Aeroporto de Vitória

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aeroporto de
Vitória — Goiabeiras
Eurico de Aguiar Salles
Aeroportovix.jpg
IATA: VIX - ICAO: SBVT
Tipo Público
Administração INFRAERO
Serve Vitória
Localização Não disponível
Inauguração 1946


Altitude 3,5 m (11 ft)
Movimento em 2013 3 450 695 passageiros (BR: 15º)
12.155 t de carga
63.777 aeronaves
Capacidade anual 2.900.000 passageiros/ano
Website oficial Página oficial
Pistas
Cabeceiras Comprimento Superfície
23/05 1 750 m (5 741 ft) Asfalto

O Aeroporto de Vitória - Eurico de Aguiar Salles (IATA: VIXICAO: SBVT), também conhecido como Aeroporto de Goiabeiras, é o principal aeroporto do Estado brasileiro do Espírito Santo. Localiza-se na cidade de Vitória, no bairro de Goiabeiras e dista 10 km do centro da cidade.

Atualmente o acesso pelo aeroporto se da pela Avenida Fernando Ferrari, o sítio aeroportuario disponível é de pouco mais de 5,2 milhões de metros quadrados.

O Aeroporto Eurico de Aguiar Salles, localiza-se na parte continental da cidade é o principal aeroporto do Espírito Santo. Opera vôos nacionais e internacionais, sendo que para passageiros apenas vôos nacionais. Tem capacidade para receber aviões de médio e grande porte como, Boeings 767 Boeings 737 Embraer 190/195 e Fokkers 100. Costumam operar no aeroporto jatos executivos, helicópteros. Conta com vôos diretos e diários para os aeroportos de Congonhas (São Paulo), Guarulhos (São Paulo), Santos Dumont (Rio de Janeiro), Galeão, Confins (Belo Horizonte), Brasília, Salvador, Governador Valadares, Campinas, Curitiba, Maringá e Manaus.

É um dos 32 aeroportos da rede Infraero que conta com um terminal de cargas internacional. Em maio de 1999 entrou em operação a primeira linha internacional de cargas direto de Miami, EUA para Vitória, facilitando o trabalho de importação e exportação de mercadorias para o mercado capixaba. Hoje operam regulamente em Vitória cinco vôos semanais nesta rota.

O Aeroporto atualmente é considerado um dos piores do Brasil devido a falta de reformas e de modernizações por décadas, atualmente opera com o quádruplo da capacidade máxima inicialmente projetada e tem previsão de terminar o ano de 2010 com 4,5 vezes mais passageiros do que poderia. Uma modernização encontra-se em curso e estava prevista para ter sido concluída no final de 2007 porém suspeitas de superfaturamento e desvio de verbas fizeram com que a obra fosse embargada, a nova previsão para a conclusão era para dezembro de 2009, o que também não ocorreu.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antes da construção do Aeroporto Eurico de Aguiar Salles os vôos com destino à capital pousavam no hidro-posto localizado no antigo centro da cidade, no bairro de Santo Antonio. Em 1936 o Governo Federal construiu uma pequena estação com flutuador. Operavam em Vitória a Panair, Syndicato Condor em voos nacionais e a Pan American na linha intercontinental Nova YorkBuenos Aires, fazendo escala em várias cidades, inclusive Vitória.

Na década de 1930, o local onde atualmente é o aeroporto, funcionava o Aeroclube da capital, com uma pista de terra batida, este local foi escolhido para a construção de uma pista de cimento, dirigida pelo engenheiro Carlos Duenk. Em 1942 foi iniciada a construção com uma verba de 50 contos de réis, dos quais foram gastos 38. O restante foi utilizado na construção do terminal de passageiros. A referida pista teve sua inauguração no final de 1943, em plena Segunda Guerra Mundial.

O Aeroporto de Vitória fez parte da relação de aeroportos participantes do convênio firmado entre os governos do Brasil e EUA, pelo qual o Brasil cedia, durante o período de guerra, a utilização dessas áreas para as Forças Armadas dos EUA. Em 1943, mesmo ano da conclusão das obras, o U.S. Engineer Office, repartição do exército dos EUA, elaborou um projeto para o recém construído aeroporto a ampliação da pista para 1500 metros de comprimento por 45 metros de largura, o projeto foi consolidado pela diretoria de obras do Ministério da Aeronáutica tendo sido concluído em 1946, que é a data oficial da inauguração do aeroporto.

O Aeroporto de Vitória continuou servindo de ponto de escala até a década de 1970, quando o percentual de vôos que o utilizavam como ponto extremo de linhas começou a elevar-se. Em 1978, foi elaborado pela Infraero o projeto completo de reformulação do pavimento, compreendendo um reforço em concreto asfáltico nas pistas e sua ampliação para 1750 metros de comprimento e um reforço de concreto no pátio de estacionamento das aeronaves. Em 1979 estas obras foram concluídas.[2]

Modernização de 2005[editar | editar código-fonte]

O estudo da expansão do Aeroporto de Vitória vem sendo analisado desde 1975 quando o Governo do Estado do Espírito Santo realizou um estudo de alternativas locacionais visando transferir e ampliar o aeroporto para outro sítio fora da região atual. Foram identificadas duas alternativas: uma ao norte da cidade de Vitória, no município da Serra, em região próxima a Nova Almeida e a segunda, ao sul no município de Vila Velha, em região que se estende desde a Barra do Jucú até a Ponta da Fruta.

A região localizada na Serra tornou-se inviável, uma vez que a área que pretendia ser ocupada já possuia culturas da Agrosuco e da Citriodora (eucaliptos e outras essências), contrariando os critérios estabelecidos, no qual consistia em se evitar a inclusão de propriedades e benfeitorias de grande valor industrial e agropecuário. Já a área que se considerava viável na época, em Vila Velha, tornou-se impossível atualmente, haja vista que este local constituem-se em áreas de interesse ambiental, a Reserva Ecológica de Jacarenema e a Área de Proteção Ambiental de Setiba.

Diante da inviabilidade de mudança de local do aeroporto, a expansão tornou-se necessária a fim de atender uma demanda crescente tanto para transporte de passageiros quanto para cargas. Em 2005 se iniciaram as obras de modernização do Aeroporto, que incluíam no projeto um moderno terminal de passageiros com aeroshopping, climatizado e com acessibilidade para deficientes físicos, seis modernas pontes de embarque, uma segunda pista de pouso e decolagem com 2.416 metros (sentido leste/oeste), estacionamento com 1000 vagas, um novo pátio de aeronaves, novas vias de acesso, novas instalações do Corpo de Bombeiros, nova torre de controle e instalações de navegação aérea, áreas reservadas para comércio e um centro de convenções/exposições.

Existem também estudos para o Terminal de Cargas Nacional e Internacional, porém, ele não está contemplado no contexto da obra do Aeroporto. O que se tem hoje é uma proposta de um novo TECA (nome do projeto conceitual), a ser implantado em área dentro sítio aeroportuário, tendo acesso pela Rodovia Norte-Sul, uma das ligações entre Vitória e Serra. Esse projeto está sendo discutido, com articulações entre o Movimento Empresarial e o Conselho de Logística junto à Infraero, e prevê a execução e financiamento da iniciativa privada, porém, a sua gestão e operação serão de exclusividade da Infraero.[3]

O projeto orçado em 337,5 milhões de reais foi paralisado diversas vezes em 2006 e 2007 por suspeitas de superfaturamento e desvio de verbas. A Infraero investiga o caso e ainda não tem uma posição a respeito. Recentemente empresários da capital se reuniram com representantes da Infraero para uma eventual volta definitiva das obras. Ainda assim a Infraero garantiu que as obras irão ser concluídas até o final de 2009. A previsão de movimento no aeroporto para 2009 ultrapassa os 2.000.000 de passageiros anuais quase alcançando a nova capacidade. Em razão deste aumento na movimentação de passageiros no Aeroporto da Capital a Infraero já planeja uma nova ampliação. O novo terminal que ficará pronto algum dia no futuro terá estrutura para atender ao horizonte de 2014. Ou seja, logo após a construção do novo terminal, sua capacidade operacional já estará superada. Para evitar novos problemas a Infraero já planeja a segunda etapa da obra com apliação do terminal de passageiros para atender ao horizonte de 2020. A segunda fase da obra que poderá ter sete meses de duração e está orçada em R$ 90 milhões se algum dia for iniciada. [4]

Obras Hoje[editar | editar código-fonte]

Na manhã da terça-feira, 9 de fevereiro de 2010, o senador Renato Casagrande (PSB), em entrevista à rádio CBN, afirmou que as obras do Aeroporto de Vitória - Eurico de Aguiar Sallles se iniciam novamente ainda em abril de 2010. "Depois que o Exército assumiu as obras do restante da pista", afirmou o senador, "o cronograma ficou mais consistente, pela dispensa de licitação". No entanto, em dezembro de 2010, nem uma vassourada havia sido dada no empoeirado sítio.

Na primeira etapa, vão ser retomadas as construções da torre de controle, brigada de incêndio e da pista de pousos e decolagens, obras que estavam quase concluídas mas foram paralisadas. A retomada deve acontecer após uma perícia de um instituto de pesquisa técnica, já contratado pela Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero). Em seguida, também vão ser retomadas as obras da nova pista. Como solução provisória para ampliar a capacidade existente de processamento de passageiros e minimizar a sensação de desconforto no terminal de passageiros em horários de grande movimento, a Infraero tem programada a ampliação das salas de embarque e desembarque.

Casagrande acrescentou que vai convidar a bancada federal capixaba para fazer um acompanhamento semanal das obras e, assim, evitar novas paralisações. Ele afirmou que devido à situação atual do terminal, que tem capacidade para 600 mil passageiros por ano mas transportou 2,3 milhões de pessoas em 2009, é necessário um acompanhamento para que o aeroporto não fique ainda mais saturado.

A Infraero estabeleceu mais uma previsão de que o término das obras aconteceria até setembro de 2013, mas que novamente não será cumprida.[5] [6]

Movimento[editar | editar código-fonte]

Ano Movimento (Passageiros)
2003 1.174.290
2004 1.246.222
2005 1.517.578
2006 1.661.192
2007 1.894.540
2008 1.988.447
2009 2.342.283
2010 2.644.729
2011 3.182.394
2012 3.642.842
2013 3.450.736
2014 1.492.898 até maio

Especificações da obra[editar | editar código-fonte]

Atual

Previsto

Área do terminal de passageiros 17.000 m² 26.578 m²
Pontes de Embarque 0 6
Estacionamento de veículos 600 vagas/7.385 m² 1.000 vagas/35.747 m²
Pista de pouso e decolagem

(Podem eventualmente operar simultaneamente)

1.750m x 45m 2.050m x 45m e 2.416m x 45m
Pátio de aeronaves 44.400 m²/06 aeronaves 51.000 m²/08 aeronaves
Capacidade para passageiros 2.900.000 passageiros por ano 5.000.000 passageiros por ano

Companhias Aéreas[editar | editar código-fonte]

Passageiros[editar | editar código-fonte]

Taxi Aéreo[editar | editar código-fonte]

Destinos[editar | editar código-fonte]

Companhias Destinos
Brasil Azul Belo Horizonte (Confins), Campinas, Salvador, Rio de Janeiro (Galeão).
Cuba Cubana de Aviación Aeroporto de Havana,Aeroporto de Manaus (termina em 20/03/2014)
Brasil Gol/Varig Belo Horizonte (Confins), Brasília, Campinas, Rio de Janeiro (Galeão e Santos Dumont), São Paulo (Congonhas e Guarulhos).
Brasil TAM Brasília, Rio de Janeiro (Galeão e Santos Dumont), Salvador, São Paulo (Congonhas, Belo Horizonte-Confins e Guarulhos), Porto Alegre.
Brasil Trip Belo Horizonte (Confins) Ilhéus, Rio de Janeiro (Galeão), Salvador, Usiminas, Governador Valadares, Porto Seguro, Campos dos Goytacazes

Cargas[editar | editar código-fonte]

Destinos[editar | editar código-fonte]

Companhias Destinos
Brasil ABSA Campinas, Curitiba e Miami
Chile LAN Cargo Campinas e Santiago

Serviços[editar | editar código-fonte]

Órgãos públicos
Serviços bancários (Caixas eletrônicos)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]