João Barroso Soares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
João Barroso Soares
Retrato oficial de João Soares
Presidente da Câmara Municipal de Lisboa
Período Agosto de 1995 a 6 de janeiro de 2002
Antecessor(a) Jorge Sampaio
Sucessor(a) Pedro Santana Lopes
Vida
Nascimento 29 de agosto de 1949 (66 anos)
Lisboa, São Cristóvão e São Lourenço
Dados pessoais
Partido Partido Socialista
Profissão Editor literário

João Barroso Soares (Lisboa, São Cristóvão e São Lourenço, 29 de agosto de 1949), normalmente conhecido apenas como João Soares, é um editor literário e político português. É o atual Ministro da Cultura do XXI Governo Constitucional de Portugal.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filho de Mário Soares e de Maria Barroso,[1] frequentou o Colégio Moderno e o Liceu Francês (Lycée Français Charles Lepierre), ingressando em seguida na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Envolvido na oposição dos estudantes à ditadura, foi membro da Comissão Pro-Associação dos Liceus (1966) e da Associação Académica da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Expulso três vezes da universidade, foi em 1972 para a RFA, onde frequentou a Akademie Remscheid, como bolseiro da Fundação Friedrich Ebert[2] . Não chegou a concluir a licenciatura em Direito[3] [4] .

A partir de 1975 dedicou-se ao trabalho na editora Perspectivas & Realidades (P&R), que fundou com Vítor Cunha Rego, e de que se mantém proprietário.[5] A P&R iniciou a sua atividade com O Triunfo dos Porcos, de George Orwell, uma sátira à União Soviética de Estaline, publicando em seguida — a par de livros de dirigentes socialistas, como o próprio Mário Soares, Almeida Santos ou Salgado Zenha, e de diversas obras de história política —, a obra reeditada de Raúl Brandão e os romances de João Aguiar, como chancela original. De assinalar em seguida uma antologia organizada por Mário Cesariny: Textos de Afirmação e de Combate do Movimento Surrealista Mundial. Já nos anos 1980 viria a editar a poesia do líder da UNITA, Jonas Savimbi, com o título Quando a Terra Voltar a Sorrir Um Dia.[5]

Militante do Partido Socialista desde a sua fundação, em 1973, foi deputado à Assembleia da República, pelo Círculo de Lisboa, entre 1987 e 1990, e, novamente, nas legislaturas iniciadas em 2002, 2005 e 2009. Foi igualmente deputado ao Parlamento Europeu, de 1994 a 1995. Exerceu funções autárquicas, como vereador e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, de 1990 a 1995, e de 1995 a 2002, respetivamente. Enquanto vereador da Câmara Municipal de Lisboa, assumiu o pelouro da Cultura, numa altura em que a cidade recebeu o evento da Capital Europeia da Cultura, em 1994, e que foi criada a Videoteca (1991) a Casa Fernando Pessoa (1993) e a Bedeteca (1996), na atual Biblioteca dos Olivais[5] .

Em 2004 foi candidato à liderança do PS, perdendo para José Sócrates. Em 2005 encabeçou a candidatura do PS à Câmara Municipal de Sintra, que foi derrotado nessas eleições por Fernando Seara, apoiado pelo PSD. Entretanto, acumulou as funções no Parlamento, onde se manteve como deputado na legislatura de 2005-2009, com a presidência da Assembleia Parlamentar da OSCE, entre 2008 e 2010. Em finais de 2015 é nomeado Ministro da Cultura do XXI Governo Constitucional, sendo Primeiro-Ministro o socialista António Costa.[4]

João Soares é membro da Maçonaria, desde 1974, segundo disse o próprio.[6] É primo-irmão materno do Cronista e antigo Deputado e Secretário de Estado Alfredo Barroso, do Cineasta Mário Barroso e do Médico Cirurgião Eduardo Barroso.

Condecorações[7] [8] [editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

É autor de romances em Inglês e em Alemão, sob os pseudónimos, respectivamente, de John Sowinds e de Hans Nurlufts, traduções livres do seu nome.[9]

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou primeira vez com Maria Olímpia Soares (1971), da qual se divorciou e da qual tem duas filhas e um filho:

  • Maria Inês Soares (1976)
  • Maria Mafalda Soares (1981)
  • Mário Alberto Soares (1986)

Casou segunda vez com Annick Burhenne, natural da Bélgica, da qual tem um filho e uma filha:

  • Jonas Burhenne Soares (22 de Novembro de 2003)
  • Lilah Burhenne Soares (2007)

Referências

  1. Ana Paula Azevedo (25 de Novembro de 2015). "Um governo em família". Sol. Consult. 27 de Novembro de 2015. 
  2. http://www.feslisbon.org/site/index.php
  3. "Biografia". www.parlamento.pt. Consult. 2015-11-24. 
  4. a b "Ministro da Cultura: João Soares, finalmente o Governo". Jornal Expresso. Consult. 2015-11-24. 
  5. a b c João Soares, uma surpresa na cultura
  6. Saiba Quem são os Novos Fiscais das ´Secretas`, o Expresso, sexta-feira, 8 de março
  7. "Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras". Resultado da busca de "João Barroso Soares". Presidência da República Portuguesa. Consult. 2015-02-11. 
  8. "Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas". Resultado da busca de "João Barroso Soares". Presidência da República Portuguesa. Consult. 2015-02-11. 
  9. "João Soares escritor: o erotismo dos heterónimos do novo ministro da Cultura". Observador. 27 de Novembro de 2015. Consult. 7 de Dezembro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Jorge Sampaio
Presidente da Câmara Municipal de Lisboa
1995 – 2002
Sucedido por
Pedro Santana Lopes
Precedido por
Goran Lennmarker
Presidente da AP da OSCE
2008 – 2010
Sucedido por
Petros Efthymiou
Precedido por
Teresa Morais
(como ministra da Cultura, Igualdade e Cidadania)
Ministro da Cultura
XXI Governo Constitucional
2015 – presente
Sucedido por
Em funções