Clássico dos Clássicos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Clássico dos Clássicos é o nome pelo qual é conhecido o jogo entre o Clube Náutico Capibaribe e o Sport Club do Recife. Terceiro clássico mais antigo do Brasil, atrás somente do Clássico Vovô, do Rio de Janeiro, e do Grenal, de Porto Alegre,[1] é também o clássico com o maior número de confrontos em Pernambuco.

A história dos dois clubes está ligada desde as suas origens, uma vez que o Sport foi fundado por Guilherme de Aquino após dirigentes do Náutico recusarem sua oferta de introduzir uma equipe de futebol no clube.[2] Realizado pela primeira vez em 1909, com vitória do Náutico, o confronto era conhecido inicialmente como "Fla-Flu pernambucano", e recebeu o nome atual num anúncio do Jornal Pequeno de 18 de agosto de 1945.[3] A maior goleada do Sport ocorreu em 1916, com uma vitória por 8 a 0, enquanto o Náutico venceu por 8 a 1 em 1935.[4]

Náutico e Sport disputaram diversas partidas históricas, como a que levou mais de oitenta mil pessoas ao Estádio do Arruda, estabelecendo o recorde de público para o Clássico, a vitória do Sport no Estádio dos Aflitos na Copa do Nordeste de 2001 e a vitória do Náutico no Estádio da Ilha do Retiro no Pernambucano do mesmo ano, interrompendo a sequência de títulos do rival e evitando o hexa.[4]

Origem e primeiro jogo[editar | editar código-fonte]

Em 1905, o estudante pernambucano Guilherme de Aquino, em viagem à Inglaterra, se encantou com o futebol e, na volta ao Recife, trouxe equipamento necessário para a formação de duas equipes. Procurando um clube para iniciar a prática da modalidade, solicitou inicialmente ao Clube Náutico Capibaribe, fundado quatro anos antes e voltado à prática de remo, um espaço para o esporte. Com a não-aceitação do Náutico, Guilherme de Aquino decidiu fundar um novo clube, o Sport Club do Recife.[2]

Quatro anos depois, com a popularização do futebol no Recife, o Náutico decidiu aderir à modalidade e fez um desafio à equipe do Sport. Em 24 de julho de 1909, o Jornal Pequeno anunciou:[4]


É amanhã, às 4 horas da tarde e no magnífico campo do Britsh Club, que se realisará o match ansiosamente esperado, entre o Sport Club do Recife e o Club Nautico Capibaribe, em consequencia do desafio que ha dias este fez áquele. É a primeira vez que sob as respectivas bandeiras dos dois importantes e sympatizados clubs athleticos desta capital, se effectuará aqui um match de futebol e, por conseguinte é fácil avaliar o grande interesse que o mesmo tem despertado em o nosso meio sportivo, onde se discute o resultado do encontro com enthysiasmo ainda não observado em Pernambuco!
 
Jornal Pequeno, 24 de julho de 1909 (grafia original)[4] ,

O local da partida, onde na época funcionava o Britsh Club, hoje abriga o Museu do Estado de Pernambuco. Thomas Wright foi o árbitro do jogo, auxiliado por um representante do Náutico (A. Chalmers) e outro do Sport (o próprio Guilherme de Aquino). O Náutico jogou com uniforme todo branco e com o escudo bordado. O Sport atuou com camisas listradas verticalmente em vermelho e preto e calções brancos. Rolland Maunsell, do Náutico, marcou os dois primeiros gols do confronto, ambos no primeiro tempo. D. Thomas fez o terceiro e C. Chalmers marcou o gol do Sport, fechando o placar em 3 a 1 a favor do Náutico.[2] [4]

Maiores goleadas[editar | editar código-fonte]

Em 1916, durante o Campeonato Pernambucano de Futebol, ocorreu a maior goleada do Sport no confronto: 8 a 0. O jogo, disputado na Ponte d'Uchoa, era válido pelo segundo turno da Série B (equivalente a Grupo B na denominação usual dos dias atuais). Motta marcou quatro gols, Vasconcelos fez três e Smith completou o placar. Semanas depois o Sport conquistaria seu primeiro título estadual.

Dezoito anos mais tarde, em dezembro de 1934, o Náutico vencia o Sport por 2 a 1 em partida do Campeonato Pernambucano daquele ano quando a equipe alvirrubra começou a pressionar o árbitro. A partida foi interrompida e a demora fez com que o jogo entrasse pela noite. Devido à falta de refletores no estádio, o jogo foi suspenso e seria retomado no dia seguinte, mas o Sport não aceitou e propôs o reinício do confronto.

O novo jogo, marcado para 31 de março de 1935, foi realizado no campo da Avenida Malaquias. O Náutico venceu, repetindo o placar de 1916. Fernando Carvalheira (3), Artur Carvalheira (2), Estácio (2), Zezé Carvalheira e Marcílio de Aguiar para o Sport fizeram os gols.[4]

Outros jogos históricos[editar | editar código-fonte]

Partida com mais gols

Em 14 de junho de 1947 ocorreu o Clássico dos Clássicos com mais gols: dez. Válido pelo turno eliminatório do Campeonato Pernambucano, a equipe do Náutico, mais jovem que a do Sport, venceu o jogo realizado no Estádio dos Aflitos por 7 a 3.[4]

Maior goleada em uma final de Campeonato Pernambucano

No Campeonato Estadual de 1966, o Náutico aplicou no rival Sport a maior goleada da história das finais do Campeonato Pernambucano: 5 a 1. Foi o quarto título consecutivo do Timbu, numa sequência que acabaria no histórico Hexacampeonato.

Hexacampeonato do Náutico

Em 1968 o Náutico conquistaria seu sexto título estadual consecutivo, se tornando assim o primeiro (e único até hoje) hexacampeão pernambucano. A conquista veio após um confronto contra o Sport, realizado em 21 de julho no Estádio dos Aflitos. Após um empate sem gols no tempo regulamentar, o título foi decidido na prorrogação. Aos cinco minutos do segundo tempo extra, Ramos marcou o gol que deu o título alvirrubro.[4] Todos os títulos do hexacampeonato tiveram o arquirrival Sport como vice-campeão.[5]

Um Clássico dos Clássicos na Bahia

Em 15 de agosto de 1976, o Clássico dos Clássicos inaugurou o estádio Ruberleno Oliveira, em Paulo Afonso, na Bahia a 443 km do Recife. O palco às margens do Rio São Francisco foi custeado pela Chesf, que tem usinas hidrelétricas na cidade. O jogo só não foi um Ba-Vi porque os rivais decidiram o título baiano no mesmo dia. Mesmo assim, a lotação foi esgotada, com 4 mil torcedores. O Leão venceu o amistoso com gols de Pedrinho e Cláudio Mineiro, que abriu o placar aos 8 minutos, e, assim, ganhou uma placa comemorativa no estádio. O jogo contou com a presença do presidente da FPF, Rubem Moreira. [6]

Maior público

Durante o Campeonato Pernambucano de 1998 foi registrado o maior público presente a um Clássico dos Clássicos: 80203 pessoas assistiram ao jogo no Estádio do Arruda. A campanha Todos com a Nota, do governo estadual, que incentiva a troca de notas fiscais por ingressos, ajudou a quebrar o recorde anterior, de 1983, em mais de quatro mil pessoas. Centenas de torcedores, principalmente do Sport, ficaram de fora devido à lotação dos setores da arquibancada destinados a eles. Dentro de campo, o Sport tirou a invencibilidade do Náutico no campeonato daquele ano ao vencer o clássico por 2 a 0.[7] [8]

Copa do Nordeste de 2001

Na Copa do Nordeste de 2001, o Náutico fazia uma campanha invicta e era favorito ao título. O adversário nas semifinais era o Sport, quarto colocado, que havia perdido o clássico da primeira fase jogando no Estádio da Ilha do Retiro. Em 21 de abril, nos Aflitos, o Sport derrotou o time da casa por 1 a 0, com gol de Valdo aos 27 minutos do segundo tempo. O Náutico foi eliminado do torneio após sua primeira derrota. O Sport seria vice-campeão, perdendo a final para o Bahia.[4] [9]

100 anos de Clássico dos Clássicos

Na tarde de 26 de julho de 2009 foi realizado na Ilha do Retiro o jogo comemorativo de cem anos do Clássico dos Clássicos. Válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro,[10] a partida teve o placar aberto por Carlinhos Bala a favor do Náutico, aos 25 minutos do primeiro tempo. Após dois empates do Sport, a equipe virou o placar com o gol de Guto. O Náutico voltou a empatar, novamente com Carlinhos Bala, e fechou o placar em 3 a 3. As comemorações pelo centenário não refletiam o desempenho das equipes no torneio: após este jogo, ambas permaneciam na zona de rebaixamento, e de fato seriam rebaixadas ao final do campeonato.[4] [11]

Decisão do Campeonato Pernambucano de 2010

Náutico e Sport decidiram o título do Campeonato Pernambucano de 2010, dezesseis anos depois da última final entre as duas equipes. O Sport chegou à final após derrotar o Central, enquanto o Náutico venceu o Santa Cruz nas semifinais.[12] No primeiro jogo, nos Aflitos, vitória do Náutico por 3 a 2. A segunda partida, na Ilha do Retiro, terminou com vitória do Sport por 1 a 0. Por ter feito mais gols como time visitante, o Sport foi o campeão, conquistando o quinto título seguido.[13]

Primeiro Clássico Internacional

Pela primeira vez, o clássico foi válido por um torneio internacional. Pela Copa Sul-Americana de 2013, na primeira partida, disputada na Ilha do Retiro, o Leão venceu por 2 a 0.[14] Na partida de volta, na Arena Pernambuco, o Timbu igualou o placar (2 a 0), levando a decisão para os pênaltis. O goleiro Magrão defendeu três cobranças e, com isso, o Rubro-negro avançou de fase.[15]

100ª Edição do Estadual

O Sport conquistou a centésima edição do Campeonato Pernambucano de 2014. Com um gol de Durval, os rubro-negros venceram o Náutico por 1 a 0, na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, e levaram para a Ilha do Retiro a 40ª taça do Estadual. Por ter vencido o jogo de ida, o Leão jogava por um empate para ser campeão. Precisando da vitória para reverter a vantagem do Sport, o Náutico tomou a iniciativa do jogo. Apesar do ímpeto, os alvirrubros não conseguiam passar pelo sistema defensivo leonino. [16]

Torcidas[editar | editar código-fonte]

A rivalidade entre os dois clubes por vezes ultrapassa os limites do espírito esportivo e gera conflitos entre torcedores, especialmente entre membros das principais torcidas organizadas dos clubes, a Fanáutico e a Torcida Jovem. Em 2008, conflitos após um Clássico dos Clássicos motivaram o Juizado Especial do Torcedor a proibir a entrada de torcidas organizadas em clássicos no estado de Pernambuco.[17] A decisão foi revista posteriormente, mas a segurança continuou sendo uma preocupação das autoridades.

O segundo encontro entre Náutico e Sport no Campeonato Pernambucano de 2009 teve o maior esquema de policiamento já registrado em um evento esportivo no estado.[18] Além de fazer a segurança nos estádios, nos dias de clássico policiais e bombeiros são deslocados para possíveis pontos de conflito entre torcedores, como terminais de ônibus, estações de metrô e avenidas de grande movimentação.[19]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Jogos por competições
Competição J VN E VS GN GS
Campeonato Pernambucano 411 135 110 157 513 559
Campeonato Brasileiro - Série A 20 7 6 7 17 15
Campeonato Brasileiro - Série B 9 2 2 5 11 15
Copa do Nordeste 5 3 0 2 4 3
Copa João Havelange 1 0 1 0 1 1
Copa Sul-Americana 2 1 0 1 2 2
Taça Cidade do Recife 4 1 0 3 3 4
Campeonato Pernambucano (jogo anulado) 1 1 0 0 2 1
Torneio Início 29 4 20 5 - -
Outros torneios 27 10 5 12 34 40
Amistoso 46 17 15 14 73 70
Total 544 184 154 208 668 716

Esta tabela foi organizada a partir de informações colhidas no site JC On Line,[20] com atualizações fornecidas pelo Pernambola.[21] Atualizado em 28 de abril de 2014.

Artilheiros

O maior artilheiro do Clássico dos Clássicos é Fernando Carvalheira, que fez vinte e seis gols pelo Náutico na década de 1930. Bita, também do Náutico, fez vinte e três gols durante os anos 1960. Do lado do Sport, Traçaia é o artilheiro do clássico, com treze gols.[22]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Vitórias do Náutico Empate Vitórias do Sport


Campeonato Brasileiro
Série A[23]
# Data Estádio Casa Visitante Placar Gols (casa) Gols (visitante)
01 11 de novembro de 1973 Arruda Náutico Sport 0–0 (0–0)
02 16 de abril de 1974 Arruda Sport Náutico 1–0 (0–0) Orlando (59')
03 19 de novembro 1975 Arruda Náutico Sport 1–2 (1–0) Jorge Mendonça (38') Luciano (50', 58')
04 19 de setembro de 1976 Ilha do Retiro Sport Náutico 1–0 (1–0) Assis Paraíba (40')
05 13 de novembro de 1977 Arruda Náutico Sport 0–0 (0–0)
06 11 de dezembro de 1977 Arruda Sport Náutico 1–0 (0–0) Edson (56')
07 16 de abril de 1978 Arruda Náutico Sport 1–0 (1–0) Luis Carlos (32')
08 16 de novembro de 1986 Ilha do Retiro Sport Náutico 0–2 (0–1) Reginaldo (35'), Moreno (68')
09 29 de novembro de 1986 Arruda Náutico Sport 1–0 (1–0) Cléber (GC 2')
10 1º de novembro 1987 Arruda Náutico Sport 0–1 (0–0)  ???
11 17 de fevereiro de 1991 Aflitos Náutico Sport 2–0 (1–0) Bizu (26', 90')
12 26 de janeiro de 1992 Arruda Náutico Sport 0–0 (0–0)
13 28 de junho de 2007 Ilha do Retiro Sport Náutico 4–1 (2–0) Durval (4'), Carlinhos Bala (11', 50'), Washington (59') Hamilton (76')
14 23 de setembro de 2007 Aflitos Náutico Sport 2–0 (1–0) Júlio César (37', 78')
15 13 de julho de 2008 Aflitos Náutico Sport 0–2 (0–1) Carlinhos Bala (11'), Durval (48')
16 19 de outubro de 2008 Ilha do Retiro Sport Náutico 2–2 (1–1) Durval (45+3'), Roger Rodrigues da Silva (47') Gilmar Silva Santos (18'), Felipe (59')
17 26 de julho de 2009 Ilha do Retiro Sport Náutico 3–3 (1–1) Fabiano (39'), Durval (53'), Guto (67') Carlinhos Bala (25', 74'), Gilmar Silva Santos (47')
18 1º de novembro de 2009 Aflitos Náutico Sport 3–2 (2–1) Bruno Mineiro (4'), Carlinhos Bala (32'), Irênio (63') Vandinho (7'), Wilson (61')
19 26 de agosto de 2012 Ilha do Retiro Sport Náutico 0–0 (0–0)
20 2 de dezembro de 2012 Aflitos Náutico Sport 1–0 (0–0) Araújo (64')


Referências

  1. UOL Esporte (13 de fevereiro de 2009). Sport x Náutico é o terceiro clássico mais antigo do país (em português). Página visitada em 7 de maio de 2010.
  2. a b c PE 360 Graus (23 de julho de 2009). Série do NETV conta história do centenário do Clássico dos Clássicos (em português). Página visitada em 10 de maio de 2010.
  3. JC On Line (23 de julho de 2009). Alcunha surgiu na década de 1940 (em português). Página visitada em 10 de maio de 2010.
  4. a b c d e f g h i j JC On Line (23 de julho de 2009). 11 jogos para sempre na história (em português). Página visitada em 10 de maio de 2010.
  5. Federação Pernambucana de Futebol. Campeões (em português). Página visitada em 11 de maio de 2010.
  6. Diario de Pernambuco (4 de julho de 2013). Quando os clássicos pernambucanos também atravessaram a fronteira (em português). Página visitada em 31 de agosto de 2013.
  7. JC On Line (16 de março de 1998). O Maior público da década lota o Arruda no Clássico dos Clássicos (em português). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  8. Clássico É Clássico - UOL Sites. Náutico x Sport - Resultados (em português). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  9. RSSSF Brasil. Campeonato do Nordeste 2001 (em português). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  10. Bola n@ área. Brasileirão 2009 - 10ª a 19ª rodadas (em português). Página visitada em 13 de maio de 2010.
  11. Bola n@ área. Brasileirão 2009 - Classificação (em português). Página visitada em 13 de maio de 2010.
  12. JC On Line (1 de maio de 2010). Um Clássico dos Clássicos como não se via há 16 anos (em português). Página visitada em 13 de maio de 2010.
  13. Folha de Pernambuco Digital (5 de maio de 2010). Sport é o Campeão Pernambucano de 2010! (em português). Página visitada em 13 de maio de 2010.
  14. globoesporte.com (20 de agosto de 2013). Sport bate o Náutico por 2 a 0 e fica perto das oitavas da Sul-Americana (em português). Página visitada em 20 de agosto de 2013.
  15. globoesporte.com (29 de agosto de 2013). Em noite de Magrão, Sport elimina o Náutico na Copa Sul-Americana (em português). Página visitada em 29 de agosto de 2013.
  16. Sport vence o Náutico e conquista a 100ª edição do Estadual (em português). Página visitada em 02 de maio de 2014.
  17. Revista Algo Mais (24 de outubro de 2008). Torcidas organizadas barradas nos clássicos (em português). Página visitada em 4 de junho de 2010.
  18. Abril.com (16 de abril de 2009). Sport x Náutico terá o maior policiamento da história de PE (em português). Página visitada em 4 de junho de 2010.
  19. Diario de Pernambuco (29 de outubro de 2009). Esquema de segurança para Clássico dos Clássicos de domingo está pronto (em português). Página visitada em 4 de junho de 2010.
  20. JC On Line (23 de julho de 2009). Veja um resumo dos 513 jogos (em português). Página visitada em 13 de maio de 2010.
  21. Pernambola. Clássicos dos Clássicos (em português). Página visitada em 7 de maio de 2010.
  22. ESPBR (1 de maio de 2010). Clássico dos Clássicos decide o Pernambucano 2010 (em português). Página visitada em 4 de junho de 2010.
  23. http://futpedia.globo.com/confronto/nautico-x-sport

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]