Ordem da Imaculada Conceição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Ordem da Imaculada Conceição
Brasão da Ordem da Imaculada Conceição
(O.I.C.)
Fundador Santa Beatriz da Silva

A Ordem da Imaculada Conceição (Ordo Inmaculatae Conceptionis, abreviado O.I.C.) é uma Ordem religiosa feminina, ligada à Igreja católica e de vida contemplativa, fundada por Santa Beatriz da Silva e inicialmente debaixo da regra de São Bento, tendo posteriormente assumido a Regra de Santa Clara de Assis até à aprovação de uma Regra própria em 1511. Os seus membros designam-se com o nome de Concepcionistas. Actualmente a Ordem conta com cerca de 165 mosteiros. A Ordem está presente em Espanha com 75 mosteiros e em mais 14 países,Argentina,Bélgica,Bolívia, Brasil,Colômbia,Equador, El Salvador, Guiné Equatorial, Honduras, Índia, México, Peru,Portugal e Venezuela.

Origens e fundação da Ordem[editar | editar código-fonte]

D. Beatriz da Silva nasceu em Campo Maior, Portugal, filha de Rui Gomes da Silva, alcaide da vila, e D. Isabel de Meneses, esta última aparentada com as casas reais de Espanha e Portugal.

Ao unir-se em segundas núpcias o Rei João II de Castela com D. Isabel de Portugal, a nobre D. Beatriz chega à corte castelhana como dama de honor da nova Rainha de Castela.

Segundo a tradição, D. Beatriz teve uma aparição em que Santíssima Virgem Maria lhe confiou o desejo de fundar uma ordem consagrada ao culto e à honra da sua [[Imaculada Conceição|]. Nesse momento, D. Beatriz saiu da corte e refugiou-se no Mosteiro das Irmãs Dominicanas de Toledo, vivendo 30 anos em ambiente religioso, apesar de não ser na altura freira. A Rainha D. Isabel, a Católica, filha da referida Infanta D. Isabel de Portugal, Rainha de Castela, da qual foi dama Beatriz, ajudou-a muito na fundação da nova Ordem, doou-lhe o Palácio de Galiana em Toledo e facilitou-lhe também as negociações com a Santa Sé.

D. Beatriz da Silva, então religiosa, começou a sua nova vida contemplativa com doze companheiras. O novo instituto da Imaculada Conceição foi aprovada pelo Papa Inocêncio VIII no dia 30 de Abril de 1489, com direito ao uso de hábito religioso e outros usos próprios, tornando-se mais tarde,em 1511, com Regra própria Ordem da Imaculada Conceição.

Relacionamento com o franciscanismo[editar | editar código-fonte]

A Ordem da Imaculada Conceição foi fundada por Santa Beatriz da Silva.

No ano de 1492, na sua cama, doente e vestida com o seu hábito religioso, faleceu a fundadora da Ordem da Imaculada Conceição. Isso fez com que, a partir desse momento, com o seu desaparecimento e orientação, a Ordem tenha ficado desprotegida.

Esta Ordem religiosa não nasceu franciscana, muito embora desde o início os franciscanos tivessem uma proximidade grande com Santa Beatriz da Silva, a comprová-lo está o facto de ter um director espiritual franciscano, Fr. Juan de Tolosa, a quem manda chamar após a sua morte; a prová-lo está também o facto de terem sido os franciscanos a receberem a profissão religiosa de Beatriz no seu leito de morte e a acolherem uma semana depois da morte da fundadora a profissão das suas companheiras. Com as reformas levadas a cabo pelo Cardenal Cisneros a Igreja Católica espanhola determinou que a Ordem que emergia ficasse sobre a regra de Santa Clara de Assis e isto sucedeu até ao ano de 1511 em que recebe uma Regra própria, por Bula do Papa Júlio II, o qual confia a nova Ordem aos cuidados e protecção do Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores. Desse modo, esta passou também a estar relacionada com os franciscanos.

Concepcionistas célebres[editar | editar código-fonte]

Membros mais destacados da Ordem foram a famosa Venerável Maria de Jesus de Ágreda; Sóror Patrocínio, conhecida como a Monja das Chagas na corte de Isabel II de Espanha a meados do século XIX; e também Ángeles Sorazu, além de varias mártires espanholas assassinadas en 1936. Já no século XX destacaram-se: Madre Mercedes de Jesus Egido, quem empreendeu o chamado "regresso às origens" da Ordem religiosa e a Madre María Alberdí, promotora da causa de canonização da fundadora.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.