João Martinho Moye

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde outubro de 2011). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Beato João Martinho Moye[editar | editar código-fonte]

Fundador das Irmãs da Providência.

João Martinho Moye nasceu em Cutting, França, a 27 de janeiro de 1730, sendo batizado no dia seguinte, na igrejinha da Aldeia. Aos 24 anos foi ordenado sacerdote diocesano. Trabalhou em algumas Paróquias da Diocese de Metz. Austero, zeloso, logo manifestou raras qualidades, como Diretor Espiritual. Impressionado pela falta de conhecimento religioso em que viviam as crianças, atraiu almas de boa vontade e fundou uma primeira escola em Vigy (França), no dia 14 de janeiro de 1762, que entregou a Margarida Lecomte: era a semente da Congregação das Irmãs da Providência e que hoje se estende em vários países.

Teve de enfrentar muitas dificuldades e incompreensões. Um dia, vendo em perigo sua obra,entregou-a nas mãos da Virgem Maria Auxiliadora. A sua obra estava salva. Bem estabelecido o seu instituto na França, e seguindo uma inspiração interior, preparou-se e foi, por 10 anos, missionário na China. Ai sofreu cansaços e perseguições, chegando até a prisão, por confessar a fé.

Assim como fizera na França, também na China apelou para a colaboração da mulher: fundou o Instituto das Virgens Cristãs para o ensino do catecismo, nas escolas e lares; bem como a Obra Evangélica, para o Batismo das crianças que, na China, morriam aos milhares, pelo abandono dos pais, a fome e a peste. Cuidou ainda da formação do clero indígena. Entre seus discípulos e catequistas, muitos confessaram a fé e alguns a graça do martírio.

Depois de 10 anos o Pe Moye voltou a França, então agitada pela revolução. Trabalhou em missões e zonas rurais. Dedicou-se ainda à formação de suas Irmãs da Providência, mas com o avanço da Revolução, muitas tiveram que procurar o exílio. Assim é que Moye retirou-se para Treves, na Alemanha, onde também entraram refugiadas algumas Irmãs. Mesmo ai, não ficou inativo, o ardente apóstolo. Cuidando dos soldados alemães feridos ou atacados de tifo; Pe Moye é contagiado pela doença.

Teve morte belíssima assistido pelas Irmãs emigrantes e também um amigo Pe Feys. Faleceu a 4 de maio de 1793, com 63 anos de idade. Morre um santo corria o sussurro pela cidade.

João Martinho Moye, homem de oração e fé, atento à vida e profundamente abandonado à Providência, deixa como herança a suas Irmãs, quatro virtudes: abandono à Providência, simplicidade, caridade e pobreza.

Tinha sempre presente a Paixão de Jesus Cristo; pois para ele os caminhos da Providência passam sempre pelo mistério da Cruz. Transmitiu ainda às Irmãs, a devoção a Maria Auxiliadora, que marcou profundamente, assim como a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Foi beatificado pelo Papa Pio XII em 1954

Sua festa é celebrada no dia 4 de maio.