Sting (lutador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sting
Nome(s)
no ringue
Sting
Blade Runner Flash
Flash
Flash Borden
Steve Borden
Altura 1.91cm
Peso 105 kg
Nascimento 20 de Março de 1959 (55 anos)
Omaha, Nebraska
Treinado por Bill Anderson
Red Bastien
Rick Bassman;
Estreia 3 de Março de 1984

Steven James Borden (Omaha, 20 de Março de 1959), conhecido pelo seu nome em ringue Sting, é um wrestler profissional norte-americano. Ele é conhecido pelas suas passagens na World Championship Wrestling (WCW), onde ganhou o WCW World Heavyweight Championship em seis ocasiões e na Total Nonstop Action Wrestling (TNA), onde venceu o TNA World Heavyweight Championship por quatro vezes. Sting é reconhecido como um dos poucos wrestlers norte-americanos de grande fama a nunca ter trabalhado para a WWE.

Início[editar | editar código-fonte]

Como todo californiano, Steven James Borden, só tinha 2 coisas em mente: Surf e Cinema. Quando era jovem, pensava em ser actor de cinema. Na escola jogava basquetebol, tinha uma pequena ambição, jogar a nível universitário. Como não entrou na universidade, buscou novos objectivos de vida. Para isso serviu os Estados Unidos da América, cumprindo o seu serviço militar. Foi nesta altura que descobriu o gosto pelo culto do corpo. Aliás Steven já tinha uma grande influência na família, que era o seu avô materno. Antes de entrar no mundo do wrestling, Steven, trabalhou como segurança, construtor de piscinas, barman e finalmente gerente de um Health Club. Foi como gerente do Health Club que conheceu Hulk Hogan. Começou a admirá-lo sem nunca ter a pretensão de se tornar lutador mas a fama de Hulk Hogan ficou na retina de Steven. Este tinha agora um objectivo, a de algum dia conseguir chamar a atenção do público.

Certo dia a vida de Steven muda repentinamente. Um agente de wrestling chamado Rick Bassmen, disse que tinha uma proposta por parte dum promotor da UWF. Sting embarcou nessa aventura integrando um projecto de treino para se tornar Wrestler. Nessa altura Sting se lembra de levar o seu fiel amigo Jim Helwig (mais tarde conhecido como Ultimate Warrior). Em conjunto com o seu amigo, steven, formou o Power Team USA, mas, rapidamente Jerry Jarret mudou de personagem estes já com umas caras pintadas, baseados no filme Bladerunner, de Ridley Scott e Harrison Ford. Com o sucesso alcançado, Ultimate Warrior transferiu-se para a WCCW e Sting para a NWA.

World Championship Wrestling[editar | editar código-fonte]

NWA / WCW – O início da Saga[editar | editar código-fonte]

Steven, já na altura mais conhecido por Sting, criou grande empatia com adeptos da NWA. Era forte, tinha carisma, começando assim a arrastar algumas multidões. A sua boa aparência física, proporcionaram um convite da maior facção do Wrestling na época: os 4 Horsemen. Devido a algumas divergências, este a se sentir com condições para se tornar campeão mundial, Sting é expulso do grupo pelo líder e campeão da época Ric Flair. Isso desponta uma grande rivalidade entre Ric Flair e Sting. Infelizmente nessa altura Sting lesiona-se, é operado estando perto de um ano parado. Quando regressa, ganha Ric Flair tornando-se assim campeão mundial pela primeira vez.

Com a chegada de Hulk Hogan à WCW, com a gestão de Ted Turner e Bischoff o nome da federação muda, Sting perde o lugar de Top-Face nº1 na federação, número um a favor do público. Na altura, os responsáveis entenderiam que deveria ser Hulk Hogan o porta-estandarte da federação. Sting integrou "rivalidades" muito mais fracas e menos mediáticas do que Hulk Hogan, mesmo assim conseguiu vencer alguns títulos, mas estes secundários. Os argumentistas da WCW entendiam que não deveria haver nenhuma possibilidade de conflito entre Hogan e Sting pela posse do título mundial. Por esse motivo Sting mantém-se "entretido" com os 4 Horsemen.

WCW vs NWO – A consagração[editar | editar código-fonte]

Em 1996, a WCW começa realmente dar luta à WWF em termos de audiências. É nessa altura que Bischoff utiliza alguns truques baixos para superar a concorrência. Outro factor importante foi o facto de Turner (presidente do grupo Warner) ter os bolsos cheios e vontade em investir no Wrestling. Se já antes tinham contratado Macho Man, Hulk Hogan e Luger à WWF, desta vez era altura de mais um golpe de génio. Scott Hall e Kevin Nash terminavam o seu contrato com a WWF, como era esperado, não resistiam aos milhões do grupo Time-Warner, transferiam-se para a WCW. Na altura a Internet não funcionava como actualmente e as notícias demoravam muito a espalhar-se. Aproveitando isso, Bischoff cria o melhor ângulo de sempre no wrestling. Nash e Hall faziam de conta que ainda tinham contrato com a WWF, de modo a invadirem a WCW. Estes não demoraram a marcar impacto e atacavam tudo e todos que se atravessasse à frente.

Num desses conflitos, Sting assumia a posição de líder da WCW lutando "fogo com fogo" com a dupla. A ele juntaram-se Macho Man, Lex Luger e Hulk Hogan, estes tinham como função defender a tradição da WCW. No P.P.V Bash at the Beach de 1996, os wrestlers que fingiam ainda estar na WWF anunciavam que teriam um membro mistério. Na altura em que a o confronto entre os rivais se iniciou, instalou-se o caos e a confusão no ringue, Hulk Hogan aparecendo em cena, previsivelmente para ajudar Macho Man e Sting, trai e ataca Savage e Sting, revelando-se assim o 3º membro da equipa contrária esta agora com o nome de New World Order. Estava assim lançados os dados para criar a maior história de sempre no mundo do wrestling: New World Order contra World Championship Wrestling.

Sting assumindo sempre um lugar de destaque na WCW, a New World Order (NWO) tinha como objectivo destruir Sting. Assim arranjaram um duplo com a cara pintada de Sting fazendo com que ele atacasse vestido à NWO, nada mais, nada menos do que Lex Luger e Ric Flair, as faces mais visíveis da oposição à NWO. Aparentemente pretendiam demonstrar que Sting tinha traído a WCW. Não demorando muito o verdadeiro Sting aparece dando a cara a todos os membros da WCW, jurando que nada tinha a ver com os ataques. Ninguém acreditava, nem mesmo os responsáveis da WCW. Magoado, pela falta de confiança Sting fica num exílio de quase 3 meses sem aparecer. Quando se descobre que o impostor não era o verdadeiro Sting, lutadores como derigentes pedem publicamente o regresso de Sting. Pedem-lhe desculpa dizendo que o necessitavam. Mais importante do que esse factor, o público começa a encher os recintos de cânticos de apoio a Sting. Em todas as arenas o grito "We want Sting" ecoou durante o seu período de ausência. Sem dúvida uma grande jogada da Time-Warner. Mas afinal de que era feito de Sting?

Sting "O Corvo" – A Fénix renascida das cinzas[editar | editar código-fonte]

Sensivelmente 3 meses após o misterioso desaparecimento de sting, um vulto de vingador começou a aparecer no tecto das arenas. Vestido todo de negro, com a cara pintada de branco, com um ar ameaçador e de taco de basebol na mão, surgia um novo Vigilante. Mas quem seria aquele vulto que ninguém tinha conseguido ver bem? Numa emissão a dúvida desfaz-se, era Sting! A Sua personagem era igualzinha ao do Corvo (filme de Alex Proyas, com a última e a mais marcante prestação cinematográfica de Brandon Lee), uma das mais espectaculares personagens do wrestling. Esta nova personagem servia de resposta, por ninguém ter acreditado nas suas palavaras. Sting vestia a pele de um vigilante silencioso, que se movimentava nos tectos das arenas.

Era desta forma que Sting expressava a sua amargura e ânsia de vingança. Este sinistro vingador cria desde logo grande empatia com o público, iam ao delírio quando os holofotes se viram para o tecto e descobriam Sting. Sting só se limitava a assistir às barbaridades que a NWO fazia em ringue. Durante cerca de 11 meses Sting não abria a boca, dado que Bischoff achando que se Sting ficasse calado adensaria o mistério em redor da sua personagem. Jogada de mestre por sua parte, já que Sting espalhava o medo através de jogos psicológicos. Ficando insuportável a pressão, Sting desce dos telhados fazendo a sua vingança atacando todos os membros da NWO com sucesso.

Sting tem finalmente a hipótese de combater contra Hogan pelo título mundial, venceu mas a polémica instala-se. Na primeira decisão do árbitro Hogan tinha sido considerado vencedor, sendo assim Bischoff decide meter o título vago. Após esse tempo de espera Sting bate novamente Hogan tornando-se o indiscutível campeão mundial.

NWO vs NWO – Black&White vs Red&Black[editar | editar código-fonte]

Em 1998, os conflitos dentro da NWO tornaram-se insuportáveis. Assim a maior facção de sempre dividia-se em 2 grupos: Black&White Hollywood, como Hogan à cabeça e Red&Black Wolfpack, liderados por Kevin Nash e Scott Hall. Sting é envolvido na polémica, dado que era cobiçado e disputado pelas duas facções. De um lado estavam Hogan, Big Show (na altura conheçido por Giant), Curt Heening, Bret Hart, entre outros. Do outro encontravam-se Nash, Scott Hall, Konnan e Lex Luger. Quando chegou à altura da decisão, Sting optou pelo Wolfpack atacando Big Show e Hogan. Mergulhado na sua nova facção, Sting troca o branco da pintura, pelo vermelho.

Nessa época, Bill Goldberg mantinha-se arredado a qualquer uma das facções. Isso não implica que não tivesse rivalidades com membros de ambos os lados (inclusive com Sting). Para além de Goldberg, Sting envolveu-se em rivalidades com Big Show, Booker-T e Bret Hart. Este último acabou por ser responsável por um traumatismo craniano, que levou Sting ao hospital. Isto tudo desenvolvido por Bischoff, na verdade, Sting, aproveitou e retirou-se durante 2 meses para recuperar 2 ou 3 mazelas sofridas.

Ao regressar por volta dos inicios de 1999 o ângulo da NWO já tinha acabado. Agora este inicia um conflito com o campeão da altura, DDP (Diamond Dallas Page). Sting bate DDP em Abril e torna-se de novo campeão mundial. Na mesma noite, DDP reconquista o título mundial a Sting. O início do fim da WCW, começa a nascer, dado que os responsáveis da companhia começam a demonstrar uma total falta de respeito pelo título de campeão mundial. A mudança de título aconteceu tantas vezes até ao ponto de este ser totalmente vulgarizado. Chega-se a uma situação em que um actor David Arquette, se sagra campeão mundial! Uma vez mais, Sting é envolvido numa rivalidade com o seu arqui-rival Ric Flair. No meio de tantas trocas de títulos, Sting acaba por bater Hogan e torna-se outra vez campeão do mundo. Novamente o título é perdido pouco tempo depois, mas este agora para Bill Goldberg. Seguidamente Sting envolve-se numa rivalida com Vampiro. Juntos eram conhecidos como "The Pain Brothers" por causa dos combates, mais tarde, "Paint Brothers" devido às caras pintadas. Esta foi a sua última rivalidade na WCW, Sting decidia fazer uma paragem wrestling.

As dependências de Sting[editar | editar código-fonte]

Ao fazer a sua paragem no wrestling, segundo palavras do próprio, Sting encontrava-se no local mais negro da sua alma. Festas atrás de Festas; Mulheres atrás de Mulheres; Semanas com pouco mais de 14 horas de sono; tudo isto contribuia para o momento de verdade de Steven. Para ajudar à festa, as quedas nos duros ringues causavam problemas e Sting encontrava-se agora dependente de relaxantes musculares e de analgésicos. Devido às dores, Sting muitas vezes não conseguia dormir, a única forma de dormir era se estivesse bêbado. Só quando estava atordoado é que Sting conseguia dormir meia dúzia de horas. Assim, Sting encontrava-se dependente de Relaxantes Musculares, Analgésicos, e álcool.

Segundo o próprio Sting, Deus perseguia a sua alma. O antigo lutador da WWE, Ted Dibiase, mais conhecido como o Million Dollar Man torna-se nessa altura amigo de Sting. Este também tinha passado por um momento na vida menos bom, uma influência muito positiva na vida de Steven pois ajudou-o e a resolver a sua vida.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Tornou-se um cristão renascido em agosto de 1998.[1] Borden é casado com Sue e o casal tem dois filhos, Garrett (nascido em 1991) e Steven (nascido em 1992), e uma filha, Grace (nascida em Janeiro de 2000).[2] A família é cristã pentecostal.[3] A família Borden está ativamente envolvida com sua igreja, denominada Igreja sobre a Rocha, em Santa Clarita, Califórnia. O irmão de Borden, Jeff, é pastor sênior. Seu filho, Garrett, atende na Azusa Pacific University onde joga como zagueiro do time de futebol, enquanto Steven está tocando a terceira corda QB de Waxahachie HS (Dallas, TX). [4]

Títulos e prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Mick Foley. Have a Nice Day: A Tale of Blood and Sweatsocks. [S.l.]: HarperCollins, 2000. 511 p. ISBN 0061031011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]