Forte de Âncora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2015). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Forte de Âncora
Forte da Lagarteira.jpg
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção Pedro II de Portugal ()
Estilo
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
N/D
Aberto ao público

O Forte de Âncora, também referido como Forte da Lagarteira, localiza-se no antigo lugar da Lagarteira, atual cidade e freguesia de Vila Praia de Âncora, no concelho de Caminha, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

Sobre uma elevação rochosa na margem direita da foz do rio Âncora, em posição dominante sobre a praia, defendia aquele porto e povoação pesqueira, coadjuvando a defesa da Praça-forte de Caminha.

Inscreve-se na Região de Turismo do Alto Minho.

História[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que a primitiva ocupação humana da foz do rio Âncora seja anterior à Invasão romana da Península Ibérica, mas foi neste período que adquiriu importância graças à extração de minérios na região.

Segundo a tradição, a toponímia Âncora se liga ao episódio do afogamento, nas águas daquele rio, da rainha D. Urraca com uma âncora atada ao pescoço, como punição por adultério pelo seu esposo, Ramiro II de Leão.

Embora alguns autores acreditem que a moderna fortificação do local remonte à época da Guerra da Restauração (1640-1668), é mais correto atribuí-la ao reinado de Pedro II de Portugal (1667-1705), que fez reforçar as defesas da linha fronteiriça do rio Minho e da costa oceânica ao sul da sua foz. Para este local foi determinada a edificação de duas estruturas marítimas: o Forte do Cão, na Gelfa, cobrindo a foz do rio, e o Forte da Lagarteira, cobrindo o portinho a norte da povoação, este último tendo sido iniciado em 1690.[1] Na mesma época e região foram erguidos ainda o Forte de Montedor e o Forte da Areosa, este último próximo a Viana do Castelo.

Em 1955 foi objeto de obras de conservação a cargo da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN).

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 47.508, publicado no DG n.º 20, de 24 de janeiro de 1967, retificado (localização) no DG n.º 59, de 10 de março de 1967.

No início da década de 1980 sofreu obras de consolidação e beneficiação. Mais recentemente, em 1997 voltou a sofrer atenções, quando sofreu novas beneficiações e trabalhos de revisão e conservação.

Características[editar | editar código-fonte]

Fortificação marítima abaluartada de pequenas dimensões, apresenta planta poligonal estrelada, formada por quatro baluartes lateriais e bateria ressaltada pelo lado do rio. Os seus muros, em cantaria de pedra, apresentam guaritas facetadas nos vértices.

Por sobre o portão de armas inscreve-se a pedra com as armas reais.

No terrapleno erguem-se três edificações com cobertura de uma água e duas rampas de acesso ao adarve e eirado. Os quartéis, abobadados, contam com lareiras.

Nas canhoneiras da bateria, podem ser observadas antigas peças de artilharia.

Referências

  1. MOREIRA, Bastos. "O Forte da Lagarteira (Âncora)". in Jornal do Exército, Lisboa, janeiro de 1984.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GIL, Júlio; CABRITA, Augusto. Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal. Lisboa, 1986.
  • GUERRA, Luís Figueiredo da. Castelos do Distrito de Viana. Coimbra, 1926.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma fortaleza é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.