Partidocracia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O termo partidocracia constitui um neologismo usado para definir a liberal vontade que seja um ou mais partidos a exercerem o domínio político sobre a governação dum país ou nação[1] e que surge do pluripartidarismo.

Para a teoría antiliberal, segundo o filósofo Gustavo Bueno, "a partidocracia constitui uma deformação sistemática da democracia. Cada partido tem que atacar sistematicamente o outro". Conforme definido por Gonzalo Fernández de la Mora, "a partidocracia é uma forma de Estado na qual as oligarquias partidárias assumem a soberania efectiva",

Argumentos a desfavor[editar | editar código-fonte]

As principais críticas que se opõem a esse sistema são:

  • alianças entre os partidos políticos, através da partilha do poder, infringem o sufrágio universal;
  • decisões importantes são tomadas pelos líderes partidários cuja imparcialidade não é garantida;
  • o aparecimento de partidos políticos fortes, através de alianças capazes de evitar o aparecimento de partidos novos e pequenos, constitui um risco de se seguir na direção a um pensamento único e no rotativismo;
  • a separação dos poderes não é garantido desde que as mesmas partes são representadas em diferentes níveis de poder. A direcção de um partido forte pode assumir todos os poderes;
  • numa sociedade altamente politizada, os média e a imprensa não são politicamente neutra. Em que neste sistema, constituem um poder detido pelas partes.

Assim a partidocracia é denunciada como uma forma de governação dum Estado que concentra naturalmente o poder em apenas num partido político ou em dois partidos políticos, o bipartidarismo, que assumem a soberania efectiva como se de uma oligarquia se tratasse, não deixando a possibilidade dos deputados, que deles fazem parte, expressarem sua verdadeira intenção, restringindo-lhes a sua liberdade assim como dos pequenos partidos serem ouvidos e achados.

Contras-argumentos[editar | editar código-fonte]

Para que a democracia possa permitir a cada indivíduo a participar na administração pública requer estruturas partidárias para expressar as diversas correntes de opinião.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.