Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel-Bevern

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Isabel Cristina
Rainha da Prússia
Eleitora consorte de Brandemburgo
Duquesa de Brunsvique-Volfembutel
Elisabeth Christine (um 1740).jpg
Isabel Cristina por Antoine Pesne, c. 1740.
Governo
Reinado 19 de fevereiro de 1722 - 17 de agosto de 1786 (como rainha)
Consorte Frederico II da Prússia
Casa Real Casa de Brunsvique-Bavern
Vida
Nascimento 8 de Novembro de 1715
Schloss Bevern, Bevern, Baixa Saxônia, Alemanha
Morte 13 de Janeiro de 1797 (81 anos)
Palácio da Cidade de Berlim, Berlim, Prússia
Sepultamento Catedral de Berlim
Pai Fernando Alberto II de Brunswick-Wolfenbüttel
Mãe Antónia Amália de Brunswick-Wolfenbüttel

Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel-Bevern (em alemão: Elisabeth Christine von Braunschweig-Wolfenbüttel-Bevern; 8 de novembro de 1715 - 13 de janeiro de 1797) foi a esposa de Frederico, o Grande e, assim, rainha da Prússia.

Família[editar | editar código-fonte]

Isabel Cristina foi a terceira filha do duque Fernando Alberto II de Brunswick-Wolfenbüttel e da princesa Antónia Amália de Brunswick-Wolfenbüttel. Entre os seus irmãos estavam o duque António Ulrich de Brunswick-Wolfenbüttel, pai do czar Ivan VI da Rússia e a princesa Juliana Maria de Brunswick-Wolfenbüttel, esposa do rei Frederico V da Dinamarca. Os seus avós paternos eram o duque Fernando Alberto I de Brunswick-Wolfenbüttel e a landegrave Cristina de Hesse-Eschwege. Os seus avós maternos eram o príncipe Luís Rudolfo de Brunswick-Wolfenbüttel e a princesa Cristina Luísa de Oettingen-Oettingen.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Em 1733, quando o príncipe-herdeiro Frederico da Prússia não conseguiu fugir do regime tirânico do pai, foi forçado a escolher uma das filhas do duque de Brunsvique-Luneburgo para se casar.[2] A escolha recaiu sobre Isabel Cristina, sobrinha do sacro-imperador Carlos VI. O casamento foi arranjado pela corte austríaca com a esperança de garantir a sua influência sobre a Prússia por outra geração.[2]

Vida na Prússia[editar | editar código-fonte]

Isabel Cristina por Antoine Pesne em 1739.

No dia 12 de junho de 1733, Isabel casou-se com o príncipe herdeiro Frederico da Prússia no palácio de verão do seu pai, Schloss Salzdahlum, mudando-se depois com o seu marido primeiro para Neu-Ruppin e depois para o palácio de Rheinsberg. Diz-se que antes do casamento se encenou uma peça e o melhor flautista dos três que entravam na peça teria como prémio a mão de Isabel. Frederico foi o vencedor.

Devido às circunstâncias que tinham levado ao noivado, todos sabiam que Frederico ressentiu o casamento desde o principio.[2] Frederico ignorava quase completamente Isabel e do casamento não nasceram filhos. Em 1740 o pai de Frederico morreu e este subiu ao trono da Prússia iniciando imediatamente a sua separação da esposa. Isabel passou a viver separada dele, passando a residir no Palácio de Schönhausen a norte de Berlim. Durante toda a sua vida Frederico nunca tinha demonstrado qualquer interesse por mulheres e não tinha qualquer caso amoroso com nenhuma além da sua esposa, já que estas quase não existiam na sua corte espartana onde não tinham qualquer influência.

Frederico nunca visitava a sua esposa nem a convidava a visitá-lo. O casal apenas se encontrava em reuniões de família. Entre 1757-58 e novamente entre 1760-63, durante a Guerra dos Sete Anos, Isabel foi forçada a fugir de casa e a mudar-se para Magdeburg. Quando o seu marido a voltou a ver pela primeira vez em seis anos, em 1763, o seu único comentário foi: "A Madame ficou gorda."

Isabel gostava de literatura e escrevia livros sobre valores morais em francês. Foi ela que introduziu a plantação de seda na Prússia.

Referências

  1. Alison Weir, Britain's Royal Family: A Complete Genealogy (London, U.K.: The Bodley Head, 1999), page 275.
  2. a b c Biskup, p. 304.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Biskup, Thomas. (2004). "The Hidden Queen: Elisabeth Christine of Prussia and Hohenzollern Queenship in the Eighteenth Century" em Queenship in Europe 1660-1815: The Role of the Consort. Clarissa Campbell Orr (ed.). Cambridge University Press. ISBN 0521814227.
  • Hans-Henning Grote (2005) Schloss Wolfenbüttel. Residenz der Herzöge zu Braunschweig und Lüneburg. S. 228. ISBN 3-937664-32-7.
  • Paul Noack: Elisabeth Christine und Friedrich der Große. Ein Frauenleben in Preußen. 2. Auflage. Klett-Cotta, Stuttgart 2002, S. 185, ISBN 3-608-94292-0
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel-Bevern