Forte de São Teodósio da Ponta do Cavalo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Forte de São Teodósio da Ponta do Cavalo
Forte de São Teodósio da Ponta do Cavalo.JPG
Forte e farol de São Teodósio da Ponta do Cavalo.
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção João IV de Portugal (1648)
Estilo Abaluartado
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 95/78 de 12 de Setembro de 1978)
Aberto ao público

O Forte de São Teodósio da Ponta do Cavalo, também referido como Forte da Ponta do Cavalo ou Forte do Cavalo, ergue-se em posição dominante a oeste da baía de Sesimbra, no Distrito de Setúbal, em Portugal.

Integrou, no passado, a linha defensiva do trecho do litoral denominado hoje, em termos de turismo, como Costa Azul, e que, no século XVII, se estendia de Albarquel a Sesimbra, complementando a defesa da importante povoação marítima de Setúbal.

História[editar | editar código-fonte]

A idéia de uma fortificação neste local, para defesa do porto de Sesimbra, remonta à época da Restauração da independência portuguesa, proposta pelo padre Simão Falónio, que a imaginou em taipa (1640).

Ela só se materializaria, entretanto, no âmbito da completa remodelação da estratégia defensiva do reino implementada sob o reinado de D. João IV (1640-1656), compreendida na defesa da barra de Setúbal. Assim, sob a invocação de São Teodósio, iniciada em 1648, foi inaugurada em 1652, com projecto atribuído ao engenheiro militar e arquitecto Sebastião Pereira de Frias, conforme inscrição epigráfica originalmente em uma lápide sobre o portão da torre-cisterna:

"Reinando D. João IV em Portugal e mandando as armas o príncipe D. Theodósio, e as armas de Setúbal e seu partido Nunes da Cunha, se destinou esta fortaleza de São Theodósio, sendo capitão mor Francisco de Mattos Machado, vedores o juiz de fora Francisco Salgado de Moraes, Manoel Carvalho de Vargas, Manoel Farto do Olival, António Martins da Silva, Engenheiro Sebastião Pereira de Frias, Anno de 1652."

O príncipe D. Teodósio veio a falecer no ano seguinte, três anos antes do soberano.

Sofreu danos decorrentes do terramoto de 1755.

No século XIX encontrava-se guarnecida e artilhada à época da Guerra Peninsular, quando da primeira invasão francesa sob o comando do general Junot (1807-08). Abandonado pela guarnição em 1822, voltou a ser guarnecido posteriormente quando das Guerras Liberais.

Só em 1895 começaram as obras de instalação do actual farol, na chamada Bateria Alta, começando a operar no ano seguinte, sinalizando a entrada do porto de Sesimbra.

No último quartel do século XX, a pedido da Direcção-Geral de Faróis foram executadas obras de reconstrução e de adaptação pela Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) (1976). Considerado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n°95/78, publicado em 12 de Setembro de 1978, foram-lhe procedidas novas obras de recuperação e beneficiação em 1981-1983, 1986 e 1991.

Actualmente afeto ao Ministério da Defesa Nacional (Marinha de Portugal), as suas dependências são utilizadas como residência do faroleiro.

Características[editar | editar código-fonte]

Forte de São Teodósio da Ponta do Cavalo: vista do portão.

Esta fortificação marítima, erguida em alvenaria de pedra e tijolo, apresenta planta poligonal irregular, em estilo maneirista.

Acessada por um portão simples de volta inteira, no interior da Praça de Armas ergue-se uma torre de planta circular, com terraço. É ladeada por edifícios recentes, onde actualmente habita o faroleiro.

Nas extremidades, erguem-se dois baluartes com muralhas em talude, onde se abriam primitivamente as canhoneiras. No ângulo saliente a oeste observa-se uma guarita prismática.

A fortificação se prolongava, primitivamente, para leste. Este trecho da edificação foi destruído quando da construção do porto de abrigo e da respectiva estrada que lhe dá acesso.

Das antigas dependências da Capela de Nossa Senhora da Conceição, hoje em ruínas no perímetro do forte, subsiste somente a imagem da padroeira, em madeira policromada, transferida ao final do século XIX para a Igreja de Nossa Senhora do Castelo (Sesimbra).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]