Apriés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Junho de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Esfinge de Apriés. Museu do Louvre

Apriés foi um faraó da XXVI dinastia egípcia que governou na Época Baixa, entre 589 a.C. e 570 a.C.. Apriés é a versão grega do nome egípcio, Uahibré, sendo este faraó mencionado na Bíblia com o nome de Hofra, em Jeremias 44:30.

Era filho do faraó Psamético II, ao qual sucedeu.

Foi um soberano guerreiro, que apoiou os povos da região da Síria-Palestina na luta contra os Babilónios. Contudo, a seu apoio não foi suficiente para impedir a tomada de Jerusalém por Nabucodonosor II em 586 a.C. e o cativeiro dos judeus para a Babilónia. No entanto, muitos judeus conseguiram fugir para o Egipto, onde se fixaram, entre outros sítios, na ilha de Elefantina, onde formaram uma comunidade próspera.

Em 570 a.C. Apriés declarou o seu apoio ao líder de Cirene (na costa líbia) na sua luta contra os Gregos, tendo o faraó enviado um exército para o local. Após a derrota deste exército, estalou uma rebelião entre os soldados, tendo Apriés enviado o seu general Amásis para tentar controlar a situação. O exército acabaria por elegê-lo como novo rei do Egipto.

Tendo tomado conhecimento da eleição de Amásis como rei, Apriés reuniu um exército de mercenários e as duas forças acabaram por se encontrar numa batalha na região noroeste do Delta do Nilo, tendo Apriés sido obrigado a recuar. Amásis ocupou a cidade de Saís, capital do Egipto, embora não tivesse sido reconhecido como rei no sul do país. Em Outubro de 570 a.C. Apriés lançou uma nova tentativa militar para recuperar o poder, mas tendo sido novamente derrotado acabou por abandonar o Egipto.

Apoiado pelo exército babilónio, Apriés regressou ao país em 567 a.C., mas foi feito prisioneiro. Segundo Heródoto, Amásis entregou-o ao povo como traidor, e este o teria estrangulado. Apriés foi contudo sepultado em Sais por Amásis com todas as honras de um rei egípcio.

Apesar da capital da dinastia ter sido Saís no Delta, Apriés ordenou a construção de um grande palácio em Mênfis. A título de curiosidade refera-se que na praça Minerva de Roma encontra-se um obelisco do seu tempo.

Segundo Polieno, Nitetis, filha de Apriés, foi enviada por Amósis II a Ciro, o Grande, como se fosse filha de Amósis; mas quando ela se tornou a esposa preferida de Ciro, disse a ele a verdade, e pediu vingança para o pai. Após a morte de Ciro, Cambises II, filho de Ciro e Nitetis, conquistou o Egito de Psamético III, filho de Amósis II.[1]

Titulatura[editar | editar código-fonte]

Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
nswt&bity
<
N5 V28 D36
D36
F34
>
Transliteração ˁˁ-jb-Rˁ
Transliteração (ASCII) aaib-ra
Transcrição Aaib-rá
Tradução "O coração de Rá está feliz"
Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
G39 N5
 
<
N5 V29 F34
>
Transliteração Wȝḥ-jb-Rˁ
Transliteração (ASCII) Wah-ib-ra
Transcrição Wah-ib-rá
Tradução "Duradouro é o coração de rá"

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Apriés
  • DODSON, Aidan - Monarchs of the Nile. The American University in Cairo Press, 2000. ISBN 9774246004
  • RICE, Michael - Who´s Who in Ancient Egypt. Routledge, 1999. ISBN 0415154480.

Referências

  1. Polieno, Estratagemas, Livro VIII, Capítulo XXIX, Nitetis [fr] [en]
Precedido por
Psamético II
Faraó
XXVI dinastia
Sucedido por
Amósis II


Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.