Esta é uma versão em áudio do artigo. Clique aqui para ouvi-lo.

Maurícia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ilhas Maurício)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Maurício" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Maurício (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
République de Maurice (francês)
Republic of Mauritius (inglês)
Republik Moris (crioulo mauriciano)

República da Maurícia / de Maurício
Bandeira da Maurícia
Brasão de armas da Maurícia
Bandeira Brasão de armas
Lema: Stella Clavisque Maris Indici (Latim: "Estrela e chave do Oceano Índico")
Hino nacional: Motherland (Terra Mãe)
Gentílico: mauriciano (a)

Localização da/do MauríciaPE / MaurícioPB

Localização da Ilha Maurícia
Capital Port Louis
20°10′S 57°31′E
Cidade mais populosa Port Louis
Língua oficial nenhuma (de jure)
crioulo mauriciano(de facto), francês e inglês
Governo República parlamentarista
 - Presidente Barlen Vyapoory
 - Primeiro-ministro Pravind Jugnauth
Independência do Reino Unido 
 - Declarada 12 de março de 1968 
 - República 12 de março de 1992 
Área  
 - Total 2040 km² (179.º)
 - Água (%) 0,05
População  
 - Estimativa para 2017 1 356 388[1] hab. (156.º)
 - Censo 2011 1 236 817[2] hab. 
 - Densidade 606,28 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2006
 - Total US$ 16,0 bilhões (119.º)
 - Per capita US$ 13 703 (51.º)
IDH (2017) 0,790 (65.º) – elevado[3]
Moeda Rupia mauriciana (MUR)
Fuso horário Tempo da Maurícia (UTC+4)
 - Verão (DST) (UTC+5)
Org. internacionais CPLP
Bandeira da Francofonia Francofonia
União Africana
Comunidade das Nações
Cód. Internet .mu
Cód. telef. +230

Mapa da/do MauríciaPE / MaurícioPB

1 Inglês é a única língua citada na Constituição. Porém, a extensa maioria da população é fluente apenas em Língua crioula e o francês é compreendido até mesmo nas áreas rurais.

Maurícia (português europeu) ou Maurício (português brasileiro) (em inglês Mauritius, em francês Maurice, em crioulo mauriciano Moris), oficialmente República da Maurícia ou República de Maurício (em inglês Republic of Mauritius, em francês République de Maurice, em crioulo mauriciano Repiblik Moris)[4], é um país insular do oceano Índico, a cerca de 2.000 km da costa sudeste do continente africano. O país inclui as ilhas de Maurício e Rodrigues, a 560 quilómetros a leste das Ilhas Maurício, e as ilhas exteriores (Agalega e as ilhas Cargados Carajos, conhecida oficialmente como Saint-Brandon). O país também reivindica o Arquipélago de Chagos, que faz parte do Território Britânico do Oceano Índico, e também reivindica a ilha de Tromelin, que faz parte das Terras Austrais e Antárticas Francesas. As ilhas de Maurício e Rodrigues fazem parte das Ilhas Mascarenhas, junto com a vizinha Reunião, um departamento ultramarino francês. A área do país é de 2.040 km². A capital e maior cidade é Port Louis. O país é membro da Commonwealth, da Francofonia e da União Africana.

Anteriormente uma colónia holandesa (1638–1710) e uma colónia francesa (1715–1810), as Maurícias tornaram-se uma possessão colonial britânica em 1810 e assim permaneceu até 1968, ano em que alcançou a independência. A colónia da Coroa Britânica de Maurício incluiu os territórios atuais das Ilhas Maurício, Rodrigues, as ilhas exteriores de Agalega, Saint-Brandon, Arquipélago de Chagos e Seychelles. Os territórios mauricianos gradualmente evoluíram com a criação de uma colônia separada de Seychelles em 1903 e a excisão do arquipélago de Chagos em 1965. A soberania sobre o arquipélago de Chagos é disputada entre Maurício e Reino Unido. O Reino Unido extirpou o arquipélago do território mauriciano em 1965, três anos antes da independência da Mauritânia. O Reino Unido gradualmente despovoou a população local do arquipélago e alugou a sua maior ilha, Diego Garcia, aos Estados Unidos. O acesso ao arquipélago é proibido a turistas ocasionais, os media eos seus antigos habitantes. As Maurícias também reivindicam a soberania sobre a ilha de Tromelin á França.

O povo mauriciano é multiétnico, multirreligioso, multicultural e multilingue. O governo da ilha segue o sistema parlamentarista de Westminster, as Maurícias são altamente classificadas em democracia , em liberdade económica e política. O Índice de Desenvolvimento Humano das Maurícias é o mais alto de África. Juntamente com as outras ilhas Mascarenhas. As Maurícias são conhecidas pela sua flora e fauna variadas, com muitas espécies endémicas da ilha. A ilha é amplamente conhecida como a única casa conhecida do dodo, que, juntamente com várias outras espécies de aves, foi extinta por atividades humanas relativamente pouco depois do assentamento da ilha. AsMaurícias são o único país da África onde o hinduísmo é a religião mais praticada. A administração usa o inglês como idioma principal, embora não haja um idioma oficial definido e sejam também usados pela população o francês e o crioulo mauriciano.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Local de visita de marinheiros que vieram da Arábia durante o século XV[5] e nomeado em língua árabe como Diva Mashriq (المغنية المشرق),[6] "ilha oriental"[6], a Maurícia de hoje (da língua inglesa Mauritius e do francês Maurice) é visível nos mapas da época.[7] Um século depois, troca-se o nome pelo de Cirne, recebendo dos portugueses,[8] pelos quais foi encontrada deserta e não tiveram o desejo de ocupação,[5] e depois pelo de Mascarenhas, que descobriu a vizinha ilha de Reunião.[9] Os holandeses, que chegaram em 1580, chamaram-lhe Maurícias, deferindo-se ao stathouder Maurício de Nassau.[10] Depois de os Países Baixos entregaram á Companhia Francesa das Índias Orientais, em 1715, a colónia começou a ser chamada " Ilha de França".[11] Durante o século XIX, quando a ilha passou a ser administrada pelo Reino Unido, foi retomado o nome Maurícias, conservado atualmente .[11] Em português, o uso e as fontes lexicográficas têm, no entanto, privilegiado a forma Maurícia,[12][13][14][15][16][17] a par de (Ilhas) Maurícias.[16][18]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da Maurícia

A ilha Maurícia era desabitada antes de sua primeira visita registada durante a Idade Média pelos árabes, que lhe chamaram Dina Arobi. No entanto, a ilha pode ter sido visitada muito antes por marinheiros dos tempos antigos; tabuletas de cera foram encontradas nas costas da Maurícia pelos holandeses, mas como as tábuas não foram preservadas, não se pode dizer se eram de origem grega, fenícia ou árabe.[19]

Em 1507, os navegadores portugueses chegaram à ilha desabitada e estabeleceram uma base de visitantes. Diogo Fernandes Pereira, navegador português, foi o primeiro europeu conhecido a desembarcar nas Maurícias. Ele nomeou a ilha de "Ilha do Cirne". Os portugueses não ficaram muito tempo porque não estavam interessados nessas ilhas.[20]

Em 1598, uma esquadra holandesa comandado pelo almirante Wybrand Van Warwyck desembarcou em Grand Port e nomeou a ilha de "Maurício" em homenagem ao príncipe Maurício de Nassau, da República Holandesa, governante de seu país. Os holandeses estabeleceram uma pequena colônia na ilha em 1638, da qual exploraram árvores de ébano e introduziram cana-de-açúcar, animais domésticos e veados. Foi a partir daqui que o navegador holandês Abel Tasman partiu para descobrir a parte ocidental da Austrália. O primeiro assentamento holandês durou vinte anos. Várias tentativas foram feitas posteriormente, mas os assentamentos nunca se desenvolveram o suficiente para produzir dividendos, fazendo com que os holandeses abandonassem as Ilhas Maurício em 1710.

Colonização francesa[editar | editar código-fonte]

A França, que já controlava a vizinha Île Bourbon (atual Reunião), assumiu o controle da ilha em 1715 e a renomeou como Isle de France. Em 1723, o Code Noir (Código Vermelho, em francês) foi estabelecido para categorizar um grupo de seres humanos como "bens", para que o proprietário desses bens pudesse obter dinheiro do seguro e compensação em caso de perda de seus "bens". A chegada do governador francês Bertrand-François Mahé de La Bourdonnais, em 1735, coincidiu com o desenvolvimento de uma economia próspera baseada na produção de açúcar. Mahé de La Bourdonnais estabeleceu Port Louis como uma base naval e um centro de construção naval.[21][22]

Sob seu governo, numerosos edifícios foram erguidos, alguns dos quais ainda estão de pé. Estes incluem parte da Sede do Governo e o Château de Mon Plaisir. A ilha estava sob a administração da Companhia Francesa das Índias Orientais, que manteve sua presença até 1767.[23]

De 1767 a 1810, exceto por um breve período durante a Revolução Francesa, quando os habitantes estabeleceram um governo virtualmente independente da França, a ilha era controlada por funcionários nomeados pelo governo francês. Jacques-Henri Bernardin de Saint-Pierre viveu na ilha de 1768 a 1771, depois voltou para a França, onde escreveu Paul et Virginie, uma história de amor que tornou a Ilha de França famosa onde quer que a língua francesa fosse falada. Dois famosos governadores franceses foram o visconde de Souillac (que construiu o Chaussée em Port Louis e encorajou os fazendeiros a se estabelecerem no distrito de Savanne), e Antoine Bruni d'Entrecasteaux (que cuidava para que os franceses no Oceano Índico tivessem sua sede na Maurícia em vez de Pondicherry na Índia).[24]

Charles Mathieu Isidore Decaen foi um general de sucesso nas Guerras Revolucionárias Francesas e, de certa forma, um rival de Napoleão Bonaparte. Governou a Ilha de França e a Reunião de 1803 a 1810. O cartógrafo e explorador naval britânico Matthew Flinders foi preso e detido pelo General Decaen na ilha, em violação de uma ordem de Napoleão. Durante as Guerras Napoleônicas, Maurício tornou-se uma base a partir da qual os corsários franceses organizaram ataques bem-sucedidos a navios comerciais britânicos. Os ataques continuaram até 1810, quando uma expedição da Marinha Real liderada pelo Comodoro Josias Rowley, R.N., um aristocrata anglo-irlandês, foi enviada para capturar a ilha. Apesar de vencer a Batalha de Grand Port, a única vitória naval francesa sobre os britânicos durante essas guerras, os franceses não conseguiram impedir que os britânicos pousassem em Cap Malheureux três meses depois. Eles formalmente entregaram a ilha no quinto dia da invasão, em 3 de dezembro de 1810, em termos que permitiam aos colonos manter suas terras e propriedades e usar a língua francesa e a lei da França em questões criminais e civis. Sob o domínio britânico, o nome da ilha foi revertido para Maurício.[25]

Colônia britânica[editar | editar código-fonte]

A administração britânica, que começou com Sir Robert Farquhar como governador, levou a rápidas mudanças sociais e econômicas. No entanto, foi contaminado pelo episódio Ratsitatane. Ratsitatane, sobrinho do rei Radama de Madagascar, foi trazido para a Maurícia como prisioneiro político. Ele conseguiu escapar da prisão e traçou uma rebelião que libertaria os escravos da ilha. Ele foi traído por um associado e foi pego pelas forças britânicas, sumariamente julgado e condenado à morte. Ele foi decapitado em Plaine Verte em 15 de abril de 1822, e sua cabeça foi exibida como um impedimento contra futuras revoltas entre os escravos.[26]

Em 1832, Adrien d'Épinay lançou o primeiro jornal mauriciano (Le Cernéen) que não era controlado pelo governo. No mesmo ano, houve um movimento do procurador-geral para abolir a escravidão sem compensação aos proprietários de escravos. Isso deu origem ao descontentamento e, para verificar uma eventual rebelião, o governo ordenou que todos os habitantes entregassem suas armas. Além disso, uma fortaleza de pedra, Fort Adelaide, foi construída em uma colina (agora conhecida como a colina Citadel) no centro de Port Louis para reprimir qualquer levante.[27]

A escravidão foi abolida em 1835, e os donos das plantations finalmente receberam dois milhões de libras esterlinas em compensação pela perda de seus escravos que haviam sido importados da África e Madagascar durante a ocupação francesa. A abolição da escravatura teve importantes impactos na sociedade, economia e população da ilha. Os fazendeiros trouxeram um grande número de trabalhadores contratados da Índia para trabalhar nos campos de cana-de-açúcar. Entre 1834 e 1921, cerca de meio milhão de trabalhadores contratados estavam presentes na ilha. Eles trabalhavam em fazendas de açúcar, fábricas, em transporte e em canteiros de obras. Além disso, os britânicos trouxeram 8.740 soldados indianos para a ilha. Aapravasi Ghat, na baía de Port Louis e agora um patrimônio da humanidade pela UNESCO, foi a primeira colônia britânica a servir como um importante centro de recepção de escravos e servos para o trabalho de plantação britânico.[28]

Uma figura importante do século XIX foi Rémy Ollier, jornalista de origem mista. Em 1828, a barreira racial foi oficialmente abolida nas Maurícias, mas os governadores britânicos deram pouco poder às pessoas de cor e nomearam apenas brancos como altos funcionários. Rémy Ollier fez uma petição à rainha Vitória para permitir que os coros no conselho de governo se tornassem possíveis alguns anos depois. Ele também fez Port Louis se tornar um município para que os cidadãos pudessem administrar a cidade através de seus próprios representantes eleitos. Uma rua foi nomeada em sua homenagem em Port Louis, e seu busto foi erguido no Jardin de la Compagnie em 1906. Em 1885, uma nova constituição foi introduzida nas Ilhas Maurício. Criou posições eleitas no conselho de governo, mas a franquia restringia-se principalmente às classes francesa e crioula.[29]

Os trabalhadores trazidos da índia nem sempre eram tratados de forma igualitária, e um alemão, Adolph von Plevitz, fazia-se o protetor não oficial desses imigrantes. Ele misturou-se com muitos dos trabalhadores e, em 1871, ajudou-os a escrever uma petição que foi enviada ao governador Gordon. Uma comissão foi designada para investigar as queixas feitas pelos imigrantes indianos, e em 1872 dois advogados, nomeados pela Coroa Britânica, foram enviados da Inglaterra para fazer uma investigação. Esta Comissão Real recomendou várias medidas que afetariam a vida dos trabalhadores indianos durante os próximos cinquenta anos.[30]

Em novembro de 1901, Mahatma Gandhi visitou a Maurícia, a caminho da África do Sul para a Índia. Ele permaneceu na ilha por duas semanas e instou a comunidade indo-mauriciana a se interessar por educação e a ter um papel mais ativo na política. De volta à Índia, ele enviou um jovem advogado, Manilal Doctor, para melhorar o sofrimento dos indo-mauricianos. Durante o mesmo ano, ligações mais rápidas foram estabelecidas com a ilha de Rodrigues graças ao wireless.[31]

Os anos 1910 foram um período de agitação política. A crescente classe média (composta de médicos, advogados e professores) começou a desafiar o poder político dos proprietários de cana-de-açúcar. O Dr. Eugène Laurent, prefeito de Port Louis, era o líder desse novo grupo; seu partido, a Action Libérale, exigiu que mais pessoas pudessem votar nas eleições. A ação Libérale foi oposta pelo Parti de l'Ordre, liderado por Henri Leclézio, o mais influente dos magnatas do açúcar.[32] Em 1911 houve motins em Port Louis devido a um falso rumor de que o Dr. Eugène Laurent havia sido assassinado pelos oligarcas em Curepipe. Lojas e escritórios foram danificados na capital e uma pessoa foi morta. No mesmo ano, 1911, as primeiras mostras do cinema público ocorreram em Curepipe, e, na mesma cidade, um edifício de pedra foi erigido para abrigar o Royal College.[33]

A Primeira Guerra Mundial estourou em agosto de 1914. Muitos mauricianos se ofereceram para lutar na Europa contra os alemães e na Mesopotâmia contra os turcos. Mas a guerra afetou muito menos as Maurícias do que as guerras do século XVIII. Pelo contrário, a guerra de 1914-18 foi um período de grande prosperidade devido a um boom nos preços do açúcar. Em 1919, surgiu o Sindicato de Açúcar da Maurícia, que incluía 70% de todos os produtores de açúcar.

A década de 1920 assistiu ao surgimento de um movimento "retrocessionista" que favoreceu a retrocessão das Maurícias para a França. O movimento entrou em colapso rapidamente porque nenhum dos candidatos que queria que Maurício fosse devolvido à França foi eleito nas eleições de 1921. Devido à recessão do pós-guerra, houve uma queda acentuada nos preços do açúcar. Muitos latifúndios fecharam e marcou o fim de uma era para os magnatas do açúcar, que não apenas controlavam a economia, mas também a vida política do país. Raoul Rivet, o editor do jornal Le Mauricien, fez campanha para uma revisão da constituição que daria à classe média emergente um papel maior na administração do país. Os princípios de Arya Samaj começaram a se infiltrar na comunidade hindu, que clamava por mais justiça social.[34]

Os anos 30 viram o nascimento do Partido Trabalhista, lançado pelo Dr. Maurice Curé. Emmanuel Anquetil reuniu os trabalhadores urbanos enquanto Pandit Sahadeo se concentrava na classe trabalhadora rural. O Dia do Trabalho foi celebrado pela primeira vez em 1938. Mais de 30.000 trabalhadores sacrificaram o salário de um dia e vieram de toda a ilha para participar de uma reunião gigantesca no Champ de Mars.[35]

No início da Segunda Guerra Mundial, em 1939, muitos mauricianos se ofereceram para servir sob a bandeira britânica na África e no Oriente Próximo, lutando contra os exércitos alemão e italiano. Alguns foram para a Inglaterra para se tornarem pilotos e pessoal de terra na Royal Air Force. Maurício nunca foi realmente ameaçado, mas vários navios britânicos foram afundados fora de Port Louis por submarinos alemães em 1943.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as condições eram difíceis no país; os preços das commodities dobraram, mas os salários dos trabalhadores aumentaram apenas de 10 a 20%. Houve agitação civil e o governo colonial esmagou todas as atividades sindicais. No entanto, os trabalhadores da Belle Vue Harel Sugar Estate entraram em greve em 27 de setembro de 1943. Policiais finalmente atiraram contra a multidão e mataram três trabalhadores, incluindo um menino de dez anos e uma mulher grávida, Anjaly Coopen.[36][37]

As primeiras eleições gerais foram realizadas em 9 de agosto de 1948 e foram vencidas pelo Partido Trabalhista. Este partido, liderado por Guy Rozemont, melhorou sua posição em 1953 e, com base nos resultados eleitorais, exigiu o sufrágio universal. Conferências constitucionais foram realizadas em Londres em 1955 e 1957, e o sistema ministerial foi introduzido. A votação ocorreu pela primeira vez com base no sufrágio universal adulto em 9 de março de 1959. A eleição geral foi novamente vencida pelo Partido Trabalhista, liderado desta vez por Sir Seewoosagur Ramgoolam.[38]

Uma Conferência de Revisão Constitucional foi realizada em Londres em 1961, e um programa de avanço constitucional foi estabelecido. A eleição de 1963 foi ganha pelo Partido Trabalhista e seus aliados. O Departamento Colonial observou que a política de natureza comunitária estava ganhando terreno nas Ilhas Maurício e que a escolha dos candidatos (pelos partidos) e o comportamento eleitoral (dos eleitores) eram governados por considerações étnicas e de casta.[39] Naquela época, dois eminentes acadêmicos britânicos, Richard Titmuss e James Meade, publicaram um relatório sobre os problemas sociais da ilha causados pela superpopulação e a monocultura da cana-de-açúcar. Isto levou a uma intensa campanha para deter a explosão populacional, e a década registrou um declínio acentuado no crescimento populacional.

Independência[editar | editar código-fonte]

Na Conferência de Lancaster de 1965, ficou claro que a Grã-Bretanha queria a colônia de Maurício independente. Em 1959, Harold Macmillan fez seu famoso discurso Winds of Change, onde reconheceu que a melhor opção para a Grã-Bretanha era dar total independência às suas colônias. Assim, desde o final dos anos 50, o caminho foi preparado para a independência.[40]

Mais tarde, em 1965, após a Conferência de Lancaster, o Arquipélago de Chagos foi extirpado do território de Maurício para formar o Território Britânico do Oceano Índico. Uma eleição geral ocorreu em 7 de agosto de 1967, e o Partido Trabalhista e seus dois aliados obtiveram a maioria dos assentos. As Maurícias adotaram uma nova constituição e a independência foi proclamada em 12 de Março de 1968. Sir Seewoosagur Ramgoolam tornou-se o primeiro primeiro ministro de uma Maurícia independente com a Rainha Elizabeth II a ser chefe de estado. Em 1969, o movimento militante mauriciano (MMM), partido de oposição liderado por Paul Bérenger, foi fundado. Mais tarde, em 1971, o MMM, apoiado por sindicatos, convocou uma série de greves no porto que causaram um estado de emergência no país. O governo de coalizão do Partido Trabalhista e o Partido Social Democrata reagiram reduzindo as liberdades civis e restringindo a liberdade de imprensa. Duas tentativas frustradas de assassinato foram feitas contra Paul Bérenger. O segundo levou à morte de Azor Adélaïde, trabalhador portuário e ativista, em 25 de novembro de 1971. As eleições gerais foram adiadas e as reuniões públicas foram proibidas. Membros da MMM, incluindo Paul Bérenger, foram presos em 23 de dezembro de 1971. O líder da MMM foi libertado um ano depois.[41][42][43]

Em maio de 1975, uma revolta estudantil que começou na Universidade de Maurício varreu o país. Os estudantes estavam insatisfeitos com um sistema educacional que não atendia às suas aspirações e dava perspectivas limitadas para um futuro emprego. Em 20 de maio, milhares de estudantes tentaram entrar em Port-Louis pela ponte Grand River North West e entraram em confronto com a polícia. Um ato do Parlamento foi aprovado em 16 de dezembro de 1975 para estender o direito de voto a jovens de 18 anos. Isso foi visto como uma tentativa de apaziguar a frustração da geração mais jovem.[44][45]

A próxima eleição geral ocorreu em 20 de dezembro de 1976. O Partido Trabalhista ganhou 28 assentos de 62, mas o primeiro-ministro Sir Seewoosagur Ramgoolam conseguiu permanecer no cargo, com maioria de dois assentos, depois de formar uma aliança com o Partido Social-Democrata de Gaetan Duval.[46]

Em 1982, um governo da MMM liderado pelo Primeiro Ministro Anerood Jugnauth e Paul Bérenger como Ministro das Finanças foi eleito. No entanto, diferenças ideológicas e de personalidade surgiram dentro da liderança da MMM. A luta pelo poder entre Bérenger e Jugnauth atingiu o auge em março de 1983. Jugnauth viajou para Nova Delhi para participar de uma cúpula do Movimento dos Países Não-Alinhados; Em seu retorno, Bérenger propôs mudanças constitucionais que tirariam o poder do primeiro-ministro. A pedido de Jugnauth, Indira Gandhi, primeira-ministra da Índia, planejou uma intervenção armada envolvendo a Marinha Indiana e o Exército Indiano para impedir um golpe sob o nome de código de Operação Lal Dora.[47][48][49]

O governo da MMM se separou nove meses após a eleição de junho de 1982. Segundo um funcionário do Ministério da Informação, os nove meses foram uma "experiência socialista". O novo partido MSM, liderado por Anerood Jugnauth, foi eleito em 1983. Gaëtan Duval tornou-se vice-primeiro ministro. Ao longo da década, Anerood Jugnauth governou o país com a ajuda do PMSD e do Partido Trabalhista.[50]

Esse período viu um crescimento no setor de ZPE (Zona de Processamento de Exportação). A industrialização começou a se espalhar para as aldeias e atraiu jovens trabalhadores de todas as comunidades étnicas. Como resultado, a indústria do açúcar começou a perder sua influência sobre a economia. As grandes cadeias de varejo iniciaram a abertura de lojas abertas em 1985 e ofereceram linhas de crédito a pessoas de baixa renda, o que lhes permitiu comprar eletrodomésticos básicos. Houve também um boom na indústria do turismo e novos hotéis surgiram em toda a ilha. Em 1989 a bolsa de valores abriu suas portas e em 1992 o porto franco começou a operar. Em 1990, o primeiro-ministro perdeu a votação sobre a alteração da Constituição para tornar o país uma república com Bérenger como presidente.[51][52]

República[editar | editar código-fonte]

Em 12 de março de 1992, vinte e quatro anos depois da independência, as Maurícia foram proclamadas uma república dentro da Commonwealth. O último governador geral, Sir Veerasamy Ringadoo, tornou-se o primeiro presidente. Isto foi sob um arranjo transitório, no qual ele foi substituído por Cassam Uteem mais tarde naquele ano. O poder político permaneceu com o primeiro-ministro.[53][54][55]

Apesar de uma melhora na economia, que coincidiu com uma queda no preço da gasolina e uma taxa de câmbio favorável do dólar, o governo não desfrutou de plena popularidade. Já em 1984, houve descontentamento. Através da Lei de Emenda de Jornais e Periódicos, o governo tentou fazer com que todos os jornais fornecessem uma garantia bancária de meio milhão de rúpias. Quarenta e três jornalistas protestaram participando de uma manifestação pública em Port Louis, em frente ao Parlamento. Eles foram presos e libertados sob fiança. Isso causou protestos públicos e o governo teve que rever sua política.[56]

Houve também insatisfação no setor de educação. Não havia faculdades secundárias de alta qualidade suficientes para atender à crescente demanda de pessoas que abandonaram a escola primária que haviam obtido o CPE (Certificado de Ensino Fundamental). Em 1991, um plano mestre para a educação não conseguiu apoio nacional e contribuiu para a queda do governo.[57]

Em fevereiro de 1999, o país passou por um breve período de agitação civil. Tumultos surgiram depois que o popular cantor Kaya, preso por fumar maconha publicamente em um show, foi encontrado morto em sua cela na prisão. O presidente Cassam Uteem e o cardeal Jean Margéot percorreram o país e, após quatro dias de turbulência, a calma foi restaurada. Uma comissão de inquérito foi criada para investigar as causas profundas do distúrbio social. O relatório resultante investigou a causa da pobreza e qualificou muitas crenças tenazes como percepções.[58][59]

Anerood Jugnauth, do MSM, voltou ao poder em 2000 depois de fazer uma aliança com o MMM, que incluía figuras proeminentes como Anil Bachoo, Pravind Jugnauth e Sangeet Fowdar, entre outros. Em 2002, a ilha de Rodrigues tornou-se uma entidade autônoma dentro da república e assim pôde eleger seus próprios representantes para administrar a ilha. Em 2003, o primeiro-ministro foi transferido para Paul Bérenger da MMM, e Anerood Jugnauth foi para Le Réduit para servir como presidente.[carece de fontes?]

Nas eleições de 2005, Navin Ramgoolam, líder do Partido Trabalhista, foi levado ao poder depois de fazer uma aliança com o Parti Mauricien Xavier-Luc Duval (PMXD) e outros partidos menores. Navin Ramgoolam foi novamente eleito em maio de 2010. Desta vez, o Partido Trabalhista uniu forças com o PMSD e o MSM. Sob o novo governo, o país continuou com seu projeto MID (Maurice Ile Durable), iniciado em 2008, para tornar a economia menos dependente de combustíveis fósseis. O cenário político permaneceu bastante confuso. O Partido Trabalhista acabou com o MSM e depois com o PMSD, cujo líder havia atuado como ministro da Fazenda. O MMM fez uma aliança (conhecida como Remake) com os MSM, mas rompeu com o último para se tornar o aliado do Partido Trabalhista. O parlamento permaneceu fechado durante a maior parte de 2014. Uma segunda república foi proposta (pelos líderes do Partido Trabalhista e MMM) pela qual um presidente, eleito pela população, teria mais poder e governaria o país em colaboração conjunta com o Primeiro Ministro. O dia da nomeação ocorreu em 24 de novembro de 2014 e, pela primeira vez, os candidatos eleitorais tiveram a opção de não proclamar seu grupo étnico. Apenas alguns optaram por fazê-lo. As eleições gerais foram realizadas em 10 de dezembro de 2014, e a aliança Lepep composta pelo MSM, PMSD e Movimento Liberador (liderado por um dissidente da MMM) foi eleito ao poder com 47 cadeiras em 60. O sistema Westminster foi assim mantido e Anerood Jugnauth tornou-se o primeiro ministro pela sexta vez.[carece de fontes?]

Logo após a posse do novo governo, o ex-primeiro ministro foi interrogado pela polícia sobre acusações relacionadas a lavagem de dinheiro. A licença do Bramer Bank foi revogada devido a alegada falta de liquidez, e o BAI (British American Insurance) foi suspenso da negociação e colocado em concordata. Um tribunal das Nações Unidas determinou que a Grã-Bretanha agiu ilegalmente quando criou uma área marinha protegida ao redor do rio Chagos sem o consentimento das Ilhas Maurício, privando o país de seus direitos de pesca. Novas negociações começaram com Jin Fei em vista de reviver o projeto iniciado em 2006. As Maurícias deterão daqui em diante 80% das ações, enquanto o resto irá para os promotores chineses.

O turismo continuou a ser a principal fonte de divisas, e o número de visitantes à ilha atingiu 1,1 milhões em 2015. Apesar deste boom na indústria do turismo, o Ministro do Turismo Xavier-Luc Duval colocou uma moratória de dois anos na construção de novas hotéis.[carece de fontes?]

Em dezembro de 2016, o PMSD deixou o governo de coalizão em protesto contra a decisão do governo de introduzir uma lei de comissão de acusação. O projeto de lei tinha a intenção de transferir o poder de processar do DPP (Diretor do Ministério Público) para uma comissão nomeada composta de três juízes. Por causa da saída do PMSD, a conta não terminou e o líder do PMSD, Xavier Luc Duval, substituiu Paul Bérenger como líder da oposição.

Em 21 de janeiro de 2017, Anerood Jugnauth anunciou que, em dois dias, renunciaria em favor de seu filho, o ministro das Finanças, Pravind Jugnauth, que assumiria o cargo de primeiro-ministro. A transição ocorreu conforme planejado em 23 de janeiro.[60][61]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da Maurícia
Ver artigo principal: Geografia da ilha Maurício
Ouça o artigo (info)
Este áudio foi criado a partir da revisão datada de 14 de março de 2013 e pode não refletir mudanças posteriores ao artigo (ajuda com áudio).

Junto com a ilha da Reunião e Rodrigues, a ilha faz parte das Ilhas Mascarenhas. Este arquipélago foi formado por uma série de erupções vulcânicas há 8 ou 10 milhões de anos e atualmente não possui nenhum vulcão ativo. A ilha Maurícia possui um planalto central, com seu cume mais alto no sudoeste, Piton de la Riviere Noire com 828 m. Ao redor do planalto, a cratera original pode ainda ser distinguida de várias montanhas.

O clima local é o tropical, modificado por ventos do sudeste; é predominantemente quente, com um inverno seco e verão chuvoso.

A capital da ilha e a maior cidade é Port Louis, no noroeste. Outras cidades importantes são Curepipe, Rose Hill, Quatre Bornes e Vacoas-Phoenix.

Disputas territoriais[editar | editar código-fonte]

Maurícia tem reivindicado soberania sobre o arquipélago de Chagos, localizado 1.287 quilômetros a nordeste e administrado como parte do Território Britânico do Oceano Índico. Chagos era administrativamente parte da Maurícia a partir do século XVIII, quando os franceses se estabeleceram nas ilhas. Todas as ilhas que fazem parte do território colonial francês de Ilha de França (como Maurício era então conhecida) foram cedidas aos britânicos em 1810, ao abrigo da Lei de capitulação assinada entre os dois poderes.[62] Em 1965, três anos antes da independência da ilha Maurícia, o Reino Unido separou de Maurícia o arquipélago de Chagos e as ilhas de Aldabra, Farquhar e Desroches das Seicheles, para formar o Território Britânico do Oceano Índico (BIOT). As ilhas foram formalmente estabelecidas como um território ultramarino do Reino Unido em 8 de novembro de 1965. Em 23 de junho de 1976, Aldabra, Farquhar e Desroches foram devolvidos às Seicheles, como resultado de sua independência alcançada. O Território Britânico do Oceano Índico passou a compreender apenas o arquipélago de Chagos. O Reino Unido passou a alugar a ilha principal do arquipélago, Diego Garcia, para os Estados Unidos ao abrigo de um contrato de arrendamento de 50 anos (que expira em 2016) para estabelecer uma base militar.[63] Maurícia tem afirmado repetidamente que a separação de seus territórios é uma violação das resoluções das Nações Unidas que proíbe o desmembramento de territórios coloniais antes da independência e afirma que o arquipélago de Chagos, incluindo Diego Garcia, é parte integrante do território da ilha Maurícia sob a lei das Maurícias e do direito internacional.[64] Depois de inicialmente negar que as ilhas eram habitadas, o Reino Unido expulsou funcionários britânicos á força, que eram cerca de 2.000. Desde 1971, apenas o atol de Diego Garcia é habitado, abrigando cerca de 3.000 cidadãos militares e funcionários do Reino Unido e Estados Unidos. Chagosianos, desde então, têm levantado discussões para a possível volta ao arquipélago, alegando que a expulsão e expropriação foram ilegais.[65][66]

Em 18 de março de 2015, o Tribunal Permanente de Arbitragem decidiu por unanimidade que a área marinha protegida (MPA) - que o Reino Unido pretendia declarar em torno do arquipélago de Chagos em abril de 2010 - era ilegal sob a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, uma vez que a Maurícia teve direitos juridicamente vinculativos para pescar nas águas que circundam o arquipélago de Chagos, para um eventual regresso do arquipélago de Chagos, e para a preservação de qualquer minerais ou petróleo descobertos em ou perto do arquipélago de Chagos antes de seu retorno.[67][68] O tribunal analisou em pormenor os compromissos assumidos pelo Reino Unido aos Ministros maurícios nas negociações de Lancaster House, em setembro de 1965. O Reino Unido argumentou que essas empresas não eram obrigatórias e não tinha estado no direito internacional. O Tribunal rejeitou com firmeza esse argumento, considerando que essas empresas tornaram-se um acordo internacional vinculativo sobre a independência da ilha Maurícia, e tem vinculado o Reino Unido desde então. Constatou-se que os compromissos do Reino Unido no sentido de Maurícia, em matéria de direitos de pesca e direitos de petróleo e minerais no arquipélago de Chagos, são juridicamente vinculativos.[69][70]

Maurícia também reivindica soberania sobre a ilha Tromelin, de França, uma pequena ilha que fica a 430 quilômetros ao nordeste de Maurícia e que atualmente faz parte do grupo insular designado Ilhas Mascarenhas.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população residente estimada da Maurícia era de 1.264.000 em dezembro de 2016. A população feminina era de 637.032, comparada com uma população masculina de 624.176 habitantes. A população da ilha de Maurício é de 1.219.265, e a da ilha de Rodrigues é de 41.669; Agalega e Saint-Brandon tinham uma população total estimada de 274 habitantes.[71] Maurício tem a maior densidade populacional na África.

Após uma emenda constitucional em 1982, não há necessidade de os mauricianos revelarem suas identidades étnicas para fins de censo populacional. Estatísticas oficiais sobre etnia não estão disponíveis. O censo de 1972 foi o último a medir a etnia.[72][73] Maurício é uma sociedade multiétnica, compostas por indianos (a maioria de Biharis) e uma minoria significativa de origem tâmil, africana, chinesa e européia (principalmente francesa).

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Línguas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Línguas de Maurício

Sendo ao mesmo tempo um país de língua Inglesa e de língua francesa, Maurício é membro tanto da Comunidade das Nações e da Francofonia. A constituição de Maurício não faz menção a uma língua oficial. É só no Parlamento que a língua oficial é o inglês; qualquer membro da Assembleia Nacional também pode usar o francês.[74] O inglês é particularmente cultivado pela população de origem indiana e o francês é usado principalmente na mídia e na literatura. O inglês e o francês são geralmente aceitos como as línguas oficiais de Maurício e como as línguas da administração do governo, tribunais, e de negócios.[75] A constituição mauriciana é escrita em inglês, enquanto algumas leis, como o Código Civil, são em francês. O português vem sendo promovido e já é ensinado em algumas instituições,[76] para atender as condições para o país alcançar uma de suas metas, que é fazer parte da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Desde 2006, Maurício já é um observador associado da CPLP.[77] A língua de comunicação habitual é o crioulo de Maurício, uma língua crioula construída com base no francês. Muitos dos imigrantes indianos e chineses ainda falam as suas línguas de origem.

Religião[editar | editar código-fonte]

Religião na Maurícia[78]
Religião % aprox.
Hinduísmo
  
43,93%
Cristianismo
  
32,69%
Islão
  
16,85%
Outras religiões
  
4,01%
Agnósticos
  
2,3%

De acordo com o censo de 2011 realizado pelo Statistics Mauritius, o hinduísmo é a religião mais praticada pela população, com 48,5%, seguido pelo cristianismo (32,7%), o islamismo (17,2%) e outras religiões (0,7%). 0,7% declararam-se não-religiosos e 0,1% não responderam. Maurício é o único país da África a ter uma maioria hindu.[79]

Oficialmente, um Estado laico, Maurício é uma nação religiosamente diversa, com a liberdade de religião sendo consagrada como um direito constitucional. A cultura do povo mauriciano é refletida nas várias festividades religiosas que são celebradas ao longo do ano, algumas das quais são reconhecidas como feriados públicos. De acordo com uma estimativa, os mauricianos gastam em média mais de 700 horas por ano em atividades religiosas.[80][81]

Política[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Política da ilha Maurício

A política das Maurícias realiza-se num quadro de uma democracia representativa organizada sob a forma de uma república parlamentar, na qual o Presidente é o chefe de Estado e o Primeiro Ministro é o chefe de governo, assistido por um Conselho de Ministros. A Maurícia tem um sistema multipartidário. O Poder Executivo é exercido pelo governo. O poder legislativo é investido tanto no governo quanto na Assembléia Nacional.

Parlamento[editar | editar código-fonte]

A Assembléia Nacional é a assembléia legislativa unicameral, que foi chamada Assembléia Legislativa até 1992, quando o país se tornou uma república. É composto por 70 membros, 62 eleitos para mandatos de quatro anos em círculos eleitorais com vários membros e oito membros adicionais, conhecidos como "os melhores perdedores", nomeados pelo Supremo Tribunal para garantir que as minorias étnicas e religiosas sejam equitativamente representadas. O Comitê de Direitos Humanos da ONU, que monitora o cumprimento pelos Estados membros do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, criticou o Sistema de Melhor Perdedor do país após uma denúncia de um movimento local de jovens e sindicatos.[82] O presidente é eleito para um mandato de cinco anos pelo Parlamento.

A ilha de Maurício é dividida em 20 distritos eleitorais que elegem três membros cada, enquanto Rodrigues é um distrito único que elege dois membros. Após uma eleição geral, a Comissão de Supervisão Eleitoral pode nomear até oito membros adicionais com vista a corrigir qualquer desequilíbrio na representação das minorias étnicas no Parlamento. Esse sistema de nomeação de membros é comumente chamado de melhor sistema de perdedores.

O partido político ou aliança partidária que conquista a maioria dos assentos no Parlamento forma o governo. Seu líder se torna o Primeiro Ministro, que seleciona o Gabinete dos membros eleitos da Assembléia, exceto o Procurador Geral, que pode não ser um membro eleito da Assembléia. O partido político ou aliança que tem a segunda maior maioria constitui a Oposição Oficial e o seu líder é normalmente nomeado pelo Presidente da República como Líder da Oposição. A Assembleia elege um Orador, um Vice-Presidente e um Vice-Presidente de Comitês como algumas de suas primeiras tarefas.

Governo[editar | editar código-fonte]

Maurício é uma democracia com um governo eleito a cada cinco anos. A mais recente eleição da Assembleia Nacional realizou-se a 10 de dezembro de 2014 em todos os 20 círculos eleitorais continentais e no círculo eleitoral que abrange a ilha de Rodrigues. As eleições tendem a ser uma disputa entre duas grandes coalizões de partidos.

O Índice Ibrahim de Governança Africana de 2006-2014 classificou as Maurícias em primeiro lugar em bom governo.[83] De acordo com o Índice de Democracia de 2017 compilado pela Economist Intelligence Unit, que mede o estado da democracia em 167 países, a Maurícia ocupa o 16º lugar em todo o mundo e é o único país africano com "democracia plena".[84]

Aplicação da lei[editar | editar código-fonte]

As leis que governam o sistema penal das Maurícias derivam em parte do direito civil francês e do direito comum britânico. A taxa de criminalidade reduziu de 4,3 por 1.000 habitantes em 2009 para 3,6 por 1.000 habitantes em 2010. A Constituição de Maurício afirma que, para fins de separação de poderes, o judiciário é independente. De acordo com o juiz E. Balancy, a opinião pública é caracterizada por uma reação emocional excessiva aos crimes, despertando a indignação moral da comunidade. O resultado é uma relutância em dar o devido peso à liberdade do cidadão e à presunção de inocência.[85][86][87]

A acusaçãi provisória, parte da lei de processo penal desde 1852, é uma prática que permite que qualquer pessoa suspeita de um crime seja detida - às vezes por até dois anos - antes de ser acusada. Em 1994, a polícia deteve o editor-chefe e um jornalista de uma revista semanal por ter "publicado ilegalmente notícias secretas". O presidente da empresa também foi preso. Em 1995, o Supremo Tribunal considerou que a acusação provisória era nula e sem efeito, uma vez que o delito estipulado na acusação provisória "publicar notícias secretas" não era conhecido pela lei.[88][89]

A sodomia (sexo oposto e sexo anal do mesmo sexo) é proibida pelas leis do país. Embora as relações entre pessoas do mesmo sexo não sejam reconhecidas em Maurício, a população LGBT é protegida contra qualquer tipo de discriminação, com a Constituição garantindo o direito dos indivíduos a uma vida privada.[90]

Maurícia é um dos 96 países que assinaram a "declaração conjunta sobre o fim dos atos de violência e violações de direitos humanos relacionadas com base na orientação sexual e identidade de gênero" nas Nações Unidas, condenando a violência e a discriminação contra pessoas LGBT.[91]

Relações exteriores[editar | editar código-fonte]

As Maurícias têm relações fortes e amistosas com vários países africanos, americanos, asiáticos, europeus e da Oceania. Considerada parte da África geograficamente, Maurício tem relações amigáveis com os estados africanos da região, particularmente a África do Sul, de longe o seu maior parceiro comercial continental. Os investidores mauricianos estão gradualmente entrando nos mercados africanos, especialmente em Madagascar, Moçambique e Zimbábue. A herança política do país e a dependência dos mercados ocidentais levaram a laços estreitos com a União Européia e seus estados-membros, particularmente a França. Depende também do Reino Unido como parceiro comercial. As relações com a China e a Índia são fortes por razões históricas e comerciais.

As Maurícias são membros da Organização Mundial do Comércio, da Commonwealth Britânica, da Francofonia, da União Africana, da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, da Comissão do Oceano Índico, COMESA, e o país é fundador da Associação da Costa do Oceano Índico.

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Todas as funções militares, policiais e de segurança nas Ilhas Maurício são realizadas por 10 mil funcionários da ativa sob o Comissariado da Polícia. A Força Nacional de Polícia, com 8.000 membros, é responsável pela aplicação da lei no país. A Força Móvel Especial (SMF), de 1.400 membros, e a Guarda Costeira Nacional, com 688 membros, são as únicas unidades paramilitares nas Ilhas Maurício. Ambas as unidades são compostas por policiais em longas rotações para esses serviços.[92]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A própria ilha Maurícia é dividida em nove distritos: Black River, Flacq, Grand Port, Moka, Pamplemousses, Plaines Wilhems, Port Louis, Rivière du Rempart e Savanne.

Outras três ilhas são também são parte do Maurício: Agalega, Cargados Carajos ou São Brandão, e Rodrigues.

Distritos da Maurícia numerados
Distritos da Maurícia
Divisões administrativas

O Governo local tem nove divisões administrativas, com conselhos municipais e de vilas nas áreas urbanas e conselhos distrital e de aldeias nas áreas rurais. A ilha de Rodrigues forma a décima divisão administrativa do país. Outras dependências são ilhas Agalega e Cargados Carajos Shoals. As divisões são Black River, Flacq, Grand Port, Moka, Pamplemousses, Plaines Wilhems, Port Louis, Riviere du rempart e Savanne.

As Ilhas Maurício estão divididas em 9 distritos, e três dependências. A tabela abaixo indica a legenda no mapa, bem como o código ISO 3166:2-MU correspondente. (Notar que alguns códigos dizem respeito a cidades.)

Legenda ISO Subdivisão Tipo Capital
1 MU-BL Black River distrito Tamarin
2 MU-FL Flacq distrito Centre de Flacq
3 MU-GP Grand Port distrito Mahébourg
4 MU-MO Moka distrito Moka
5 MU-PA Pamplemousses distrito Triolet
6 MU-PW Plaines Wilhems distrito Rose Hill
7 MU-PL Port Louis distrito Port Louis
8 MU-RR Rivière du Rempart distrito Poudre d'Or
9 MU-SA Savanne distrito Souillac
MU-AG Agalega dependência
MU-CC Cargados Carajos dependência
MU-RO Rodrigues dependência Port Mathurin
MU-BR Beau Bassin-Rose Hill cidade
MU-C Curepipe cidade
MU-PU Port Louis cidade
MU-QB Quatre Bornes cidade
MU-VP Vacoas-Phoenix cidade

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia da ilha Maurício

O principal produto da Maurícia é o açúcar, do qual já foi o 3º produtor mundial. Outros importantes produtos agrícolas são o chá e o tabaco. A economia é diversificada, tendo o turismo como uma das principais atividades económicas. A ilha instituiu a primeira zona franca do Oceano Índico.

Desde a sua independência, em 1968, a economia de Maurício, até então uma economia de baixa renda baseada na agricultura, tornou-se uma economia diversificada com crescimento dos setores industriais, financeiros e turísticos. Para a maioria do período, o crescimento anual esteve na ordem de 5 a 6%. Esta realização notável foi refletida numa distribuição de renda mais justa, no aumento da expectativa de vida, no declínio da mortalidade infantil e em numa melhora da infra-estrutura do país.

A plantação de cana-de-açúcar ocupa 90% da área de terra cultivada e corresponde a 25% do total de exportação. A estratégia do desenvolvimento do governo centra-se em expandir instituições financeiras locais e em construir um sistema de telecomunicações interna.

A exploração da Ilha, tanto no âmbito agrário como turístico, tem dependido diretamente das autoridades locais. É um país fundamentalmente dedicado à agricultura (especialmente ao cultivo da cana de açúcar), representando 60% do produto Interior Bruto. Perto de 50% da superfície da ilha está dedicado à agricultura. Outra fonte de benefícios é a exportação de chá aos países do sul da África, sem esquecer o cultivo do tabaco e das flores ornamentais. Porém, grande parte dos recursos são destinados à importação de outros produtos dos que carece a ilha, tais como o arroz ou a batata. A segunda indústria em importância é a indústria têxtil e graças à ter-se convertido na primeira zona franca do Oceano Índico, Maurício destaca-se pela importação, tratamento e exportação de produtos manufaturados. O turismo é outra das indústrias principais do país.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura da ilha Maurício

A cultura da ilha Maurício envolve uma mistura de diversas culturas através da história da ilha, incluindo influências indianas, europeias e africanas.

Culinária[editar | editar código-fonte]

Durante o período das Grandes navegações e descobertas o pássaro Dodô era muito apreciado na culinária dos navegantes e piratas o que levou à extinção.

A culinária nacional é a mistura de influências da cozinha Criola, Chinesa, Francesa e Indiana. É comum a combinação destas culinárias para a elaboração de um prato.

Maurícia tem fortes laços culturais com a França. A popularidade dos pratos franceses como o daube, civet de lièvre ou coq au vin servidos com vinho, mostram a prevalência da culinária francesa na Maurícia na atualidade. Com o passar dos anos, algumas receitas foram adaptadas com a adição de ingredientes mais exóticos nativos da ilha, o que confere, em muitos casos, um sabor único.

Durante o século XIX, após a abolição da escravatura, trabalhadores indianos migraram para a ilha trazendo consigo sua culinária. No final do mesmo século, veio uma outra onda de imigração, desta vez da China, especialmente Chineses da região sudoeste da China, o que também influenciou a culinária local.

Ao longo dos anos, cada comunidade adaptou e misturou elementos uma das outras ao seu gosto, resultando na culinária atual.

A produção de rum é comum na ilha. [carece de fontes?] A cana de açúcar foi inicialmente introduzida no ano de 1638 pela colonização holandesa.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Enquanto Kreol Marisyen (Crioulo da Maurícia) é a língua mais falada na Maurícia, a maior parte da literatura é escrita em francês, embora muitos autores escrevam em inglês, bhojpuri e marisyen, assim como em outras língua como Abhimanyu Unnuth e hindi. O mais renomado escritor local, Dev Virahsawmy escreve exclusivamente em marisyen. Entre os autores importantes destaca-se Malcolm de Chazal, Ananda Devi, Raymond Chasle, Loys Masson, Marcel Cabon e Edouard Maunick.[carece de fontes?]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Devido à carência de patrocínio, as equipes esportivas nacionais não obtêm muito sucesso em competições internacionais. Contudo, recentemente, a união de Rugby têm crescido rapidamente em popularidade. O futebol também é muito popular. As seleções nacionais estão em posições muito modestas nos rankings internacionais de seus respectivos esportes.[carece de fontes?]

Nos jogos olímpicos de Beijing 2008, a Maurícia ganhou sua primeira medalha olímpica. Bruno Julie ganhou a medalha de bronze na categoria peso galo do boxe.

No entanto, a Maurícia é competitiva a nível regional, especialmente em competições realizadas entre os países do Índico. A Maurícia coleciona alguns ouros, pratas e bronzes nos Jogos das Ilhas do Oceano Índico (JIOI). A segunda e a quinta edição foram realizadas na ilha em 1985 e 2003, respectivamente.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Maurício no CIA World Factbook» (em inglês). Central Intelligence Agency (CIA). Consultado em 2 de março de 2018. 
  2. Statistics Mauritius. «Digest of Demographic Statistics 2013» (PDF). Government Portal of Mauritius. p. 22. Consultado em 2 de março de 2018. 
  3. «Human Development - Indices and Indicators - 2018 Statistical Update» (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme. Consultado em 29 de setembro de 2018. 
  4. «Ministério das Relações Exteriores do Brasil» 
  5. a b Larry Wells Bowman. «History: Early history and colonial administration». Encyclopaedia Britannica. Consultado em 12 de março de 2015. 
  6. a b Guébourg 2006, p. 48
  7. Enciclopédia Mirador Internacional 1993, p. 7348
  8. «Early Settlement». Country Studies. Consultado em 12 de março de 2015. 
  9. «A troubled history of Paradise: Reunion Island». reunionisland.fr. Consultado em 12 de março de 2015. 
  10. Vincent Hiribarren. «What do the names of African countries mean?». Página Pessoal de Vincent Hiribarren. Consultado em 12 de março de 2015. 
  11. a b «History of Mauritius». mauritius.org.uk. Consultado em 12 de março de 2015. 
  12. Porto Editora. «Verbete "mauriciano"». Dicionário da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico. Infopédia. Consultado em 13 de março de 2015. 
  13. Porto Editora. «Verbete "Maurícia"». Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. Infopédia. Consultado em 13 de março de 2015. 
  14. Priberam Informática, S.A. «Verbete "mauriciano"». Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Consultado em 13 de março de 2015. 
  15. Serviço das Publicações da União Europeia (1 de janeiro de 2015 (última atualização)). «Anexo A5 — Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redação Interinstitucional da União Europeia. Consultado em 13 de março de 2015.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. a b Costa, José Mário (3 de novembro de 2005). «O nome do habitante da República da Maurícia». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 13 de março de 2015. 
  17. Henriques, José Neves (1 de abril de 1997). «Maurícia». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 13 de março de 2015. 
  18. Instituto de Linguística e Teórica Computacional. «Maurícias». Dicionário de Gentílicos e Topónimos. Portal da Língua Portuguesa. Consultado em 13 de março de 2015. 
  19. A short History of Mauritius, P.J. Barnwell & A. Toussaint
  20. http://www.govmu.org/English/ExploreMauritius/Pages/History.aspx#dutch
  21. http://www.govmu.org/English/ExploreMauritius/Pages/History.aspx#dutch
  22. http://www.usip.org/sites/default/files/ROL/TJC_Vol1.pdf
  23. http://www.govmu.org/English/ExploreMauritius/Pages/History.aspx#dutch
  24. Port Louis, A tropical City, Auguste Toussaint. ISBN 0 04 969001 9
  25. http://www.govmu.org/English/ExploreMauritius/Pages/History.aspx#dutch
  26. A New Comprehensive History of Mauritius, Sydney Selvon, 2012. ISBN 978-99949-34-91-1
  27. Port Louis, A tropical City, Auguste Toussaint. ISBN 0 04 969001 9
  28. http://www.govmu.org/English/ExploreMauritius/Pages/History.aspx#dutch
  29. A short History of Mauritius, P.J. Barnwell & A. Toussaint
  30. A short History of Mauritius, P.J. Barnwell & A. Toussaint
  31. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  32. A short History of Mauritius, P.J. Barnwell & A. Toussaint
  33. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  34. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  35. L'ile Maurice: Vingt-Cinq leçons d'Histoire (1598–1998), Benjamin Moutou. ISBN 99903-929-1-9
  36. Our Struggle, 20th Century Mauritius, Seewoosagur Ramgoolam, Anand Mulloo
  37. http://www.lexpress.mu/node/203804/
  38. http://www.lemauricien.com/article/histoire-mauritius-independence-1961-1968
  39. http://www.lemauricien.com/article/histoire-mauritius-independence-1961-1968
  40. http://www.lexpress.mu/node/243359/
  41. "Why are we not taught our own history? (by K. A. Cassimally), Weekly Magazine, 17–23 March 2016".
  42. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  43. https://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13882731
  44. A New Comprehensive History of Mauritius, Sydney Selvon, 2012. ISBN 978-99949-34-91-1
  45. http://www.lemauricien.com/article/histoire-des-hommes-derriere-20-mai-75-raconte
  46. Untold Stories, A Collection of Socio-Political Essays, 1950–1995, Sir Satcam Boolell, EOI. ISBN 99903-0-234-0
  47. http://www.thehindu.com/todays-paper/when-india-drew-top-secret-red-line-in-mauritius/article4493495.ece
  48. http://thediplomat.com/flashpoints-blog/2013/03/19/when-india-almost-invaded-mauritius/
  49. https://www.academia.edu/7992843/Extract_from_Indias_Ocean_-_Operation_Lal_Dora
  50. https://www.nytimes.com/1987/12/28/world/port-louis-journal-land-of-apartheid-befriends-an-indian-ocean-isle.html
  51. https://www.nytimes.com/1990/08/27/world/mauritius-political-quarrel-saves-the-queen.html
  52. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  53. AAPS Newsletter, Volume 1, Issues 5–19, African Association of Political Science, 1992, p. 20
  54. http://www.govmu.org/English/ExploreMauritius/Pages/History.aspx#dutch
  55. Country Profile: Mauritius, Seychelles, Economist Intelligence Unit, 2001, p. 8
  56. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  57. Mauritius in the making across the censuses 1846–2000, Monique Dinan. ISBN 99903-904-6-0
  58. Rapport du Juge Matadeen sur les émeutes de 1999, Imprimerie du Gouvernement, 2000
  59. L'Express, Vendredi 26 février 1999
  60. https://www.bbc.com/news/world-africa-38709203
  61. https://www.reuters.com/article/us-mauritius-politics-idUSKBN15715K
  62. «Time for UK to Leave Chagos Archipelago» (em inglês). Real clear world. Consultado em 13 de agosto de 2015. 
  63. «Who Owns Diego Garcia? Decolonisation and Indigenous Rights in the Indian Ocean» (PDF) (em inglês). Geoffrey Robertson. Consultado em 13 de agosto de 2015. 
  64. Indradev Curpen (15 de junho de 2012). «Chagos remains a matter for discussion» (em inglês). Le Défi Media Group. Consultado em 13 de agosto de 2015. 
  65. «Mauritius profile» (em inglês). BBC World. 22 de julho de 2011. Consultado em 13 de agosto de 2015. 
  66. «History» (em inglês). The UK Chagos Support Association. Consultado em 13 de agosto de 2015. 
  67. Owen Bowcott, Sam Jones (19 de março de 2015). «UN ruling raises hope of return for exiled Chagos islanders» (em inglês). The Guardian. Consultado em 16 de abril de 2015. 
  68. «Chagos Marine Protected Area Arbitration (Mauritius v. United Kingdom) (Press Release and Summary of Award)». Corte Permanente de Arbitragem. 19 de março de 2015. Consultado em 14 de agosto de 2015. 
  69. «Mauritius: MPA Around Chagos Archipelago Violates International Law — This Is a Historic Ruling for Mauritius, Says PM» (em inglês). allafrica.com/. Consultado em 14 de agosto de 2015. 
  70. «IN THE MATTER OF THE CHAGOS MARINE PROTECTED AREA ARBITRATION — before — AN ARBITRAL TRIBUNAL CONSTITUTED UNDER ANNEX VII OF THE UNITED NATIONS CONVENTION ON THE LAW OF THE SEA — between — THE REPUBLIC OF MAURITIUS — and — THE UNITED KINGDOM OF GREAT BRITAIN AND NORTHERN IRELAND» (PDF) (em inglês). Corte Permanente de Arbitragem. 18 de março de 2015. Consultado em 14 de agosto de 2015. 
  71. http://statsmauritius.govmu.org/English/Documents/ei1058/population.pdf
  72. https://www.lexpress.mu/article/critical-appraisal-best-loser-system
  73. https://web.archive.org/web/20150121084740/http://www.defimedia.info/blog/item/18524-debate-on-best-loser-system.html
  74. «Constitution of Mauritius - 49. Official language» (em inglês). Consultado em 14 de março de 2015. 
  75. «Language». Government Portal of Mauritius. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  76. «Estudantes da língua portuguesa em Ilhas Maurício redigem dossiê sobre a Copa do Mundo e sobre ecoturismo». Consultado em 14 de março de 2015. 
  77. «Ilhas Maurício quer estreitar relações com o Brasil». Consultado em 14 de março de 2015. 
  78. The Association of Religion Data Archives. «Largest Religious Groups (Mauritius)» (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2011. 
  79. http://statsmauritius.govmu.org/English/Documents/publications/Housing/economics%20and%20social%20indicators/reports/2011VolIIPC.pdf
  80. http://pure.au.dk/ws/files/51974616/Effects_of_religious_setting_on_cooperative_behaviour_RBB.pdf
  81. http://www.brandeis.edu/globalbrandeis/documents/Nigel%20-%20Mauritius%20FINAL.pdf
  82. http://country.eiu.com/article.aspx?articleid=59556590&Country=Mauritius&topic=Politics&subtopic=Forecast&subsubtopic=Election+watch&u=1&pid=1764509560&oid=1764509560&uid=1
  83. https://web.archive.org/web/20121020045619/http://www.moibrahimfoundation.org/mauritius/
  84. http://www.economist.com/node/21551494
  85. http://www1.govmu.org/scourt/cjei/doc/bail.doc
  86. https://web.archive.org/web/20111116155529/http://www.gov.mu/portal/goc/mof/8Police.pdf
  87. http://www.mongabay.com/history/mauritius/mauritius-penal_system_8147.html
  88. http://www.lexpress.mu/idee/273600/provisional-charge-conundrum
  89. http://www.businessinsider.com/an-emerging-vacation-destination-has-a-troubling-human-rights-record-2015-9
  90. http://www.gov.mu/portal/site/AssemblySite/menuitem.ee3d58b2c32c60451251701065c521ca/?content_id=03654555fc808010VgnVCM100000ca6a12acRCRD#pro
  91. http://geneva.usmission.gov/2011/03/22/lgbtrights/
  92. http://www.scoop.co.nz/stories/WO0901/S00160.htm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Maurícia


Flag-map of Mauritius.png Maurícia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens