Joaquim José Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o militar português. se procura o militar e político brasileiro, veja José Joaquim Machado de Oliveira.
Joaquim José Machado
Conhecido(a) por Construção do Caminho de Ferro de Lourenço Marques
Nascimento 24 de Setembro de 1847
Lagos
Morte 22 de Fevereiro de 1925 (77 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portugal
Progenitores Mãe: Maria da Glória
Pai: António José Machado
Cônjuge Mariana Cardoso de Melo
Filho(s) Álvaro Melo Machado
Francisco Melo Machado
Maria Margarida Melo Machado
Ocupação Engenheiro, militar e político
Cargo Governador da Província de Moçambique, Companhia de Moçambique e da Índia Portuguesa, e director das Obras Públicas de Moçâmedes
Serviço militar
Patente General
Título Conselheiro

Joaquim José Machado, mais conhecido por Conselheiro Joaquim Machado ou Major Machado GCCGOAComAOSE (Lagos, 24 de Setembro de 1847 — Lisboa, 22 de Fevereiro de 1925) foi um engenheiro, militar e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascimento e formação[editar | editar código-fonte]

Nasceu na cidade de Lagos, em 24 de Setembro de 1847.[1][2]

Formou-se em engenharia.[2]

Carreira militar e política[editar | editar código-fonte]

Depois de terminar a sua carreira académica, assentou praça em Outubro de 1869, tendo sido promovido a alferes em 1873, tenente em 1875, capitão em 1876, major em 1887, tenente-coronel em 1892, e a coronel em 21 de Novembro de 1895.[2] Atingiu depois a posição de general.[1]

Em 1877, foi nomeado para director das Obras Públicas de Moçambique.[2] Realizou várias obras naquela província, destacando-se o planeamento do traçado do Caminho de Ferro de Lourenço Marques a Pretória, projecto do qual foi encarregado pelo presidente da República do Transvaal, Paul Kruger.[1][2] Este estadista enviou um convite especial a Joaquim Machado, para a cerimónia de inauguração daquela ligação ferroviária, em 1895.[2]

Joaquim José Machado enquanto Governador da Índia Portuguesa

Em 1890, foi nomeado Governador da Província de Moçambique, cargo que exerceu até 1891.[3] Nesta posição, destacou-se pelo seu papel durante o Ultimato britânico de 1890.[2] Também foi responsável pela construção da linha férrea entre Moçâmedes e a Província de Bié, em Angola.[4]

Também desempenhou os cargos de governador da Companhia de Moçambique e director das Obras Públicas de Moçâmedes.[2] Foi Governador de Moçambique em outras duas oportunidades, em 1900 e entre 1914 e 1915.[3]

Entre 1897 e 1900, foi o 110.º Governador da Índia Portuguesa.[5][2] Em 1902, data em que possuía o título de conselheiro, viajou para Londres para discutir as tarifas do Caminho de Ferro de Mormugão,[6], tendo feito parte de uma comissão para a exploração daquele caminho de ferro.[7]

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Faleceu em Lisboa, no dia 22 de Fevereiro de 1925.[2]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Foi feito Comendador e Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis, Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada[2] e Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo a 28 de Junho de 1919.[8]

Placa toponímica da Rua Conselheiro Joaquim Machado, na cidade de Lagos.

Foi homenageado pela Sociedade de Geografia de Lisboa em 1953, que expôs um busto seu, da autoria do escultor Raul Xavier.[1] Na imprensa algarvia surgiu a ideia de colocar uma placa comemorativa na habitação onde nasceu e de uma réplica do seu busto numa praça da cidade de Lagos.[1] Em Angola, foram erigidos três monumentos em sua honra.[1] O seu nome foi colocado na cidade angolana de Camacupa, e uma região da África do Sul, por onde passava o Caminho de Ferro de Lourenço Marques, foi baptizada como Machadodorp, como resultado da combinação entre o seu nome e o topónimo dorp, que significa pequena localidade em africânder.[1]

O seu nome foi colocado numa rua em Lagos em 24 de Outubro de 1895, por proposta do presidente da Câmara Municipal.[9][2] Na freguesia de São Domingos de Benfica, em Lisboa, existe o Largo General Joaquim José Machado, onde foi inaugurado um busto em Fevereiro de 2017.[4]

Referências

  1. a b c d e f g «General Joaquim José Machado» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 66 (1572). 16 de Junho de 1953. p. 159. Consultado em 8 de Dezembro de 2018 
  2. a b c d e f g h i j k l FERRO, 2002:282-284
  3. a b Lista de governadores de Moçambique
  4. a b «Inauguração do busto do General Joaquim José Machado». 10 de Fevereiro de 2017. Consultado em 8 de Dezembro de 2018 
  5. Lista de Governadores da Índia Portuguesa
  6. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 15 (353). 1 de Setembro de 1902. p. 267. Consultado em 8 de Dezembro de 2018 
  7. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (337). 1 de Janeiro de 1902. p. 11. Consultado em 8 de Dezembro de 2018 
  8. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Joaquim José Machado". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 17 de março de 2016 
  9. «Freguesia de São Sebastião» (PDF). Câmara Municipal de Lagos. Consultado em 4 de Janeiro de 2013 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERRO, Silvestre Marchão (2007). Vultos na Toponímia de Lagos 2.ª ed. Lagos: Câmara Municipal de Lagos. 358 páginas. ISBN 972-8773-00-5 
Precedido por
João António de Brissac das Neves Ferreira
Governador-geral de Moçambique
1890 - 1891
Sucedido por
Rafael Jácome de Andrade
Precedido por
31.º Conselho de Governo do Estado da Índia Portuguesa
Governador da Índia Portuguesa
1897 - 1900
Sucedido por
Eduardo Augusto Rodrigues Galhardo
Precedido por
Júlio José Marques da Costa
Governador-geral de Moçambique
1900
Sucedido por
Manuel Rafael Gorjão Henriques
Precedido por
Augusto Ferreira dos Santos
Governador-geral de Moçambique
1914 - 1915
Sucedido por
Alfredo Baptista Coelho