Japan Airlines

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Japan Airlines logo.svg
Japan Airlines
IATA
JL
ICAO
JAL
Indicativo de chamada
Japanair
Fundada em 1951 (como Japan Air Lines)
Principais centros
de operações
Aeroporto Internacional de Narita
Aeroporto de Haneda
Aeroporto Internacional de Kansai
Aeroporto de Itami
Outros centros
de operações
Aeroporto Internacional Chubu Centrair
Programa de milhagem JAL Mileage Bank
Serviço VIP SAKURA Lounge
Aliança comercial
Frota 280 aeronaves
Destinos 125 localidades
Companhia
administradora
Japan Airlines Corp.
Sede Tóquio, Japão
Pessoas importantes Presidente e CEO: Haruka Nishimatsu
Sítio oficial www.jal.com

Japan Airlines (Japonês: 日本航空 Nihon Kōkū, ou JAL) é a maior companhia aérea da Ásia. A Japan Airlines Corporation (Japonês: 株式会社日本航空) controla duas companhias sob a marca JAL:

A JAL também é dona de outras oito empresas: Harlequin Air, Hokkaido Air System, JAL Express, JALways, J-Air, Japan Air Commuter, Japan Asia Airways e Japan Transocean Air.

Entre outras características, a JAL tem a maior frota de Boeing 747 do mundo, tendo aproximadamente 76 destes aviões em março de 2005, e é a única empresa da Ásia a voar para a Cidade do México. Em Janeiro de 2010, após perdas que chegaram a 131 mil milhões de ienes (aproximadamente mil milhões de euros / 2,5 bilhões de reais) a companhia declara falência[1] .

História[editar | editar código-fonte]

Era regulamentada[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

A black-and-white photograph of a Martin 2-0-2 aircraft with six cabin crew standing in front of the aircraft
Japan Airlines Martin 2-0-2 Mokusei (もく星?) on 25 October 1951
A black-and-white photograph of a JAL Douglas DC-6
A Japan Airlines Douglas DC-6A (named City of Nara) at San Francisco International Airport in March 1954

A Japan Air Lines foi fundada em 1º de agosto de 1951, através do reconhecimento pelo Governo do Japão da necessidade de um sistema de transporte aéreo confiável para ajudar o Japão a crescer após o encerramento da Segunda Guerra Mundial. A companhia aérea foi fundada com um capital inicial de 100 milhões de ienes, sendo que sua sede localizava-se em Ginza, Tóquio. Entre 27 e 29 de agosto, a empresa operou vôos restritos em um Douglas DC-3 Kinsei, arrendado da Philippine Airlines. Em 25 de outubro, o primeiro serviço aéreo doméstico do pós-guerra foi inaugurado, usando uma aeronave Martin 2-0-2, apelidada de Mokusei, e uma tripulação emprestada da Northwest Airlines.

Em 1º de agosto de 1953, a Dieta do Japão aprovou o Ato da Japan Air Lines Company (日本航空株式会社法, Nihon Kōkū Kabushiki-gaisha Hō?), formando uma nova empresa áerea estatal em 1º de outubro, que assumiu todos os ativos e passivos de seu antecessor privado.[2] [3] [4] [5] Em 1953, a rede da JAL se extendia do norte de Tóquio até Sapporo e Misawa, e a oeste para Nagóia, Osaka, Iwakuni e Fukuoka.[6]

Em 2 de fevereiro de 1954, a empresa começou a realizar voos internacionais, carregando 19 passageiros de Tóquio a San Francisco em um Douglas DC-6b City of Tokyo via Wake Island e Honolulu.[2] [5] [7] [8] Os voos entre Tóquio e San Francisco ainda são os Voos 1 e 2, para comemorar seu primeiro serviço internacional.[9] Os primeiros voos foram operados com tripulação americana e atendidos pela United Airlines em San Francisco.[10]

A companhia aérea, além do Douglas DC-3, Douglas DC-6B e Martin 2-0-2s, operou com Douglas DC-4 e Douglas DC-7C durante a década de 1950.[2] A JAL voou para Jong Kong via Okinawa em 1955, tendo sua rede doméstica limitada a Tóquio, Osaka, Fukuoka e Sapporo.[11] Em 1958, a rota para Jong Kong foi estendida para Bangkok e Cingapura.[12] Com o DC-7C, a JAL foi capaz de voar sem escalas entre Seattle e Tóquio em 1959.[13]

Era dos jatos[editar | editar código-fonte]
Uma fotografia em preto e branco de uma aeronave Douglas DC-8 na pista
Primeiro jato da JAL, o Douglas DC-8, em 1960
Um Tupolev Tu-114 da JAL, usado entre Japão e Moscou

Em 1960, a companhia aérea recebeu seu primeiro jato, um Douglas DC-8 chamado de Fuji, introduzindo o serviço a jato na rota Tóquio-Honolulu-San Francisco. A JAL passou a operar uma frota de 51 DC-8s, aposentando o último do tipo em 1987. O Fuji voou até 1974 e foi então usado como uma plataforma de treinamento de manutenção até 1989. A sua parte dianteira foi armazenada no Aeroporto de Haneda e posteriormente colocada em exposição pública no JAL Sky Museum em março de 2014.[14]

A JAL também começou a voar para Seattle e Hong Kong em 1960. No final de 1961, a JAL tinha voos transpolares de Tóquio para Seattle, Copenhagen, Londres e paris, via Anchorage (Alasca) e para Los Angeles e San Francisco via Honolulu, Havaí.[15]

Durante a década de 1960, a JAL voou para muitas novas cidades, incluindo Moscou, Nova Iorque e Pusan.[2] [16] [17] Os voos DC-8 para a Europa via Anchorage começaram em 1961. Os voos para a Europa via Índia começaram em 1962, inicialmente com aeronaves Convair 880.

Em 1965, a Japan Airlines tinha sua sede em um edifício em Tóquio, mais precisamente em Marunouchi, Chiyoda, Tóquio.[18] Nesta época, mais da metade da receita da JAL era gerada por rotas transpacíficas para os Estados Unidos e a companhia aérea estava pressionando os Estados Unidos pelos diretos de quinta liberdade para voar por rotas transatlânticas pela costa leste.[19] A rota transpacífica foi estendida para o leste de San Francisco para Nova Iorque em novembro de 1966 e para Londres em 1967. Os voos entre San Francisco e Londres foram encerrados em dezembro de 1972.

Entre 1967 e 1969, a JAL tinha um acordo com a Aeroflot para operar conjuntamente entre Tóquio e Moscou usando um Tupolev Tu-114 soviético. A tripulação do voo incluía um membro JAL e a tripulação de cabine tinha cinco membros cada da Aeroflot e da JAL. Os voos semanais começaram em abril de 1967. Em maio, a duração programada era de 10 horas e 35 minutos de Moscou para Tóquio e de 11 horas e 25 minutos no retorno.

Em 1972, sobre o 45/47 system (45/47体制, yon'go-yonnana taisei?), a chamada "constituição da aviação" promulgada pelo governo japonês, foi concedido a JAL o status de transportadora aérea nacional para operar rotas internacionais. A empresa também foi designada para operar rotas principais domésticas em competição com a All Nippon Airways and Toa Domestic Airlines.[17]

A assinatura de um Acordo do Transporte Aéreo Civil entre a República Popular da China e o Japão em 20 de abril de 1974 causou a suspensão das rotas aéreas entre Taiwan e o Japão em 21 de abril. Uma nova subsidiária, a Japan Asia Airways, foi fundada em 8 de agosto de 1975 e os serviços aéreos entre os dois países foram restaurados em 15 de setembro. Durante a década de 1970, a empresa comprou o Boeing 727, Boeing 747 e o McDonnell Douglas DC-10 para suas rotas em desenvolvimento dentro do Japão e para outros países.[16] [20]

O Primeiro Ministro Noboru Takeshita e outras onze pessoas desembarcam de um DC-10 da Japan Airlines marcado com uma aeronave oficial para a Expo 90 de Osaka, Japão
Ex-Primeiro Ministro Noboru Takeshita desembarca de um McDonnell Douglas DC-10 da JAL em uma visita de estado para os Estados Unidos em 1989

Na década de 1980, a companhia aérea realizou voos especiais para o Príncipe Herdeiro Akihito e a Princesa herdeira Michiko do Japão, o Papa João Paulo II e para primeiros ministros japoneses, até a introdução de aeronaves exclusivas do governo, usando dois Boeing 747-400, operadas como Japanese Air Force One e Japanese Air Force Two. Durante a década, a empresa introduziu novos Boeing 747-100SR, Boeing 747-SUD e Boeing 767 para sua frota e aposentou os Boeings 727 e Douglas DC-8.[21]

Em 1978, a JAL iniciou voos para São Paulo e Rio de Janeiro via Anchorage e San Juan[22] a escala foi mudada para Los Angeles em 1982 e para o Aeroporto Internacional John F. Kennedy, em Nova Iorque, em 1999.[23] Até 2009 a empresa operou voos entre Nova Iorque e São Paulo e entre Vancouver e Cidade do México.[24]

Era desregulamentada[editar | editar código-fonte]

O Japão começou a considerar a [[desregulação aérea no final da década de 1970, com o governo anunciando o abandono do sistema 45/47 em 1985.[25] Em 1987, a Japan Airlines foi completamente privatizada e as outras duas companhias aéreas no Japão, a All Nippon Airways (ANA) e a Japan Air System (JAS), receberam permissão para competir com a JAL em rotas domésticas e internacionais. A maior competição resultou em mudanças na estrutura corporativa da empresa e ela foi reorganizada em três divisões: serviço internacional de passageiros, serviço doméstico de passageiros e serviço de carga (incluindo cartas).[17] [21]

A Japan Airlines começou a década de 1990 com voos para evacuar cidadãos japoneses do Iraque antes do início da Guerra do Golfo. Em outubro de 1990, a Japan Air Charter foi fundada[21] e em setembro de 1996 um acordo com a The Walt Disney Company foi anunciado, transformando a JAL na companhia aérea oficial da Tokyo Disneyland. A JAL Express foi fundada em abril de 1997, com aeronaves Boeing 737.[26] Na década de 1990, a empresa encontrou mais dificuldades econômicas decorrentes de recessões nos Estados Unidos e Reino Unido, além de uma crise interna. Os anos sucessivos de lucro desde 1986 deram lugar a prejuízos operacionais em 1992. O corte de custos, incluindo a formação da subsidiária doméstica de baixo custo JAL Express e a transferência de operações turísticas para a JALways (a sucessora da Japan Air Charter), ajudaram a companhia aérea a recuperar a lucratividade em 1999.[17]

Em 1997, a empresa levou o Primeiro Ministro japonês Ryutaro Hashimoto para o Peru para negociar na crise de reféns da embaixada japonesa. A Japan Airlines fez pedidos de aeronaves Boeing 777 durante os anos 1990, permitindo uma renovação da frota.[27]

Fusão da JAS[editar | editar código-fonte]

Um Airbus A300-600R no ar durante a decolagem
Um Airbus A300-600R da Japan Air System (JAS) com o logotipo da JAL na fuselagem

Em 2001, a Japan Air System e a Japan Airlines entraram em um acordo de fusão, e em 2 de outubro de 2002 eles iniciaram uma nova companhia chamada de Japan Airlines System (日本航空システム, Nihon Kōkū Shisutemu?), formando um novo núcleo para o Grupo JAL. Os designs das aeronaves foram mudados para combinar com o design do novo Grupo JAL. Na época, o novo grupo de linhas aéreas era a sexta maior do mundo por número de passageiros transportados.[28]

Em 1º de abril de 2004, a JAL trocou seu nome para Japan Airlines International e a JAS trocou seu nome para Japan Airlines Domestic. Os códigos de voo da JAS foram trocados para códigos de voo da JAL, balcões de check-in da JAS foram redesenhados com as texturas da JAL e as aeronaves da JAS foram gradualmente sendo repintadas. Em 26 de junho de 2004, a empresa mãe Japan Airlines System foi renomeada para Japan Airlines Corporation.[29] [30]

Seguindo a fusão, duas empresas operaram sobre a marca JAL: Japan Airlines International (日本航空インターナショナル, Nihon Kōkū Intānashonaru?) e Japan Airlines Domestic (日本航空ジャパン, Nihon Kōkū Japan?). A Japan Airlines Domestic teve responsabilidade primária pela grande rede de voos intra-Japão, enquanto a JAL International operava tanto voos domésticos principais e internacionais. Em 1º de outubro de 2006, a Japan Airlines International e a Japan Airlines Domestic fundiram-se em uma única marca, a Japan Airlines International.[29] [31]

A companhia aérea pediu admissão à Oneworld em 25 de outubro de 2005. A Japan Airlines alegou que associação à Oneworld seria de melhor interesse aos planos da empresa para desenvolver ainda mais o grupo aéreo e seu forte compromisso de fornecer o melhor serviço para seus clientes.[32] A Japan Airlines, juntamente com a Malév e a Royal Jordanian, juntaram-se à aliança em 1º de abril de 2007.[33]

Em 1º de abril de 2008, a JAL fundiu as operações de sua subsidiária Japan Asia Airways (JAA) às operações principais da JAL. A JAA havia operado todos os voos do grupo JAL entre Japão e Taiwan entre 1975 e 2008 como um entidade separada devido à situação política de Taiwan.[34]

Reestruturação[editar | editar código-fonte]

Uma aeronave Boeing 737 na pista
Uma aeronave JAL Boeing 737–800
Um McDonnell Douglas MD-11 da Japan Airlines

Em 2009, a Japan Airlines sofreu grandes prejuízos financeiros, apesar de se manter como a companhia aérea da Ásia de maior receita.[35] Como um resultado, a empresa iniciou cortes de empregados e de rotas em um esforço para reduzir custos.[35] [36] A JAL também recebeu uma linha de crédito de ¥100 bilhões do governo japonês naquele ano.[35] Em setembro de 2009, o Ministério das Terras, Infraestrutura, Transporte e Turismo formou uma força-tarefa com o objetivo de auxiliar na recuperação da empresa, que incluía vários cortes de custos e proposta de parcerias estratégicas.[37]

Uma proposta considerada foi a de fundir a JAL com a ANA, que criaria uma companhia aérea internacional maior e substituiria a Japan Airlines International. No entanto, relatos da imprensa sugeriram que esta proposta seria recusada pela ANA, visto sua situação financeira relativamente melhor como uma transportadora independente. [37] A força-tarefa também examinou parcerias possíveis com transportadoras estrangeiras.[37]

Após semanas de especulação, a JAL pediu à Justiça proteção sobre a Lei de Reabilitação Corporativa em 19 de janeiro de 2010. A JAL esperava receber uma injeção de dinheiro de ¥300 bilhões, tendo dívidas perdoadas no valor de ¥730 bilhões, em torça de ter seu capital cortado a zero, cortar rotas não lucrativas e reduzir sua força de trabalho para 15.700 empregados – um terço de seu total de 47.000.[38] Os principais credores da JAL (Mizuho Corporate Bank, Bank of Tokyo Mitsubishi e Sumitomo Mitsui Banking Corporation) a princípio foram contra à declaração de falência, mas mudaram de ideia após a Enterprise Turnaround Initiative Corporation of Japan recomendar proteção pela justiça, de acordo com um oficial de um dos bancos. [39] [40] As ações da JAL foram retiradas da Bolsa de Valores de Tóquio em 20 de fevereiro de 2010.[41] [42]

Kazuo Inamori, fundador da Kyocera e KDDI, assumiu como CEO da JAL. O Ministro dos Transportes Seiji Maehara pessoalmente visitou a sede da Kyocera no final de 2009 a fim de persuadir Inamori a aceitar o cargo. O líder da força-tarefa, Shinjiro Takagi, acreditava que era necessário indicar um empreendedor de sucesso para CEO, com o objetivo de consertar os vários problemas da JAL.[43] O presidente da Japan Air Commuter, Nasaru Onishi, foi promovido a presidente da JAL.[44]

Em maio, a JAL começou a observar um aumento em seu número de passageiros de 1,1% ao ano.[45] Em agosto, reportou-se que a JAL cortaria 19.133 vagas de sua força de trabalho de 47.000 ao final de março de 2015 – concomitante ao aumento de capacidade – em uma tentativa de tornar o negócio viável.[46]

Frota[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a frota da companhia é composta por 211 aeronaves:

Frota
Aeronave Total (Pedidos) Passageiros
(Primeira/Executiva/Econômica/)
Rotas Notas
Airbus A300-600R 18
(4 alugadas no sistema de leasing)
290 (-/34/256) Rotas domésticas Aviões Ex-JAS(Japan Air System)
Todos serão

substituidos por Boeing 787-3

Boeing 737-400 8
(8 alugadas no sistema de leasing)
150 (somente classe econômica) Rotas domésticas Rotas da JAL Express e JTA(Japan Transocean Air)
Boeing 737-800 5
(28 pedidos)
Doméstico
165 (-/20/145)
Internacional
144 (-/12/132)
Rotas domésticas e internacionais(China) Todas 5 aeronaves são alugadas no sistema de leasing
Boeing 747-400 38 L04
303 (11/91/201)
L02
323 (11/77/235)
K13
382 (12/69/301)
K61
447 (-/55/392)
C72
412 (-/74/338)
R41 Rotas Domésticas
546 (-/80/466)
Rotas domésticas e internacionais
Boeing 747-400F 8 Rotas domésticas e internacionais Aviões cargueiros
Boeing 747-300 11 S05
431 (-/41/390)
S23
452 (-/50/402)
Rotas domésticas e internacionais Aeronaves JAL e JALways
Boeing 747-200F 6 Rotas domésticas e internacionais Aviões cargueiros
Boeing 767-200 3 A14
207 (-/16/191)
Rotas internacionais(China)
Boeing 767-300 23 Doméstico A23
261 (-/42/219)
Internacional A33
232 (-/30/202)
Rotas domésticas e internacionais
Boeing 767-300ER 17
(5 pedidos)
237 (-/30/207) Rotas internacionais Todas aeronaves são alugadas no sistema de leasing. Vôos para o Sudeste Asiático
Boeing 767-300F 3 Rotas domésticas e internacionais Aviões cargueiros
Boeing 777-200 8 3 classes (W14)
375 (14/82/279)
2 classes (W13)
397 (-/88/309)
Aeronave Ex-JAS (7J2/W91)
380 (-/50/330)
Rotas domésticas
Boeing 777-200ER 11 W32
302 (-/63/239)
W50
268 (-/56/212)
Rotas internacionais Todas aeronaves são alugadas no sistema de leasing
Boeing 777-300 7 Two-class (W23)
500 (-/78/422)
Rotas domésticas Todas aeronaves são alugadas no sistema de leasing
Boeing 777-300ER 9
(7 pedidos)
4 classes (W73)
272 (9/63/44/156)
3 classes (W72)
292 (9/63/220)
Rotas internacionais Primeiro cliente a receber o B777-300ER
4 classes(Primeira/Executiva/Econômica Premiada/Econômica)
no momento(Fevereiro 2008) disponíveis nos vôos para Londres e Frankfurt
Boeing 787-3 (13 pedidos) Esperando a entrega
Boeing 787-8 (22 pedidos) mais 20 opções de compra(B787-3 + B787-8)
McDonnell Douglas MD-81 12
(6 alugadas pelo sistema de leasing)
163 (somente classe econômica) Rotas domésticas
McDonnell Douglas MD-87 8 134 (somente classe econômica) Rotas domésticas Aeronaves Ex-JAS(Japan Air System)
McDonnell Douglas MD-90-30 16 150 (-/18/132) Rotas domésticas
Embraer 170 (10 pedidos)
(5 opções de compra)
máximo 78 passageiros (somente classe econômica) Rotas domésticas Aeronaves para subsidiária J-AIR
Total de aeronaves 211
Posição de Agosto de 2007

Nas rotas domésticas a classe executiva é chamada de "Class J".

A idade média da frota da JAL é de 15.1 anos em Abril de 2009.

Galeria de Fotos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Economico.sapo.pt Japan Airlines declara falência
  2. a b c d History of JAL 1951–1960 Japan Airlines. Página visitada em 2009-09-06.
  3. "Rising Sun and Air" (PDF), Flight, Reed Business Information, 1952-04-04, pp. 420–421. Página visitada em 2009-09-07.
  4. "News from Japan" (PDF), Flight, Reed Business Information, 1953-03-13, p. 341. Página visitada em 2009-09-07.
  5. a b "Japanese Plans Announced" (PDF), Flight, Reed Business Information, 1953-07-31, p. 151. Página visitada em 2009-09-07.
  6. 1953 timetable scan
  7. "Brevities" (PDF), Flight, Reed Business Information, 1954-02-19, p. 221. Página visitada em 2009-09-06.
  8. "JAL celebrates 50 years of international flights", 2004-02-02. Página visitada em 2009-09-06.
  9. Japan Airlines. Schedule September 1, 2009 October 24, 2009 North America, Latin America, America,Canada, Mexico and Brazil(PDF). Press release. Página visitada em 2009-09-03.
  10. 1954 promotional materials
  11. 1955 timetable
  12. 1958 timetable
  13. 1959 timetable
  14. "国内初のジェット機展示へ 日航「富士号」、羽田の見学施設に", 28 de março de 2014. Página visitada em 31 de março de 2014.
  15. Scan tabela de horários - dezembro de 1961
  16. a b História da JAL 1961-1970 Japan Airlines. Página visitada em 06/09/2009.
  17. a b c d Japan Airlines fundinguniverse.com. Página visitada em 06/09/2009.
  18. "Pesquisa de companhias aéreas" (PDF), Flight International, Reed Business Information, 15/04/1965, pp. 586–587. Página visitada em 07/09/2009. "Head Office: Tokyo Bldg, 2-chome, Marunouchi, Chiyoda-ku, Tokyo, Japan"
  19. "Japan: Bitterness in the Air", Time, 03/09/1965. Página visitada em 06/09/2009.
  20. História da JAL 1971–1980 Japan Airlines. Página visitada em 06/09/2009.
  21. a b c História da JAL 1981–1990 Japan Airlines. Página visitada em 06/09/2009.
  22. A rota inicial era NRT-ANC-JFK-SJU-VCP-GIG; em 1981 tornou-se NRT-ANC-MIA-VCP e em 1982 NRT-LAX-MIA-VCP. A JAL deixou o Brasil por alguns por volta de 1990.
  23. Bem Vindo: A JAL vai inaugurar voos Nova Iorque-São Paulo Business Wire. (20/09/1999). Página visitada em 25/01/2009. [ligação inativa]
  24. Japan Airlines Japan Airlines. Página visitada em 07/09/2009.
  25. Itens da grande desregulação que o Ministério das Terras, Infraestrutura e Transporte recentemente decidiu MLIT. Página visitada em 06/09/2009.
  26. História da JAL 1991–2000 Japan Airlines. Página visitada em 06/09/2009.
  27. Birtles, Philip. Boeing 777, Jetliner for a New Century. [S.l.]: Motorbooks International, 1998. 13–16 pp. ISBN 0-7603-0581-1
  28. Belson, Ken. "Japan Airlines and Japan Air System Take Merger Move", The New York Times, 2001-11-13. Página visitada em 06/09/2009.
  29. a b History of JAL 2004– Japan Airlines. Página visitada em 06/09/2009.
  30. Japan Airlines (07/01/2004). Japan Airlines and Japan Air System Integration Progress Sales and Service Plans from April 1st 2004. Press release. Página visitada em 06/09/2009.
  31. "JAL to merge domestic and international operations next year", Air Transport World, 06/10/2005. Página visitada em 06/09/2009.
  32. Japan Airlines (25/10/2005). JAL Decision to Seek oneworld Membership. Press release. Página visitada em 07/08/2009.
  33. Oneworld (01/04/2007). oneworld becomes ten of the world's biggest and best airlines as Japan Airlines, Malév and Royal Jordanian board. Press release. Página visitada em 07/08/2009.
  34. Japan Airlines (01/11/2007). Planned Integration of Japan Asia Airways with JAL International. Press release. Página visitada em 06/09/2009.
  35. a b c Negishi, Mayumi. "Reuters: JAL to cut more staff, overseas flights: reports", Reuters, 14/09/2009. Página visitada em 24/09/2009.
  36. "Japan Airlines mulls cutting 5000 jobs in three years", The Age, 25/08/2009. Página visitada em 03/01/2011.
  37. a b c "Japan Airline fate in hands of task force", Thomson Reuters, 01/10/2009. Página visitada em 10/06/2011.
  38. "JAL Bankruptcy Shakes Up Japan Inc.", The Wall Street Journal, 2010-01-20. Página visitada em 20/01/2010.
  39. "JBankruptcy, ¥700 billion in public funds eyed for JAL", The Japan Times, 08/01/2010. Página visitada em 10/01/2010.
  40. "JAL headed for court protection: report", CBC News, 18/01/2010. Página visitada em 31/12/2010.
  41. "JAL opens painful new chapter", Wall Street Journal, 20/01/2010. Página visitada em 20/01/2010. [ligação inativa]
  42. "TSE List of Delisted Companies", Tokyo Stock Exchange, 20/01/2010. Página visitada em 20/01/2010.
  43. "日航・稲盛氏、「大嫌い」からの出発", Nihon Keizai Shimbun, 19/02/2013. Página visitada em 20/02/2013.
  44. "Japan Airlines Promotes Masaru Onishi to President", Bloomberg, 27/01/2010. Página visitada em 01/02/2010.
  45. anna.aero. ANA and JAL both report massive load factor improvement on international services in 2010 anna.aero Airline News. Página visitada em 4 de agosto de 2010.
  46. Report: JAL to slash more than 19,000 jobs by March 2015 ATW Online (17/08/2010). Página visitada em 17/08/2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.