Gol Linhas Aéreas Inteligentes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Gol Transportes Aéreos)
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde abril de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Gol logo.png
IATA
G3
ICAO
GLO
Indicativo de chamada
GOL
Fundada em 15 de janeiro de 2001 (13 anos)
Hub
Focus cities
Programa de milhagem Smiles
Lounge Classe Comfort
Frota 132
Destinos 75 (65 domésticos e 10 internacionais)
Slogan Voe do seu jeito. Voe Gol
Holding VRG Linhas Aéreas S/A, 3% da Delta Airlines
Sede São Paulo, Brasil
Pessoa(s)
chave
Website www.voegol.com.br

A GOL Linhas Aéreas Inteligentes - opera comercialmente com o nome de VRG Linhas Aéreas S/A (2001 - presente), é uma companhia aérea brasileira, criada em 15 de janeiro de 2001 na cidade de São Paulo.É a segunda maior companhia área do Brasil e uma das maiores da América Latina.

A companhia é presidida por Paulo Kakinoff[1] substituto do fundador Constantino de Oliveira Junior,[2] que assumiu a presidência do conselho administrativo. Constantino Júnior é herdeiro do Grupo Áurea, um dos maiores grupos de transporte de passageiros do Brasil, fundado por seu pai, Nenê Constantino.

O conceito low-cost, adotado pela companhia em sua fundação e inspirado na pioneira Southwest Airlines, não é mais presente, pois possui preços equivalentes, ou até maiores à sua principal concorrente, a TAM Linhas Aéreas. Juntas, as duas companhias aéreas possuem mais de 80 % do mercado nacional, ao passo que a Gol possui menos de 15 % dos voos internacionais. Seu principal destino fora do país é Buenos Aires, tendo vários voos diários partindo de Florianópolis, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas via Curitiba.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Lado esquerdo de um Boeing 737-800 da Gol
Winglet de um Boeing 737-800 da Gol em voo.

2001[editar | editar código-fonte]

O primeiro voo da empresa aconteceu em 15 de janeiro de 2001. A Gol Linhas Aéreas fechou seu primeiro ano com prejuízo de R$ 5,4 milhões (maior parte dele devido à crise de credibilidade gerada após os Atentados de 11 de setembro), mas recuperou-se nos anos seguintes, obtendo um lucro líquido de R$ 3,98 milhões em 2002, e fechando 2003 com um lucro líquido de R$ 113 milhões. A chegada da Gol nesse ano, instalou um novo sistema no Brasil, o sistema low fare low cost, que permite uma operação a baixo custo. Essa operação acabou com a época de ouro da aviação brasileira. A Gol é apontada por muitos como uma das causas da falência da VARIG e VASP que ofereciam um excelente serviço ao contrário da novata Gol que cobrava mais barato por um serviço irreconhecível naquela época.

2004[editar | editar código-fonte]

Ao final de 2004, a empresa inicia seus voos internacionais entre São Paulo e Buenos Aires. Obtém lucro líquido de 317,480 milhões de reais. Faz grande encomenda de 101 aeronaves Boeing 737-800SFP à fabricante americana Boeing.

2005[editar | editar código-fonte]

Em 2005, iniciou novos voos com destino à cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra. Se tornou a única companhia aérea brasileira a voar para todas as capitais. Obteve lucro líquido de R$ 513,2 milhões.

2006[editar | editar código-fonte]

Em 2006, recebeu o primeiro da encomenda de 101 novos aviões SFP, o Boeing 737-800SFP de Prefixo PR-GTA chegou em Julho de 2006 e foi batizado de Time de Águias para homenagear o time da GOL e também começou a operar voos diários para Santiago, no Chile. Em 15 de setembro de 2006, a empresa inaugurou o seu centro de manutenção de aeronaves, localizado no terminal de cargas do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins), na região metropolitana de Belo Horizonte. O motivo desta inauguração foi que a empresa já possuía um razoável número de aeronaves e decidiu fazer a manutenção de seus aviões por conta própria.

2007[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a empresa iniciou voos para a cidade peruana de Lima. No Brasil a empresa passou a voar, em março, para Marabá (Pará). Em dezembro, a companhia iniciou voos para Presidente Prudente, no estado de São Paulo, considerada a "capital do Oeste Paulista".

No mesmo ano, a Gol alcançou 39,5 % de participação no mercado doméstico e 14,2 % de participação no mercado internacional de voos, sendo a segunda maior companhia aérea do Brasil. O quadro de funcionários da companhia beira a casa dos 13 mil colaboradores. O lucro líquido da Gol, durante o ano de 2007, foi de R$ 268,5 milhões. No primeiro trimestre de 2008, contudo, o lucro líquido teve queda de R$ 74 milhões.[3]

Compra da Marca Varig[editar | editar código-fonte]

Boeing 737-800 VRG Linhas Aéreas

Em 28 de março de 2007, a Gol comprou da VRG Linhas Aéreas, também conhecida como a "Nova Varig", por US$ 276 milhões com taxas, vencendo a disputa pela compra da companhia com a empresa chilena LAN.[4]

Foi anunciado o fim do serviço de primeira classe naquela empresa, bem como planos de incorporação de aeronaves à sua frota. O negócio foi fechado por U$ 320 milhões, sendo que o pagamento foi feito, em parte, com 10% do caixa da Gol (US$ 98 milhões), a entrega de 6,1 milhões de ações preferenciais emitidas, que representam 3 % do total de papéis da companhia e o compromisso da Gol de honrar R$ 100 milhões em debêntures (títulos de empresas), já emitidos pela VRG ("Nova Varig").

A Gol deixou sua antiga razão social, GOL Transportes Aéreos S.A., e tornou se junto com a Varig em uma só empresa, a VRG Linhas Aéreas, depois que o processo de fusão com a Varig deu-se como encerrado.

2008[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2008, a Gol iniciou suas operações para Cabo Frio, no estado do Rio de Janeiro.

Em 25 de março de 2008, a Gol suspendeu os voos para duas cidades do interior de São Paulo, São José do Rio Preto e Ribeirão Preto. A decisão foi tomada devido à redução de horários para pousos e decolagens no Aeroporto de Congonhas, de onde partiam quase todas as rotas extintas (o voo entre Cuiabá e Rio Preto foi igualmente suspenso). A empresa atribui ainda o fim das operações nas duas cidades, onde concorria com a TAM Linhas Aéreas, à suposta baixa demanda. Analistas atribuíram o enxugamento ao mau resultado da GOL no primeiro trimestre de 2008, com prejuízo de R$ 74,1 milhões, contra lucro de R$ 91,58 milhões obtido em igual período de 2007, mas, no ano de 2009, se recupera e obtém lucro líquido de R$ 890,2 milhões[3] [5]

Em 2008, a empresa teve um prejuízo de R$ 1,4 bilhão.[6]

2010[editar | editar código-fonte]

Uma falha na software para a escalação dos tripulantes da Gol foi responsável por 70 % dos atrasos em todos os voos domésticos no país em 2 de agosto de 2010. Dos 818 voos domésticos da companhia, 430 (52,6 %) atrasaram por falta de tripulação, causando um efeito cascata de atrasos. Em 4 de agosto de 2010, foi anunciado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) que a Gol receberia uma multa de R$ 2 milhões, equivalente aos atrasos e às mais de 1000 reclamações geradas pelos passageiros.[7] [8]

Em setembro de 2010 a NOAR Linhas Aéreas fechou uma parceria com a Gol. O acordo prevê a comercialização dos bilhetes da NOAR em todos os canais de venda da Gol.[9]

Em novembro de 2010 a Gol anuncia um acordo para a compra de até 30 Boeings 737-800, sendo 20 deles como pedidos firmes, que serão entregues entre 2014 e 2017. Com isso, a Gol aumenta o número de pedidos firmes para 104 aeronaves e fica com quarenta opções de compra. A entrega dessas aeronaves começará em 2014 e deve ir até 2017.

Em dezembro de 2010 a Gol fecha acordo comercial com a Passaredo Linhas Aéreas. Com o negócio, a Gol incorpora à sua malha as cidades paulistas de Marília, Ribeirão Preto, São José de Rio Preto, Barreiras, Vitória da Conquista, no estado da Bahia, além do município de Ji-Paraná, em Rondônia e Araguaína, em Tocantins. De acordo com a Gol, a Passaredo, que opera 103 voos em 20 destinos no Brasil, teve um crescimento de 130,89 % no ano passado.

2011[editar | editar código-fonte]

Boeing 737-800 nova aeronave da Gol com design Sky Interior

Janeiro de 2011: A Gol Linhas Aéreas e a Qatar Airways anunciaram 6 de Janeiro 2011 a assinatura de um acordo de code-share. O acordo permitirá à companhia aérea nacional do Catar a colocar seu código nos voos oferecidos pela Gol para 48 destinos brasileiros a partir de São Paulo. Em efeito, a Qatar Airways oferecerá novas opções de conexões aos seus clientes. Já para a Gol o acordo representa mais um canal de vendas, o que garantirá um aumento no fluxo de passageiros e consequentemente da ocupação dos seus voos.

As duas companhias também não descartam a possibilidade de assinarem um acordo de programa de milhagens, pelo qual participantes do Smiles, da Gol, e do Privilege Club, da Qatar Airways, poderiam acumular e resgatar milhas nos voos de ambas as empresas.

Março de 2011: A Gol pela primeira vez, passou a ser a líder no mercado doméstico. Segundo os dados da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), a Gol fechou o mês de Fevereiro uma participação de 39,77 % de market share doméstico enquanto sua concorrente direta, a TAM, ficou com 39,58%. Em Janeiro, a Gol obteve 37,27 % contra 43,35 % da TAM, o que significa um aumento de 2,5 % na participação da Gol, ante uma queda de 3,76 % da concorrente no mercado doméstico.

Julho de 2011: A Gol anuncia a aquisição da companhia aérea Webjet, por um valor de R$ 96 milhões.

Em 2011 a empresa foi obrigada a pagar R$ 5.450 por danos morais por conta de um bilhete que não existiu.[10]

Em 7 de dezembro de 2011 foi anunciado acordo com a Delta Air Lines para investimento de US$ 100 milhões no capital da Gol. A companhia aérea norte-americana Delta Airlines passará a ter entre 2,9 % e 3 % de participação acionária na empresa brasileira, informou o presidente da Gol Linhas Aéreas, Constantino Oliveira Junior.[11]

2012[editar | editar código-fonte]

Janeiro de 2012: O jornal Brasil Econômico[12] afirma que a Gol vai reativar a marca Varig para voos internacionais de longa distância para Estados Unidos e Europa. A companhia aérea pretende ficar com as aeronaves que a Gulf Air, do Bahrein, encomendou à Boeing, mas desistiu de comprar. São todas modelos Boeing 787 Dreamliner com capacidade para transportar até 380 passageiros, com a volta da marca Varig, a Gol faria frente a expansão da TAM no mercado internacional.

Em 24 de abril 2012, a Delta Airlines divulgou intenção de compra de mais 17% da Gol Linhas Aéreas ficando com a participação de 20% das ações da GOL, a participação no máximo da Delta Airlines é de 20%, limite do mercado brasileiro.

No dia 14 de junho de 2012 a Gol informou que deixará de voar para Santiago no Chile, com esse anúncio a rota ficará livre para as empresas da LATAM Airlines Group. Em breve a Azul ou a Avianca Brasil irá começar a rota.

Em julho de 2012[13] , a GOL fez voos charters exclusivos para Miami, com escalas em Manaus (ida) e Caracas (volta), para clientes Smiles, entre julho e agosto, com intuito de testar a expansão para a América do Norte. Com o sucesso, em outubro[14] , a GOL fez voos exclusivos, além de Miami, para Orlando (com escalas em Manaus (ida) e Caracas (volta)) e Nova York (escala em Punta Cana), entre outubro e fevereiro, também para clientes Smiles. Em 26 de outubro de 2012[15] , a empresa divulga voos regulares para Miami e Orlando, partindo de São Paulo e Rio de Janeiro, fazendo conexão em Santo Domingo, utilizando o Aeroporto Internacional de Las Américas como centro de conexões (hub) entre a América do Norte e a América do Sul. Há estudos de expandir para Las Vegas e Los Angeles, nos EUA, e Cancún, no México, utilizando o aeroporto dominicano[16] .

Resultados[editar | editar código-fonte]

Ano Lucro Líquido (R$ bilhões) Ativos (R$ bilhões) Ebitda Prask[17] (R$ centavos)
2012[18] [19] -1,512 15,17
2011[20] -0,751[21] 10,655 -1,000 13,89
2010 0,214 9,064 0,386
2009 0,891 8,720 0,756
2008 -1,237 6,735 -1,192
2007 0,268 5,765 0,012

Destinos[editar | editar código-fonte]

Veja

A Gol atualmente opera voos para todos os estados brasileiros,oferecendo uma politica agressiva de preços, que por vezes ameaça a liderança da principal concorrente TAM.

Internacionais Sul-Americano:[editar | editar código-fonte]

Buenos Aires, Córdoba, Rosário, Santiago, Montevidéu, Punta del Leste, Assunção, Caracas, Santa Cruz da Serra, Aruba, Punta Cana, Bridgetown, Cancún (Voo Fretado), Orlando, Miami e Santo Domingo.

A ampliar a rotas para: Lagos (Nigéria), Boston (EUA) e Havana (Cuba).

Acordos Codeshare[editar | editar código-fonte]

A Gol possui acordos codeshare com:

Acordos de Interline[editar | editar código-fonte]

A Gol possui acordos de interline com[22] :

Frota[editar | editar código-fonte]

Atualmente a Gol/Varig possui uma das frotas de 133 aeronaves.[23]

Frota da Gol/Varig
Aeronave Total Pedidos Passageiros Rotas Notas
Boeing 737-700 34 1 138

144

Rotas Domésticas de Curtas e Médias durações A companhia está a reformular a frota e todas aeronaves deste modelo contarão com 138 assentos com espaço mínimo de 30 polegadas e máximo de 34 polegadas (Assentos Gol+Conforto) que lhes confere Selo A da ANAC.
Boeing 737-800 111 59 174

180

189

Rotas Domésticas e Internacionais de Curtas, Médias e Longas durações A companhia está a reformular a frota e todas aeronaves deste modelo contarão com 177 assentos com espaço mínimo de 31 polegadas e máximo de 34 polegadas (Assentos Gol+Conforto) que lhes confere Selo A da ANAC.
Boeing 737-8MAX - 60 - Rotas Domésticas e Internacionais de Curtas, Médias e Longas durações
Frota aposentada da GOL Linhas Aéreas Inteligentes
Aeronave Total Anos de operação
Boeing 737-300 55 2004–2011
Boeing 767-200ER 1 2007-2011
Boeing 767-300ER 7 2007-2011

Gollog[editar | editar código-fonte]

A Gollog é um sub-setor da empresa aérea Gol Transportes Aéreos que se destina ao transporte de cargas. As mercadorias são transportadas pelas aeronaves da Gol e para todos os seus destinos operados.

A Gollog mantém sociedade com a empresa Tec Cargo para o transporte de cargas. A Gollog ampliou o seu foco quando resolveu explorar, de maneira compartilhada, os negócios com carga. Para tanto, formou sociedade com a empresa de logística, especializada na remessa TECA - TECA.

Atualmente, a empresa possui primorosa infra-estrutura em todos os aeroportos onde opera.

Acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

Voo 1907[editar | editar código-fonte]

Arte da colisão (CG) - Voo Gol 1907
Destroços do voo 1907

Em 29 de setembro de 2006, às 16:48 h, um Boeing 737-800 SFP (Short Field Performance) da companhia, prefixo PR-GTD, com 154[24] pessoas a bordo e 234 horas de voo, desapareceu do radar do Controle de Tráfego Aéreo enquanto cumpria a etapa Manaus (MAO) – Brasília (BSB) do voo GLO1907, cuja rota era Manaus (MAO) – Brasília (BSB) – Rio de Janeiro (GIG).

As primeiras informações, apuradas na noite do dia 29, indicavam queda decorrente do choque da aeronave com um Embraer Legacy que fazia seu voo de entrega a um cliente estadunidense. O Legacy avariado conseguiu fazer um pouso de emergência em um campo de provas da Força Aérea Brasileira localizado na Serra do Cachimbo, em Novo Progresso (Pará). O portal de notícias G1 reconstituiu a hipótese mais provável em um infográfico do acidente.

Aproximadamente às 09:00 h do dia 30 de setembro, os destroços do 737-800 foram encontrados 200 km a sudoeste de Peixoto de Azevedo, Mato Grosso, em uma região de selva densa e de difícil acesso. O Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva decretou luto oficial de três dias, devido ao mais grave acidente, até então, da história da aviação civil do Brasil e o primeiro com vítimas envolvendo o modelo 800, o mais moderno da linha Boeing 737.

O avanço das equipes militares de resgate segue lento, devido à geografia e vegetação do local. Soldados abriram clareiras na mata para que helicópteros conseguissem ter acesso aos destroços, que são procurados em uma área de cerca de 20 km² do possível local do acidente. Fontes do Exército brasileiro que se encontram no local relataram uma grande quantidade de corpos mutilados — por esse motivo, a identificação dos passageiros deve demorar meses. Vítimas encontradas a cerca de meio metro de profundidade e distantes dos demais destroços indicam que o avião pode ter se fragmentado logo após o choque, caindo em pedaços desde 11 mil metros de altura. Segundo a FAB, todas as 154 pessoas, sendo 6 tripulantes e 148 passageiros morreram no local[25] , causando, na época, o maior desastre aéreo da aviação brasileira. Desde a madrugada do dia 30 de setembro, a Gol disponibilizou em seu site oficial comunicados acerca do acidente. Após 7 anos do ocorrido, os restos da aeronave continuam no mesmo local do acidente.

Voo 1536[editar | editar código-fonte]

No final do mês de outubro de 2011, um Boeing 737-800 de matrícula PR-GUL que ia de São Paulo (CGH) para o Rio de Janeiro (SDU) perdeu parte dos instrumentos minutos após a decolagem. Com o tempo nublado, os pilotos tinham baixíssima visibilidade. Com isso, o controlador vetorou o voo até Campinas. O avião fez um pouso de emergência na pista 33 do Aeroporto Internacional de Viracopos/Campinas. Segundo a companhia, o problema foi ocasionado por um pequeno cabo que deveria estar conectado ao computador de bordo. Logo após, um Boeing 737-700 substituiu o referido avião e chegou ao Rio de Janeiro com um atraso de 4 horas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. [2]
  3. a b [3]
  4. Gol confirma compra da Varig por US$ 275 milhões, publicado em 28 de março de 2007
  5. Folha de S. Paulo (05/03/08): Gol suspende operações em duas cidades do interior de SP, acessado em 14 de setembro de 2010
  6. Gol busca dinheiro novo após prejuízo Gol busca dinheiro... Globo, 23 de Março 2009
  7. Folha de S. Paulo (03/08/10): Infraero registra atraso em 26% dos voos domésticos em 24 horas, acessado em 14 de setembro de 2010
  8. Folha de S. Paulo (04/08/10): Anac multa Gol em R$ 2 milhões por atrasos em voos, acessado em 14 de setembro de 2010
  9. Diario de Pernambuco (11/09/10): NOAR fecha parceria com a Gol, acessado em 14 de setembro de 2010
  10. Gêmeas no nado sincronizado vão receber indenização de companhia aérea
  11. [4]
  12. Ana Paula Machado. (6 de janeiro de 2012). "Gol prepara volta da Varig em rotas internacionais". Brasil Econômico: 16.
  13. [5]
  14. [6]
  15. [7]
  16. [8]
  17. Definição:: Receita por assento ocupado por km
  18. G1 (26.03.2013). Gol tem prejuízo de R$ 447,1 milhões no 4º trimestre de 2012 (em Português). Página visitada em 26.03.2013.
  19. Estadão (26.03.2013). Gol tem prejuízo no 4º tri e reduzirá capacidade doméstica (em Português). Página visitada em 26.03.2013.
  20. G1 (27.03.2012). Lucro da Gol recua 59% no 4º trimestre de 2011 (em Português). Página visitada em 27.03.2012.
  21. EXAME (27.03.2013). Balanço da empresa - GOL PN - GOLL4 - Cotações Bovespa - EXAME.com (em Português). Página visitada em 27.03.2013.
  22. [9]
  23. CH-Aviation Junho 2014
  24. A Gol Transportes Aéreos afirmou, por meio de um comunicado, que eram 154 e não 155 o número de pessoas a bordo da aeronave, como havia sido informado no início das investigações. A falha ocorreu pois se cadastrou uma pessoa com dois nomes diferentes. Ver o comunicado 18.
  25. Para Aeronáutica, chance de haver sobreviventes é "remotíssima"; para presidente da Infraero, é "zero".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons