Óleo de coco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O óleo de coco virgem é um produto que deriva do fruto da espécie Cocos nucifera L.. Solidifica-se abaixo de 25°C. É prensado a frio, não é submetido ao processo de refinamento e desodorização, sendo extraído a partir da polpa do coco fresco maduro por processos físicos, passando pelas etapas de trituração, prensagem e tripla filtração.

O óleo ou azeite de coco é um óleo vegetal conhecido também como manteiga de coco é uma substância graxa que contém cerca de 90% de ácidos saturados extraídos mediante prensagem da polpa ou cerne dos cocos (Cocos nucifera), se emprega muito na indústria dos cosméticos (para elaboração de sabões e cremes) e também pode ver-se nas gastronomias de alguns países asiáticos. Este produto é 7% do total das exportações das Filipinas (maior exportador deste produto).

Emprego[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Cocos secando ao sol, em Kerala, Índia.

É um alimento complementar com inúmeras propriedades benéficas para a saúde, proporcionando fortalecimento do sistema imunológico, facilitando a digestão e a absorção de nutrientes.

São encontradas diversas substâncias no óleo de coco, entre elas os ácidos graxos essenciais e o glicerol, que é importante para o organismo – com ele o corpo produz ácidos graxos saturados e insaturados de acordo com suas necessidades. O óleo de coco apresenta um alto índice de ácido láurico, ácido mirístico e ácido caprílico, entre outros. O ácido láurico é um ácido graxo de cadeia média, que é transformado em monolaurina no corpo humano.

O óleo de coco virgem não é um medicamento, e sim um alimento complementar coadjuvante na prevenção de diversas doenças. Por isso, deve ser consumido diariamente para que o organismo obtenha uma reserva de ácidos graxos, presentes no óleo de coco.

Se emprega fundamentalmente como humectante (em forma de sabões) e atua sobre a pele como uma capa protetora ajudando a reter a umidade. Atua como um azeite suave e sedoso muito recomendado para pele irritada e inflamada e também se recomenda para aquelas pessoas que têm uma pele sensível. É um excelente acondicionador sem enxague para o cabelo se é aplicado em pequenas quantidades nas pontas, com o cabelo limpo, e nunca sobre o couro cabeludo, já que este produz suas próprias substâncias oleosas.

O teor de gordura saturada do óleo de coco é semelhante ao do leite humano, o que significa que ela é de fácil digestão, gerando energia rapidamente e efeito benéfico sobre o sistema imunológico.

Culinário[editar | editar código-fonte]

Quando submetido a altas temperaturas, o óleo de coco virgem não perde suas características nutricionais, sendo considerado um óleo estável. É também considerado o mais saudável para cozinhar, não apresentando gordura trans gerada pelo processo de hidrogenação, que está presente em todos os óleos de origem vegetal, como os de soja, canola, milho e até o de oliva, que é considerado o óleo mais saudável".

Industrial[editar | editar código-fonte]

Se emprega como biodiesel, o óleo de coco é um gerador de espuma e por esta razão se emprega na indústria de elaboração de sabão. Se emprega também na elaboração de coberturas de chocolate para sorvetes e na produção de resinas para a indústria química, nos produtos de confeitaria e na elaboração de "snacks" junto com o óleo de palma (ou dendê).

É matéria-prima para a produção de dietanolamidas de ácido graxo de coco, derivados do álcool láurico como os lauril sulfato de sódio, inibidores de corrosão, óleo sulfonados e diversos outros produtos na indústria de matérias primas para cosméticos, produtos de limpeza e aditivos de diversos fins.

Como extrair o óleo de coco[editar | editar código-fonte]

O coco dever ser maduro, mas fresco, nunca seco. Uma vez partido, deve remover a castanha e realizar o processo de prensagem, sempre à frio para não comprometer a estrutura da cadeia do óleo.

Uma vez prensado, junte a massa de coco e esprema-a com um pano (estéril, limpo, livre de contaminação, de modo a preservar a qualidade do óleo para posterior consumo), até extrair o máximo do leite, pode-se também utilizar peneiras de malha fina ou prensas caseiras. Acondicione o material filtrado "leite" em um vasilhame que pode ser aberto e/ou cortado. Após manhenha sob refrigeração por 48 horas, ou até que haja a separação do soro com densidade diferente. A massa branca tende a ficar na superfície pois sua densidade é menor. Descarte o soro. é interessante manter o óleo em recipiente de cor escura para evitar a oxidação pela luz.

Em temperatura abaixo de 25ºC a gordura do coco solidifica-se. De um coco maduro é possível extrair aproximadamente 60 a 90ml.

Composição de ácidos graxos[editar | editar código-fonte]

O coco pode ser considerado um alimento funcional, pois é rico em proteínas, carboidratos, óleos e minerais e vários componentes benéficos à saúde, classificados como nutracêuticos, como os ácidos láurico, mirístico e palmítico.

Cerca de 50% da gordura do coco é composta pelo ácido láurico, o seu principal ácido graxo, de cadeia média, que no corpo humano se transforma em monolaurina, um monoglicerídeo de ação antibacteriana, antiviral e antiprotozoária, usado pelo organismo para destruir a capa lipídica de vários microorganismos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.