Avião furtivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Sukhoi PAK FA russo.

Aeronaves Stealth são aquelas que possuem um RCS (Radar Cross Section) baixíssimo. Tal aeronave é capaz de fazer essa proeza refletindo Ondas eletromagnéticas ou as absorvendo. O Stealth não quer dizer necessariamente que a aeronave não será mais detectada pelo radar. As aeronaves continuam sendo detectadas, mas agora com o RCS muito baixo. Dependendo do poder do radar as aeronaves stealth seriam detectadas, mas seriam confundidas com pequenos animais voadores que apresentam um RCS de uma águia, por exemplo. Em conjunto de tácticas de vôo, com a capacidade furtiva das aeronaves, um piloto de um avião Stealth é virtualmente invisivel.[1]

Tecnologia Stealth[editar | editar código-fonte]

Aviões como o F-117 Nighthawk, um avião militar norte americano de pequenas dimensões e que possui uma tecnologia stealth, apresenta uma baixa assinatura radar ou um baixíssimo RCS (equivalente ao de um pardal).[2]

Nascimento[editar | editar código-fonte]

Para fazer o RCS de um avião ser baixo, na década de 70 a agencia de espionagem CIA encomendou uma aeronave que pudesse voar nas grandes altitudes a altíssimas velocidades. Seu projeto se desenvolveu no SR-71 Blackbird.[3]

Como se Ocultar[editar | editar código-fonte]

O SR-71 Blackbird conseguia diminuir o seu RCS pelo fato de que possuir muitos ângulos curvos. Ângulos curvos conseguem dispersar as Ondas eletromagnéticas, assim diminuindo seu RCS. Logo se descobriram novas tecnologias para incrementar, como a invenção do RAM.

Infelizmente as aeronaves B-2 Spirit e F-117 Nighthawk possuem muitos angulos curvos, o que prejudica em muito a sua estabilidade em voo. A solução encontrada foi desenvolver softwares (e usar o Fly-by-wire), para o computador de bordo do avião conseguir se estabilizar durante o voo.

RAM[editar | editar código-fonte]

Radar Absorbent Material (Material de aborção de Radar), o RAM se trata de uma espécie de tinta, que ao se passar sobre o avião, reagiria absorvendo algumas Ondas eletromagnéticas e impedindo sua deflecção. As ondas de radar seriam induzidas pelo campo magnetico desse material para a conversão de energia em calor.[4]

O RAM também é formado por microesferas, as quais desviam o fluxo da onda de radar para outra direção, que não aquela da qual foi sua origem. Desta forma, o radar (fonte de origem do sinal) não terá o retorno do seu eco.

Essa tecnologia norte-americana é muito cara, mas sua capacidade ja foi testada no Afeganistão e no Iraque, demostrando ter desempenho relativamente considerável.

Sinais de Radar - ecos[editar | editar código-fonte]

Os aviões grandes produzem, por princípio, os ecos de radar mais importantes. Mas a forma é igualmente determinante. O Lockheed F-117 é constituído de uma série de pequenas superfícies facetadas. O radar funciona emitindo Ondas eletromagnéticas o que "ecoa" nos aviões e retorna com dados sobre o tamanho, distancia e a velocidade, permitindo se saber de qual aeronave se trata (semelhante ao sonar dos submarinos) graças ao seu design.[5]

Utilização dos furtivos[editar | editar código-fonte]

Aeronave Radar - Big Bird(SA-10C) RCS: Radar - N001-SU27 RCS: Radar - E-3C RSIP RCS:
B-52 150 120 600
Tu-22 141,1 112,8 600
Su-30 104 83,1 600
F-15 89,9 79,8 600
F-22 0,5 4,8 12,8
F-117 7,3 5,8 48,9
B-2 1,2 0,8 13,2
F-15 Silent Eagle 1,8

Durante a guerra do Golfo em 1991, existiam muitas operações de bombardeio, arriscadas para aviões como o gigante B-52 ou o eficiente bombardeiro estratégico F-111, utilizados desde de os anos 60 no Vietnã. Apesar de terem um excelente curriculum, a USAF não queria se dar ao luxo de haver a possibilidade de perda de aeronaves.

A situação pedia eficiência e furtividade. A solução: o F-117. Invisível ao radar, o F-117 é o mais indicado para cumprir missões de bombardeios estratégicos. Suas bombas guiadas a laser acertam alvos com uma precisão de erros de apenas poucos centímetros.

Após o inicio dos desenvolvimentos furtivos, a necessidade da USAF de substituir seus F-15 em serviço, culminou no desenvolvimento do avião caça mais caro e poderoso do planeta, o F-22 Raptor.[6]

Outra necessidade norte americana foi o programa desenvolvimento para um bombardeiro nuclear estratégico. No final, a Boeing apresentou o B-2 Spirit. Custando a bagatela de US$ 2 bilhões, podemos dizer que o B-2 é o mais caro e eficiente bombardeiro do mundo.[7] Enquanto os F-117 podiam destruir apenas 2 alvos por missão, o B-2 é capaz de destruir 17 deles, segundo alguns simultâneos.

Antigas especulações[editar | editar código-fonte]

Abordagem empregada pela Rússia[editar | editar código-fonte]

Não se sabe muitas informações, mas boatos na internet afirmavam que os russos possuiriam um radar que utilizaria um método diferente de detecção de aeronaves. Entretanto, é muito fácil inventar declarações e postá-las na internet, sendo bem mais difícil comprová-las na realidade. De fato, os russos nunca deram ênfase à invisibilidade devido à sua falta de conhecimento em tecnologias stealth. Assim, obrigaram-se a tentar produzir aviões com elevada aerodinâmica e que, a princípio, seriam capazes de fazer manobras que seriam relevantes em situações de combate com aviões norte-americanos.[8]

Porém, o interesse russo mais recente em aeronaves stealth com o desenvolvimento da nova aeronave russa o Pak-fa T-50 demonstrou que, as especulações sobre o possível radar que identifica aeronaves furtivas são falsas, devido a própria Rússia ja desenvolver esse tipo de tecnologia admitindo que, o futuro da aviação se encontra em aeronaves stealth. Neste sentido, este projeto, encontra-se em fase inicial e, se comparada ao projeto do F-22, pode demorar décadas até se tornar operacional.

Angulos curvados diminuem o RCS.
O F-117 Utiliza o RAM e angulos retos para dispersão e absorção das ondas eletromagneticas.
O B-2 americano.

Baixas Frequências de radar[editar | editar código-fonte]

Recentemente um artigo da revista Aviation Week & Space Technology revelou que na operação tempestade no deserto, os americanos haviam montado um centro de pesquisa e desenvolvimento para detecção de aeronaves. Esse grupo estaria utilizando baixas frequências de radar, e que afirmaram ter detectados com dificuldades aeronaves Stealth, mesmo que de forma bastante limitada. "Nada é invisível ao radar de frequência abaixo de 2GHz", afirma o diretor executivo da revista. Apesar da possível detecção, o tamanho das ondas detectadas se comparam com a de um pardal, sendo impossível afirmar que realmente o objeto detectado seria um avião militar.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]