Aeródromo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Aeródromo[nota 1] é qualquer superfície, terrestre ou aquática, que possua infraestrutura destinada à aterragem (inclusive amaragem), à decolagem e à movimentação de aeronaves sobre tal superfície.[nota 2]

Em Portugal, um pequeno aeródromo de importância regional que atenda primariamente aos voos da aviação geral é vulgarmente conhecido como "campo de aviação".[carece de fontes?]

Classificação dos aeródromos[editar | editar código-fonte]

Classificação por tipo[editar | editar código-fonte]

O conceito de aeródromo é bastante abrangente, razão por que existem diversos tipos de aeródromo, ou seja, diversas superfícies, inclusive sobre a água, que podem ser consideradas aeródromos. Exemplos de aeródromos incluem:

  • Todos os aeroportos.[3] No Brasil, todo aeroporto é um aeródromo público, e, para que adquira status de aeroporto, é necessário que, além de ser público, o aeródromo possua instalações e facilidades que deem suporte às operações das aeronaves e ao embarque e desembarque de pessoas e cargas.[nota 3]
  • Todos os helipontos, inclusive os situados no topo de edifícios, de navios, de plataformas de petróleo etc.
  • Todos os heliportos, independentemente de serem autônomos ou estarem situados dentro de grandes aeroportos.
  • Todos os demais aeródromos, inclusive os que utilizam pistas de terra em fazendas, descampados etc. e os que estejam situados em lagos, lagoas etc. (destinados aos pousos e decolagens de hidroaviões).

Classificação por finalidade de uso[editar | editar código-fonte]

Os aeródromos são classificados em civis ou militares.[nota 4] Os aeródromos civis têm por finalidade a utilização de aeronaves civis e os militares a utilização de aeronaves militares, porém os aeródromos civis poderão ser utilizados por aeronaves militares e vice-versa, desde que nos termos estabelecidos pela autoridade aeronáutica.

Subclassificação dos aeródromos civis[editar | editar código-fonte]

Os aeródromos civis subclassificam-se em públicos e privados.[nota 5] A diferença básica reside no fato de que os aeródromos civis públicos podem ser explorados comercialmente, mas os civis privados não.

Subclassificação dos aeródromos militares[editar | editar código-fonte]

Os aeródromos militares não são subclassificados, tendo em vista que, dada a natureza e finalidade deles, estabelecida por legislação específica, tratam-se todos evidentemente de aeródromos públicos que não podem ser explorados comercialmente.

Estrutura de um aeródromo[editar | editar código-fonte]

Os principais elementos estruturais de um aeródromo são:[nota 6]

  • Pátio: região de um aeródromo terrestre na qual as aeronaves são abrigadas para que se possa executar:
    1. O embarque e desembarque de passageiros e cargas.
    2. O reabastecimento das aeronaves.
    3. O estacionamento e manutenção das aeronaves.
  • Área de manobras: região do aeródromo destinada ao pouso, à decolagem e ao taxiamento das aeronaves. Exclui o(s) pátio(s).
  • Área de movimento: região do aeródromo destinada ao pouso, à decolagem e ao taxiamento das aeronaves, e destinada também às atividades que são realizadas no(s) pátio(s) do aeródromo. Em outras palavras: área de movimento = área de manobras + pátio(s).
  • Área de pouso ou pista: porção da área de movimento destinada aos pousos e decolagens das aeronaves.

Nos aeroportos há também ao menos um aerogare ou terminal aeroportuário, que é uma edificação na qual os passageiros e/ou cargas são todos movimentados entre os transportes de solo e as facilidades que lhes permitem embarcar e desembarcar das aeronaves.[5] O aerogare de passageiros é denominado terminal de passageiros[6] e o aerogare de cargas é denominado terminal de cargas.[7] Um exemplo é o Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos, que possui 3 terminais de passageiros e 1 terminal de cargas.[nota 7]

Aeródromos por país[editar | editar código-fonte]

Em Portugal existem aproximadamente 40 aeródromos, incluindo os três aeroportos.[9]

O Brasil possui aproximadamente 2901 aeródromos civis privados[10] e 714 aeródromos civis públicos.[11] Desses aeródromos civis públicos, 44 são aeroportos (nacionais ou internacionais), dos quais 32 são internacionais.[nota 8] O Brasil também possui 29 aeródromos exclusivamente militares.[nota 9]

Notas

  1. Do grego αέρος [aéros], que significa "ar", e δρόμος [drómos], que significa "caminho" ou "via".
  2. Vide o art. 27 do Código Brasileiro de Aeronáutica[1] e a definição que consta na pág. 1-2 do volume I do anexo 14[2] da Convenção sobre Aviação Civil Internacional.
  3. Vide o inciso I do art. 31 do Código Brasileiro de Aeronáutica.[1]
  4. Vide o art. 28 do Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA).[1]
  5. Vide o art. 29 do Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA).[1]
  6. Definições baseadas no que dispõe a página 3 da IAC 2308-0690/90.[4]
  7. Na página de contatos[8] do aeroporto internacional de São Paulo-Guarulhos há várias menções aos três terminais de passageiros e ao terminal de cargas.
  8. Consulte a seção "AD 1.3" (índice de aeródromos) da parte "AD" (aeródromos) da AIP-BRASIL.[12]
  9. Para chegar a este número é necessário consultar o Capítulo III do ROTAER[13] e contabilizar todos os aeródromos MIL (militares).

Referências

  1. a b c d BRASIL (19 de dezembro de 1986). Lei federal ordinária nº 7.565. Casa Civil. Página visitada em 8 de março de 2014. "Dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica."
  2. Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) (2009). Aerodromes: Volume I - Aerodrome Design and Operations (PDF) (em inglês). Busybee (Verizon Online LLC). Página visitada em 8 de março de 2014. "5ª edição"
  3. PORTUGAL. Aeródromos e Pistas UL (ASPX). Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC). Página visitada em 8 de março de 2014.
  4. BRASIL (18 de junho de 1990). Instrução de Aviação Civil nº 2308-0690 (PDF). Agência Nacional de Aviação Civil. Página visitada em 8 de março de 2014.
  5. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Acesso em 25 de maio de 2011.
  6. Folha de SP. Figurantes vão testar os serviços do novo terminal de Cumbica. GRU Airport. Página visitada em 8 de março de 2014.
  7. Terminal de cargas (ASPX). GRU Cargo. Página visitada em 8 de março de 2014. "Página da GRU Cargo, subsidiária da GRU Airport, que por sua vez é a administradora do Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos"
  8. GRU Airport. Contato. Página visitada em 8 de março de 2014.
  9. Existem 40 aeródromos em Portugal. DN Portugal (15 de fevereiro de 2010). Página visitada em 8 de março de 2014.
  10. BRASIL. Lista de Aeródromos Privados (XLS). Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Página visitada em 8 de março de 2014.
  11. BRASIL. Lista de Aeródromos Públicos (XLS). Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Página visitada em 8 de março de 2014.
  12. BRASIL. COMAER. DECEA. Publicação de Informação Aeronáutica: Brasil (AIP-BRASIL). AISWEB. Página visitada em 8 de março de 2014.
  13. BRASIL. COMAER. DECEA. Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER). AISWEB. Página visitada em 8 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • ANAC (em português) Website oficial da brasileira Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Página visitada em 8 de março de 2014.
    • Aeródromos (em português) Página da ANAC referente a aeródromos. Página visitada em 8 de março de 2014.
  • INAC (em português) Website oficial do português Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC). Página visitada em 8 de março de 2014.
  • AISWEB (em português) Website oficial do Serviço de Informação Aeronáutica (AIS) do Brasil. Página visitada em 8 de março de 2014.