Teatro de operações da Ásia e Pacífico na Primeira Guerra Mundial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Teatro da Ásia e Pacífico na Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Tsingtao battle lithograph 1914.jpg
Cerco de Tsingtao.
Data 3 de agosto de 1914 - 5 de janeiro de 1919
Local China, Arquipélago de Bismarck, Ilhas Carolinas, Ilhas da Linha, Nova Guiné Alemã, Samoa Alemã, Guam, Ilhas Marianas, Ilhas Marshall, Taiti
Desfecho Vitória dos Aliados.
Combatentes
Aliados:
Japão Império do Japão
Reino Unido Reino Unido e Império Britânico
* Austrália Austrália
* British Raj Red Ensign.svg Índia Britânica
* Nova Zelândia Nova Zelândia
França França
Estados Unidos Estados Unidos
Impérios Centrais:
Império Alemão Império Alemão
Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Áustria-Hungria

O Teatro de Operações da Ásia e Pacífico na Primeira Guerra Mundial foi uma série de conquistas sem derramamento de sangue em grande parte das posses coloniais alemãs no Oceano Pacífico e China. A ação militar mais significativa foi bem executado Cerco de Tsingtao (atualmente Qingdao, China), mas as ações menores também foram significativas como em Bita Paka e Toma na Nova Guiné Alemã. Todos os outros bens alemães e austro-húngaros na Ásia e no Pacífico cairam sem derramamento de sangue. A guerra naval era comum; todas as potências coloniais possuiam esquadras navais estacionadas nos Oceanos Índico e Pacífico. Essas frotas eram operadas através do apoio às invasões dos territórios alemães detidos, destruindo assim a Esquadra Naval Alemã da Ásia Oriental.

Ofensivas aliadas no Pacífico[editar | editar código-fonte]

Uma das primeiras ofensivas terrestres no Pacífico foi a Ocupação da Samoa Alemã em agosto de 1914 pelas forças da Nova Zelândia. A campanha para tomar a Samoa terminou sem derramamento de sangue após mais de mil neozelandeses desembarcarem na colônia alemã, apoiados por um esquadrão naval francês e um australiano.

As forças australianas atacaram a Nova Guiné Alemã em setembro de 1914: 500 australianos encontraram 300 policiais alemães e nativos na Batalha de Bita Paka; os aliados ganharam o dia e os alemães recuaram para Toma. A companhia de australianos e um navio de guerra britânico sitiou os alemães e seus súditos coloniais, terminando assim sem nenhuma baixa, com uma rendição alemã. Após a queda de Toma, apenas pequenas forças alemãs foram deixadas na Nova Guiné e estas capitularam uma vez cercadas pelas forças australianas. A única exceção foi uma pequena expedição sob o comando de Hermann Detzner, que conseguiu iludir uma patrulha australiana para se manter no interior da ilha até o final da guerra.

A Micronésia Alemã, as Marianas, as Carolinas e as Ilhas Marshall também foram tomadas pelas forças aliadas durante a guerra, tudo sem oposição.

Retiro da Esquadra Naval Alemã da Ásia Oriental[editar | editar código-fonte]

Quando a guerra foi declarada na Alemanha em 1914, a Esquadra Naval Alemã da Ásia Oriental retirou-se da sua base em Tsingtao e tentou fazer o seu caminho através do leste do Pacífico de volta para a Alemanha. A frota invadiu vários alvos dos Aliados, uma vez que rumava pelo Pacífico. Cruzadores invadiram uma estação de cabo em Fanning, e em seguida, voltaram com a esquadra. Mais tarde, as forças alemãs atacaram Papeete, onde o Almirante Maximilian von Spee com seus dois cruzadores blindados afundaram uma canhoneira francesa e um cargueiro, antes de bombardear as baterias na costa de Papeete.

A frota alemã no Chile em novembro de 1914, após a Batalha de Coronel.

O próximo compromisso foi travado fora do Chile na Batalha de Coronel em 1 de novembro de 1914, onde o Almirante Spee ganhou a batalha, derrotando uma esquadra britânica, que havia sido enviada para destruí-lo. Seus dois cruzadores blindados e três leves afundaram dois cruzadores blindados da Marinha Real Britânica, e forçou um cruzador leve britânico ajudá-lo a fugir. Mais de 1.500 marinheiros britânicos foram mortos enquanto apenas três alemães foram feridos. A vitória não durou por muito tempo, tendo a frota alemã sido derrotada em águas do Atlântico na Batalha das Ilhas Falkland, em dezembro de 1914. Spee perdeu a auto-confiança após ver o SMS Scharnhorst destruido.

A única embarcação alemã que conseguiu escapar das Malvinas foi o cruzador leve Dresden e o auxiliar Seydlitz. Seydlitz fugiu para o Atlântico antes de ser interceptado pela neutra Argentina, enquanto o Dresden recuou para o Pacífico. O Dresden em seguida, tentou agir como um cruzador comercial, sem muito sucesso, até março de 1915, quando seus motores começaram a quebrar. Sem meios de conseguir reparos, o cruzador alemão navegou em águas neutras chilenas na ilha de Más a Tierra, onde foi encurralado pelas forças navais britânicas. Depois de uma curta batalha em que seus quatro tripulantes foram mortos, o Dresden foi forçado a entregar toda a tripulação às autoridades chilenas.

O Cerco de Tsingtao[editar | editar código-fonte]

A linha de frente alemã em Tsingtao.

Tsingtao foi a base alemã mais importante na área. Ela foi defendida por 600 soldados alemães apoiados por 3400 tropas coloniais chinesas e soldados e marinheiros austro-húngaros que ocupavam uma fortaleza bem concebida. Apoiados por um pequeno número de defesnsores da Kaiserliche Marine e da Marinha Austro-Húngara. Os japoneses enviaram quase uma frota toda para a área, incluindo seis navios de guerra e 50.000 soldados. Os britânicos enviaram duas unidades militares para a batalha de uma guarnição em Tientsin, que chegava a 1.600.

O bombardeio ao forte começou em 31 de outubro. Um assalto foi feito pelo Exército imperial japonês na noite de 6 de novembro. A guarnição se rendeu no dia seguinte. As vítimas da batalha foram 200 no lado alemão e 1455 no lado dos Aliados. Um cruzeiro aliado que protegia a retaguarda foi afundado por um torpedo alemão, mas quando os alemães e austro-húngaros estiveram certos da derrota afundaram sua própria esquadra.

Restauração Manchu[editar | editar código-fonte]

O governo alemão foi acusado de estar por trás do golpe monarquista de Zhang Xun na China para evitar que a facção de pró-guerra de Duan Qirui apoiasse os Aliados. Depois de o golpe fracassar em julho de 1917, Duan usou o incidente como um pretexto para declarar guerra à Alemanha. As concessões alemãs e austro-húngaras em Tianjin e Hankou foram ocupadas e os cidadãos que ajudaram os Impérios Centrais foram detidos. Uma trama ainda mais grave foi o financiamento da Alemanha para o Movimento de Proteção Constitucional, que geograficamente dividiu a China em dois governos rivais por mais de 11 anos.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Falls, Cyril (1960). The Great War, pgs. 98–99.
  • Keegan, John (1998). World War One, pgs. 205–206.