Francisco de Sales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
São Francisco de Sales
São Francisco de Sales
Bispo de Genebra e Doutor da Igreja
Nascimento 21 de agosto de 1567 em Castelo de Sales, Thorens-Glières, Saboia
Morte 28 de dezembro de 1622 (55 anos) em Lião
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 1622
Canonização 1655, Roma por Papa Alexandre VII
Festa litúrgica 24 de janeiro
Padroeiro escritores, jornalistas e Salesianos
Gloriole.svg Portal dos Santos

Francisco de Sales, nascido François de Sales, (Castelo de Sales, Thorens-Glières, 21 de agosto de 1567Lião, 28 de dezembro de 1622) foi um sacerdote católico, bispo de Genebra. Tem o título de Doutor da Igreja, é titular e patrono da família salesiana (fundada por São João Bosco), também patrono dos escritores, dos jornalistas e dos deficientes auditivos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

São Francisco de Sales nasceu no castelo da sua família, os barões de Boisy, em Thorens (Saboia) em 1567, sendo o primogênito de seis irmãos..[1]

Seu pai, François de Sales de Boisy, queria que Francisco fosse um magistrado e fez com que iniciasse muito cedo seus estudos em colégios nas comunas de La Roche e Annecy..De 1583 a 1588 estudou Retórica e Filosofia no Colégio de Clermont, dirigido por jesuítas, em Paris. Em seguida, ingressa na Universidade de Pádua, na Itália, onde recebeu o doutoramento em Direito Canônico com 24 anos.

Recusou uma brilhante carreira e resolveu estudar Teologia, apesar da oposição da família. Foi ordenado em 1593, tornando-se reitor em Genebra, Suíça. Em 1594, foi para Chablais, cantão suíço na região da Sabóia, onde foi pároco, e onde trouxe 8.000 calvinistas de volta à Igreja. Ali escreveu diversos textos em defesa da fé, que foram publicados com o título "'Controvérsias e Defesa do Estandarde da Santa Cruz"

Em 1599 Francisco foi indicado como bispo coadjutor em Genebra, tendo sucedido como bispo em 1602. Sua diocese tornou-se conhecida pela organização e pela formação do seu clero e leigos. Isto era uma grande realização diante da Igreja da época. fundou várias escolas e estabilizou a Igreja na região.

Era famoso diretor espiritual e pela sabedoria dos seus escritos. Ele e Santa Joana Francisca de Chantal, de quem foi diretor espiritual, criaram a Ordem da Visitação, uma Ordem religiosa contemplativa. Foi também diretor espiritual de São Vicente de Paulo. Tornou-se uma figura líder da Reforma Católica também chamada de "Contra-reforma" e ficou famoso pela sua sabedoria e ensinamentos.

Em 1609, seus escritos (cartas, pregações) foram reunidos e publicados com o título "'Introdução à vida devota" ou "Filotéia", que é a sua obra mais importante e editada até hoje. Outra obra que também é ainda editada é o "Tratado do Amor de Deus", fruto de sua oração e trabalho. Estes dois livros são considerados clássicos espirituais. Além destes livros, a coletânea de cartas, pregações e palestras alcança 50 volumes. A popularidade e o valor destes escritos fez com que fosse considerado padroeiro dos escritores católicos.

Faleceu em Lyon em 1622. Os seus restos mortais se encontram na Igreja da Visitação em Annecy.

Foi beatificado no ano em que faleceu e foi a primeira beatificação a ser formalizada na Basílica de São Pedro. Foi canonizado em 1655 pelo Papa Alexandre VII e em 1867 foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Pio IX. Foi declarado em 1923, pelo Papa Pio XI, patrono da imprensa católica. O seu dia é celebrado em 24 de janeiro.

Segundo Joseph Ratzinger, papa emérito da Igreja Católica, Francisco de Sales procurou criar uma forma de piedade acessível aos não piedosos. Neste ponto teria antecipado em parte a espiritualidade de Teresa de Lisieux, a do "pequeno caminho", a de uma vida voltada para Cristo com simplicidade, sem buscar coisas grandes, com paciência e sem heroísmos.

Dizia Francisco: "Um bispo não deve nem pode viver como um cartuxo; os casados, como os capuchinhos; os artesãos, como os religiosos contemplativos, que passam metade do dia e metade da noite em oração. Seria uma piedade tola e ridícula. Cada um segundo a sua espécie. Deus deseja todos os frutos. A verdadeira piedade não destrói, mas enobrece e embeleza."

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Em 1632, na exumação dos seus restos mortais, o seu corpo encontrava-se em perfeito estado e inclusive com elasticidade nos braços, e ao mesmo tempo uma fragrância doce emanava de seu túmulo.
  • São Francisco de Sales aceitou em sua casa um jovem com dificuldade de audição e criou uma linguagem de símbolos para possibilitar a comunicação. Essa obra de caridade conduziu a Igreja a dar-lhe um outro título, ou seja, o de Padroeiro dos de Difícil Audição (surdos).

Referências

  1. St. Francis de Sales (em inglês). Catholic Encyclopedia. Página visitada em 29 de agosto de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ratzinger, Joseph - Homilia na festa de São Francisco de Sales, no Angerkloster, Munique, 24 de janeiro de 1982 em Homilias sobre os Santos; trad. Roberto Vidal da Silva Martins - São Paulo: Quadrante, 2007. ISBN 978-85-7465-113-2