Rui Vieira Nery

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rui Vieira Nery
Nascimento 1957 (62 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Ocupação compositor

Rui Vieira Nery ComIH (Lisboa, 1957) é um musicólogo português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Lisboa em 1957, filho do guitarrista Raul Nery. Iniciou os seus estudos musicais na Academia de Música de Santa Cecília e prosseguiu-os no Conservatório Nacional de Lisboa, onde foi aluno de Melina Rebelo (Piano), Constança Capdeville (Composição) e Macario Santiago Kastner (Musicologia e Interpretação de Música Antiga).

É licenciado em História, pela Universidade de Lisboa (1980), e doutorado em Musicologia, pela Universidade do Texas (Austin) (1990), que frequentou como Fulbright scholar e bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Nessa universidade estrangeira trabalhou, designadamente, com os Professores Robert Snow, Gérard Béhague, Douglass Green, Michael Tusa e Elliot Antokoletz.

Prémios[editar | editar código-fonte]

Bibliografia (Selecção)[editar | editar código-fonte]

  • Para a história do barroco musical português: O Códice 8942 da B.N.L., Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1980.
  • Sonatas para tecla do século XVIII, transcrição de Janine Moura, M. S. Kastner e Rui Vieira Nery, estudo de M. S. Kastner, Lisboa, Fund. Calouste Gulbenkian, 1982.
  • A música no ciclo da Bibliotheca Lusitana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.
  • Manuscritos musicais: Polifonia: Catálogo, Arquivo Distrital de Viseu, com Miguel Sobral Cid, Viseu, A.D., 1986.
  • The Music Manuscripts in the Library of King D. João IV of Portugal (1604–1656): A Study of Iberian Music Repertoire in the Sixteenth and Seventeenth Centuries, Dissertação de Doutoramento, Universidade do Texas em Austin, 1990.
  • História da música [portuguesa], com Paulo Ferreira de Castro, Lisboa, Comissariado para a Europália 91, IN-CM, 1991.
  • Portugaliae Monumenta Organica: Órgãos de Portugal, texto Rui Vieira Nery, Lisboa, Academia de Música de D. João IV, 1992.
  • "António Carreira, o Velho, Fr. António Carreira e António Carreira, o Moço: Balanço de um Enigma por Resolver", in Livro de Homenagem a Macario Santiago Kastner, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 405-430, 1992.
  • "O Vilancico Português do Século XVII: Um fenómeno Intercultural", in Portugal e o Mundo: O Encontro de Culturas na Música, Lisboa, Publicações Dom Quixote, pp. 91-102, 1997.
  • "A Música na Sé de Évora como Instrumento Doutrinal", in Do Mundo Antigo aos Novos Mundos: Humanismo, Classicismo e Notícias dos Descobrimentos em Évora (1516-1624), ed. M. S. d. Cunha. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos, 1998.
  • "Os Concertados de Santa Cruz de Coimbra e a Problemática da Música de Câmara Instrumental Ibérica nos séculos XVI e XVII", Modus: Revista do Instituto Gregoriano de Lisboa, n.º 5, pp. 89-103, 2001.
  • Modinhas, lunduns e cançonetas: Com acompanhamento de viola e guitarra inglesa: Séculos XVIII - XIX, sel., rev. e notas Manuel Morais, pref. Rui Vieira Nery, Lisboa, IN-CM., 2000.
  • Ao vivo no casino: Para uma história do fado, Lisboa, Público, 2004.
  • Para uma história do fado, Público, Corda Seca, 2004.
  • O fado agradecido a D. Maria Teresa de Noronha, Lisboa, EMI-Valentim de Carvalho, 2006.
  • Para uma história do fado, 2ª ed. rev., Lisboa, IN-CM, 2012.
  • Fados para a República, 1ª ed. Lisboa, IN-CM, 2012.
  • Fado: Um património vivo (A living heritage), trad. David Cranmer, Lisboa, CTT: Correios de Portugal, 2012.
  • Fado (com Carminho), Julião Sarmento, texto Rui Vieira Nery, trad. Sean Linney, fot. Fernando Piçarra, Filipa Braga, Lisboa, Projecto Travessa da Ermima, Mercador do Tempo, 2013.
  • Os sons da República, Lisboa, IN-CM, 2015.

Referências