Rodovia Fernão Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
BR 381.png
Rodovia Fernão Dias
(nome oficial)
Trecho da BR 381.png BR-381
Extensão 1181 km (734 mi)
Inauguração 1959
2005 (duplicação São Paulo-Belo Horizonte)
Limite norte Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, Contagem, MG
Limite sul Avenida Educador Paulo Freire, Vila Maria, São Paulo, SP
Concessão Autopista Fernão Dias (OHL) (desde 2008)
Rodovias Federais do Brasil
norte
início da rodovia
BR 381.png
BR-381
sul
fim da rodovia
Engarrafamento na BR-381, ao leste (e próximo) de Belo Horizonte.
Divisa entre São Paulo e Minas Gerais, sentido Belo Horizonte.
Vista da descida da Rodovia Fernão Dias na chegada a São Paulo, trecho em que a rodovia corta a Serra da Cantareira.
Ficheiro:Duplicação da Fernão Dias em Atibaia (1995).jpg
Duplicação da Fernão Dias em Atibaia no ano de 1995, nota-se a construção de uma nova ponte sobre o rio Atibaia, no canto esquerdo superior há o trevo com a rodovia Dom Pedro I.

A Rodovia Fernão Dias ou anteriormente Via Fernão Dias, é a denominação que a BR-381 recebe no trecho entre duas regiões metropolitanas brasileiras: a Grande São Paulo e a Grande Belo Horizonte.

História[editar | editar código-fonte]

A história da rodovia começa na época dos grupos de conquistadores Bandeirantes. Foi o bandeirante Fernão Dias, que esteve nos sertões de Minas Gerais e de São Paulo a procura de esmeraldas, o responsável pela abertura do caminho que provocou o surgimento da hoje conhecida rodovia Fernão Dias. O caminho por ele percorrido lembra em muito o traçado da atual rodovia.[carece de fontes?]

Em 1959, foi inaugurada pelo presidente Juscelino Kubitscheck a ligação Belo Horizonte-Pouso Alegre quando ainda estava inacabada a obra. Contudo, apenas em 1961 a rodovia havia sido totalmente concluída, com a finalização das obras no trecho paulista.

Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG), 43% da economia mineira, 20% de toda a produção do parque industrial de Minas e de São Paulo, cerca de 60% da produção nacional de ferro-gusa e aproximadamente 3 milhões de toneladas da produção agrícola mineira passam pela BR-381, representando uma circulação média de mais de 15 mil veículos - entre ônibus, caminhões e automóveis - por dia. Além disso, 25% da população mineira vivem e trabalham em sua área de influência.

Em outubro de 2007 a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) realizou o leilão da rodovia Fernão Dias, juntamente com outras rodovias Federais, e a OHL venceu oferecendo as menores tarifas de pedágio. A OHL BRASIL e o Governo Federal assinaram no dia 14 de fevereiro de 2008 o contrato de concessão por 25 anos para a gestão e operacionalização da Rodovia Fernão Dias (BR-381), com 562 km de extensão.[1]

Pelo sistema antigo de numeração das rodovias federais, em vigor até 1964, era conhecida como BR-55.

Entre 1995 e 2005, a rodovia foi duplicada entre a capital mineira e paulista pelos Departamentos de Estradas de Rodagem (DER) dos Estados de Minas Gerais e de São Paulo com recursos federais repassados por convênios firmados com o extinto Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), e posteriormente com o Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT).

Bloqueio total da pista sentido BH[editar | editar código-fonte]

Um deslocamento de terra afetou as estruturas do viaduto da pista norte no km 79 (sentido BH), entre São Paulo e Mairiporã. A pista foi totalmente bloqueada no dia 26 de fevereiro de 2010 e a concessionária deu um prazo de até 6 meses para a liberação do viaduto[2] , no entanto em abril foi prometido que até junho o tráfego seria restabelecido com um desvio lateral à ponte contendo duas faixas de rolamento.[3] . Entre fevereiro e junho, o desvio foi feito pela Estrada Sezefredo Fagundes (SP-8), rodovia de pista simples e sinuosa, causando enormes congestionamentos. A partir das 10h do dia 1º de junho, o trecho que vai do km 76 ao km 79 da pista sentido São Paulo da rodovia foi liberado para mão dupla para que o tráfego da pista sentido Belo Horizonte fosse retomado. [4] Finalmente, o viaduto da pista norte foi liberado para o tráfego a partir das 9h do dia 7 de dezembro de 2010. [5]

Principais municípios cortados pela rodovia[editar | editar código-fonte]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Localização das praças de pedágio[editar | editar código-fonte]

Praça de Pedágio no centro da cidade de Mairiporã, primeiro pedágio no trecho paulista no sentido Minas Gerais.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Obs: Todas as praças são bidirecionais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]