Boeing 767

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Boeing 767
Um Boeing 767 da Air Canada
Tipo Avião comercial
Fabricante Estados Unidos Boeing
Primeiro voo 26 de setembro de 1981
Capacidade 181 a 290 passageiros
Custo unitário 767-200: US$160,2 milhões[1]
767-300ER: US$182,8 milhões[1]
767-300F: US$185.4 milhões[1]
767-400ER: US$200.8 milhões[1]
Comprimento 48,5 metros
Envergadura 47,6 metros
Altura 5,41 metros
Velocidade máxima 913 km/h
Peso máx. decolagem 179.170 kgf
Pista min. decolagem 2.743 metros
Motorização P&W PW4000-94
GE CF6-80C2
Potência PW: 63.300 lb (282 kN)
GE: 62.100 lbf (276 kN)
Alcance (MTOW) 6.385 nm (11.825 km) transpacífico km
Especificações de tamanho e performance baseado no 767-200ER. Para outros modelos, verifique a seção Especificações


O Boeing 767 é um avião birreator desenvolvido e fabricado pela fabricante norte-americana Boeing.

O modelo foi introduzido juntamente com o 757, no final da década de 1980. É um 'widebody ou seja, têm a fuselagem larga com dois corredores e configuração de assentos 2x3x2 na classe econômica. O Boeing 767, com um longo alcance e baixo custo operacional, foi o principal responsável pela grande popularização dos voos transatlânticos entre a década de 1970 e a década de 1980.

É a aeronave que mais cruza o Oceano Atlântico diariamente. Será substituído futuramente pelo 787.

O Boeing 767 foi projetado para receber entre 200 e 300 passageiros, e surgiu para atender uma exigência do mercado, que necessitava de uma aeronave intermediária entre o modelo 737 e o 747. Fez seu primeiro voo em 26 de setembro de 1981. Tratava-se de um 767-200, matriculado como N767BA e dotado de dois motores Pratt & Whitney modelo JT9D de 50 mil libras de empuxo cada.

O 767 também foi a primeira aeronave widebody projetada para que apenas dois pilotos pudessem comanda-la, não exigindo um terceiro tripulante, o engenheiro de voo.

Sua história teve início em 14 de julho de 1978 com a encomenda de 30 modelos pela United Airlines. Em 19 de agosto de 1982 o primeiro 767 foi entregue, porém, a aeronave só entrou em serviço em 8 de setembro de 1982, quando realizou a rota Chicago-Denver.

Em março de 1984 surgiu o 767-200ER, uma versão que tem um alcance superior, mesmo quando muito pesado, e um tanque central adicional para permitir voos ainda mais longos. A primeira companhia a operá-lo foi a Ethiopian Airlines.

Ainda durante o início da década de 1980, a Boeing fazia estudos para conceber uma versão um pouco maior do 767. O resultado foi o 767-300, que possui 6,4 metros a mais de comprimento que o modelo -200, teve seu projeto iniciado em 29 de setembro de 1983, quando a Japan Airlines encomendou a aeronave. O primeiro 767-300 foi entregue em 25 de setembro de 1986, e entrou em operação em 20 de outubro do mesmo ano.

Ainda no ano de 1986 a Boeing realizou o primeiro voo, da versão com alcance estendido, do modelo -300, o 767-300ER, que teve como primeira operadora a American Airlines, que recebeu a primeira aeronave em 19 de fevereiro de 1988. Anos mais tarde, surgiu a versão cargueira deste modelo, dando origem ao 767-300ERF, que teve como primeira operadora a UPS (United Parcel Service).

O 767 tornou-se uma das aeronaves mais populares para a realização de voos de travessia do Atlântico, e foi uma aeronave pioneira no uso de ETOPS (Extended Twin-Engine Operations), que é um certificado que as aeronaves bimotoras recebem para poder voar mais tempo sobre áreas aonde não existe uma alternativa próxima.

Quase 20 anos após o início do programa do 767, a Boeing lançou em 1997 o 767-400, que tem 6,4 metros a mais de comprimento que o modelo -300, e 12,8 metros a mais que o modelo -200. Devido ao novo tamanho da fuselagem, o trem de pouso do 767-400 teve sua altura aumentada em 46 centímetros. Também foram feitas mudanças nos pneus, rodas e freios, que neste modelo, são compatíveis com o Boeing 777. Mudanças no cockpit e na cabine de passageiros também foram feitas, seguindo o estilo do 777. O 767-400 entrou em serviço em 14 de setembro de 2000, com as cores da companhia americana Continental Airlines.

O 767, um dos aviões mais populares da Boeing, encontra-se ainda em produção. As versões atualmente fabricadas são o 767-200ER, 767-300ER, 767-300ERF e 767-400ER.

Variantes[editar | editar código-fonte]

O 767 foi produzido em três comprimentos de fuselagem.[2] Estes foram apresentados progressivamente, como 767-200, 767-300, e 767-400ER, respectivamente.[2] [3] Versões de maior alcance incluem o 767-200ER e o 767-300ER,[3] enquanto modelos cargueiros incluem o 767-300F, um cargueiro de produção,[4] e conversões de versões de passageiros do 767-200 e do 767-300.[5]

Quando referindo às variantes, a Boeing e as empresas aéreas normalmente fundem o número do modelo (767) e o designador de variante (ex. –200 ou –300) em uma forma única (ex. "762" ou "763"[6] ). O sistema de designação de aeronaves da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) utiliza um modelo parecido de numeração, mas adiciona uma letra do fabricante;[7] todas as variantes baseadas no 767-200 e 767-300 são classificados pelos códigos "B762" e "B763", respectivamente, enquanto o 767-400ER recebe a designação de "B764."[7]

767-200[editar | editar código-fonte]

TWA inicia as operações dos primeiros voos ETOPS com o 767-200 em maio de 1985.

O primeiro modelo do 767, foi lançado em 1978 e entrou em serviço em 1982 com a United Airlines. Este modelo é usado principalmente em rotas continentais como Nova York-Los Angeles. O 767-200 geralmente é encontrado na configuração de 181 passageiros divididos em três classes ou 224 divididos em duas classes. Todos os modelos da série -200 tem capacidade de carregar 225 devido as limitadas saídas de emergência. Uma saída de emergência adicional possibilita a acomodação de até 290 passageiros na configuração 2+4+2.

767-200ER[editar | editar código-fonte]

767-200ER da Avianca.

A variante 767-200ER(Extended Range), teve como o primeiro cliente a El Al em 1984. Tornou-se o primeiro 767 a completar um voo transatlântico, e quebrou o recorde de maior distancia voada sem conexões de um bijato. Embora o 767-200ER não tenha aeronave substituta, espera-se que o Boeing 787-8 seja o provável substituto.Atualmente o 767-200ER é operado no Brasil pela Continental Airlines ligando as cidades de New York a São Paulo e de Houston a São Paulo e pela US Airways ligando o Rio de Janeiro a Charlotte.

Em dezembro de 2006, um total de 249 Boeing 767-200/-200ER foram entregues.

No Brasil o Boeing 767-200ER tem presença na Frota da Gol Transportes Aéreos,contando com 1 Boeing de prefixo PR-VAC que está nas cores da Varig, e já foi operado também pela BRA e Transbrasil.

Companhia Quantidade
Gol Transportes Aéreos 1
TOTAL 1

767-200BDSF[editar | editar código-fonte]

Modelo convertido do 767-200 pela IAI, com certificação pelas principais autoridades de aviação civil do mundo, como a FAA, EASA e ANAC, no Brasil. Seu Peso Máximo de Decolagem é aumentado para 159.210 kg (351.000 lb), maximizando desta forma a utilização do avião na função cargueiro.[8]

Atualmente no Brasil, apenas a RIO Linhas Aéreas opera com uma aeronave deste modelo.

Companhia Quantidade
RIO Linhas Aéreas 1
TOTAL 1

767-300[editar | editar código-fonte]

O 767-300 é uma variante alongada do -200 encomendada pela Japan Airlines em 1983. O primeiro voo foi em 14 de janeiro de 1986, e entregue a JAL em setembro.

767-300ER[editar | editar código-fonte]

767-300ER da Condor Airlines.

O 767-300ER (Extended Range) é a versão de alcance estendido da versão -300. Voou pela primeira vez em 1986 e recebeu os primeiros pedidos quando a American Airlines encomendou muitas unidades em 1987. A aeronave entrou em serviço na AA em 1988. Em 1995, a EVA Air usou um 767-300ER para inaugurar a primeira rota transpacífica com um 767. No Brasil a TAM, conta com 3 modelos que estão em operação, prefixos PT-MSQ, PT-MSR, PT-MSU. Já a Gol Transportes Aéreos conta com 4 Boeings 767-300ER com os prefixos PR-VAB,PR-VAN,PR-VAO,PR-VAF.

Já foi operado também pela Varig, Transbrasil, Oceanair e pela BRA.

Operador Brasileiro

O B767-300 no Brasil é utilizado pela TAM e pela ABSA.[9]

Companhia Quantidade
TAM 6
ABSA Cargo Airline 3
TOTAL 9

767-300F[editar | editar código-fonte]

O 767-300F (Freighter) é a versão cargueira do 767-300ER, com a primeira encomenda feita pela United Parcel Service em 1993 e entregue em 1995. Este modelo tem três portas no principal deck mais 2 no deck traseiro. Das três portas da frente, duas são na frente, e uma é ao lado direito. As duas portas traseira compreendem sobre uma a frente da outra em cada lado da aeronave.Hoje em dia a companhia aérea Absa opera três modelos do 767-300F matrículados como PR-ABB , PR-ABD e PR-ACG.

767-400ER[editar | editar código-fonte]

767-400ER da Delta Airlines.

A ultima versão estendida do 767, foi lançada em 1997 com pedidos da Delta Airlines e Continental Airlines para substituir os velhos Lockheed L-1011 e McDonnell Douglas DC-10 das frotas. Pedidos também foram feitos pela Kenya Airways e a ILFC, porém foram cancelados. A Kenya Airways e a ILFC preferiram converter os pedidos para Boeings 777. O -400ER (Extended Range) foi alongado em 6,5 m do -300. A envergadura também aumentou em cerca de 4,3 m diante dos outros 767, e também asas mais aerodinamicas foram adicionadas ao conjunto para melhor performance e economia de combustível. É o modelo de menor alcance, embora seja o maior de todos. No Brasil, é representado pelas companhias estadunidenses Unite e Delta Air Lines. São usados nas rotas Houston-Rio de Janeiro (United) e Atlanta-São Paulo (Delta).

Outros Modelos[editar | editar código-fonte]

  • E-767
  • KC-767 Tanker Transport
  • E-10 MC2A

Especificações[editar | editar código-fonte]

767-200 767-200ER 767-200BDSF 767-300 767-300ER 767-300F 767-400ER
Cockpit crew Two
Capacidade
181 (3 classes)
224 (2 classes)
255; opcional 290 (1 classe)
N/A 218 (3 classes)
269 (2 classes)
350 (1 classe)
N/A 245 (3 classes)
304 (2 classes)
375 (1 classe)
Capacidade de Carga 2,875 ft³ (81.4 m³)
22 LD2s
3,770 ft³ (106.8 m³)
30 LD2s
15,469 ft³ (438 m³)
30 LD2s + 24 pallets
4,580 ft³ (129.6 m³)
38 LD2s
Comprimento 159 ft 2 in
(48.5 m)
180 ft 3 in
(54.9 m)
201 ft 4 in
(61.4 m)
Envergadura 156 ft 1 in
(47.6 m)
170 ft 4 in
(51.9 m)
Área da asa 3,050 ft² (283.3 m²) 3,130 ft ² (290.7 m²)
Altura da Fuselagem 17 ft 9 in (5.41 m)
Largura da Fuselagem 16 ft 6 in (5.03 m)
Largura da Cabine
(interior)
15 ft 6 in (4.72 m)
Capacidade Máxima
de Combustível
63.216 Litros 91.228 Litros 67.045 Litros 63.216 Litros 91.228 Litros
Peso Básico Operacional 176.650 lb
(80.130 kg)
181.610 lb
(82.380 kg)
166.013 lb
(75.302 kg)
189.750 lb
(86.070 kg)
198.440 lb
(90.010 kg)
190.000 lb
(86.180 kg)
229.000 lb
(103.870 kg)
Peso Máximo de Decolagem (MTOW) 315.000 lb
(142.880 kg)
395.000 lb
(179.170 kg)
351.000 lb
(159.210 kg)
350.000 lb
(158.760 kg)
412.000 lb
(186.880 kg)
412.000 lb
(186.880 kg)
450.000 lb
(204.120 kg)
Alcance Máximo no MTOW 3.850 nm
(7.300 km)
transatlântico
6.385 nm
(11.825 km)
transpacífico
4.260 nm
(7.900 km)
transatlântico
5.990 nm
(11.065 km)
transpacífico
3.255 nm
(6.032 km)
transcontinental
5.625 nm
(10.415 km)
transpacífico
Velocidade de Cruzeiro Mach 0.80 (470 knots, 530 mph, 851 km/h at 35,000 pé (10 668 m) cruise altitude)
Velocidade Máxima de Cruzeiro Mach 0.86 (493 knots, 567 mph, 913 km/h at 35,000 pé (10 668 m) cruise altitude)
Distância de Decolagem no MTOW (nível do mar, Atmosfera padrão) 5,800 ft (1,768 m) 9,000 ft (2,743 m) 7,900 ft (2,410 m) 8,300 ft (2,530 m) 8,600 ft (2,621 m) 10,200 ft (3,109 m)
Motorização (x2) P&W JT9D-7R4
P&W PW4000-94
GE CF6-80A
GE CF6-80C2
P&W PW4000-94
GE CF6-80C2
GE CF6-80A P&W JT9D-7R4
P&W PW4000-94
GE CF6-80A
GE CF6-80C2
P&W PW4000-94
GE CF6-80C2
RR RB211-524H
P&W PW4000-94
GE CF6-80C2
Potência (x2) GE: 50,000 lbf (222 kN) PW: 63,300 lb (282 kN)
GE: 62,100 lbf (276 kN)
GE: 50,000 lbf (222 kN) PW: 50,000 lbf (220 kN) PW: 63,300 lbf (282 kN)
GE: 62,100 lbf (276 kN)
RR: 59,500 lbf (265 kN)
PW: 63,300 lbf (282 kN)
GE: 63,500 lbf (282 kN)

Fontes: Boeing 767 airport planning report,[2] Boeing 767 specifications[10] [11] [12] [13] [14] e outras fontes[15]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O 767 foi o primeiro jato widebody a ser alongado duas vezes. O 767-300 é 6,43 m mais longo do que o original 767-200; e o novo 767-400ER é 6,4 m mais longo do que o 767-300.
  • O primeiro 767 entrou em serviço em 8 de setembro de 1982, desde então o 767 voou mais de 7,5 milhões de vezes e transportou mais de dois bilhões de passageiros.
  • O deslocamento de ar produzido por uma turbina do 767-400ER na decolagem pode inflar o dirigível da Goodyear em sete segundos.
  • O 767-400ER gasta aproximadamente 227 litros de combustível por passageiro para ir de Nova Iorque até Londres. O mesmo volume de gasolina serviria para abastecer um carro economico aproximadamente a metade dessa distância.
  • O 767 é o avião favorito nas rotas Atlânticas; ele voa sobre o Atlântico mais frequentemente do que todas as outras aeronaves juntas.
  • O painel de instrumentos do 767-400ER tem 82% menos partes do que os outros 767s. Por usar partes pré-moldadas, a contagem de partes diminuiu de 296 para 53. As horas de produção do painel de instrumentos caíram de 180 para 20 horas.
  • Se as turbinas GE CF6-80C2B8F fossem instaladas num automóvel típico, usando a potência de decolagem, o carro aceleraria de zero a 100 km/h) em menos de meio segundo.
  • Existem 3,1 milhões de partes em um 767, supridas por mais de 800 produtores.
  • O 767 é capaz de sustentar altitude cruzeiro de até 43 000 pés (13 106 m)
  • O 767-300ER e 767-400ER podem carregar 110 mil litros de combustível - suficiente para encher 1,2 mil minivans. Leva apenas 28 minutos para abastecer a aeronave.
  • O nível de ruído de um 767 decolando de uma pista de 2,4 mil metros de comprimento é quase o mesmo de uma esquina movimentada na hora do rush.
  • Existem 145 km de fiação elétrica em um 767-200ER, 188 km em um 767-300ER e 201 km em um 767-400ER.
  • O Boeing 767 foi a arma letal que fez a história do maior ataque terrorista de todos os tempos, atingindo ambas as torres do World Trade Center em 11 de setembro de 2001.

Referências

  1. a b c d Boeing Commercial Airplanes Jet Prices. Boeing. Página visitada em August 8, 2012.
  2. a b c 767 Airplane Characteristics for Airport Planning pp. 4–5, 9–14, 23, 28, 32, 35, 37. Boeing (Junho de 2010). Página visitada em July 29, 2011.
  3. a b Eden 2008, pp. 104–05.
  4. Kane 2003, p. 555.
  5. Federal Aviation Administration Type Certificate Data Sheet A1NM pp. 6–8. Federal Aviation Administration (March 4, 2011). Página visitada em December 26, 2011.
  6. Our Planes. American Airlines (2011). Página visitada em August 28, 2011.
  7. a b ICAO Document 8643. International Civil Aviation Organization. Página visitada em December 10, 2011.
  8. IAI Cargo Conversions. IAI. Página visitada em 22 de Outubro de 2012.
  9. Terra. Aeronaves - Boeing B767-300 (HTML) (em português). Página visitada em 7 de Maio de 2010.
  10. 767-200ER Technical Characteristics. Boeing (2011). Página visitada em July 31, 2011.
  11. 767-300ER Technical Characteristics. Boeing (2011). Página visitada em July 31, 2011.
  12. 767-300F Technical Characteristics. Boeing (2011). Página visitada em August 28, 2011.
  13. 767-400ER Technical Characteristics. Boeing (2011). Página visitada em July 31, 2011.
  14. 767 Family: Technical Information. Boeing. Página visitada em February 1, 2011.
  15. Haenggi 2003, pp. 43–44.
Commons
O Commons possui multimídias sobre Boeing 767