 21 de setembro de 2021. Consultado em 22 de setembro de 2021 
  33. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]