Forte de Nossa Senhora das Salvas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Forte do Revelim
Forte Revelim.JPG
Forte de Nossa Senhora das Salvas, Sines, Portugal.
Mapa de Portugal - Distritos plain.png <div style="position:absolute;top:Erro de expressão: Operador * inesperadopx; left:Erro de expressão: Operador * inesperadopx; width:3px; height:3px; background:#FF0000" title="Localização" onmouseover="width:5px;height:5px;">
Construção ()
Estilo
Conservação Bom
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 95 de )
Aberto ao público

O Forte de Nossa Senhora das Salvas (ou de Salas), popularmente denominado como Forte do Revelim, no Alentejo, localiza-se na freguesia cidade e concelho de Sines, distrito de Setúbal, em Portugal.

Situado no cabo de Sines, no extremo oeste da baía, tinha como função a vigia da costa, cooperando com o Castelo de Sines na defesa da vila contra os ataques dos corsários e dos piratas então frequentes naquele litoral. Ao avistar alguma embarcação suspeita, a sua artilharia dava salvas, convocando os moradores válidos à defesa e a população em geral para se refugiar.

Foi construído no século XVII, com projeto do arquiteto Alexandre Massai, altura em que foram construídas outras fortalezas com a mesma função ao longo da costa portuguesa.

Esteve guarnecido até 1844.

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto nº 95, de 12 de Setembro de 1978.

Características[editar | editar código-fonte]

Forte marítimo, em estilo maneirista, apresenta planta rectangular, com casamata e bateria. Atualmente, o parapeito que envolve a bateria e o terraço da casamata já não mostra as primitivas canhoneiras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.