Marisa Matias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marisa Matias
A eurodeputada Marisa Matias em 2016
Deputada ao Parlamento Europeu
Período 14 de julho de 2009
a atualidade
Dados pessoais
Nome completo Marisa Isabel dos Santos Matias
Nascimento 20 de fevereiro de 1976 (42 anos)
Sé Nova, Coimbra, Portugal Portugal
Nacionalidade Portugal portuguesa
Alma mater Universidade de Coimbra
Partido Bloco de Esquerda
Profissão socióloga e política
Website Eurodeputada
Candidata presidencial

Marisa Isabel dos Santos Matias (Coimbra, Sé Nova, 20 de fevereiro de 1976)[1] é uma socióloga portuguesa com trabalho na área do ambiente e da saúde pública e deputada europeia [2] eleita pelo Bloco de Esquerda. Em 2016 foi candidata às eleições presidenciais portuguesas, tendo ficado em 3º lugar com 10,12% dos votos, tornando-se a mulher mais votada de sempre em eleições presidenciais em Portugal.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES)[4] (desde 2004), foi anteriormente assistente de investigação desse mesmo Centro (2000-2004) e professora de sociologia e outras disciplinas nas escolas profissionais ITAP - Instituto Técnico e Artístico Profissional de Coimbra e Profitecla (2000-2001). Foi secretária de redação da Revista Crítica de Ciências Sociais (1998-2000).

Fez todo o seu percurso académico na área da Sociologia, na Universidade de Coimbra, desde a licenciatura até ao doutoramento em Sociologia, com a tese: A natureza farta de nós? Saúde, ambiente e novas formas de cidadania (Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2009). O seu mestrado, também em Sociologia, foi no domínio dos estudos sociais da ciência e da tecnologia.

Publicou vários artigos científicos, capítulos de livros e outras publicações, nacionais e internacionais, sobre relações entre ambiente e saúde pública, ciência e conhecimentos e democracia e cidadania. Colaborou enquanto formadora/professora em vários cursos de formação e programas de pós-graduação. Realizou investigação científica nas áreas da saúde ambiental, sociologia da ciência, sociologia da saúde e sociologia política.

Actividade cívica e política[editar | editar código-fonte]

Membro da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda e da sua Comissão Política. Vice-presidente do Partido da Esquerda Europeia. É também Vice-Presidente da Associação Europeia de Alzheimer e Membro do Conselho Consultivo da SERES. Foi membro da direcção da Pro-Urbe, associação cívica de Coimbra. Foi mandatária nacional do “Movimento Cidadania e Responsabilidade pelo Sim”, no âmbito do referendo nacional pela despenalização do aborto em Portugal. Ativista do movimento contra a co-incineração em Souselas. Encabeçou a lista do Bloco de Esquerda nas eleições à Câmara Municipal de Coimbra (2005).

Eurodeputada[editar | editar código-fonte]

7.ª legislatura (2009 – 2014)[editar | editar código-fonte]

Em 2009 foi eleita deputada do Parlamento Europeu pelo Bloco de Esquerda, integrando o grupo político GUE/NGL. Durante essa legislatura fez parte da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia (ITRE), da qual foi coordenadora, da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar (ENVI) até junho de 2012, e a Comissão de Assuntos Económicos e Monetários (ECON) a partir de Junho de 2012. Integrou também as delegações para as relações com os Países do Maxereque,[5] com o conselho legislativo da Palestina e com a África do Sul.

Logo no início do mandato foi nomeada relatora do Parlamento Europeau para a elaboração e negociação da directiva que previne a entrada de medicamentos falsificados na cadeia legal de distribuição, um negócio que rende mais de 400 mil milhões de euros anuais para as redes de falsificação e que coloca em risco a vida dos pacientes. A directiva proposta e negociada ao longo de quase dois anos com os grupos parlamentares e com os governos viria a ser aprovada em 2011. Foi a segunda vez desde a integração de Portugal na UE que uma deputada portuguesa foi responsável por uma directiva-quadro, lei que será transposta para a ordem jurídica dos 28 estados membros até 2016.

Paralelamente, foi também relatora da estratégia europeia de combate ao Alzheimer e a outras demências, que viria a ser igualmente aprovada em 2011. Integrou e co-presidiu ao grupo de trabalho europeu para a Diabetes, tendo sido co-autora da primeira resolução alguma vez aprovada no Parlamento Europeu tendo em vista a definição de linhas políticas estratégicas de combate à epidemia da diabetes (2010). Dedicou-se ainda à elaboração e aprovação de propostas de resolução relativas ao cancro, HIV-Sida e foi membro integrante da comissão de inquérito parlamentar sobre o caso da vacina para a H1N1. Em 2011, foi eleita pelos pares, com mais de 350 votos obtidos em regime de voto secreto, como Deputada do Ano na área da saúde, tendo sido a única deputada do Grupo Parlamentar da Esquerda Unitária a receber este prémio desde a sua criação.

Marisa Matias no Fórum Internacional pela Emancipação e Igualdade.

Nos anos de 2011 e 2012 foi relatora do Parlamento para a definição do Quadro Comum Estratégico de Financiamento da Investigação e Inovação, relatório que viria a ser aprovado em 2012 e que estabeleceu as bases para o desenho do que deveria ser a proposta do Programa Horizonte 2020, o programa relativo ao financiamento europeu da investigação e inovação no período 2014 a 2020. Para além da proposta do reforço de verbas e de uma melhor redistribuição geográfica dessas verbas, a proposta aprovada consagrou um aumento significativo de apoios ao trabalho científico e à atribuição de bolsas no quadro do financiamento europeu. Mais tarde, viria a integrar a equipa dos seis relatores nomeados pelo Parlamento Europeu para a definição e negociação da proposta relativa ao Horizonte 2020, tendo ficado responsável por um dos regulamentos legislativos relativo à Agenda Estratégica para a Inovação. O pacote legislativo acabaria por ser aprovado no final de 2013, tendo já entrado em vigor em Janeiro de 2014.

Em 2012 foi ainda nomeada relatora do Parlamento Europeu para a avaliação das actividades do Banco Central Europeu relativas a 2011, ano em que a presidência do BCE mudou. Num processo muito disputado e de negociações difíceis, o seu relatório viria a ser aprovado por um voto de diferença na comissão de assuntos económicos e monetários. Posteriormente, o relatório viria a ser aprovado em plenário ainda em 2013, mas Marisa Matias pediu para que o seu nome fosse retirado do relatório, em resultado de alterações aprovadas no voto final que eliminaram do relatório todas as referências críticas ao BCE enquanto membro da Troika, eliminando igualmente a proposta que obrigava o BCE a devolver aos países sob intervenção da Troika os lucros resultantes dos complexos processos de compra e venda de títulos de dívida pública. 

Marisa Matias foi ainda relatora do parlamento para quatro pareceres sobre a estratégia europeia de adaptação às alterações climáticas, a redefinição do cálculo do PIB, a proposta de novo quadro financeiro plurianual e a regulação da definição de índices relativos aos bens transaccionados em Bolsa.

Enquanto relatora sombra, ou seja, deputada responsável no seu grupo parlamentar para seguir e negociar propostas lideradas por outros colegas de outros grupos parlamentares, Marisa Matias acompanhou ao longo deste mandato a execução de 25 propostas parlamentares, tendo apresentado propostas de alteração e participado nas reuniões de negociação.

Foi ainda co-autora de 119 propostas de resoluções parlamentares.

Enquanto Vice-Presidente do Parlamento para as relações com os países do Maxereque (Líbano, Síria, Jordânia e Egipto) integrou e presidiu ainda a várias delegações parlamentares a estes países, coordenando processos de negociação com os respectivos parlamentos nacionais, num período que foi atravessado pelas transformações introduzidas pela Primavera Árabe. Integra ainda a Delegação do parlamento para as relações com o Conselho Legislativo Palestiniano, tendo desenvolvido várias iniciativas relativas, em particular, ao cerco da Faixa de Gaza.[6]

8.ª legislatura (2014 – )[editar | editar código-fonte]

Marisa Matias em Barcelona (2015).

Em 2014 encabeçou a lista do Bloco de Esquerda para as eleições europeias, tendo sido reeleita deputada do Parlamento Europeu, onde continua a integrar o grupo parlamentar GUE/NGL. Na presente legislatura, é membro da Comissão de Assuntos Económicos e Monetários (ECON), da qual é coordenadora, e da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia (ITRE). É Vice-Presidente da Comissão Especial sobre as Decisões Fiscais Antecipadas e Outras Medidas de Natureza ou Efeitos Similares (TAXE), constituída na sequência dos escândalos luxleaks e swissleaks e outros. É Presidente da Delegação para as Relações com os Países do Maxereque (Líbano, Egipto, Síria e Jordânia), no âmbito da qual presidiu à delegação oficial de visita ao Líbano, durante a qual se debateu, entre outras, a questão dos refugiados. É Presidente do intergrupo dos Bens Comuns, que abrange não só os recursos naturais, em particular a água, mas também, por exemplo espaços sociais ou jardins urbanos, ou mesmo bens imateriais como o conhecimento, a cultura, o pensamento, a criatividade os bens digitais comuns, todos eles com formas muito próprias de apropriação e de gestão. Mantém a co-presidência do grupo de trabalho europeu para a Diabetes.

Na presente legislatura Marisa Matias tem acompanhado no âmbito da ECON, sobretudo, os relatórios ligadas à governação económica, ao semestre europeu, Banco Central Europeu e da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP).

No âmbito da ITRE é relatora sombra do relatório relativo ao mercado único europeu das comunicações eletrónicas, no âmbito do qual se tem batido pela manutenção da neutralidade da internet.

A 25 de setembro de 2014 presidiu à apresentação das conclusões da sessão extraordinária sobre Gaza do Tribunal Russell para a Palestina, no Parlamento Europeu, com os membros do júri: Ken Loach, Roger Waters, Vandana Shiva, David Sheen, Richard Falk, Max Blumenthal, Mohamed Omer e Michael Mansfield. Depois de no início desse mesmo mês ter integrado uma delegação de deputados do Parlamento Europeu que foi impedida de visitar a Faixa de Gaza pelas autoridades de Israel.

Eleições presidenciais de 2016[editar | editar código-fonte]

Marisa Matias foi a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda às eleições presidenciais de 2016.[7] O anúncio da candidatura foi feito a 7 de novembro de 2015 no Teatro Thalia, em Lisboa, e esta foi formalizada junto do Tribunal Constitucional a 17 de dezembro de 2015, com a entrega de cerca de 12 000 assinaturas. O seu mandatário nacional foi o ator António Capelo.[8]

Ficou em 3º lugar nas eleições, conquistando 10,12% dos votos, sendo a mulher mais votada de sempre em eleições presidenciais, suplantando o resultado de Maria de Lurdes Pintasilgo em 1986.

Apoios nas presidenciais[editar | editar código-fonte]

Entre os seus apoiantes contam-se:[9][10]

Referências

  1. «ACÓRDÃO Nº 700/2015». Tribunal Constitucional. 29 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de maio de 2016. 
  2. http://www.europarl.europa.eu/meps/pt/96820/MARISA_MATIAS_home.html
  3. «Marisa Matias é a mulher mais votada de sempre em presidenciais» 
  4. http://www.ces.uc.pt/investigadores/cv/marisa_matias.php
  5. http://www.europarl.europa.eu/delegations/pt/dmas/home.html
  6. «Marisa Matias». Parlamento Europeu: Deputados 
  7. «Marisa Matias será a candidata à Presidência da República apoiada pelo Bloco». PÚBLICO. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  8. «Marisa Matias formaliza candidatura a Presidente da República». Esquerda. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  9. «Marisa Matias - Testemunhos». www.marisa2016.net. Consultado em 23 de janeiro de 2016. 
  10. «Marisa Matias recebe cartas de apoio de personalidades da cultura». PÚBLICO. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  11. «"Marisa Matias", por Abel Neves». Esquerda. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  12. «Marisa Matias terá Pablo Iglesias em ação de campanha». JN. Consultado em 16 de janeiro de 2016. 
  13. «"Marisa é de confiança", por Sérgio Godinho». Esquerda. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Marisa Matias