Forte de Nossa Senhora da Conceição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.


Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção D. João IV (1642)
Estilo
Conservação Mau
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 129/77 de 29 de Setembro de 1977)
Aberto ao público Não

O Forte de Nossa Senhora da Conceição localiza-se entre a praia da Conceição e os Almagreiros, na Freguesia e Concelho de Cascais, Distrito de Lisboa, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Foi erguido como parte da linha de fortificações erguida entre 1642 e 1648, por determinação de D. António Luís de Meneses, governador da Praça-forte de Cascais, no contexto da Guerra da Restauração, e que se estendia entre São Julião da Barra e o Cabo da Roca.

O Baluarte do Rio do Bode, como era conhecido à época, foi iniciado em 1642, e já estava operacional em 1646.[1] Implantado sobre uma ponta rochosa na extremidade leste da baía de Cascais, cruzava fogos com a Cidadela de Cascais, "(…) embaraçando deste modo a aproximação do inimigo (…)".[2]

Perdida a sua função militar, na primeira metade do século XIX o forte foi desactivado, iniciando-se a sua demolição. Posteriormente, em 1868, o duque de Palmela adquiriu o imóvel, prosseguindo no mesmo ano na sua demolição, para dar lugar a um chalet - a Casa Palmela -, concluído em 1873, com projecto de Thomas Henry Wyatt.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

O forte apresentava planta irregular orgânica (adaptada ao terreno), com uma bateria rectangular terminada em "V", sobre a escarpa. No lado oposto erguiam-se os alojamentos, a cozinha, o paiol e a casa da palamenta, dispostos de frente da praça de armas. Sobre as edificações existia um terraço com parapeito, ao qual se acedia por uma escada disposta a partir da plataforma da bateria.

O muro ameado que actualmente se dispõe em volta da "Casa Palmela" não pertence ao conjunto original do forte, tendo sido edificado quando ela foi construída, para o caso de, em tempos de guerra, ser necessário guarnecer o local com tropas de infantaria.[3]

Notas

  1. BARROS, BOIÇA, RAMALHO, 2001:84-87.
  2. Op. cit., p. 86.
  3. a b Op. cit., p. 89.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARROS, Maria de Fátima Rombouts; BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira; RAMALHO, Maria Margarida Marques. As fortificações marítimas da costa de Cascais. Lisboa: 2001.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Grande Lisboa é um esboço relacionado ao Património, integrado no Projecto Grande Lisboa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.