Veganismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Veganismo é uma ideologia de vida que procura excluir, na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração animal, seja na alimentação, vestuário ou qualquer outro meio. Os veganos não consomem alimentos de origem animal, como carne (incluindo peixes, moluscos e insetos), laticínios, ovos e mel - além de evitar materiais derivados de animais, produtos testados em animais e lugares que usam animais para entretenimento. Embora a dieta vegana e o princípio da não exploração dos animais tenham sido definidos na fundação da Sociedade Vegana em 1944, Leslie J. Cross, em 1949, achava que a sociedade carecia de uma definição mais ligada aos "direitos animais", exigindo de seus membros a estrita obediência a esses termos, “o princípio da emancipação dos animais da exploração pelo homem”. Isto foi posteriormente definido como “buscar o fim do uso de animais pelo homem para alimentação, mercadorias, trabalho, caça, vivissecção e quaisquer outros usos envolvendo a exploração da vida animal pelo homem”.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo Vegan (pronuncia-se víg:an), em inglês, foi cunhado pela primeira vez, em novembro de 1944, no lançamento do jornal "Vegan News" em Londres. A origem do nome é dúbia. Segundo o próprio Watson, o nome é uma redução do nome "Allvegan", sugestão de seus amigos, o casal Henderson. A outra versão, mais conhecida, é que a palavra foi criada por Donald Watson e sua esposa Dorothy Morgan como uma corruptela da palavra "vegetarian" (vegetariano), em que se consideram as 3 primeiras e as 2 últimas letras, excluindo o "etari", para formar a palavra vegan; significando o começo e o fim do vegetariano. No português do Brasil, acrescentou-se a vogal "a" ou "o", formando o termo vegano ou vegana. Em Portugal a palavra mantém a grafia original inglesa. A grafia original inglesa também é utilizada no Brasil (vegan; plural: vegans).

História[editar | editar código-fonte]

O Vegetarianismo no Século XIX[editar | editar código-fonte]

A ideia de viver de uma alimentação baseada estritamente em alimentos vegetais, no ocidente, existe há muito tempo. No século XIX já havia inúmeros debates entre vegetarianos que consumiam produtos lácteos e/ou ovos e vegetarianos estritos. Em 1809, o Dr. William Lambe, um pioneiro do vegetarianismo estrito, escreveu livros sobre os possíveis benefícios desta dieta no tratamento do câncer hepático e do estômago, e, em 1854, para outras doenças, algumas crônicas.[1][2] A Sociedade Vegetariana (The Vegetarian Society) foi fundada em 30 de setembro de 1847, em Northwood Villa, Ramsgate, Kent, Inglaterra, posteriormente transferindo sua sede para Manchester, em 1849, mesmo ano da primeira publicação de seu periódico "The Vegetarian Messenger".[3] Assim, só a palavra “Vegan” era uma novidade em 1944.

O Vegetarianismo no Início do Século XX[editar | editar código-fonte]

A discussão sobre o uso de produtos lácteos e ovos na dieta vegetariana era recorrente na Sociedade Vegetariana desde 1909. Em 1931, Ghandi discursou para a Sociedade Vegetariana de Londres a palestra “The Moral Basis of Vegetarianism”[4] (A Base Moral do Vegetarianismo). Em 1938, a palestra "Saúde Sem Produtos Lácteos”, foi ministrada pelos médicos Dr. Cyril V. Pink e Dr. William White, que repetidamente em suas palestras e escritos testemunhavam sobre a condição superior de bebês criados sem leite de vaca.[5]

O Veganismo[editar | editar código-fonte]

Donald Watson (1910-2005) tornou-se vegetariano em 1924, em uma resolução de fim de ano, após testemunhar aos 13 anos de idade o abate de um porco na fazenda de seu tio, em South Yorkshire, Inglaterra. Durante a depressão dos anos 1930, Watson, um técnico em carpintaria, trabalhou como professor de carpintaria em Loceister, filiando-se a filial da Sociedade Vegetariana local onde passou a trabalhar como secretário. Donald Watson também acreditava que a dieta vegetariania não deveria utilizar produtos lácteos e/ou ovos. A edição de fevereiro de 1944 de "The Vegetarian Messenger" trazia um artigo da irmã de Donald Watson, Eva, intitulado "Eliminando produtos lácteos: como as dificuldades podem ser superadas",[6] com dicas úteis e eficazes. Nas edições de março e abril foi publicado o artigo, em duas partes, "Should Vegetarians Eat Dairy Produce?" (Vegetarianos devem comer produtos lácteos?), de Donald Watson. Os artigos dos irmãos Watson foram baseados em apresentações que eles haviam feito em dezembro de 1943 para a Sociedade Vegetariana de Loceister. Os artigos tiveram uma grande repercussão na Sociedade Vegetariana e, em resposta aos artigos, foi realizado um debate organizado pela Sociedade Vegetariana de Croydon, ainda em abril de 1944 com um público que ia além do grupo de Croydon. O debate foi considerado tão importante que mereceu um relatório de 2 páginas do "The Vegetarian Messenger" de junho de 1944. O debate foi presidido e organizado por Elsie Shrigley (Sally) (1899 – 1978),[7] secretária honorária da Sociedade Vegetariana de Croydon. Donald Watson propôs a moção “That vegetarians should aim at eliminating dairy produce from their diet” (Que os vegetarianos devem procurar eliminar os produtos lácteos da sua dieta), que foi aceita por ampla maioria (30x2). Embora o número de vegetarianos "não lácteos", "totais", "puros", "completos" ou "estritos" estivesse crescendo, eles ainda não eram organizados. Em agosto de 1944, movidos pelo sucesso da moção, que ia muito além da típica realidade dos vegetarianos britânicos, Watson e Sally sugeriram para a tradicional Sociedade Vegetariana de Manchester que fosse criado um grupo com essa proposta dentro da sociedade e uma seção especial dentro do seu periódico. O conselho da Sociedade Vegetariana concluiu que o grupo teria maior liberdade para combater o uso dos derivados animais como um grupo externo a sociedade e recusou a proposta, sugerindo que Watson montasse um grupo fora, mas que a Sociedade divulgaria os textos do grupo nas páginas do "Vegetarian Messenger", o que já acontecia com todos os grupos existentes, como a Sociedade Vegetariana de Loceister, a Sociedade Vegetariana de Croydon e outras tantas sociedades e clubes vegetarianos que existiam e que recebiam suporte das Sociedades Nacionais, porém não eram administradas por elas. O comitê da Sociedade Vegetariana de Manchester não rejeitava o movimento contra os produtos animais na dieta. Watson aceitou a sugestão e formou um grupo chamado "Non-dairy Produce Group" (Grupo dos produtos não-Lácteos) e escreveu uma carta publicada ao editor publicada no "The Vegetarian Messenger", na edição de novembro de 1944, anunciando a formação do grupo, que um jornal seria publicado e solicitando ajuda financeira aos interessados.[8] Ainda em novembro de 1944, lançaram seu próprio jornal, o "The Vegan News - Quaterly Magazine of the non-dairy vegetarians" (Vegan News - O jornal dos vegetarianos não-lácteos), um manifesto com as premissas desta nova sociedade que, entre outras coisas, solicitava que quem quisesse aderir que colaborasse com dinheiro e sugestões para o nome da sociedade que estava sendo formada.[9] O segundo número do jornal saiu em fevereiro de 1945, ainda com o mesmo nome e apresentava os nomes até então sugeridos: Allvega / Allvegan / Total Vegetarian Group / Allveg / Allvegist / The True Vegetarian / Neo- Vegetarian / Dairyban / Vitan / Benevore / Benevorous News / Sanivore / Beaumanger / Bellevore (lista compacta). E continuava solicitando que fossem enviadas sugestões. Em abril de 1945, o grupo decide que o nome da sociedade será "The Vegan Society" e a terceira edição do "The Vegan News", de maio de 1945, aparece pela primeira vez com o subtítulo "Quarterly Organ of The Vegan Society".[10] Junto com o novo subtítulo também foi decidido um novo cabeçalho trazendo a primeira definição de veganismo:

  • O VEGANISMO é a prática de viver de frutas, nozes, vegetais, grãos e outros produtos não animais saudáveis.
  • O VEGANISMO exclui como alimento humano: carne, peixe, galinha, ovos, mel; e leite de animais, manteiga e queijo.
  • O VEGANISMO visa incentivar a fabricação e o uso de alternativas aos produtos animais.

Desde 1994, ano do 50º aniversário da criação da Vegan Society, na Inglaterra, o dia 1 de Novembro ficou marcado como o Dia Mundial Vegano (World Vegan Day).

Origem do Nome[editar | editar código-fonte]

"Antes do lançamento de nossa primeira edição, o Sr. e a Sra. G. A. Henderson sugeriram a palavra “Allvega”, com “Allvegan” como título da revista. Foi daí que a palavra Vegan foi tirada e, recentemente, o Sr. e a Sra. Henderson escreveram afirmando que preferem a versão mais curta."
Donald Watson, 1945[11]
"Convidei meus primeiros leitores a sugerirem uma palavra mais concisa para substituir o “vegetariano não-lácteo”. Algumas sugestões bizarras foram feitas, como “dairyban", "vitan", "benevore", "sanivore", "beaumangeur” et cetera. Eu decidi por minha própria palavra, “vegan”, contendo as três primeiras e últimas duas letras de “vegetariano” - “o começo e o fim do vegetariano”. A palavra foi aceita pelo Oxford English Dictionary e ninguém tentou melhorá-la."
Donald Watson, 2004[12]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Veganismo não é dieta. É um conjunto de práticas focadas nos Direitos dos Animais e, por consequência, entre elas, está a adoção de uma alimentação estritamente vegetariana. Vegans, ou Veganos, entendem que os animais têm o direito de não serem usados como propriedade, e que o veganismo é a base ética para levar esse direito a sério. Veganos referem-se às outras espécies como "animais não humanos" ou "seres sencientes", uma vez que eles têm uma consciência semelhante à consciência humana, declaração dada como verificada e reconhecida na Declaração de Cambridge sobre a Consciência em Humanos e não Humanos,[13] assim, para eles, é incorreto distinguí-los dos seres humanos como "animais irracionais". Um dos expoentes da filosofia vegana é o autor do livro Animal Liberation (Libertação Animal), de 1975, considerado um marco no direito dos animais, o filósofo australiano Peter Albert David Singer. Peter Singer, que apoia plenamente a causa da libertação animal, recomenda o veganismo, apesar dele mesmo não ser vegano.[14] Outra prática inerente ao veganismo é evitar ao máximo o uso de quaisquer produtos de origem animal ou em que tenham sido usados animais em qualquer fase de seu desenvolvimento. Esta é uma prática bastante difícil, que requer muito conhecimento, curiosidade, dedicação e abdicação, já que o desenvolvimento da sociedade, e de suas tecnologias, quase que na totalidade, envolve o uso de produtos de origem animal para sua síntese ou desenvolvimento. Derivados de origem animal estão em produtos de uso diário, como dinheiro, carros, tintas, corantes alimentares, remédios, vitaminas, vacinas e outros.[15][16]

Ativismo Político[editar | editar código-fonte]

Entre as práticas fomentadas pela sociedade vegana e outros grupos veganos está o ativismo político. Esse ativismo é inspirado, entre outros, pelo livro Ethics into Action (Ética em Ação), 1998, de Peter Singer, que conta como o advogado, defensor dos direitos dos animais, Henry Spira, inspirou-se no livro Libertação Animal, do mesmo autor, para tornar suas lições de ética em ideias práticas para salvar o maior número possível de animais. Entre os grupos ativistas conhecidos que mais inspiram os veganos estão o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals / Pessoas para o tratamento ético dos animais), fundado por Ingrid Newkirk e Alex Pacheco, em 1980, e o ALF (Animal Liberation Front / Frente de Libertação Animal), fundado por Ronnie Lee e Cliff Goodman, em 1972. O PETA ganhou notoriedade em 1981 com o caso dos macacos de Silver Spring, em que Alex Pacheco foi trabalhar disfarçado no Instituto de Pesquisas Comportamentais de Silver Spring, Maryland e denunciou os maus-tratos para a polícia. Era a primeira vez na história americana que a polícia dava uma batida em um laboratório de pesquisas e o primeiro laboratório de pesquisas a ter um caso julgado pela suprema corte americana, e o caso resultou em uma emenda ao ato do bem-estar animal em 1985.[17] O primeiro ato do ALF que se tem registro data de 1972, quando ainda com o nome "Band of Mercy", um grupo de 12 pessoas atacou veículos de caçadores, rasgando seus pneus e quebrando seus vidros, para impedir que fossem caçar.[18] Em 1976, após ter cumprido um ano de uma sentença de três anos por atacar as colônias de animais de laboratório da Oxford, Lee, segundo Molland, queria um nome que assombrasse aqueles que usavam animais, então criou o ALF.[19]

Saúde e Alimentação[editar | editar código-fonte]

O vegetarianismo abrange uma ampla variedade de práticas dietéticas com diferentes implicações para a saúde. Assim, há diferentes definições e fundamentações das práticas vegetarianas, como, por exemplo: a dieta lactoovovegetariana, que inclui produtos lácteos e ovos; a lactovegetariana, que inclui apenas produtos lácteos; a ovovegetariana, que inclui apenas ovos; a dieta vegetariana estrita, que não contém nenhum produto de origem animal; e a dieta vegana, uma dieta vegetariana estrita pura, ou seja, exclue da alimentação quaisquer produtos de origem animal e seus derivados, como leite, ovos, mel e, também, produtos que possam ou não conter algum derivado animal, como algumas massas, bolos e pães. A macrobiótica, que inclui o consumo esporádico de pequenas quantidades de determinados tipos de carne, como peixes e aves ("carnes brancas"), às vezes é confundida com o vegetarianismo. As dietas não-vegetarianas, nas quais o consumo de carne é freqüente, são denominadas dietas onívoras. Qualquer uma das variedades dietéticas relacionadas acima, desde que corretamente planejada, é apropriada em todos os estágios do ciclo de vida e pode garantir um suporte nutricional adequado.

Dietas vegetarianas oferecem uma série de vantagens, incluindo níveis mais baixos de gordura saturada e colesterol e, ainda, níveis mais altos de carboidratos, fibras, magnésio, boro, ácido fólico, antioxidantes, como vitaminas C e E, carotenóides e fitoquímicos.[20][21] É mais fácil compor uma dieta vegana adequada atualmente do que era há uma década, pois, já que o mercado se tornou mais versátil e amplo, o número de produtos fortificados e suplementos dietéticos também aumentou, assim, novos alimentos vegetarianos de conveniência estão disponíveis e há um maior conhecimento acerca do significado de uma dieta vegetariana e da importância dessa ser adequadamente planejada. No entanto, estudos mostram que, devido a diferentes escolhas alimentares, a ingestão de alimentos e nutrientes dos vegetarianos varia entre os subgrupos (por exemplo, semi-vegetarianos, lactovegetarianos e vegans).[22] Além disso, mesmo dentro do mesmo subgrupo, por exemplo o dos veganos, a ingestão individual de alimentos pode variar consideravelmente.[23] Os fatores conhecidos por influenciar a ingestão de comida dos vegetarianos são, entre outros: o ethos do regime vegetariano; conhecimento sobre uma dieta vegana equilibrada e saudável; variedade da disponibilidade de comida vegetariana; uso de alimentos enriquecidos; e hábitos de suplementação.[24][25] Segundo a Academia Americana de Nutrição e Dietética, uma dieta vegana pode ser saudável desde que o indivíduo siga algumas precauções.[26] Conforme aumenta a restrição de ingestão de proteínas animais, aumenta a necessidade de conhecimento da composição dos alimentos e do modo de preparo dos vegetais para uma dieta balanceada com maior biodisponibilidade dos nutrientes existentes (por exemplo, a sinergia dos alimentos[nota 1]). Veganos e vegetarianos estritos, podem precisar de fontes suplementares de vitamina B12 (cianocobalamina),[27][28] vitamina D (25-hydroxyvitamin D),[29][30] iodo,[31][32] cálcio,[33][34][35] zinco,[36][37] ácidos graxos ômega 3 de cadeia longa[38][39] e, ocasionalmente, riboflavina (vitamina B2 ou G)[40][41] , que são mais baixos do que o recomendado (ou indisponíveis) nos alimentos vegetais, mas que podem ser encontrados em alimentos enriquecidos e suplementos.

Benefícios e Riscos[editar | editar código-fonte]

Embora as taxas de mortalidade entre vegetarianos e onívoros não sejam significativamente diferentes, tem sido relatado que vegetarianos possuem índices de massa corporal mais baixos, bem como taxas mais baixas de morte por isquemia cardíaca; vegetarianos também apresentam níveis mais baixos de colesterol no sangue; menor pressão arterial; e menores taxas para hipertensão, e parecem ter menor propensão a ter diabetes tipo 2 e câncer de próstata e do cólon.[26] Desde que bem planejadas, as dietas vegetarianas são adequadas para todo o ciclo de desenvolvimento do ser humano, de bebês a adultos, incluindo gravidez e lactação.[42][43] As dietas vegetarianas também podem atender às necessidades de atletas, no entanto algumas modificações podem ser necessárias para atender às suas necessidades específicas, com atenção especial às necessidades dos atletas adolescentes em relação a proteína, energia, ferro e cálcio.[44] Vegetarianos parecem ter uma taxa de câncer menor que a população em geral, mas não está claro, se isto é devido ao tipo de dieta. Quando fatores de risco não-dietéticos são considerados, esta diferença diminui consideravelmente, permanecendo significativa apenas para tipos específicos de câncer.[45] Bebês vegetarianos que recebem quantidades adequadas de leite materno ou, na impossibilidade deste, de fórmulas comerciais, e suas dietas contém boas fontes de energia e nutrientes como ferro, vitamina B12 e vitamina D, têm crescimento normal durante a infância.[46] Dietas extremamente restritivas, como dietas crudívoras, têm sido associadas a um crescimento deficiente e, portanto, não são recomendadas para bebês e crianças.[20] Poucas informações sobre o crescimento de crianças veganas estão disponíveis, no entanto alguns trabalhos sugerem que as crianças tendem a ser um pouco menores, mas dentro dos limites normais de peso e altura. Um fraco desenvolvimento tem sido observado principalmente nas dietas muito restritas.[43][47]

Referências Externas[editar | editar código-fonte]

Para maiores informações sobre os alimentos e práticas do veganismo, dicas de produtos e outros, existem diversos grupos nacionais e internacionais com páginas na internet. Abaixo seguem alguns exemplos:

Notas

  1. Quando dois ou mais ingredientes interagem entre si durante a digestão, facilitando a absorção de todos os nutrientes envolvidos, ocorre a sinergia alimentar. Dessa forma, os benefícios ao organismo são muito mais amplos e completos do que quando esses alimentos são ingeridos isoladamente.

Referências

  1. William Lambe, M.D. (1809). Reports on the effects of a peculiar regimen on scirrhous tumours and cancerous ulcers. London: J. MCreery for J. Mawman. 192 páginas 
  2. William Lambe, M.D. (1854). Water and vegetable diet in consumption, scrofula, cancer, asthma, and other chronic diseases. New York: Fowlers and Wells. 268 páginas 
  3. The Vegetarian Society, ed. (1849). The Vegetarian Messenger. Volume I. London: Fred Pitman. p. 4 
  4. Ghandi, M.K. (20 de novembro de 1931). «The Moral Basis of Vegetarianism». International Vegetarian Union (IVU). EVU News 
  5. Infants' Dietary: As Recommended at Stonefield Maternity Home, Kidbrooke Grove, Blackheath, S.E.3. Sun Lane: Heathway Press. 1934. 26 páginas 
  6. Eva Watson (Fevereiro de 1944). «Eliminating Dairy Produce: How the difficulties can be overcome». The Vegetarian Messenger Health Review: 38-39 
  7. Calvert, S. (27 de abril de 2016). «In search of Sally – The Lesser Known Founder of The Vegan Society with Donald Watson». Veggie Vision 
  8. Donald Watson (Novembro de 1944). «Letter-Box: Non-Dairy Produce Group». The Vegetarian Messenger Health Review 
  9. Watson (1944). «Vegan News» (PDF). UKVeggie 
  10. Donald Watson (Maio de 1945). «Quarterly Organ of The Vegan Society». The Vegan News. 3 
  11. Donald Watson (Fevereiro de 1945). «Quaterly Magazine of the non-dairy vegetarians». The Vegan News. 2: 2 
  12. Donald Watson (2004). «24 Carrot: Interview with Donald Watson». Vegetarians in Paradise. Los Angeles, USA 
  13. Low, Philip (2 de Julho de 2012). Panksepp, J.; Reiss, D.; Edelman, D.; Van Swinderen, B.; Low, P. and Koch, C., ed. The Cambridge Declaration on Consciousness (PDF). Francis Crick Memorial Conference on Consciousness in Human and non-Human Animal. Churchill College, Cambridge, Reino Unido 
  14. Chaves, F. (2 de setembro de 2013). «Peter Singer, autor do clássico livro "Libertação Animal", não acredita na libertação animal». Vista-se 
  15. Jodie Halford (8 de dezembro de 2016). «How difficult is it to avoid animal products in everyday life?». BBC News 
  16. Tatsuma Yao, Yuta Asayama (2017). «Animal‐cell culture media: History, characteristics, and current issues». Reprod Med Biol. 16 (2): 99–117. PMID 29259457. doi:10.1002/rmb2.12024 
  17. Peter Carlson (1991). «The Great Silver Spring Monkey Debate». Washington Post 
  18. Best, Steven & Nocella, Anthony J. (2004). Terrorists or Freedom Fighters?. [S.l.]: Lantern Books. p. 8 
  19. Molland, Neil (2004). «Thirty Years of Direct Action». In: Best, Steven & Nocella, Anthony J. (ed.). Terrorists or Freedom Fighters?. [S.l.]: Lantern Books. pp. 70–74 
  20. a b Messina, M.J. & Messina, V.L. (1996). The Dietitian’s Guide to Vegetarian Diets: Issues and Applications. Gaithersburg, MD: Aspen Publishers 
  21. Craig, W.J. (2010). «Nutrition concerns and health effects of vegetarian diets.». Nutr Clin Pract. 25 (6): 613-620. PMID 21139125. doi:10.1177/0884533610385707 
  22. Fraser, G.E. (2009). «Vegetarian diets: what do we know of their effects on common chronic diseases?» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 89 (5): 1607S–1612S. doi:10.3945/ajcn.2009.26736K 
  23. Larsson, C.L. & Johansson, G.K. (2002). «Dietary intake and nutritional status of young vegans and omnivores in Sweden» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 76 (1): 100–106. PMID 12081822. doi:10.1093/ajcn/76.1.100 
  24. Haddad, E.H.; Berk, L.S,; Kettering, J.D.; Hubbard, R.W. & Peters, W.R. (1999). «Dietary intake and biochemical, hematologic, and immune status of vegans compared with nonvegetarians» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 70 (3): 586s–593s. doi:10.1093/ajcn/70.3.586s 
  25. Larsson, C.L.; Klock, K.S.; Åstrøm, A.N.; Haugejorden, O. and Johansson, G. (2001). «Food habits of young Swedish and Norwegian vegetarians and omnivores» (PDF). Public Health Nutrition. 4 (5): 1005-1014. doi:10.1079/PHN2001167 
  26. a b Craig W.J., Mangels A.R.; American Dietetic Association (2009). «Position of the American Dietetic Association: vegetarian diets.». J Am Diet Assoc. 109 (7): 1266–1282. PMID 19562864. doi:10.1016/j.jada.2009.05.027 
  27. Obersby, D.; Chappell, D.C.; Dunnett, A. & Tsiami, A.A. (2013). «Plasma total homocysteine status of vegetarians compared with omnivores: a systematic review and meta-analysis». British Journal of Nutrition. 109 (5): 785–794. PMID 23298782. doi:10.1017/S000711451200520X 
  28. Elmadfa, I. & Singer, I. (2009). «Vitamin B-12 and homocysteine status among vegetarians: a global perspective» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 89 (5): 1693S–1698S. doi:10.3945/ajcn.2009.26736Y 
  29. Chan, J.; Jaceldo-Siegl, K. & Fraser, G.E. (2009). «Serum 25-hydroxyvitamin D status of vegetarians, partial vegetarians, and nonvegetarians: the Adventist Health Study-2» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 89 (5): 1686S–1692S. doi:10.3945/ajcn.2009.26736X 
  30. Crowe, F.L.; Steur, M.; Allen, N.E.; Appleby, P.N.; Travis, R.C. & Key, T.J. (2011). «Plasma concentrations of 25-hydroxyvitamin D in meat eaters, fish eaters, vegetarians and vegans: results from the EPIC–Oxford study» (PDF). Public Health Nutrition. 14 (2): 340-346. doi:10.1017/S1368980010002454 
  31. Krajčovičová-Kudláčková, M.; Bučková, K.; Klimeš, I. & Šeboková, E. (2003). «Iodine Deficiency in Vegetarians and Vegans». Annals of Nutrition and Metabolism. 47 (5): 183–185. PMID 12748410. doi:10.1159/000070483 
  32. Leung, A.M.; LaMar, A.; He, X., Braverman, L.E. & Pearce, E.N. (2011). «Iodine status and thyroid function of Boston-area vegetarians and vegans.» (PDF). J Clin Endocrinol Metab. 96 (8): E1303–E1307. PMID 21613354. doi:10.1210/jc.2011-0256 
  33. Smith, A.M. (2006). «Veganism and osteoporosis: a review of the current literature.». International Journal of Nursing Practice. 12 (5): 302-306. PMID 16942519. doi:10.1111/j.1440-172X.2006.00580.x 
  34. Tucker, K.L. (2014). «Vegetarian diets and bone status.» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 100 (Suppl. 1): 329S–335S. PMID 24898237. doi:10.3945/ajcn.113.071621 
  35. Hansen, T.H.; Madsen, M.T.B.; Jørgensen, N.R.; Cohen, A.S.; Hansen, T.; Vestergaard, H.; Pedersen, O. & Allin, K.H. (2018). «Bone turnover, calcium homeostasis, and vitamin D status in Danish vegans.». European Journal of Clinical Nutrition. 72 (7): 1046-1054. PMID 29362456. doi:10.1038/s41430-017-0081-y 
  36. Bortoli, M.C. & Cozzolino, S.M. (2008). «Zinc and selenium nutritional status in vegetarians.». Biological Trace Element Research. 127 (3): 228–233. PMID 18953504. doi:10.1007/s12011-008-8245-1 
  37. Foster, M.; Chu, A.; Petocz, P. & Samman, S. (2013). «Effect of vegetarian diets on zinc status: a systematic review and meta-analysis of studies in humans.». Journal of the Science of Food and Agriculture. 93 (10): 2362-2371. PMID 23595983. doi:10.1002/jsfa.6179 
  38. Sanders, T.A.B. (2009). «DHA status of vegetarians». Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids. 81 (2-3): 137–141. PMID 19500961. doi:10.1016/j.plefa.2009.05.013 
  39. Kornsteiner, M.; Singer, I. & Elmadfa, I. (2008). «Very low n-3 long-chain polyunsaturated fatty acid status in Austrian vegetarians and vegans.». Annals of Nutrition and Metabolism. 52 (1): 37-47. PMID 18305382. doi:10.1159/000118629 
  40. Vudhivai, N.; Ali, A.; Pongpaew, P.; Changbumrung, S.; Vorasanta, S.; Kwanbujan, K.; Charoenlarp, P.; Migasena, P. & Schelp, F.P. (1991). «Vitamin B1, B2 and B6 status of vegetarians.». Journal of the Medical Association of Thailand. 74 (10): 465-470. PMID 1797957 
  41. Majchrzak, D.; Singer, I.; Männer, M.; Rust, P.; Genser, D.; Wagner, K.H. & Elmadfa, I. (2006). «B-vitamin status and concentrations of homocysteine in Austrian omnivores, vegetarians and vegans.». Annals of Nutrition and Metabolism. 50 (6): 485-491. PMID 16988496. doi:10.1159/000095828 
  42. Messina, V. & Mangels, A.R. (2001). «Considerations in planning vegan diets: Children.» (PDF). J Am Diet Assoc. 101 (6): 661-669. PMID 11424545. doi:10.1016/S0002-8223(01)00167-5 
  43. a b Hebbelinck, M. & Clarys, P. (2001). «Physical growth and development of vegetarian children and adolescents.». In: Sabate, J. (ed). Vegetarian Nutrition. Boca Raton, Fl: CRC Press. p. 173-193 
  44. American Dietetic Association; Dietitians of Canada; American College of Sports Medicine; Rodriguez, N.R.; Di Marco, N.M.; Langley, S. (2009). «American College of Sports Medicine position stand. Nutrition and athletic performance.». Medicine & Science in Sports & Exercise. 41 (3): 709-731. PMID 19225360. doi:10.1249/MSS.0b013e31890eb86 
  45. Fraser, G.E. (1999). «Associations between diet and cancer, ischemic heart disease, and all-cause mortality in non-Hispanic white California Seventh-day Adventists.» (PDF). The American Journal of Clinical Nutrition. 70 (3 Suppl.): 532S-538S. PMID 10479227. doi:10.1093/ajcn/70.3.532s 
  46. Mangels, R. & Driggers, J. (2011). «The Youngest Vegetarians: Vegetarian Infants and Toddlers». ICAN: Infant, Child, & Adolescent Nutrition. 4 (1): 8-20. doi:10.1177/1941406411428962 
  47. O’Connell, J.M.; Dibley, M.J.; Sierra, J.; Wallace, B.; Marks, J.S. & Yip, R. (1989). «Growth of vegetarian children: The Farm study.». Pediatrics. 84 (3): 475-481. PMID 2771551 

Páginas Relacionadas[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete veganismo.

| Direitos animais | Vegetarianismo | Lista de veganos famosos | Não matar | Freeganismo


Vegetarianismo