Carlos Eugénio Correia da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Carlos Eugénio Correia da Silva, primeiro visconde e conde de Paço d'Arcos.

Carlos Eugénio Correia da Silva, primeiro visconde e conde de Paço d'Arcos CvTEGCAComC (17 de dezembro de 18345 de novembro de 1905) foi um administrador colonial, militar de carreira da Armada portuguesa, e político ligado ao Partido Regenerador de Portugal[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carlos Eugénio nasceu na freguesia da Encarnação, em Lisboa, a 17 de dezembro de 1834, filho de João José da Assunção e Silva e de D. Jesuína Amália Correia da Silva.

Foi Governador de Macau (1876-1879), do Estado Português da Índia (1882-1886) e de Moçambique (1881-1882).

Foi também Vice-almirante, Marechal da Armada, Par do Reino, Conselheiro de Sua Majestade Fidelíssima e ajudante-de-campo de El-Rei D. Carlos I.

Condecorado como Cavaleiro da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, Comendador da Ordem Militar de Cristo e Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis, entre outras distinções estrangeiras.

Foi ainda governador civil do Distrito de Lisboa, de 16 de janeiro a 29 de setembro de 1890, durante o período do ultimato britânico e primeiro embaixador de Portugal no Brasil após a queda da monarquia brasileira.

Em 6 de setembro de 1876 casou-se, na Igreja Paroquial da Ajuda, com D. Emília Angélica de Castro Monteiro, neta dos condes de Castro, de quem teve:

Encontra-se colaboração da sua autoria no jornal O Panorama[3] (1837-1868).

Faleceu aos 70 anos de uma congestão pulmonar, na Rua de São Ciro, número 65, 1º andar, da Lapa, sendo sepultado no Cemitério dos Prazeres.

Referências

  1. «O Conde de Paço D`Arcos: Um diplomata, um militar, um político, no início da República brasileira, João Júlio Gomes dos Santos Júnior, ANPUH – XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – Fortaleza, Brasil, 2009» (PDF). anpuh.org 
  2. O Capitão-de-Mar-e-Guerra Henrique Monteiro Corrêa da Silva (Paço d'Arcos) teve como filho varão primogénito sobrevivente Henrique Belford Correia da Silva, 2º conde de Paço d'Arcos. O 2º conde foi um poeta conhecido pelo nome de Joaquim Paço d'Arcos e era discípulo do poeta Teixeira de Pascoaes. O seu irmão foi o conhecido escritor Joaquim Paço d'Arcos.
  3. Rita Correia (23 de Novembro de 2012). «Ficha histórica: O Panorama, jornal literário e instrutivo da sociedade propagadora dos conhecimentos úteis.» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de Maio de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
José Maria Lobo de Ávila
Primeiro brasão macau.PNG
Governador de Macau

18761879
Sucedido por
Joaquim José da Graça
Precedido por
Augusto César Rodrigues Sarmento
Lesser coat of arms of Portuguese East Africa.svg
Governador-geral de Moçambique

1881 - 1882
Sucedido por
José de Almeida d'Ávila
Precedido por
Caetano Alexandre de Almeida e Albuquerque
Lesser coat of arms of Portuguese India.svg
Governador da Índia Portuguesa

1882 - 1886
Sucedido por
24.º Conselho de Governo do Estado da Índia Portuguesa
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.